medos urbanos e mídia

of 15/15
471 Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Número 3 Setembro/Dezembro 2011 Medos urbanos e mídia: o imaginário sobre juventude e violência no Brasil atual Mauro Guilherme Pinheiro Koury 1 Resumo: Este argo discute a cultura e a indústria do medo no Brasil atual, através da relação entre juventude e violência, e no avaliar as consequências desta correlação por meio das proposições levantadas pela mídia brasileira no imaginário nacional. Essa pro- blemáca é compreendida tendo em vista a questão da formação dos jovens no país nessa primeira década do século XXI, e em um momento de mudanças significavas nos padrões de comportamento nacional. Mudanças que pulverizam os valores sociais e ca- minham a passos largos para o individualismo crescente nas relações societárias e uma ampliação do medo do outro, no interior das formas interavas a que estão sujeitos não apenas a juventude, mas a população em geral. Palavras-chave: Medos Urbanos, Cultura do Medo, Violência, Juventude, Mídia. E ste argo objeva discur a cultura e a indústria do medo no Brasil atual, através da relação entre juventude e violência, e avaliar as consequências dessa correlação por meio das proposições levantadas pela mídia brasilei- ra no imaginário nacional 2 . Essa problemáca é compreendida tendo em vista a questão da formação dos jovens no país, nesta primeira década do século XXI, e em um momento de mu- danças significavas nos padrões de comportamento nacional. Mudanças que pulverizam os valores sociais e caminham a passos largos para o individualismo crescente nas relações societárias e uma ampliação do medo do outro, no inte- rior das formas interavas a que estão sujeitos, não apenas a juventude, mas a população em geral. Violência, Pobreza e Juventude Pesquisas desenvolvidas em bairros populares de várias capitais brasileiras apontam o crescimento da vulnerabilidade dos jovens e as ameaças à seguran- ça pessoal no codiano de suas existências. Apontam também para o aumento das transgressões entre os jovens habitantes dos bairros populares, em peque- nos furtos, assaltos à mão armada, envolvimento com drogas e prostuição; vagar pelas ruas dos bairros ou da cidade onde moram para zoar 3 e mesmo 2. Este trabalho dis- cute as proposições da mídia brasileira no imaginário na- cional sobre as relações entre ju- ventude, cultura do medo e violência no país. Embora parta de uma pressupo- sição inicial de que não se deve confiar inteiramente na mídia como fonte de informação, não se está indagando, neste argo, se a fonte midiáca é uma fonte segura ou não de informa- ção, mas se usa suas proposições para compreender as ba- ses das construções imaginárias ou reais dos medos no urba- no brasileiro con- temporâneo. Indico ao leitor o trabalho de Katz (1987), que faz uma excelente reflexão sobre a relação mídia e vio- lência nos Estados Unidos, através da pergunta: o que faz o crime ser “no- cia”? Recebido: 06/09/10 Aprovado: 04/07/2011 1. Professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Fe- deral da Paraíba, E-mail: [email protected] gmail.com

Post on 22-Jan-2018

118 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  1. 1. 471Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011Medos urbanos e mdia:o imaginrio sobre juventudee violncia no Brasil atualMauro Guilherme Pinheiro Koury1Resumo: Este artigo discute a cultura e a indstria do medo no Brasil atual, atravs da relao entre juventude e violncia, e no avaliar as consequncias desta correlao por meio das proposies levantadas pela mdia brasileira no imaginrio nacional. Essa problemtica compreendida tendo em vista a questo da formao dos jovens no pas nessa primeira dcada do sculo XXI, e em um momento de mudanas significativas nos padres de comportamento nacional. Mudanas que pulverizam os valores sociais e caminham a passos largos para o individualismo crescente nas relaes societrias e uma ampliao do medo do outro, no interior das formas interativas a que esto sujeitos no apenas a juventude, mas a populao em geral.Palavras-chave: Medos Urbanos, Cultura do Medo, Violncia, Juventude, Mdia.E ste artigo objetiva discutir a cultura e a indstria do medo no Brasil atual, atravs da relao entre juventude e violncia, e avaliar as consequncias dessa correlao por meio das proposies levantadas pela mdia brasileira no imaginrio nacional2.Essa problemtica compreendida tendo em vista a questo da formao dos jovens no pas, nesta primeira dcada do sculo XXI, e em um momento de mudanas significativas nos padres de comportamento nacional. Mudanas que pulverizam os valores sociais e caminham a passos largos para o individualismo crescente nas relaes societrias e uma ampliao do medo do outro, no interior das formas interativas a que esto sujeitos, no apenas a juventude, mas a populao em geral.Violncia, Pobreza e JuventudePesquisas desenvolvidas em bairros populares de vrias capitais brasileiras apontam o crescimento da vulnerabilidade dos jovens e as ameaas segurana pessoal no cotidiano de suas existncias. Apontam tambm para o aumento das transgresses entre os jovens habitantes dos bairros populares, em pequenos furtos, assaltos mo armada, envolvimento com drogas e prostituio; vagar pelas ruas dos bairros ou da cidade onde moram para zoar3 e mesmo2. Este trabalho discute as proposies da mdia brasileira no imaginrio nacional sobre as relaes entre juventude, cultura do medo e violncia no pas. Embora parta de uma pressuposio inicial de que no se deve confiar inteiramente na mdia como fonte de informao, no se est indagando, neste artigo, se a fonte miditica uma fonte segura ou no de informao, mas se usa suas proposies para compreender as bases das construes imaginrias ou reais dos medos no urbano brasileiro contemporneo. Indico ao leitor o trabalho de Katz (1987), que faz uma excelente reflexo sobre a relao mdia e violncia nos Estados Unidos, atravs da pergunta: o que faz o crime ser notcia?Recebido:06/09/10Aprovado: 04/07/20111. Professor do Departamento de Cincias Sociais da Universidade Federal da Paraba, E-mail:[email protected] gmail.com
