n.º convencional n.º convencional ?· n.º convencional n.º convencional ... ouviu as horas no...

Download N.º convencional N.º convencional ?· N.º convencional N.º convencional ... ouviu as horas no relógio…

Post on 01-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Nome: Idade: Sexo: F M

    Prova de Prova de Aferio de Lngua Portuguesa 1. Ciclo do Ensino BsicoAferio de Lngua Portuguesa 1. Ciclo do Ensino Bsico

    ProProvva de Aferioa de AferiodedeLngua Por tuguesa

    20052005

    200520052005

    11.. Ciclo do Ensino BsicoCiclo do Ensino Bsico

    N. convencional N. convencional do aluno: da escola:

    N. convencional N. convencional do aluno: da escola:

    A

    B

    C

    D

    E

    NP

    PA

    Observaes

    (a preencher pelo Aplicador)

    Observaes

    (a preencher pelo Aplicador) (a preencher pelo Classificador)

    ____________________________________________________________

    ____________________________________________________________

    ____________________________________________________________

    ____________________________________________________________

    ____________________________________________________________

    ____________________________________________________________

    ____________________________________________________________

    ____________________________________________________________

    A preencher pelo Aluno

    A preencher pelo GAVE

  • INSTRUES GERAIS SOBRE A PROVA

    Esta prova constituda por duas partes. Dispes de 45 minutos para realizarescada uma delas e de 25 minutos de intervalo.

    Deves respeitar as instrues que a seguir te so dadas.

    Responde na folha da prova, a caneta ou a esferogrfica, de tinta azul ou preta.

    No podes usar corrector.

    Numas questes, ters de escolher e assinalar a(s) resposta(s) correcta(s);noutras, ters de escrever a resposta.

    Nas questes em que apenas tens de assinalar a(s) resposta(s) correcta(s), se teenganares e puseres X no quadrado errado, risca esse quadrado e coloca o sinal

    no lugar que consideres certo.

    Nas outras questes, se precisares de alterar alguma resposta, risca-a e escreve frente a nova resposta.

    Na segunda parte, deves fazer um rascunho do teu texto, numa folha prpria, quete dada.

    Para fazeres o rascunho, precisas de um lpis, uma borracha e um apara-lpis.

    Ao passares o texto a limpo para a folha da prova, se precisares de alterar o queescreveste, risca e escreve de novo.

    1. PARTE

    Durante a primeira parte, vais responder a questes sobre cada um dostextos que te so apresentados para leitura.

    A seguir, vais resolver um conjunto de questes sobre o funcionamento daLngua Portuguesa.

    Se acabares antes do tempo previsto, deves aproveitar para rever as tuasrespostas. Aps o intervalo, no poders alterar ou completar as respostasdadas na primeira parte.

    2. PARTE

    Durante a segunda parte, vais escrever um texto de 15 a 25 linhas.

    Se acabares antes do tempo previsto, deves aproveitar para reler o texto queescreveste.

    PA-LP 3

  • L o texto com muita ateno.

    A NOITE EM QUE A NOITE NO CHEGOU

    Um dia, mal acordou, a noite foi espreitar pela janela e reparou que j

    era quase noite. Estou atrasada!, pensou ela ao ver que o Sol j tinha

    desaparecido e os candeeiros comeavam a acender-se.

    Mas, nesse dia, ou nessa tarde, ou nessa noite, a noite sentia-se muito

    preguiosa.

    Gostava muito de estar ali, no quentinho dos lenis, mas noite no

    podia. Tinha sempre que fazer. Contrariada, deu uma volta e outra volta,

    desenroscou-se, enroscou-se e pensou l para consigo: Estou farta!

    Havia muitas, muitas noites desde o incio dos tempos que a noite

    chegava hora certa sem faltar um s dia. E tudo isto para qu?,

    perguntou ela de si para si, S para que o vaidoso do Sol possa ir mostrar

    a sua linda cabeleira dourada ao outro lado do mundo... Hoje, no saio

    daqui... O Sol que se amanhe!

    Olhando para o seu antiqussimo fato de trabalho, metade feito de

    estrelas, metade de escuros trapos, a noite resolveu por uma vez ficar na

    cama.

    O pr-do-Sol que se aguente por a, a pairar no meio do cu, at que

    nasa o dia! Est resolvido. Hoje, ningum me tira daqui!

    Assim, sem querer saber de mais nada, a noite deixou-se ficar na cama

    toda satisfeita, com uma chvena de ch numa mo e um livro de histrias

    na outra.

    Quando perceberam que a noite no chegava, as pessoas, os bichos,

    os candeeiros e as flores comearam a juntar-se s portas da noite. Os

    autocarros e os girassis queriam ir dormir. Os mochos, as corujas e os

    guardas-nocturnos queriam sair para o trabalho. Por isso se puseram todos

    a gritar: Venha a noite! Venha a noite! Ento, nunca mais chega?!

    preciso fazer cair a noite!

    Mas era to alta a casa onde a noite morava que ningum se atrevia

    sequer a tentar chegar l acima.

    1. Parte

    4 PA-LP

    1

    5

    10

    15

    20

    25

  • Foi ento que apareceu um menino rabino que pediu Com licena... a

    toda a gente e se ps a trepar pelos ltimos raios de sol. Num equilbrio

    despachado, ps um p numa nuvem, outro num cometa e, em menos de

    nada, chegou junto da noite.

