morin, edgar. educar_na_era_planetária

Click here to load reader

Post on 10-Jul-2015

1.691 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Edgar Morin Emilio-Roger Ciurana Ral Domingo Motta

    EDUCAR NA ERA PLANETRIAO pensamento complexo como Mtodo de

    aprendizagem no erro e na incerteza humana

    TraduoSandra Trabucco Valenzuela

    Reviso tcnica da traduoEdgard de Assis Carvalho

  • Ttulo original: duquer Pour L re Plantaire. La pense complexe comme Mthodedapprentissage dans lerreur et lincertitude humaines.Edgard Morin, Emilio-Roger Ciurana e Ral Motta

    Capa: Edson FogaaPreparao de originais: Silvana Cobucci LeiteReviso: Maria de Lourdes de AlmeidaComposio: Dany Editora Ltda.Coordenao editorial: Danilo A. Q. Morales

    Apoio: Unesco-Brasil

    Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou duplicada sem autorizao expressa daCortez Editora.

    Editions Balland, 2003

    Direitos para esta edioCORTEZ EDITORARua Bartira, 317 Perdizes05009-000 So Paulo-SPTel.: (11) 3864-0111 Fax: (11) 3864-4290e-mail: cortez@cortezeditora.com.brwww.cortezeditora.com.br

    Impresso no Brasil setembro de 2003

    ISBN:85-249-0937-4

  • 5SUMRIO

    Apresentao .................................................................. 7

    Prefcio ........................................................................... 11

    Captulo 1 O Mtodo(Estratgias para o conhecimento e ao num caminhoque se pensa) .................................................................. 15

    Introduo ................................................................... 17

    A relao entre experincia, mtodo e ensaio .............. 18

    O mtodo como viagem e transfigurao .................... 21

    A relao entre o mtodo e a teoria ............................. 23

    A errncia e o erro....................................................... 24

    O mtodo como estratgia........................................... 29

    Os princpios gerativos e estratgicos do mtodo ......... 31

    O mtodo e sua experincia trgica ............................. 39

    Captulo 2 A complexidade do pensamentocomplexo(O pensamento complexo da complexidade) ................... 41

    Introduo ................................................................... 42

    A confuso entre caos, complexidade e determinismo ... 45

  • 6 MORIN CIURANA MOTTA

    Caractersticas do pensamento complexo .................... 51

    Captulo 3 Os desafios da era planetria(O possvel despertar de uma sociedade-mundo) ............ 61

    Introduo ................................................................... 63

    O nascimento da era planetria ................................... 65

    A idade de ferro planetria .......................................... 70

    Da iluso do desenvolvimento mundializaoeconmica ............................................................... 81

    O avesso do cenrio .................................................... 84

    A possvel emergncia da sociedade-mundo ................ 86

    Eplogo A misso da educao para a eraplanetria ..................................................................... 97

  • 7APRESENTAO

    O crescente interesse dos educadores brasileiros, comotambm de diversos outros pases pelas idias de Edgar Morindeve-se em grande parte profundidade da dimenso da criseeducacional que estamos vivendo. No uma crise que se possaexplicar somente pela falta de recursos financeiros que impedea existncia de padres mnimos de funcionamento escolar eda prpria qualidade do ensino oferecido. H uma crise desentido que se amplia em funo da crescente complexidade eincerteza que dominam os horizontes da vida contempornea.

    O notvel avano da cincia e da tecnologia no foi nemest sendo seguido de avanos no plano existencial e tico. Asguerras continuam e a violncia se alastra e se instaura emambientes que, h alguns anos, no poderamos imaginar. Tal o caso das violncias escolares, cujas implicaes no proces-so pedaggico as pesquisas da UNESCO tm procurado mos-trar e esclarecer. Ao tradicional quadro de repetncias e eva-ses, acrescentou-se as violncias fsicas e simblicas, as dro-gas e o hiv-aids. Ao meio dessas incertezas, a escola sente-secada vez mais impotente para o exerccio pleno de sua missode educar e de formar pessoas.

    Em plano mais amplo, assiste-se hoje um verdadeiro cul-to ao mercado, onde a capacidade de competir sobressai comovirtude e competncia, ocultando e deixando margem ne-

  • 8 MORIN CIURANA MOTTA

    cessidades humanas bsicas, universais e essenciais constru-o da dignidade. Mais do que isso. O culto ao mercado queest se tornando uma condio de sobrevivncia, de pessoas epases, influencia de forma crescente a educao, comeandomesmo a determinar-lhe os fins e, por conseqncia, subtrain-do ao indivduo uma das mais caras conquistas do homemocidental que a liberdade de ser e de fazer opes e escolhas.

    nesse quadro de perplexidades que o pensamento com-plexo de Edgar Morin adquire foras e se insere com lucidezpor entre veredas e caminhos tortuosos, lanando por umanova tica, rotas alternativas restauradoras do sentido.