  2. 2. 472Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 20115. importante notar que a incerteza do futuro grassa no apenas os jovens de camadas sociais mais baixas, mas atinge a classe mdia em seu conjunto. Dados apresentados pela Pesquisa de Oramentos Familiares - POF, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatsticas - IBGE, faz um retrato das despesas eintimidar os passantes, que normalmente os evitam, quando no os agridem ou demonstram expresses de medo.A incerteza quanto ao futuro, a ineficcia ou pouco eficcia das polticas sociais de incluso4, a violncia social que os exclui5, atravs de uma cultura do medo que os considera marginais perigosos, a serem evitados e, s vezes, exterminados, banaliza o teor social de incerteza presente nas atitudes dos jovens e para os jovens pobres, aumentando a excluso e fazendo crescer suas atitudes agressivas e nas relaes entorno (TAKEUTI, 2002; MARTINS, 1993; GAJOP, 1993; VIANA, 1997; COSTA, 1998; DIGENES, 2002, SPOSITO, 1993 e 2010, KOURY, 2006, 2008, 2010 e 2010a, S, 2011 e VIEIRA, 2011, entre outros).Dados apresentados pelo Programa das Naes Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) revelam que, no ano de 2007, um pouco mais de 40 mil pessoas foram assassinadas no pas. O que equivale a 11% dos homicdios ocorridos no mundo, em uma populao que responde apenas a 2,8% da populao mundial. De acordo com o Mapa da Violncia 2011 (WAISELFISZ, 2011, p. 22), no perodo compreendido entre os anos de 1998 e 2008, o nmero total de homicdios armazenados pelo Sistema de Informao de Mortalidade (SIM), do Ministrio da Sade (MS), passou de 41.950 para 50.113. O que representa um incremento de 17,8% superior ao aumento populacional do perodo que, segundo estimativas oficiais, foi de 17,2%. Esse panorama parece fortalecer, a cada dia, a cultura do medo no imaginrio brasileiro e essa cultura encontra-se respaldada por uma indstria do medo em expanso no pas, desde a dcada de 1970 (CALDEIRA, 1991).Indstria e Cultura do MedoPor indstria do medo se designa os gastos e investimentos em segurana privada. Segundo os dados do PNUD, s no ano de 2007 os gastos com segurana privada no Brasil somaram, aproximadamente, R$ 90 bilhes, montante equivalente ao consumo de 10% do PIB brasileiro, com resultados previsveis no trato dos segmentos mais pobres e nas despesas pblicas em sade e educao. O alto consumo e investimento na indstria do medo significam que muitos investimentos sociais deixam de ser feitos ou tm sua eficcia comprometida (no pas) para cuidar de segurana.Os jovens so os que mais sofrem como vtimas ou executores dos investimentos macios com a indstria do medo no pas. A maior parte das vtimas de homicdios concentra-se na populao masculina, com idade entre 15 a 24 anos6, executadas atravs de disputas entre gangues e, sobretudo, nas chacinas envolvendo grupos de extermnio, cujos agentes so, muitas vezes, recrutados entre as polcias civis e militares dos estados, quando no pelas aes das4. Ver o trabalho de Porto (2000, p. 187), onde a autora faz uma reflexo sobre a violncia atravs de uma relao entre excluso e incluso sociais, apreendidas no como formas excludentes e dicotmicas, mas como categorias integrantes de uma mesma dinmica, onde os sujeitos podem vivenciar, alternadamente, ambas as formas, decorrentes de processos sociais fragmentados, diferenciados e plurais nos cenrios armados no nacional e nas eficcias e ineficcias das polticas sociais de incluso e combate violncia neles traados.3. O termo zoar, na gria usada por segmentos de jovens brasileiros, tem o sentido de brincar de forma barulhenta, de sair pelas ruas para encontrar amigos e perambular sem destino certo, fazer arruaa, ou o que o momento, juntos, proporcionar.
  3. 3. Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011 473prprias polcias.A partir de um levantamento rpido nas notcias sobre homicdios e execues sumrias, arbitrrias e extrajudiciais no Brasil, entre dezembro de 2001 e novembro de 2007, nota-se que 5.987 crianas e adolescentes morreram na cidade do Rio de Janeiro, por ferimentos bala (Jornal do Comrcio, 02/09/2007). Em So Paulo, apenas no ano de 2007, foram registradas 106 chacinas, com um total de 209 mortes, com mais de sessenta por cento dos casos envolvendo crianas e adolescentes (Jornal do Comrcio, 25/12/2008); e na cidade do Recife, de janeiro de 2006 a junho de 2007, 453 pessoas foram vtimas de grupos de extermnio, grande parte de jovens de at 25 anos (Jornal do Comrcio, 26/09/2008)7. A maior escalada no nmero de homicdios de jovens no pas parece ter acontecido entre os anos de 1980 e 2003, a partir da comea a haver um declnio, porm, ainda, em um nvel considerado insuportvel (WAISELFISZ, 2011, p. 8).De acordo com o Mapa da Violncia 2011 (WAISELFISZ, 2011, p. 21-22),No perodo que compreende os anos de 1998 e 2008, o nmero total de homicdios registrados pelo SIM/SVS/MS passou de 41.950 para 50.113, o que representa um incremento de 17,8%, levemente superior ao incremento populacional do perodo que, segundo estimativas oficiais, foi de 17,2%. A quantidade de homicdios cresceu significativamente e de forma muito regular at o ano de 2003, com elevados incrementos: em torno de 5% ao ano. J em 2004, essa tendncia se reverte, quando o nmero de homicdios cai 5,2% em relao a 2003. Com menor intensidade, o declnio continua em 2004. Porm, a partir de 2005, os nmeros absolutos comeam a oscilar fortemente: elevam- se em 2006, e caem novamente em 2007 para voltar a crescer de forma acentuada em 2008.O relatrio continua:O ndice de Vitimizao nacional do ano 2008 foi de 258, o que significa que temos, proporcionalmente, duas vezes e meia mais homicdios juvenis do que nas restantes faixas etrias.Muito preocupante, tambm, a constatao de que esse ndice de Vitimizao vem crescendo historicamente de forma lenta, mas gradual e sistemtica. No incio da dcada analisada, o ndice de Vitimizao Juvenil era de 220 (2,2 homicdios de jovens por cada homicdio de no jovem). Em 2008, esse ndice aumentou para 258, o que representa um crescimento de 17,3% no ndice, que inicialmente j era muito elevado. (p. 72)rendimentos dos brasileiros, nos anos de 2006 e 2007, e demonstra que o rendimento das famlias brasileiras no est sendo suficiente para manter as despesas mensais. No Brasil, 85% das famlias tm dificuldade de chegar ao fim do ms com o rendimento do grupo familiar. Pernambuco, Paraba e Piau se encontram entre os trs estados com os piores percentuais do pas, com ndices de 92% a 92,5% de famlias que no conseguem manter-se com os rendimentos mensais disponveis (Jornal do Comrcio, 20/05/2008).6. De acordo com dados do IBGE, divulgados pelo Jornal do Comrcio, de 30 de abril de 2008.7. importante notar que, entre 2003 a 2007, houve um avano na conteno da violncia homicida, com um relativo avano a partir do ano de 2008, criando uma espcie de equilbrio instvel, j que as reas onde houve um avano na conteno dos homicdios foram contrabalanadas por crescimento em outras reas, em um movimento para as cidades do interior, ou para reas at ento consideradas de baixo e mdio potencial de violncia (WAISELFISZ, 2011).
