medos, fobias e pänico.pdf

Download Medos, fobias e pänico.pdf

Post on 13-Oct-2015

20 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    1/14

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    2/14

    Qualquer pessoa que tenha a mnima conscincia de sua indivi-

    dualidade movida pelo seu prprio amor, seu prprio trabalho,

    sem se importar intimamente com o que os outros pensam dela. No

    espera o reconhecimento de ningum, porque tem a si mesma.

    O

    O orgulho a mais enraizada manifestao da iluso, e a iluso

    sustentada por uma cultura de convenes.

    Maturidade pode ser definida pela capacidade individual de

    ouvir a conscincia, em detrimento dos apelos do ego.

    A vida conspira com os propsitos do bem, basta que nos devo-

    temos a ele.

    Nenhuma fora maior do que o bem em todos os tempos.

    E D

    R

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    3/14

    I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . P . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    P . . . . . . . . . . . . . . . . .

    C . . . . . . . . . .

    O . . . . . .

    O . . . . . . . .

    F . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    F . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    F . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M, TOC (T O-C) .

    S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    P

    . . . . . . . . . . . D . . . . . . . . . . . . . .

    T . . . . . . . . .

    I

    . . . . . . . . . . . . . . .

    E . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . .

    M -, - . . . . . . . . . . . . . . . . M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    S

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    4/14

    1 2

    M E D O S , F O B I A S E P N I C O

    M () . . . . . . . . . . . . . . .

    M

    () . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M - . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M () . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . . . . . M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M () . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . M , . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . . . . . M , . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    5/14

    1 3

    L o u r d e s P o s s a t t o

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . M , . . . . . . . . . . .

    M () . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M , . . . . . . . . . . .

    M - . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    6/14

    1 4

    M E D O S , F O B I A S E P N I C O

    T , . . . . . . . . . . . . . . . . .

    O :

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .T . . . . . . .

    T . . . . .

    T

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    R . . . . . . . . . . . . . . . .

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    7/14

    Para lidar de maneira eficaz com os medos precisamos, pri-

    meiramente, aceit-los, e, depois, procurar entender a mensagem

    que eles nos transmitem, que basicamente so duas:

    Medos preservadores: so considerados naturais e preser-

    vam a vida.

    Medos neurticos: transmitem mensagens sobre a presen-a de foras e potenciais naturais que precisam ser reco-

    nhecidos em ns, para que os usemos adequadamente. So

    os medos que desenvolvemos por conta de nossas crenas

    de adequao; so medos projetados.

    imprescindvel que compreendamos os nossos medos, a fimde, a partir dessa compreenso, lanarmos mo do nosso potencial

    de coragem, para, a sim, mudar o que precisamos em nosso jeito de

    agir, e, com isso, termos condies de enfrent-los e resolv-los.

    O trabalho de elaborao dos medos comea com um auto-

    questionamento:

    Como a minha natureza? Como o meu ego?O que me leva a agir de uma determinada maneira?

    Qual a raiz desse comportamento?

    I

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    8/14

    1 6

    M E D O S , F O B I A S E P N I C O

    Por mais que os medos possam atrapalhar, e por mais estra-

    nho que seja, possvel que algum no queira amadurecer e

    livrar-se de seus medos, na medida em que lhe seguro esconder--se atrs deles e com isso acomodar-se! Assim, para se livrar dos

    medos, imperioso questionar-se, abandonar o comodismo e a

    viso de mimo que o indivduo tem de si mesmo e da vida.

    Aceitar, entender, confrontar os medos uma forma de auto-

    conhecimento; o medo no vai embora sozinho, a menos que

    compreendamos porque conservamos determinadas atitudes e seefetuarmos modificaes em nossas posturas.

    Do que voc tem medo? Medo de viver? Medo de morrer?

    Medo de doenas? Do escuro, de gua, de altura, de insetos, de

    animais, de perdas materiais, de perder pessoas queridas? Medo

    de que o mundo acabe? Medo do futuro, hipocondria, claustro-

    fobia, solido, medo de sonhar, medo de dormir, sndrome dopnico, fobias? Medo de ser voc mesmo?

    Eis aqui um grande paradoxo, pois a natureza, atravs de

    leis e cdigos evolutivos, impulsiona o homem a ser ele mes-

    mo, a assumir responsabilidade pela sua integridade e a se re-

    aproximar de sua verdadeira natureza. Porm, os processos de

    aculturao, formao familiar e social lhe impem crenas,decretos e defesas tais que o afastam de seu ser essencial, o que

    lhe acarreta, na realidade, um grande medo de ser ele mesmo.