    De to entretida com o seu livro de histrias, a noite nem deu por nada.

    E mesmo que desse nem podia adivinhar. No estava habituada a meninos

    e aos seus doces passos de algodo.

    De mansinho, o menino rabino ps-se a fazer-lhe ccegas nos ps. A

    noite desatou a rir s gargalhadas. Ah, Ah, Ah! Ah, Ah, Ah! Tanto se riu

    a noite que caiu da cama abaixo. E, caindo, passou por estrelas, luas e

    sis. Todas as luzes se apagaram sua passagem e um manto muito

    grande, negro, de cetim, foi cobrindo a pouco e pouco o mundo inteiro.

    O menino rabino, do esforo que fez, ficou to cansado e com tanto

    sono que nem perdeu tempo. Deitou-se logo na cama da noite e, antes de

    adormecer, voltou-se para ela que l em baixo j tomara conta do mundo

    inteiro e disse-lhe baixinho: Adeus, noite... At amanh... Boa noite...

    Jos Fanha, A Noite em que a Noite no Chegou,Porto, Campo das Letras, 2001

    PA-LP 5

    30

    35

    40

    45

  • Responde ao que te pedido sobre o texto que acabaste de ler, deacordo com as orientaes que te so dadas.

    1. Assinala com X a opo correcta, de acordo com o sentido do texto.

    Um dia, mal acordou, a noite foi espreitar pela janela e pensou: Estouatrasada! (linha 2)

    Ela percebeu que estava atrasada, porque

    ouviu as horas no relgio da igreja.

    viu que o Sol j se tinha ido embora.

    comeou a ouvir o cri-cri dos grilos.

    viu o guarda-nocturno no posto dele.

    2. Transcreve do texto uma frase que mostre que a noite estava mesmosem vontade nenhuma de ir cumprir o seu dever.

    3. Assinala com X a opo correcta, de acordo com o sentido do texto.

    A noite resolveu ento

    ficar na cama.

    dar um passeio.

    ir brincar.

    pr-se a trabalhar.

    6 PA-LP

  • 4. Assinala com X as trs opes correctas, de acordo com o sentido dafrase seguinte.

    Quando diz Hoje, no saio daqui... O Sol que se amanhe!(linhas 12-13), a noite mostra-se

    muito distrada. egosta.

    preguiosa. pouco responsvel.

    bastante atarefada. furiosa.

    bisbilhoteira. preocupada.

    5. Assinala com X a opo correcta, de acordo com o sentido do texto.

    As pessoas, os animais, as plantas e os objectos comearam a gritar preciso fazer cair a noite! (linhas 26-27), porque

    desejavam pregar uma partida noite.

    queriam castigar a noite pelo seu atraso.

    pretendiam ouvir as explicaes da noite.

    queriam fazer o que faziam todas as noites.

    6. Assinala com X as afirmaes verdadeiras (V) e as falsas (F), deacordo com o sentido do texto.

    Quem conseguiu fazer cair a noite foi um menino rabino. De que modo?

    Afirmaes V F

    Contou histrias noite para ela no adormecer.

    Equilibrou-se numa nuvem e num cometa.

    Pregou um susto noite.

    Prometeu ler-lhe um livro.

    Subiu pelos ltimos raios solares.

    Fez ccegas nos ps da noite.

    Trepou por um poste de electricidade.

    PA-LP 7

  • 7. Assinala com X a opo correcta, de acordo com o sentido do texto.

    No estava habituada a meninos e aos seus doces passos de algodo.(linhas 35-36)

    Nesta frase, a expresso doces passos de algodo significa que ospassos dos meninos eram

    rpidos.

    largos.

    leves.

    saltitantes.

    8. Ordena o que aconteceu noite, numerando as afirmaes de 1 a 5, deacordo com o final do texto.

    A noite comeou a rir.

    A noite caiu da cama abaixo.

    A noite tomou conta do mundo inteiro.

    A noite sentiu ccegas nos ps.

    A noite passou por estrelas e sis.

    9. Na tua opinio, a noite conseguiu, ou no, levar por diante a suainteno inicial?

    Justifica a tua resposta.

    8 PA-LP

  • L, agora, o seguinte texto.

    O SOL

    O Sol pesa 333 000 vezes mais que a Terra e to grande que poderiaacolher 1 300 000 Terras. Se a Terra tivesse o tamanho de uma bola detnis, o Sol teria o tamanho de uma casa.

    O Sol uma enorme bola de gs quente, que se formou a partir de umanuvem de gs e de p que flutuava no espao. Comeou a brilhar h cercade 5000 milhes de anos.

    O Sol parece mover-se no cu, do amanhecer at ao anoitecer, masessa iluso causada pela rotao da Terra. Na verdade, somos ns quenos movemos. No entanto, o Sol move-se de outra forma: gira como aTerra, mas muito mais lentamente.

    A temperatura da superfcie do Sol de cerca de 5500 grauscentgrados, o suficiente para evaporar tudo o que existe sobre a Terra. Nocentro, a sua temperatura muito mais alta, rondando os 15 milhes degraus centgrados.

    1000 Perguntas e Respostas, Sintra, Girassol Edies, Lda., s.d. (adaptado)

    1

Recommended

View more >