  4. 4. 474 Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011As execues sumrias no Brasil e a proliferao de grupos de extermnio so resultados sinistros dos pesados investimentos na poltica de segurana privada ocorrida no pas, durante o perodo ditatorial, sobretudo no seu perodo mais soturno na dcada de 70 do sculo passado (CALDEIRA, 1991).O termo esquadro da morte, surgiu na dcada de 1970, criado pela imprensa para designar o grupo de extermnio dirigido por um famoso delegado, na poca, na cidade do Rio de Janeiro. So instituies ilegais organizadas e que atuam como um negcio, onde a morte a mercadoria. Sob pagamento, executam indivduos ou bandos que ameaam interesses de comerciantes, empresrios ou pessoas dispostas a pagar. interessante notar que, ao assim agirem, esses grupos demonstram, de um lado, a impunidade sob a ao homicida no pas e, por outro lado, atualizam e expandem a cultura do medo, que se amplia e toma conta do imaginrio do brasileiro comum. A mistura entre o legal e o ilegal parece fazer parte dessa dinmica da refigurao do imaginrio, quando, por exemplo, nos grupos de extermnio, quase sempre, atuam policiais civis e militares na ao direta ou no comando das aes de execuo. Nas eleies de 2008 para vereadores, em todo Brasil, por exemplo, o nmero de policiais ou de pessoas envolvidas com grupos de extermnio cresceu substancialmente, notadamente no Rio de Janeiro, formando um grupo potencialmente forte no Estado e comeando a lanar sementes no sistema poltico-eleitoral do pas.A ao dos grupos de extermnio, das mortes sob encomenda, coloca em cheque a ao policial legal e o sistema de justia no pas, ao mesmo tempo em que, pari passu, ajuda na expanso das milcias privadas. Estas, diferentes dos grupos de extermnio, atuam como demanda prpria na ao de segurana: so vigilantes de ruas residenciais e comerciais, so seguranas de bares, boates e restaurantes, entre outros tantos. Em um artigo anterior sobre a violncia no estado da Paraba (KOURY, 1993), foi identificada a estreita relao entre o aparato policial legal e o das milcias privadas no estado e no Brasil como um todo. Ao, inclusive, justificada pelas prprias autoridades policiais, que, normalmente, fazem descaso ao uso do tempo livre do policial.Com salrios pequenos, muitos policiais engrossam no apenas os grupos de extermnio, mas tambm uma consequncia deles e da cultura do medo, instalada e em expanso no pas, isto , os grupos de atuao em segurana privada informal. Formam, com grande nmero de desempregados, as turmas de vigilantes de rua, conhecidos em vrias cidades brasileiras como a turma do apito. So seguranas de restaurantes, casas noturnas e pontos comerciais, aparentemente agindo de forma independente, no entanto, todos sujeitos a uma relao de proximidade com o aparato legal policial ou os aparatos, tambm
  5. 5. Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011 475legais (ou supralegais!), de empresas de segurana privada que dominam as cidades.As aes de proteo criam uma rede de poder e controle enorme. No s so abastecidas de forma imediata por policiais e agentes de segurana privada, em seus momentos de folga, como forma de complementao salarial, mas tambm criam todo um circuito de intimidao e submisso desses agentes de vigilncia independentes que, muitas vezes, tm que pagar uma cota mensal para permanecerem atuando. Assim, por exemplo, as aes das turmas do apito e outros grupos de proteo so manipuladas pelos aparatos policiais do estado, bem como pelo aparato institucional de segurana privada, de forma encoberta.Os lucros obtidos pela ao desses servios de segurana no oficiais so, por um lado, repassados em forma de cotas de funcionamento para as mos de policiais ou agentes de firmas de seguranas privadas, que fazem a ronda local, de uma rua, de quarteires, etc. Com isso, h uma espcie de permisso branca para ao desses grupos. Por outro lado, da parte dos moradores, em sua maioria de classe mdia, aceitam pagar aos vigilantes da turma do apito por se sentirem intimidados. Muitos entrevistados, perguntados em pesquisa direta pelo autor, nas cidades de Joo Pessoa, Recife e Natal, na regio Nordeste, nas cidades de Belm e Manaus, na regio Norte, e Rio de Janeiro, So Paulo e Belo Horizonte, na regio Sudeste, entre os anos de 2003 a 20118, responderam que uma forma de no terem suas casas assaltadas por esses mesmos homens que fazem a vigilncia de rua, ou a ronda do apito, ou que oferecem (na forma de intimidao) segurana e proteo.Os entrevistados afirmam que esses vigilantes de rua ou da turma do apito so, em sua maioria, habitantes das favelas e regies mais pobres das cidades, que circulam os bairros e fazem as vezes de olheiros das casas: isto , sabem quando os moradores esto ou no em suas casas, quais as que tm aparato maior de segurana, entre outros elementos reais ou imaginrios que do suporte cultura do medo e ao financiamento de esquemas de proteo. Ao pagarem aos vigilantes de rua, os habitantes de classe mdia se sentem mais inseguros: o preo da busca de proteo pela intimidao traz, por consequncia, uma maior insegurana, por criarem