minerais e rochas

Download Minerais e rochas

Post on 22-Dec-2014

1.646 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. Minerais e RochasProfessora: Carolina Corra

2. Objetivos Rochas gneas; Intemperismos; Rochas sedimentares; Rochas metamrficas; Ciclo das rochas. 3. Minerais: Constituintes Bsicos das Rochas 4. Definio Substncia encontrada na natureza; O que torna cada mineral nico a sua composio qumica; Os tomos que os compem esto dispostos em um arranjo tridimensional ordenado e repetitivo; No so lquidos nem gases; Materiais inorgnicos. calcita 5. Concluso: um slido homogneo, com composio qumica definida, mas que pode variar dentro de intervalos restritos, formado por processos naturais inorgnicos. 6. Uma rocha uma mistura complexa de um ou diversos minerais. Alguns minerais, como o quartzo, a mica ou o talco apresentam uma vasta distribuio geogrfica, enquanto outros ocorrem de forma muito restrita. Pondere-se a diferena de abundncia entre o quartzo e o diamante, sendo certo que este ltimo um dos minerais mais raros. 7. Cada mineral classificado e denominado no apenas com base na sua composio qumica, mas tambm na estrutura cristalina dos materiais que o compem. Sendo assim, materiais com a mesma composio qumica podem constituir minerais totalmente distintos em resultado de meras diferenas estruturais na forma como os seus tomos ou molculas se arranjam espacialmente (como por exemplo a grafite e o diamante). 8. Fonte: http://grafitecarbono.blogspot.com.br/2011/01/inicio.html 9. Embora se conhea milhares de minerais, apenas um nmero reduzido (pouco mais de 30), so os principais constituintes da maioria das rochas crustais. 10. Rochas De acordo com a sua origem, as rochas so agrupadas em trs grandes classes: gneas ou magmticas; Metamrficas; Sedimentares. 11. Rochas gneas11 12. Formadas pela cristalizao do magma, classificando-se como vulcnica quando ocorre na superfcie, e plutnica quando ocorre em subsuperfcie. 13. Rochas gneas Intrusivas ou Plutnicas So formadas quando o magma se consolida no interior da crosta terrestre, a vrios km de profundidade. Exemplos: granitos, dioritos, gabros e peridotitos. 14. Granitos 15. Granito 16. Diorito 17. Esttua de Kfren esculpida em rocha diorito. 18. Rochas gnea extrusiva ou VulcnicasSo hipabissais quando solidificadas em nveis mais rasos da crosta e com texturas mdias a finas e, vulcnicas quando solidificadas na superfcie e com texturas geralmente finas . Exemplos: riolitos, basaltos, etc. 19. Riolito Basalto 20. Parque Nacional de Abrolhos e Ilha de Trindade 21. Moais da Ilha de Pscoa21 22. Mauna Loa (1984)Mauna Kea 22 23. Etna 23 24. Vulco Santa Helena 25. As rochas vulcnicas representam mais de 70% das rochas da superfcie da Terra. 26. Rochas Sedimentares26 27. Intemperismo Quando as rochas gneas so expostas na superfcie, sofrem a ao de agentes como a gua, as variaes de temperatura, mecanismos de oxidao, entre outros. 28. Intemperismo Estes agentes causam a desintegrao e a decomposio das rochas na superfcie em um processo chamado de intemperismo ou meteorizao. Eroso: Remoo dos materiais pelos agentes de transporte (gua, vento, gelo ou gravidade). 29. Em funo dos mecanismos predominantes de atuao, so classificados em:Intemperismo qumico; Intemperismo biolgico; Intemperismo fsico. 30. Intemperismo Fsico a desagregao fsica das rochas; Prepara a rocha para a atuao do intemperismo qumico;No h alterao da composio qumica das rochas. 31. Intemperismo Fsico Os principais fatores desintegrao so: Alvio de presso; Expanso trmica; Crescimento de cristais congelamento da gua.destapelo 32. Quando a gua congela aumenta cerca de 9% do seu volume devido ao rearranjo das molculas da gua em uma estrutura cristalina aberta. Isto ocorre principalmente em reas de altas latitudes. 33. 33 34. Bloco de gnaisse fraturado pela ao do gelo nas fissuras (Antartida) . Foto: M. Hambrey 35. O intemperismo fsico prepara a rocha para a atuao do intemperismo qumicofaces (rea superficial total)faces cubos (rea superficial total) 36. Intemperismo QumicoConsiste na decomposio das rochas devido ao rompimento do equilbrio do conjunto de ons que constituem os minerais. 37. Seu principal agente: A gua de infiltrao por ser levemente cida e quimicamente ativa; 38. Exemplo de reaes do intemperismo qumico Dissoluo Consiste da solubilizao completa de alguns minerais como, por exemplo, a calcita e a halita. Essa dissoluo intensa mais comum em terrenos calcrios formando cavernas. 