pamela - richardson personagem espa§o

Download Pamela - Richardson Personagem Espa§o

If you can't read please download the document

Post on 03-Feb-2016

227 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Pamela - Richardson Personagem Espaço

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE DE SO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CINCIAS HUMANAS

    DEPARTAMENTO DE LETRAS MODERNAS PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM ESTUDOS LINGSTICOS E LITERRIOS

    EM INGLS

    CLAUDIA MARIA AFFONSO

    PAMELA UM ESTUDO SOBRE A RELAO PERSONAGEM / ESPAO

    NO ROMANCE INGLS DO SCULO XVIII

    v. 1

    So Paulo 2009

  • 2

    UNIVERSIDADE DE SO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CINCIAS HUMANAS

    DEPARTAMENTO DE LETRAS MODERNAS PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM ESTUDOS LINGSTICOS E LITERRIOS

    EM INGLS

    PAMELA UM ESTUDO SOBRE A RELAO PERSONAGEM / ESPAO

    NO ROMANCE INGLS DO SCULO XVIII

    Claudia Maria Affonso

    Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Estudos Lingsticos e Literrios em Ingls do Departamento de Letras Modernas da Faculdade de Filosofia, Letras e Cincias Humanas da Universidade de So Paulo, para a obteno do ttulo de Mestre em Letras.

    Orientador: Profa. Dra. Sandra Guardini Teixeira Vasconcelos

    v. 1

    So Paulo 2009

  • 3

    AGRADECIMENTOS

    Profa. Dra. Sandra Guardini Teixeira Vasconcelos, professora titular da Faculdade de Filosofia, Letras e Cincias Humanas da USP, pela orientao e por ter tornado esta pesquisa possvel.

    minha famlia: meu pai, que me mostrou o valor do conhecimento; minha me, que me ensinou o gosto pela literatura e a apreciar a beleza da vida; meu marido, pela pacincia e pelo apoio silencioso e amoroso; e, minha irm, que, por ser arquiteta, me instruiu na

    observao do espao.

    Aos professores de minha banca de qualificao, Prof. Dr. Antonio Dimas e Prof. Dr. Daniel Puglia da USP, pelos valiosos comentrios.

    Aos meus colegas do grupo de estudos da Profa. Sandra, pelas inmeras tardes de sexta-feira dedicadas difuso do conhecimento.

    Aos funcionrios da biblioteca da Faculdade de Filosofia, Letras e Cincias Humanas da USP, pela eficincia na manuteno de um centro do saber sem o qual esta pesquisa no teria sido possvel.

    A todos aqueles que, de uma maneira ou outra, contriburam para o desenvolvimento deste estudo.

    Imagem da capa: Pamela is married. Joseph Highmore. leo sobre tela, 1743-4. Acervo da Tate Gallery, Londres. Disponvel em: Acesso em: 11 jul. 2009.

  • 4

    NDICE

    RESUMO ................................................................................................................. 05

    ABSTRACT ............................................................................................................. 06

    1. INTRODUO ....................................................................................................... 07

    2. PAMELA: A RELAO PERSONAGEM / ESPAO NO ROMANCE .............. 11

    2.1. A caracterizao do espao: a manso de Bedfordshire ................................. 16 2.2. A nfase no espao interior ............................................................................. 20 2.3. A centralidade do espao em Pamela ............................................................. 26 2.4. Narrador e modo narrativo .............................................................................. 34 2.5. Um embate no interior da manso de Bedfordshire: carta XV ....................... 50 2.6. A caracterizao das personagens: Pamela e Mr B. ....................................... 62 2.7. A caracterizao do espao: a manso de Lincolnshire .................................. 67 2.8. A importncia do espao exterior ................................................................... 73 2.9. Uma cena no exterior da manso de Lincolnshire: s margens do lago ......... 79 2.10. Consideraes finais ....................................................................................... 87