um elo de ameaa e medo com parcelas da populao vistas pelos entrevistados como possveis marginais.A descrena na segurana policial, de acordo com os entrevistados, os faz criarem acordos e se submeterem ao pagamento por intimidao e, assim, no imaginrio da classe mdia, no terem suas casas assaltadas ou seus carros roubados, entre outros possveis acidentes. Essa segurana pactuada parece ampliar o sentimento de insegurana generalizada da populao, que busca se garantir da intimidao a que est sujeita, com um maior custeio de objetos de segurana8. A pesquisa Medos Corriqueiros e Sociabilidade no Brasil Urbano Contemporneo, conduzida pelo autor, no Grupo de Pesquisa em Antropologia e Sociologia das Emoes (GREM), se encontra no seu terceiro estgio, recolhendo dados nas 27 capitais de estados do Brasil, inclusive o Distrito Federal. O primeiro estgio foi dedicado ao aprimoramento dos instrumentos de pesquisa, tendo o projeto se voltado exclusivamente para a cidade de Joo Pessoa (KOURY, 2002, 2005, 2006, 2008, 2010 e 2010a, entre outros). O segundo estgio foi o de elaborao e envio de um questionrio, via correios, para moradores das 27 capitais, em um total de 4.500 questionrios, dos quais o GREM recebeu o retorno de 2.025 questionrios vlidos; ainda nesse estgio, se deu a tabulao dos questionrios e o mapeamento dos principais temas trazidos tona pelos entrevistados. O terceiro estgio tem incio na seleo dos entrevistados que se dispuseram a uma entrevista mais aprofundada, a preparao de um roteiro aberto e a marcao e visita para entrevistas nas capitais. As entrevistas tm se dado em longas
  6. 6. 476 Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011pessoal e domstica. Intimidados, os habitantes de classe mdia das cidades brasileiras reproduzem a cultura do medo investindo na indstria do medo em expanso no pas (SOUZA, 2008). Os muros das casas comeam a subir, alguns com mais de dois metros de altura, so implantados sistemas de vigilncia tica, alarmes, circuito de televiso nas entradas sadas e em todos os cmodos da casa, cercas eltricas, cachorros ferozes, entre outros recursos de uma indstria sempre inventiva e com novidades no mercado (CALDEIRA, 2003).Tanto investimento em segurana pessoal e submisso ao mercado informal de vigilantes de rua e das turmas do apito s fazem crescer o sentimento de insegurana e desconfiana com os aparatos legais da polcia e do estado, e a sensao de medo ampliada. O medo permanente de ser assaltado em casa ou na rua ou no trabalho comea a levar as pessoas a mudarem de hbitos nas comunicaes interpessoais com desconhecidos, fechando-se em casa e evitando outras pessoas.O medo do outro parece enclausurar os indivduos, sobretudo de classe mdia, que tm ampliadas as dificuldades de relacionamento com os outros, considerados possveis malfeitores, aumentando o sentimento de solido (ELIAS, 1990, 1993 e SENNET, 1998). O que provoca uma sensao nostlgica do que passou, de um tempo que no volta mais, onde os vizinhos se comunicavam entre si e havia mais cordialidade e menos agressividade (KOURY, 2008).O entorno das moradias se torna, assim, ameaador. Os habitantes mais pobres da cidade so evitados e objetificados, atravs da tica perversa, construda pela cultura do medo, como marginais, delinquentes (KOURY, 2010; CALDEIRA, 2003). O sentido da violncia torna-se, desse modo, endmico, banalizando a vida e tornando o ato de viver um instrumento de busca de segurana pessoal e privada cada vez maior. As mortes violentas e as chacinas comeam a se tornar tolerveis e no provocam mais indignao, e so at mesmo desejadas, como forma de diminuio das ameaas pessoais.Cultura do Medo e JuventudeDe acordo com uma pesquisa que busca traar o perfil da juventude brasileira, realizada pelo Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), 63% dos entrevistados nas capitais e regies metropolitanas brasileiras, com idade entre 15 a 24 anos, demonstraram preocupao com a violncia e com a falta de segurana no pas (Jornal do Comrcio, 02/02/2010). O que sinaliza para uma descrena nas polticas pblicas nacionais e para um receio pessoal crescente de frequentar espaos pblicos, ou mesmo de aproximar-se de outros cidados, principalmente jovens. O que refora o medo nos indivduos jovens de classes mais baixas e, quase por referncia, o receio parece se estenderconversas de quatro ou mais horas de durao, onde se ouve desde relatos de trajetrias pessoais, a projetos e planos pessoais, familiares e coletivos, perdas, incertezas e medos cotidianos, at aos efeitos da grande violncia imaginria ou real, em que situam suas vidas em relao aos outros relacionais ou aos outros impessoais. Essa terceira fase se encontra em andamento, com previso de trmino no final de 2012, quando ser feito um balano geral sobre medos e cotidiano no Brasil urbano contemporneo. At o momento foram realizadas 420 entrevistas diretas nas cidades acima assinaladas. O termo muitos entrevistados, usado no pargrafo acima, se refere aos quase noventa por cento (88,8%) dos 373 entrevistados, das classes mdias e mdia alta, at agora ouvidos durante o trabalho de campo.
