mini latex

Download Mini latex

Post on 07-Jun-2015

1.327 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Disponvel para baixar: Mini LATEX - Um mini-cursoUm mini curso de LATEX elaborado pelo grupo PET - MAT da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - CPPP.

TRANSCRIPT

  • 1. Programa de Educao Tutorial - MatemticaPET - MATMini L TEX - Um mini-curso ABolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa BazanBolsista: Oilson Antonio Soares EncisoTutor: Csar Klayson Soares dos SantosUniversidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS Ponta Por - MS 12 de Maio de 2011Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 1 / Bo

2. Mini L T X - Um mini-cursoA E Mini L TEX - Um mini-cursoAA Mini L TEX - Um mini-cursoBolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 2 / Bo 3. Introduo Contexto Histrico O TEX uma linguagem de composio desenvolvido por Donald E. Knuthem 1984. Onde sua principal funo a composio e impresso de textos efrmulas matemticas. O TEX possui aproximadamente 600 comandos que controlam a construode uma pgina. O L TEX foi desenvolvido por Leslie Lamport em 1985 atravs do TEX. um Apacote composto de uma srie de comandos que formata consistentementecoisas como sees, tablas ou frmulas matemticas de uma forma consistentee uniforme.Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 3 / Bo 4. Vantagens com o L T X A E Vantagens com o L TEX APermite gerar facilmente . . .notas de rodap;referncias;ndices;bibliogras;escrever frmulas matemticas de modo simple e ecaz;estabelecer um padro de textos nos diversos formatos como arigo,revista, livro, apresentao, etc;facilidade de formatao;numerao automtica de frmulas, sees, teoremas, denies,demonstraes, dentre outros.Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 4 / Bo 5. Distribuio Distribuio MikTex uma distribuio TEX e L TEX para Microsoft Windows.A TeTex uma distribuio TEX e L TEX para Linux. A MacTex uma distribuio TEX e L TEX para Mac OS X.ABolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 5 / Bo 6. Editor de Texto Editor de TextoCom o MikTex (Windows) ou TeTex (Linux) necessitamos de um editor detextos para converter os cdigos inseridos em arquivos de textos.Alguns editores de texto: WinEdt um software livre para teste para Microsoft Windows. TeXnicCenter, software livre para Microsoft Windows. Kile, software livre para Linux. TeXShop, software para Mac OS X.Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 6 / Bo 7. Comandos e Ambientes Comandos e Ambientes Os comandos indicam como o texto ser processado. Dessa forma, umarquivo do L TEX composto por comados pr-denidos pelo autor. AObservao 1Geralmente os comandos em L TEX so iniciados pelo caracter . AAo inserirmos textos com comandos em modo matemtico, devemostomar cuidado, pois sempre devemos colocar espao entre letras ecomandos, caso contrrio o compilador acusar erro e o arquivo texto noser gerado. Um ambiente um local no qual podemos inserir uma caracteristicapredenidas.Observao 2Um ambiente iniciado com begin{Nome do Ambiente} e terminado comend{Nome do Ambiente}Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 7 / Bo 8. Exemplo de Ambiente Exemplo de Ambiente Para fazermos uma demonstrao de algum teorema, proposio, lema,corolrio, etc, podemos estar usando o ambiente de demonstrao, ou seja; begin{demonstracao}Texto...end{demonstracao}o que geraDemonstrao: Texto...Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 8 / Bo 9. Exemplo de comandos Exemplo de comandosObservao 3Os comandos matemticos no L TEX so escritos entre os smbolos $, Aou seja, $comando$.Segue o exemplo:$sum_{i=0}{n}biggl(frac{1}{i!}biggr)==1+1+frac{1}{2!}+ldots+frac{1}{n!}$e$int_01f(x)dx$gerando assim, n1 111=1+1++ ... +e f (x)dxi=0 i! 2! n! 0Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPPSeminrio 9 / Bo 10. Escrevendo Texto Escrevendo Texto A maioria dos trabalhos cientcos exige que os espaamentos entre as linhase tamanho das linhas contenham o mesmo comprimento. Assim, o L TEXAinsere quebras de linhas e espaos o suciente para otimizar o contedo de umpargrafo inteiro. Caso necessario, o L TEX pode tambm incluir infenizaoAem palavras que no iriam caber confortavelmente em uma linha. Caso seja necessario quebra de linha ou iniciar uma nova pgina, devemososrdenar ao L TEXe usa-se os os respectivos comandos A ou newline enewpage O L TEX ignora qualquer tipo de espaos entre caracteres, neste caso,Aquando se deseja inserir um espao devemos usar a barra .Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 10 / Bo 11. Texto Matemtico Texto Matemtico Ao se usar textos no formato matemtico no meio de texto comum nopodemos esquecer que devemos colocar entre $...$. Assim, precisamos terateno, pois, devemos separar smbolos de letras, caso isso no ocorra ocompilador acusar erro e o arquivo texto no ser gerado.Vejamos o exemplo:Percebemos que a integral indenida $int x{2}dx$ tem como valor$frac{x{3}}{3}+c$, onde $c$ uma constante arbitrria.Texto equivalente;x3Percebemos que a integral indenidax2 dx tem como valor+ c, onde c 3uma constante arbitrria.Observao 4Usamos duas vezes os smbolos $$...$$ para centralizarmos uma expressomatemtica.Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 11 / Bo 12. Frmulas Matemticas Frmulas Matemticas O L TEX fornece uma grande variedade de frmulas e smbolos matemticosAde modo a tornar a escrita mais rpida e ecaz. Dessa forma, percebemos queuma das suas principais funes a escrita matemtica. Como podemos perceber, em alguns editores de textos que utilizam o L TEX,Apossui comandos pr-existentes, assim se quisermos elaborar uma srieteremos que usar o comando sum que equivalentemente ao somatrio.Vejamos o exemplo:$$sum_{n=1}{infty}frac{1}{n2} =frac{pi2}{6}$$gerando 1 2 2 =. n=1 n 6Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 12 / Bo 13. Classes de Documentos Frmulas Matemticas Atravs do L TEX podemos facilitar a escrita matemtica no que se refere aAabilidade de decorar comandos e smbolos, para isto usa-se:newcommand{novo nome}{nome do comando} O comando citado acima permite renomear comandos pr-existentes demodo conveniente ao desejo do autor.Renomeando o comandoO comando que gera a integral int, pode ser renomeado como o autorpreferir, dessa forma, escolhemos integral.Assim, newcommand{integral}{int}Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 13 / Bo 14. Classes de documentos Classes de documentos Antes de iniciarmos a criar um texto, o L TEX necessita que informamos qualA a classe de documento que desejamos criar.Vejamos alguns exemplos mais comuns:article - para artigos em jornais cientcos, pequenos relatrios, convites;report - para relatrios mais longos contendo vrios captulos, pequenoslivros, teses de doutoramento;book - para livros;letter - carta;beamer - para apresentaes em slide.Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 14 / Bo 15. Preambulo Preambulo Um texto criado em L TEX possui basicamente duas partes. Ou seja, uma Ao preambulo e a outra o corpo do texto. O preambulo o local onde organizamos todo o formato do texto,identicando qual classe de documento, inserimos os pacotes que sero usados,qual o tipo e tamanho da letra, a congurao da pgina, como: margens,cabealho e rodap, etc. Utilizamos o comando usepackage para inserir pacotes.Observao 5 necessario e importante o uso dos pacotes, pois, conguraes de acentuaesem portugus, por exemplo, no padro em L TEX . O no uso de pacotesApode comprometer a compilao, desse modo, o arquivo texto no ser gerado.Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 15 / Bo 16. Corpo de um Texto Corpo de um Texto O corpo do texto o local onde o autor ir inserir o texto propriamente dito.Assim, todo e texto ddever ser escrito entre o ambiente de texto.Vajamos um exemplo:begin{document} Texto. . . end{document}Observao 6O ambiente no qual escreve-se o texto sempre inserido no preambulo depoisda insero dos pacotes, sempre seguindo esta ordem, caso contrario ocompilador acusar erros, no gerando o arquivo texto.Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 16 / Bo 17. Exemplo de um texto em L T XA E Exemplo de um texto em L TEXA Prembulodocumentclass[a4paper,12pt]{report}usepackage[latin1]{inputenc} - lingua em alfabeto latinusepackage[brazil]{babel} - lingua portuguesausepackage{amssymb} - pacote para digitar smbolos como conjunto dosnmeros reais, etcusepackage[T1]{fontenc} - pacote para hifenizar corretamenteusepackage{color} - pacote para escrever em coresusepackage{graphicx} - pacote para inserir gurasusepackage{makeidx} - pacote para gerar ndicepagestyle{headings} - pacote de estilo de cabealho da pgina Corpo do textobegin{document}Texto ...end{document}Bolsista: Jonathan Araujo Fernandes Bolsista: Carla Mayara LorenzonBolsista: Atemizia Janaina Costa Bazan 32 UFMS/CPPP Seminrio 17 / Bo 18. Introduo Beamer A elaborao de apresentaes em PDF a combinao do pdfL TEX e aAclasse Beamer do L TEA X. O Beamer uma classe do L TEX para criao de apresentaes no formato APDF, na qual se parecem basta