39. Gruta: Lago Azul/Bonto-MS Fonte: http://www.infobibos.com/Artigos/2010_1/Aguas1/index.htm 40. Poo encantado e gruta da pratinha Chapada Diamantina BA Fonte: http://oprevisor.blogspot.com.br/2009/08/as-cidades-da-chapada-diamantina.html 41. Oxidao Consiste na mudana do estado de oxidao de um elemento, atravs de reao com o oxignio. O ferro , por exemplo, encontra-se nos minerais primrios como biotita, piroxnio, anfiblio e olivina. Quando liberado em soluo oxida-se e precipita como um novo composto. Ex.: geothita. 42. Intemperismo BiolgicoConsiste na desagregao fsica e na decomposio qumica das rochas causada pelos organismos vivos. 43. Exemplo de Intemperismo biolgico que contribui para o intemperismo mecnico atravs das razes das plantas. Podemos ver a ao desagregadora das razes. No Arpoador RJ. 44. Outro exemplo de intemperismo biolgico apresentando neste caso, orifcios de ourios do mar. No Arpoador RJ. 45. Sedimentos O material resultante da desagregao e decomposio das rochas chamado de sedimentos. Os sedimentos so transportados pelos agentes erosivos gua, gelo, vento ou ondas e posteriormente depositados. 46. O processo de transformao de sedimentos em rocha chamado de litificao e resulta na formao de rochas sedimentares. 47. Litificao Quando os sedimentos so compactados, atravs da sobreposio de camadas de sedimentos, ou cimentados atravs da percolao de gua contendo carbonato de clcio ou slica; Esses sedimentos ento se convertem em rocha. 48. Exemplos de rochas Sedimentares 49. Detrticas 50. 55 51. Qumicas Originadas pela decomposio de sedimentos por processos qumicos. Evaporitos: formados pela evaporao da gua marinha.Evaporitos no Vale da Morte, nos Estados Unidos (sal). 52. Carbonato: formado a partir de restos de esqueletos de animais marinhos e plantas.57 53. Rochas Metamrficas58 54. Se as rochas sedimentares forem submetidas a grandes temperaturas e presses, respondero s mudanas das condies ambientais com a recristalizao e o rearranjo de seus minerais, criando o terceiro tipo de rocha as rochas metamrficas. 55. O metamorfismo o processo atravs do qual as rochas gneas, sedimentares ou mesmo metamrficas sofrem transformao na composio mineralgica, na estrutura e textura, no estado slido, em resposta s altas temperaturas e presses. 56. O calor, a presso interna e a presena de fluidos so os trs principais fatores que controlam o metamorfismo.O papel da temperatura: A temperatura aumenta com a profundidade. Ela varia de acordo com o ambiente tectnico, mas em mdia situa-se em torno de 30C por Km de profundidade. 57. O papel da presso: A presso resultado de foras verticais, exercidas pelo peso de rochas sobrepostas e de foras horizontais, desenvolvidas quando as rochas so deformadas.O papel dos fluidos: Os fluidos hidrotermais produzidos durante o metamorfismo transportam substncias qumicas que so solveis em gua quente sob presso. Esses fluidos percolam a rocha e reagem com a mesma, penetrando mudando sua composio mineralgica e substituindo um mineral pelo outro. 58. As rochas metamrficas geralmente so mais compactas e duras que a rocha original, como ocorre com o calcrio e o arenito que, recristalizados, passam a mrmore e quartzito. 59. 64 60. Mrmores Metamorfismo de calcrios. 61. Qual a importncia das rochas? 62. O CICLO DAS ROCHAS INTEMPERISMOTRANSPORTE DEPOSIO SOERGUIMENTO E EXPOSIOSEDIMENTOSROCHAS GNEAS (EXTRUSIVAS)LITIFICAO CRISTALIZAOROCHAS SEDIMENTARES METAMORFISMOROCHAS METAMRFICAS FUSOROCHAS GNEAS (INTRUSIVAS) CRISTALIZAO 63. Referncias GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualizao de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p. LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. So Paulo: Nacional, 1980. 64. PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185 p.TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. So Paulo: Oficina de Textos, 2000. 65. Sites http://travel.mongabay.com/china/600/chin a_102-6570.JPG http://www.cvarg.azores.gov.pt/NR/rdonlyr es/5CC09568-BD60-48AB-894076233ADDB023/786/PortoFormoso3small. jpg http://www.ecovia.com.br/images/fotos/upl oad/foto%20encosta%20redimencionada( 1).jpg 66. http://www.cvarg.azores.gov.pt/NR/rdonlyr es/97F312BF-53DE-4F3E-93B3C863E6F59CDB/469/SF98_92.jpg http://www.igc.usp.br/glacial/imagem/galeri a/0183.jpg http://www.lubos.vrbka.net/img/research/io ns.jpg