  7. 7. Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011 477a todos os jovens de camadas sociais iguais ou mesmo superiores.A cultura do medo constri, assim, uma barreira invisvel que separa as pessoas e as isola, fazendo-as temer a tudo e a todos e nunca confiar no outro9. Entre os jovens, esse embarao ganha contornos mais ntidos, associado que est a um distanciamento maior e cada vez mais alongado do poder de consumo, que vai desde o tempo e a qualidade da educao formal, questo da insero no mercado de trabalho precoce e cada vez mais difcil, at a aquisio de objetos de moda. O que amplia a distncia entre as classes, com a excluso e banalizao dos miserveis, ao mesmo tempo em que, tambm, demanda um estranhamento geral, j que jovens de classe mdia baixa, e s vezes alta, so cada vez mais apontados como executores de atos de delinquncia juvenil. Atos que vo desde a participao em roubos e furtos, espancamentos de outros jovens, envolvimento com droga, no apenas como consumidores, mas tambm como integrantes do trfico, prtica do estupro, sequestro e morte.Vrias reportagens na mdia nacional do destaque a grupos de jovens de classe mdia alta, envolvidos em espancamentos e lutas corporais, por motivos banais, em todas as capitais dos estados brasileiros. Desde o tocar fogo em um ndio que se encontrava dormindo em um ponto de nibus, na cidade de Braslia, ou o espancamento de mendigos nas ruas, como acontecido nas cidades de Recife e do Rio de Janeiro, at espancamentos de outros jovens por rixa de grupos rivais, ou porque estavam com a ex-namorada de outro, ou porque um dos participantes de um grupo achou que houve insinuaes para outro dos membros do seu grupo do sexo masculino e, sobretudo, do feminino , por um ou mais dos membros do grupo oposto, alm de envolvimento com estupros e com drogas, entre outros casos, so fatos de destaque na mdia nacional, de forma corriqueira, desde os anos finais do sculo XX10. importante frisar que a violncia juvenil sempre existiu nas classes mdias urbanas do pas, como os casos marcantes do estupro e morte de Aida Cury, no Rio de Janeiro, e Aracele, em Braslia, com grande visibilidade pela mdia e comoo nacional. O que se quer demonstrar neste artigo, contudo, a banalidade com que esses acontecimentos acontecem nas ltimas dcadas, gerando desconfiana e ampliando o circuito do medo do outro relacional.A cultura do medo faz as famlias dos jovens desconfiarem de todos os colegas dos seus filhos, mesmo os de famlias a muito conhecidas, pois, como confidenciou mais de um casal de pais de adolescentes e adultos jovens, em entrevista ao autor, nunca se sabe, na verdade, quem que est com o nosso filho, ou, s vezes filho de um conhecido de muito tempo, mas, que se revela um pequeno delinquente, podendo estar envolvido com droga ou com coisa pior, ou at meu filho chegar em casa eu no descanso, pois no sei at onde vai o esprito dos coleguinhas dele, ou ser que ele vai ser assaltado por um marginal na10. importante frisar que a violncia juvenil sempre existiu nas classes mdias urbanas do pas, como os casos marcantes do estupro e morte de Aida Cury, no Rio de Janeiro, e Aracele, em Braslia, com grande visibilidade pela mdia e comoo nacional. O que se quer demonstrar neste artigo, contudo, a banalidade com que esses acontecimentos acontecem nas ltimas dcadas, gerando desconfiana e ampliando o circuito do medo do outro relacional.9. Ver, por exemplo, o estudo sobre a cultura do medo nos Estados Unidos (GLASSNER, 2003), que serviu como fio condutor para o documentrio: Tiros em Columbine, de Michel Moore, premiado com o Oscar 2003.
  8. 8. 478 Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011rua?, ou ser que vai se envolver com brigas puxados por outros?, ou vai ser objeto de chantagem de policiais em busca de dinheiro fcil, ser que vai ser vtima de estupro, entre outras indagaes e medos imaginrios e possveis, visto a construo cotidiana da mdia sobre a fragmentao social e a exposio dos jovens a um mundo de maldades e sem lei.Como exemplos, citam casos expostos cotidianamente na mdia de adolescentes e jovens vtimas de assaltos, estupros, intimidaes vrias por outros jovens de rua, como so considerados no geral os jovens pobres que frequentam a cidade, ou por gangues de jovens, na maior parte no pensamento mgico, influenciado pela mdia, que expande a cultura do medo no pas , composta por jovens marginais ligados ao trfico de drogas ou ao desmanche de carros.Citam, tambm, as relaes intraclasse nas disputas entre jovens pobres intimidando os que querem seguir o caminho do bem, ou grupos de jovens pobres na disputa de espaos nos bairros e ruas onde moram11, ou entre jovens mais ricos e mais pobres de classe mdia e mdia alta, como relaes perigosas. Os de classe mdia e mdia baixa tm medo das relaes travadas com outros jovens de classe mdia alta, pelo uso do poder e impunidade desses ltimos. Lembram notcias, publicadas em jornais e na mdia em geral, de jovens espancados por outros jovens, envolvidos em disputa de espao ou de namoradas, sendo os espancadores, todos de classe mdia mais alta ou, no caso de estupros e mortes de adolescentes patrocinados por grupos de jovens de classe mdia alta e alta, e a impunidade que cercam esses crimes, devido ao poder poltico ou econmico dos pais.Os pais de classe mdia alta ou alta, por sua vez, se dizem com receio das amizades dos filhos com colegas de escola e universidade, muitas vezes autores de sequestros ou mortes dos seus filhos, se no de toda a famlia da vtima. Por motivo de querer um dinheiro mais fcil para comprar tal ou qual objeto de consumo da moda, assim, esses jovens de classe mdia mais baixa, segundo os pais das vtimas e, sobretudo, pelas notcias veiculadas na mdia, aproveitavam do fato de serem amigos dos de classe mais alta e os faziam de vtimas para alcanar os seus objetivos.Citam, como forma de comprovar seus medos, notcias publicadas na mdia nacional sobre jovens sequestrados ou mortos por outros jovens, que iam mesma universidade ou classe escolar e eram amigos de sadas para estudo ou lazer e frequentavam a casa um do outro, quando no, o assassinato de todos os familiares desses jovens, por motivos banais, ou para roubar aparelhos eletrnicos, ou por simples inveja, ou a influncia nefasta de namorados que, por vingana dos pais que no permitem o namoro, induzem o parceiro ou11. O autor (KOURY, 2006 e 2010) estudou um grupo de jovens, com atuao nos bairros populares e reas perifricas da cidade de Joo Pessoa, capital do estado da Paraba, Brasil, para a pesquisa sobre Medos Corriqueiros. O objetivo central desse grupo est localizado no apoio e integrao social dos jovens pobres e na busca da cidadania, tendo o evangelho como fonte de inspirao. Esse grupo disputa espao com outros jovens de outros grupos da cidade, de quem procuram se diferenciar na ao e na identificao de si mesmos, entre o antes e o depois de entrar no grupo.
