musculo esquelÉtico

Download MUSCULO ESQUELÉTICO

Post on 16-Nov-2014

829 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Msculo EsquelticoProf. Jucimar de Oliveira Pelzl Hayafuji

As clulas musculares armazenam quantidades limitadas de ATP... Por essa razo, como o exerccio muscular requer um suprimento constante de ATP para a contrao...

...as clulas musculares podem produzir ATP por 3 vias metablicas...

1. Formao de ATP pela degradao da creatina fosfato... CrP + ADP ATP + Cr

Creatina quinase

2. Formao de ATP pela degradao da glicose ou glicognio... Glicose + Pi + Pi + ADP + ADP 2H2O

2Lactato +

2ATP +

3. Formao de ATP por fosforilao oxidativa (metabolismo mitocondrial). Glicose + 2Pi + 2NAD+ + 2ADP + 2H+ + H2O

2 piruvato + 2ATP +

2NADH

Acetil CoA + 3NADH+ + FAD + GTP + Pi + 2H2O

2CO2 + 3NADH + FADH2 + GTP + 3H+ + CoA

Msculo EsquelticoAs miofibrilas so numerosas estruturas contrteis encontradas no sarcoplasma (citoplasma da fibra muscular)...

Disco Banda A Z

Retculo sarcoplasmti Tbulos transversos co

Miofibrilas

...sendo subdivididas em segmentos individuais denominados sarcmeros, os quais so divididos entre si por protenas estruturais, os

Cada clula est conectada ao ramo de uma fibra nervosa originria de uma clula nervosa, os motoneurnios...

...que juntamente com outras fibras musculares que ele inerva, formam uma unidade motora.

Viso geral do modelo do filamento deslizante... ...antigamente acreditava-se que as pontes cruzadas de miosina no se ligavam a actina quando o msculo estivesse em repouso... Novas evidncias mostram que tais pontes esto sempre ligadas a actina... A variao entre os dois estados da ligao actina-miosina so denominados: estado de ligao fraca estado de ligao forte.

Caractersticas Bioqumicas e Contrteis Capacidade oxidativa: > nmero de

mitocndrias, capilares e mioglobina em seu interior. Tipo de isoforma da ATPase: velocidade de degradao do ATP

IIIa IIb

(comprimento do msculo segundo 1 )

Velocidade mxima de encurtamento

Fonte: Powers & Howley,2000.

4.0 3.5 3.0 2.5 2.0 1.5 1.0 0.5 0

Tipo I

Tipo IIa

Tipo IIb

Caractersticas Humanas

das

Fibras

Musculares

Propriedades IIB Velocidade de contrao Rpida Capacidade Glicoltica Alta Capacidade Oxidativa Baixa Estoque de Glicognio Moderado Estoque de Triacil. Alta

Tipo I

Tipo IIA

Tipo

Lenta Baixa

Rpida Moderada

ModeradaModificado de Saltin et al., 1977.

Moderado Moderado alto

Moderado

Isoformas da ATPase da Miosina ATPase miosina fibra tipoI: pH >desativao desativao de 9

ATPase miosina fibra tipo IIa: pH entre 4,6 e 4,8 ATPase miosina fibra tipo IIb: pH < que 4,5 desativao Pette (1988); Schiaffino (1999): novas fibras identificadas em msculos de ratos (Tipo Ia e IId ou Tipo IIx ...???)

COMO SO IDENTIFICADAS E TIPADAS AS FIBRAS MUSCULARES?

Identificao das fibrasBipsia muscular

Identificao do tipo de fibra Anlise histoqumica ou bioqumica histoqumica: identificao da ATPase da fibra; Tipo I escurecimento; Tipo IIa meio termo; Tipo IIb claro.

Bioqumica: identificao do tipo de miosina.

Identificao do tipo de fibra

Exemplo de identificao das fibras musculares pela tcnica de identificao da ATPase.

Caractersticas3.Cor da Fibra I IIa IIb Vermelha muita mioglobina muscular emitocndrias.

vermelha clara presena intermediria demioglobina e mitocndrias.

Branca pouca mioglobina e mitocndrias.