    Quando a UNESCO Brasil tomou conhecimento de suasprofundas reflexes sobre os saberes necessrios educaodo futuro, imediatamente, em co-edio com a Cortez Editora,editou-os em lngua portuguesa. O sucesso esperado concreti-zou-se por sucessivas edies desse livro histrico. As razesdo xito no so to difceis de explicar, pois Morin nesse pe-queno grande livro coloca o ato pedaggico em seu sentidomais elevado de conduzir a uma educao no contexto da con-dio humana planetria, onde, ao meio das incertezas, im-pe-se a tica e a antropo-tica, numa viso de totalidade, doser e do conhecimento.

    Todavia, o pensamento complexo de Morin aplicado pedagogia, precisava de maior clareza, precisava de um mto-do. Dessa necessidade nasceu o livro escrito por Edgar Morincom a colaborao de Emilio Roger Ciurana e Ral DomingoMotta. Este livro representa mais um passo importante no pro-cesso de construo de uma nova escola para o sculo XXI,iniciado pelo Relatrio Delors em meados da Dcada de 1990do sculo passado.

    Para finalizar, oportuno advertir. No esperem os leito-res um roteiro metodolgico. Os autores trabalham o mtodocomo estratgia, uma estratgia aberta, evolutiva, afrontando

  • EDUCAR NA ERA PLANETRIA 9

    o imprevisto e o novo. Uma estratgia que tira proveito doserros. Como dizem os autores, se o caminho uma trajetriaem espiral, o mtodo, agora consciente de si, descobre e nosdescobre diferentes. Um retorno ao incio da travessia preci-samente, ao mesmo tempo, a evidncia da distncia do incio. a revoluo da aprendizagem.

    Em suma, o pensamento pedaggico de Morin propor-ciona educao a possibilidade de trabalhar novos enredos,cujos atores professores, alunos, pais, mes, responsveis,lderes comunitrios... possam visualizar numa tela do projetoescolar e do processo educativo, interaes e interdependn-cias, sentidos, convergncias e a necessidade de uma constru-o coletiva, sem a qual dificilmente se poder perceber e en-tender a dimenso holstica do processo educativo.

    Jorge Werthein

    Representante da UNESCO no Brasil

  • 11

    PREFCIO

    A era planetria comea entre o final do sculo XV e oincio do XVI com a descoberta da Amrica por Colombo, acircunavegao ao redor do globo por Magellan, a descobertacopernicana de que a terra um planeta que gira ao redor dosol. A era planetria desenvolveu-se atravs da colonizao,na escravido, da ocidentalizao e, tambm da multiplicaodas relaes e interaes entre as diferentes partes do globo.Iniciada em 1990, a poca denominada de globalizao esta-beleceu um mercado mundial e uma rede de comunicaesque se ramificou intensamente por todo o planeta. Os desen-volvimentos cientficos, tcnicos, econmicos propiciam umdevir comum para toda a humanidade. Ameaas de mortenuclear e ecolgica conferem humanidade planetria umacaracterstica de comunidade de destino. Tornou-se vital co-nhecer o destino planetrio em que vivemos, tentar perceber ocaos dos acontecimentos, interaes e retroaes nos quais semisturam os proessos econmicos, polticos, sociais, tnicos,religiosos, mitolgicos que tecem esse destino. Tornou-se igual-mente vital saber quem somos, o que nos atinge, o que nosdetermina, o que nos ameaa, nos esclarece, nos previne e oque talvez possa nos salvar. No momento em que o planetatem cada vez mais necessidades de espritos aptos a apreenderseus problemas fundamentais e globais, a compreender sua

  • 12 MORIN CIURANA MOTTA

    complexidade, os sistemas de ensino continuam a dividir e frag-mentar os conhecimentos que precisam ser religados, a formarmentes unidimensionais e redutoras, que privilegiam apenasuma dimenso dos problemas e ocultam as outras. Isso ocorreprincipalmente na cincia econmica, transformada em rainhae guia dos polticos, que no consegue entender nada que es-cape ao clculo, ou seja, as emoes, paixes, alegrias, infelici-dades, crenas, esperanas que constituem a essncia da exis-tncia humana. Nossa formao escolar, universitria, profis-sional nos transforma a todos em cegos polticos, assim comonos impede de assumir, de uma vez por todas, nossa necess-ria condio de cidados da Terra. A urgncia vital de educarpara a era planetria decorrncia disso, e requer trs refor-mas inteiramente interdependentes: uma reforma do modo deconhecimento, uma reforma do pensamento e uma reformado ensino. Abordei esses problemas primeiramente em Cabe-a bem-feita, fruto do resultado de uma misso sem resulta-dos, efetivada junto ao ministrio da educao nacional daFrana, depois em Os sete saberes necessrios educao dofuturo, texto ecumnico redigido por solicitao de GustavoLopes Ospina, da UNESCO, diretor do projeto transdisciplinareducar para um futuro sustentvel. Aps a difuso dessa obrae das atividades da ctedra itinerante Edgar Morin na AmricaLatina, Ral Motta, Emilio Roger e eu mesmo nos envolvemosem experincias extremamente ricas e mltiplas na Co