  9. 9. Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011 479parceira a matar os pais12.Ao mesmo tempo em que a violncia, de forma concomitante e simultnea com o processo at ento explorado nesse trabalho, parece ter se tornado banal, e at democrtica na contemporaneidade brasileira, a violncia e o seu corolrio, o medo da violncia, parecem funcionar, desse modo, como meio de expresso e estilo de vida, especialmente entre os jovens. Uma grande parte dos crimes cometidos no diz respeito relao polcia versus bandidos, to alardeada pela imprensa. Um levantamento dos motivos dos crimes cometidos no estado da Paraba, com notcias sadas na imprensa local, nos anos de 1993, 2007 e 201113, por exemplo, revela que mais de sessenta por cento deles tinham sido por motivos banais: brigas entre amigos no bar, brigas entre vizinhos, briga entre colegas de trabalho, briga entre colegas de escola, briga por mulheres, briga por namorados, brigas pela guarda dos filhos, por cimes, dvidas e vinganas por qualquer motivo.O Jornal do Comrcio, na semana de 23 a 29 de maio de 2004, publicou uma srie de reportagens sobre a cultura da violncia em Pernambuco, intitulada Anatomia da Violncia. A srie, publicada no dia 25 de maio de 2004, discute a questo da Justia pelas prprias mos e revela que, dos crimes praticados em Pernambuco, em 2004, mais de cinquenta por cento foram motivados por questes banais e por vingana pessoal14.O mesmo acontecendo no balano sobre A violncia e os Jovens, publicado no mesmo jornal, em 25 e 26 de julho de 2011: o balano levanta o problema da falncia do sistema criminal do estado de Pernambuco e do pas, pela morosidade e inoperncia, levando descrena da populao sobre ela e aumentando a quantidade de aes que visam justia pelas prprias mos, atravs da vingana pessoal. Outro aspecto levantado a ambiguidade e ambivalncia das regras e normas em relao ao cidado.Apesar da impessoalidade em expanso no cenrio nacional, nas relaes entre os sujeitos sociais, contudo, ainda vigora aspectos de uma pessoalidade em fragmentao acelerada, onde a problemtica da honra (RIBEIRO, 1993; FEBVRE, 1998; PERISTIANY, 1965; especialmente, os captulos de BOURDIEU, 1965 e PITT-RIVERS, 1965) acionada, como forma de resoluo de conflitos entre indivduos (S, 2011). O que torna as aes violentas mais banais, j que os cdigos de honra no dizem mais respeito a uma vivncia tradicional anterior, onde a sociedade brasileira ainda era movida por padres rurais, clientelsticos e patriarcais, apesar de no os ter de todo superado. Ao mesmo tempo em que as regras da impessoalidade trazida pelos cdigos urbanos nos regramentos cveis da justia e da constituio, que acelera a quebra da pessoalidade passada, no possurem ainda a credibilidade e a eficcia desejada no social. De acordo13. Esses mapeamentos se encontram nos arquivos do Observatrio sobre Medos, do GREM.14. importante assinalar que a mesma srie revela que mais de setenta por cento dos assassinatos ocorridos em Pernambuco, em 2004, so praticados ou tm por vtimas adolescentes, jovens e adultos jovens, na faixa de 15 a 39 anos.12. Ver, por exemplo, Folha de So Paulo, 08/11/2003, 22/11/2005, 26/11/2006, 30/12/2007 e 11/05/2008; Jornal do Comrcio, 05/05/2001, 13/06 a 03/11/2003, 11/11/2006, 15/04/2007, 20/05/2008, entre outros. Em uma rpida pesquisa online, notcias publicadas sobre sequestros e assassinatos de jovens de classe mdia alta e alta ou seus pais, por outros jovens que se diziam amigos, colegas ou namorados, ou induziram jovens a matarem seus prprios pais e parentes, por vingana ou droga.
  10. 10. 480 Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011com o Dirio de Pernambuco, de 30/08/2008, no estado de Pernambuco, menos de 2% dos homicdios so julgados pela justia.O que ocasiona um maior sofrimento social da populao que se v s voltas entre uma ruptura dos cdigos sociais passados e uma no definio clara dos cdigos comportamentais e sociais no presente e parece ampliar a esfera da solido e do isolamento dos indivduos e o sentimento de excluso social, j que as regras no valem ou no funcionam para todos, restando apenas a defesa pessoal como arma.A violncia e os atos violentos, desse modo, ocupam o espao deixado pela fragmentao dos valores sociais mais pessoalizados, em uma sociedade de mudanas profundas nas esferas comportamentais e caminhando para um individualismo selvagem como modo de vida, j que as devidas regras sociais do novo momento da sociabilidade brasileira no se encontram de todo claras, ou sequer esboadas. Os valores que criam a identidade do indivduo, dessa forma, pulverizados e questionados no seu potencial de pertena, parecem colocar- se no social de forma frgil e transitria, ampliando a solido dos sujeitos e amplificando o imaginrio social do outro como concorrente, como inimigo ou estranho (KOURY, 2009), contribuindo para os contornos sociais de onde se visibilizam as interaes entre indivduos para esse novo carter da violncia, expressa de diferentes maneiras pela mdia e que parece conformar o imaginrio dos cidados. O que parece gerar, nos cidados, jovens e adultos, uma enorme obsesso pelo medo, entre outros atributos, usados pela cultura do medo como um sustentculo e ampliao da indstria que a mantm.Todos os jovens, portanto, tornam-se sob suspeio. Os mais pobres, comumente, so os considerados marginais ou bandidos per si, pelo simples fato de serem pobres. O que equivale visibilidade concreta da barreira social que est presente de modo claro, separando os que tm algum acesso aos benefcios sociais, culturais e econmicos de um cidado e os que simplesmente ousam existir (a maioria da populao). Os demais, das classes mdias (baixa, mdia e alta e suas variaes em torno de cada faixa) e da classe alta, so suspeitos uns em relao aos outros, provocando um medo generalizado sobre as aes possveis que envolvam cada jovem em particular como vtima ou autor de um ato de maldade.Digo maldade porque a cultura do medo termina por levantar uma discusso geral e presente no imaginrio do brasileiro mdio, da relao entre o bem e o mal intrnsecos. Onde o bem sempre visto do lado do seu ou do meu jovem, e o mal em relao aos outros jovens em geral. Relao imaginria que provoca a suspeio de todos como universo de precauo pessoal15.15. A questo chega a tal ponto que um dos apresentadores famosos de programas populares da televiso brasileira, no seu Domingo Legal, no ano de 2003, como forma de aumentar audincia, forjou um furo de reportagem, onde exibia atores disfarados de bandidos, ameaando celebridades, governadores, sacerdotes, artistas e outros apresentadores, entre outras personalidades, de sequestro e morte, o que exacerbou o medo entre os cidados (Revista Veja, 12 de maio de 2004). O fato foi desmascarado por um dos apresentadores de outro canal televisivo que teve o seu nome relatado entre os possveis sequestrados, que conseguiu chegar aos atores que encenaram a farsa, desmascarando o furo jornalstico da matria sensacionalista exibida no horrio da tarde, por vrias semanas consecutivas, para todo o Brasil. Esse fato alertou organizaes de defesa civil que passaram a se mobilizar contra esse plano perverso por trs de uma luta de audincia em funo de uma ampliao do medo no territrio nacional.