Caractersticas4.Dimetro da fibra I IIa IIbPEQUENO INTERMEDIRIO GRANDE

5.Glicognio I IIa IIbBAIXO INTERMEDIRIO ALTO

6.Enzimas oxidativas7.Enzimas glicolticas

I IIa IIb

ALTA INTERMEDIRIO BAIXA

I IIa IIb

BAIXA INTERMEDIRIO ALTO

Caractersticas8.Atividade ATPase I IIa IIbBAIXA ALTA ALTA

9.Fonte de ATP I IIa IIbFosforilao oxidativa Fosforilao oxidativa gliclise

10.Resistncia fadiga

I IIa IIb

ALTA INTERMEDIRIO BAIXA

11.Capilarizao I ALTA IIa ALTA IIb BAIXA

Tipos de fibras e modalidades esportivasCorridas

Ciclismo

Tipos de fibras e modalidades esportivas Fibras do tipo I modalidades que exigem baixa produo de fora; Baixa velocidade de contrao; durao prolongada; (ex: provas de endurance, corrida, ciclismo, triatlo)

Tipos de fibras e modalidades esportivas

Muscula o

Corridas de Velocidade

Tipos de fibras e modalidades esportivas Fibras do tipo II modalidades que exigem Alta produo de fora; Alta velocidade de contrao; Curta durao; (ex: musculao, corridas de velocidade)

Velocidade de Contrao e Relaxamento120 FibraVeloz 100 Fibra Lenta 80 Tenso (ug)

60

40

20

0 0 5 10 15 Tempo (m s) 20 25 30

Adaptaes ao treinamentoTipo I Fator muscular Composio percentual Dimenso Propriedade contrtil Capacidade oxidativa Capacidade glicoltica Contedo em glicognio Oxidao das gorduras Densidade capilar Fluxo sangneo Fora + ? ? ? end + ++ ++ ++ + ? ou + Tipo II fora ++ + ? ? end + ++ + + ? Tipo de treinamento

Adaptaes Musculares ao TFHIPERTROFIA MUSCULAR Pr-treino Ps-treino

Adaptaes Musculares ao TF3.

Hiperplasia???? Clulas satlites; do ngulo de penao (Kawakami et al. 1993).

4.

Pr-treino

Ps-treino

Adaptaes Musculares ao TFHIPERTROFIA x HIPERPLASIA

Hipertrofia

Hiperplasia

O Envelhecimento Fisiolgico Sarcopenia ( das fibras do tipo II) 10% - entre as idades de 25 e 50 anos. 40% - entre as idades de 50 e 80 anos.

Hipertrofia muscular Tipo II > tipo I Corredores fibras do tipo I normais; Fisiculturistas aumento de 45%.

REGULADA FORA MUSCULAR

Depende Tipo e quantidade de fibras musculares que so recrutadas; Comprimento inicial no momento da contrao (sobreposio actina entre e miosina); Natureza do estmulo nervoso

Fora especfica Tipo II > tipo I Maior nmero de pontes cruzadas ativas (devido a um maior nmero de miofilamentos); Maior atividade de da ATPase de miosina

Relao fora-velocidade muscular (Powers & Howley, 2000)

RELAO FORA E POTNCIA

RELAO FORA E POTNCIA EM GERAL, A POTNCIA PRODUZIDA POR UM GRUPO MUSCULAR AUMENTA EM FUNO DA VELOCIDADE DE MOVIMENTO. NUMA DETEMINADA VELOCIDADE DE MOVIMENTO, OS MUSCULOS COM ALTA PORCENTAGEM DE FIBRAS DE CONTRAO RPIDA PRODUZEM MAIS POTNCIA, DO QUE AQUELES QUE CONTM SABRETUDO FIBRAS LENTAS.

A VELOCIDADE MXIMA DO ENCUTAMENTO MUSCULAR MAIOR NA FORA MAIS BAIXA(ISTO , A RESISTNCIA CONTRA O MSCULO). EM RESUMO, A MAIOR VELOCIDADE DO MOVIMENTO GERADA NAS MENORES CARGAS DE TRABALHO ESSE PRINCPIO VERDADEIRO TANTO PARA FIBRAS LENTAS QUANTO PARA AS RPIDAS

Potncia Muscular-velocidade(Powers & Howley, 2000)

FUSO MUSCULAR FORNECE INFORMAES SENSORIAIS SOBRE O COMPRIMENTO DO MUSCULO FUNCIONA COM DETETOR DO COMPRIMENTO RELATIVO DO MUSCULO.

ORGO TENDINOSO DE GOLGI MONITORAM A TENSO DESENVOLVIDA DURANTE A CONTRAO MUSCULAR IMPDEM A FORA EXCESSIVA NAS CONTRAES

MUITO OBRIGADO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!