    3. CONCLUSO ......................................................................................................... 90

    4. APNDICE I: Carta XV .......................................................................................... 95

    5. APNDICE II: Cena do Lago .................................................................................. 97

    6. APNDICE III: Ilustraes de Pamela .................................................................... 101

    7. APNDICE IV: Ilustraes de manses inglesas da poca ..................................... 110

    7. BIBLIOGRAFIA .................................................................................................. 118

  • 5

    RESUMO

    O sculo XVIII foi um perodo de grandes mudanas na estrutura social e econmica vigente. Como conseqncia, a forma de organizao do espao de moradia tambm se alterou. Houve uma reordenao do espao domstico com a criao de lugares privados dentro e fora da casa e a valorizao dos jardins ao redor das grandes propriedades rurais inglesas. A ascenso da nova classe mdia e um crescente interesse pela introspeco e privacidade propiciaram a formao destes espaos reservados ao isolamento. A partir do surgimento do romance na primeira metade do sculo XVIII, o espao domstico viu-se valorizado e descrito com mais ateno na narrativa literria. Este cuidado em retratar a vida domstica na literatura surgiu a partir do desejo de representar a vida dos homens comuns de modo mais autntico. Em Pamela, romance do escritor ingls Samuel Richardson publicado pela primeira vez na Inglaterra em 1740, observamos esta nfase no espao interior do recolhimento e da introspeco. A relao que se estabelece entre as personagens e o espao dentro do romance vital para a construo do enredo.

    Palavras-chave: Pamela, Samuel Richardson, espao, romance, sculo XVIII.

  • 6

    ABSTRACT

    Great social and economic changes were brought about in the eighteenth-century causing, among other alterations, the rearrangement of the living spaces in the houses. This

    reorganization of the domestic space was responsible for the creation of private spaces inside and outside the great English country houses together with an improvement in the surrounding gardens. At that time the new middle classes were gaining more and more political and economic power and developing a taste for privacy, which required the creation of specific places inside and outside the houses for the enjoyment of the pleasures of isolation and introspection. With the rise of the novel in the first half of the eighteenth century, this domestic space was also valued, pictured and described with more attention in literature. This increasing interest in the domestic life is associated with a wish to portray the everyday lives of ordinary men with greater authenticity. In Pamela, a novel by Samuel Richardson published for the first time in England in 1740, this emphasis in the private space of isolation and introspection is clearly depicted. The deep correlation between space and characters in the novel is vital for the development of the plot.

    Key-words: Pamela, Samuel Richardson, space, novel, eighteenth-century.

  • 7

    1. INTRODUO

    Este estudo pretende desenvolver uma anlise da relao que se estabelece entre as personagens e o espao no romance Pamela, do escritor ingls Samuel Richardson. No Brasil do sculo XXI, o interesse de um trabalho de pesquisa que verse sobre um romance da tradio literria inglesa do sculo XVIII pode ser justificado atravs das palavras de Antonio Candido, crtico que trouxe muitos avanos teoria literria no Brasil e em cujos livros encontramos argutas anlises de obras nacionais e estrangeiras, alm de textos tericos que discutem vrios aspectos da literatura. Um de seus textos que apresenta com maestria a importncia da literatura na vida do homem O Direito Literatura, de 1988, que se encontra no livro Vrios Escritos. Neste ensaio ele faz uma reflexo sobre a necessidade do respeito aos direitos humanos para a construo de uma sociedade mais justa e inclui a literatura e a arte em geral como parte dos direitos do homem, um direito que ele qualifica como intransfervel e imprescindvel sua formao.

    Segundo seu entendimento, a literatura satisfaz primeiramente uma necessidade elementar e universal do homem de fico e fantasia, pois todos indistintamente precisamos de certa dose de sonho. Alm disso, a literatura um fator de humanizao, j que, ao trazer o leitor para dentro do universo literrio, oferece a ele a oportunidade de viver as mais variadas experincias, proporcionando-lhe uma melhor compreenso de si mesmo e da vida. Ademais, a literatura uma fonte de conhecimento do mundo e do ser, porque ao representar d maior inteligibilidade realidade social e humana. Sendo uma construo autnoma de significado, mas que no est desligada das fontes de inspirao do real, fornece um entendimento mais profundo sobre o mundo em que vivemos.1 Desta forma, mesmo sem pertencer a uma determinada sociedade localizada temporalmente distante de sua vida, o leitor, atravs da experincia da leitura, entra em contato com uma realidade mediada que em ltima instncia tambm sua, a sua realidade de ser vivente que experimenta na realidade particular da obra literria uma experincia que, embora no seja a sua prpria, intrnseca vida humana.

    1 ANTONIO CANDIDO. O Direito Literatura. In: ANTONIO CANDIDO. Vrios Escritos. 4ed. Rio de

    Janeiro:Ouro sobre Azul; So Paulo:Duas Cidades, 2004. pp. 169-191

  • 8

    Explica-se assim o interesse de um estudo que busque compreender a estrutura de um mundo to distante espacial e temporalmente do mundo em que vivemos. Alm disso, uma pesquisa que se concentre sobre um romance do sculo XVIII ingls se justifica pela importncia social e histrica das mudanas que viriam a alterar completamente a organizao da vida no mundo ocidental nos sculos subseqentes. Se hoje vivemos o primado do individualismo e da propriedade privada, devemos muito aos nossos ante