  11. 11. Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011 481A grande questo da cultura da violncia, no Brasil, a do encobrir os enormes problemas sociais ligados, sobretudo, escassez e ao desvirtuamento de recursos para a educao, sade e gerao de empregos, desvio para aes ligadas indstria e cultura da violncia. Indstria que consome recursos estratosfricos em manuteno e atualizao de um quadro social de receios e medos nos cidados das diversas camadas sociais. Cultura que, ao mesmo tempo, amplia a margem de negcios com artigos de segurana privada e pblica e refora os laos da indstria do medo com a produo do prprio medo e seus correlatos, como a corrupo, o desvio de verbas destinadas a polticas pblicas e sociais, o envolvimento de setores do estado, de polticos e de policiais com os cartis da droga, e com os desmandos do poder em todas as instncias do social. Com isso, amplia as margens de vulnerabilidade social, sobretudo entre os jovens, onde as relaes pessoais, institucionais e sociais se tornam incertas, sujeitas concorrncia desenfreada, em que a regra no ter regra e tudo vale por um lugar ao sol, e preenchidas pelo medo do outro, ampliando as possibilidades de tenso intra e interclasses.Como informa Dubet (2006, p. 25), existe uma espcie de conformismo frustrado, em que os jovens de classes mais pobres se sentem perdedores: seja pela dificuldade de mobilidade social, mesmo quando includos em polticas sociais de incluso social, como o Pr-Uni, o Bolsa Jovem, o Pr-Jovem, etc. Esses programas apresentam-se como uma alternativa, quase sempre frustrada, por no levarem em conta a defasagem da formao do jovem pobre com as demandas do mercado, inclusive com a lgica de ensino tcnico e universitrio brasileiros, gerando estigmatizaes e os acusando de no competitivos e de difcil enquadramento.Martins e Telarolli, (2004, p. 81) discutem, por sua vez, as razes pelas quais os jovens no permanecem ou optam pela criminalidade em uma sociedade movida pela cultura e indstria do medo, como a brasileira atual. Para elas, na medida em que os jovens envolvidos ou potencialmente sujeitos a aes de risco vo tendo oportunidades de repensar e, concomitantemente, de ingressar em outros espaos culturais de sociabilidade, o sentimento de pertencer a uma rede de violncia, ou a grupos e gangues onde a violncia seja a regra, tende a perder a importncia.Elas procuram demonstrar que, se houver uma poltica social adequada, e que leve em conta um programa de mdio e longo prazo de reestruturao dos processos de formao educacional e profissional da juventude pobre no pas, possvel modificar a tendncia imaginria e real da quase destinao dos jovens brasileiros violncia. As autoras, desse modo, reiteram a importncia de uma reformatao do ensino fundamental, mdio, mdio profissionalizante e universitrio do pas, e das polticas pblicas voltadas clientela infanto-juvenil, como medidas de implantao do processo democrtico e cidado para as novas geraes (MARTINS & TELAROLLI, 2004, p. 82). O que
  12. 12. 482 Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011possibilitar, como resultado, um possvel envolvimento dos jovens com outras atividades.Longhi (2011), por sua vez, fala de um processo de busca de transferncia de experincias pessoais de jovens moradores da periferia da cidade do Recife para outros jovens, moradores locais que no tiveram as mesmas possibilidades de mobilidade pessoal. A autora se refere a uma experincia feita por jovens universitrios moradores de reas de favela de abrir um curso noturno gratuito de capacitao para outros jovens moradores do local ou adjacncias, para entrada no sistema tcnico ou universitrio superior.O elemento de reciprocidade, como uma ddiva que retorna comunidade (LONGHI, 2011, p. 22), a ideia de retribuir para com os outros iguais, de um lado, revela uma crtica falta de oportunidades dos jovens: pssima educao formal, estigmatizao, convvio com outros geracionais que foram arrancados da vida, ainda jovens, por se envolverem em drogas, etc.; e, de outro lado, uma busca de ao efetiva que: 1) aumente o sentimento de pertencimento ao local em que foram criados; e 2) indique sadas prprias de integrao sociedade que no atravs do desvio das drogas ou da violncia, mas sim, atravs de aes afirmativas que provoquem melhoras e estratgias para ultrapassar dificuldades.Atividades onde a existncia de calendrios pessoais, ou de planos de existncia em que o tempo pessoal da vida manejado, podero sobrepor-se objetificao do presente dirio de sofrimento e injustia. Movimento, quem sabe, que tender a se justapor banalizao da vida pessoal e coletiva e falta de projeo de si no futuro, isto , de um social por eles, e para eles, tambm em construo.Abstract: This article aims to raise questions about the culture and industry of fear in Brazil today, through the relationship between youth and violence, and evaluates the consequences of this correlation by means of the propositions raised by the Brazilian media in the national imagination. This problem is understood by observing the training of young people in this first decade of the XXI, in a time of significant changes in patterns of national behavior. These changes spray social values and stride to the growing individualism in social relations and expansions to the fear to the other, within the interactive forms that are subject not only youth, but the general population.Keywords: Urban Fears, Culture of Fear, Violence, Youth, Media.
  13. 13. Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011 483Referncias BibliogrficasBOURDIEU, Pierre. O sentimento da honra na sociedade Cablia. In: J. G. Peristiany (org.) Honra e vergonha. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian, p. 157- 198, 1965.CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Direitos humanos ou privilgio de bandidos? Desventuras da democratizao brasileira. Novos Estudos, n. 30, p. 162-174, julho, 1991.__________ . Cidade de Muros: crime, segregao e cidadania em So Paulo. 2a edio. So Paulo: Ed. 34 / Edusp 2003.CASTRO, M. G. (Coord.). Cultivando vida, desarmando violncia: experincias em educao, cultura, lazer, esporte e cidadania com jovens em situao de pobreza. Braslia, UNESCO, 2001.CCLF/Gajop. Galeras, comportamentos violentos na adolescncia. In: Relatrio de pesquisa. Recife, mimeo, 1993.COSTA, Mrcia Regina. Juventude e violncia: a produo de subjetividades conservadoras. Margem, n. 7, Agosto, 1998.DIGENES, Glria. Imagem e narrativas: registros afetivos. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoo, http://www.rbse.rg3.net, v. 1, n. 2, agosto, 2002, p. 152-170. (Lido em 06.09.2010, 17hs).DUBET, Franois. Sobre a violncia e os jovens. Cadernos de Cincias Humanas Especiaria, v. 9, n. 15, 2006, p. 11-31, jan/jun.ELIAS, Norbert. O processo civilizador. 2 vols. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990; 1993.FEBVRE, Lucien. Honra e ptria. Rio de Janeiro: Civilizao Brasileira, 1998.GRASSNER, Barry. Cultura do Medo. So Paulo, Francis, 2003.KATZ, Jack. What makes crime news? Media, Culture and Society, v. 9, 1987, p. 47-75.KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. As violncias invisveis na Paraba 1993. Poltica & Trabalho, n. 8-10, abril, 1994, p. 3-12.__________ . Pertencimento, medos corriqueiros e redes de solidariedade. Sociologias, v. 12, n. 25, 2010a, p. 286-311.
  14. 14. 484 Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011__________ . Identidade e pertena: disposies morais e disciplinares em um grupo de jovens. Etnogrfica, v. 14, n. 1, Fevereiro, 2010, p. 27-58.__________ . O que medo: Um adentrar no imaginrio dos habitantes da cidade de Joo Pessoa, Paraba Psicologia & Sociedade, v. 21, n. 3, Dezembro, 2009, p. 402-410.__________ . De que Joo Pessoa tem medo? Uma abordagem em antropologia das emoes. Joo Pessoa: Ed. Universitria, 2008.__________ . O vnculo ritual. Um estudo sobre sociabilidade entre jovens no urbano brasileiro contemporneo. Joo Pessoa: Ed. Universitria, 2006.__________ (Org) Medos corriqueiros e sociabilidade. Joo Pessoa: Ed. Universitria, 2005.__________ . Sociologia da Emoo. O Brasil urbano sob a tica do luto. Petrpolis, Vozes, 2003.__________ . Medo, vida cotidiana e sociabilidade. Poltica & Trabalho, a. XVIII, n. 18, setembro, 2002, p. 09-19.LONGHI, Mrcia Reis. Reflexes sobre reconhecimento e insulto moral a partir de trajetrias de rapazes moradores de uma comunidade pobre do Recife. Texto apresentado ao GT 34: Sociologia e Antropologia da Moral, da 35 Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu, ANPOCS, 2011.MARTINS, Jos de Souza (Coord.) Massacre dos inocentes. A criana sem infncia no Brasil. So Paulo, Hucitec, 1993.MARTINS, Regina Helena Oliveira; TELAROLLI, Teresa Cristina.Experincias de violncia: gangues e armas. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoo, http://www.rbse.rg3.net, v. 3, n. 7, Abril, 2004, p. 55-82. (Lido em 06.09.2010, s 15hs.)PERISTIANY, J. G. (Org.) Honra e vergonha. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian, 1965.PITT-RIVERS, J. Honra e posio social. In: J. G. Peristiany (org.) Honra e vergonha. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian, 1965, p. 11-60.PORTO, Maria Stela Grossi. A violncia entre a incluso e a excluso social. Tempo Social, vol. 12, n. 1, 2000, p. 187-200.RIBEIRO, R. J. A glria. In: A. Novaes (org.) Os sentidos da paixo. So Paulo: Companhia das Letras, 1993, p. 107-116.
  15. 15. Revista Sociedade e Estado - Volume 26 Nmero 3 Setembro/Dezembro 2011 485SA, Leonardo. A condicao de bichao da favela e a busca por consideracao: Uma etnografia de jovens armados em favelas a beira-mar. Dilemas. Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 4, n. 2, 2011, p. 339-355.SENNETT, Richard. O declnio do homem pblico: As tiranias da intimidade. So Paulo: Companhia das Letras, 1998.SOUZA, Marcelo Lopes de. Fobpole: o medo generalizado e a militarizao da questo urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.SPOSITO, Marilia Pontes. Transversalidades no estudo sobre jovens no Brasil: educao, ao coletiva e cultural. Educao e Pesquisa, v. 36, n. spe, Abril, 2010, p. 95-106.__________ . A sociabilidade juvenil e a rua: novos conflitos e ao coletiva na cidade. Tempo Social, v. 5, ns. 1-2, 1993, p. 161-178.TAKEUTI, Norma Missae. No outro lado do espelho. A fratura social e as pulses juvenis. Rio de Janeiro: Relume Dumar, 2002.VIANA, Hermano (Org) Galeras cariocas. Rio de Janeiro, Editora da UFRJ. 1997.VIEIRA, Danielli. Historias sobre homicidios entre jovens: Mundo do crime e comensurabilidade. Dilemas. Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 4, n. 2, 2011, p. 281-308.WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violncia 2011. Os jovens do Brasil. So Paulo / Braslia, Instituto Sangari / Ministrio da Justia, 2011.