    Ento, o que acontece? Invariavelmente surgem os processos

    neurticos e medos, e isso o afasta e impede de ser a expresso

    de sua verdadeira natureza. Voc entender esse processo, uma

    vez que discorreremos sobre isso ao longo deste livro.Entretanto, importante entender que os medos fazem parte de

    nossa natureza. So mecanismos que preservam a vida. No existe

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    9/14

    1 7

    L o u r d e s P o s s a t t o

    no ter medo de nada, sempre haver certa apreenso, uma ques-

    to de tomar cuidado e observar melhor. De fato, se algum no

    tivesse medo algum, com certeza seria um suicida em potencial. O

    medo de morrer, de algo no dar certo, daquilo que no conhece-

    mos ou no entendemos extremamente comum e saudvel. O

    medo nos impe um sentido de alerta, como que dizendo:

    Cuidado!

    V com calma! Preste ateno!Pondere!

    E quanto ao medo de morrer? Saiba que temos em nosso or-

    ganismo o chamado princpio da vida, cujo objetivo preservar

    a nossa integridade, a fim de cumprirmos nosso propsito de

    existncia, que viver e estar de fato presente em cada processode encarnao. Logo, ter medo de morrer absolutamente nor-

    mal, porque a existncia desse medo est nos preservando,

    justamente para que tenhamos uma vida boa e com responsabi-

    lidade. Nossa natureza sabe e considera um processo normal

    nascer, sabendo que um dia iremos morrer, e que isto faz parte

    do mecanismo da vida.Porm, o medo neurtico de morrer aquele que impede o

    viver de forma saudvel e responsvel. Na realidade, poderamos

    dizer que, quando o medo de morrer muito intenso, significa

    que o indivduo no est vivendo a vida que gostaria, ou no est

    sendo aquilo que gostaria de ser; logo esse medo de morrer, de

    forma lgica, existe como se estivesse expressando: Deste jeitono quero, prefiro abdicar deste tipo de vida. Voc entender me-

    lhor sobre isso em captulo especfico.

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    10/14

    1 8

    M E D O S , F O B I A S E P N I C O

    Enfim, quem de ns nunca teve medo, receio de algo? Por

    mais corajoso que algum seja, em algum momento de sua vida,

    j sentiu e sentir medos, receios e inseguranas, diante de algu-ma coisa ou fato. Sim, porque insegurana tambm uma espcie

    de medo.

    Existem os medos de coisas conotadas como ruins, como

    morte, perdas, solido, doenas e tambm os medos de coisas

    consideradas boas, como ser feliz, ser bem-sucedido, ter boa

    sade, ter um bom relacionamento. Alis, estes medos sodenominados de resistncias, por conta de crenas adquiri-

    das ou desenvolvidas durante a formao de um indivduo. O

    mecanismo dessas resistncias ser explicado em captulo es-

    pecfico. H inclusive situaes que determinadas pessoas

    vivenciam como ruins e querem alter -las; sabem que, se

    houver mudanas, a possibilidade de melhoria existe, porm,ao mesmo tempo que sabem o que precisam fazer, elas tm

    muito medo de agir. H o medo do novo. Precisamos perce-

    ber que vivemos todo dia um recomeo, e, se tivemos capacida-

    de de viver todos os novos dias, bem como os acontecimentos

    relativos a eles at agora, por que achamos que no teremos

    capacidade para enfrentar o amanh? Boa pergunta, no?Mesmo percebendo isso, os medos do futuro, do desconheci-

    do continuam l dentro. E por qu? Responderemos a isso,

    aguarde.

    Todavia, se os medos fazem parte do mecanismo de preserva-

    o da vida, voc deve estar se perguntando sobre os medos que

    fazem mal, aqueles que so danosos nossa psique e que nos impe-dem de nos sentirmos bem. Podemos denominar esses medos de

    neurticos, e voc compreender melhor como os desenvolvemos;

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    11/14

    1 9

    L o u r d e s P o s s a t t o

    existem tambm as fobias, que so os medos hiperdimensiona-

    dos, sem razo aparente de um real perigo.

    As origens dos medos podem ser vrias, por exemplo:

    Experincias traumticas.

    Crenas, supersties e informaes erradas que nos fo-

    ram inculcadas.

    Experincias subjetivas durante a vida intrauterina.

    Pensamentos ansiosos, catastrficos, fbicos ou fantasio-

    sos, no relacionados a eventos especficos, mas a fantasiasdo poderia ser.

    Falta de autoconfiana, insegurana quanto a talentos e po-

    tenciais para enfrentar situaes da vida.

    Desconhecimento da natureza essencial, com seus poten-

    ciais, habilidades e, sobretudo, fora mental.

    Arqutipos medos ligados ao inconsciente coletivo.Experincias de vidas passadas e atuais, que nos influen-

    ciaram sublimando nossa natureza.

    Falta de informao e conhecimento sobre determinados

    fatos e circunstncias.

    Podemos ter medos de coisas que no explicamos. Tomemoscomo exemplo o homem primitivo que temia os fenmenos da na-

    tureza, como raios, troves e estrelas cadentes. Porque no podia e

    no sabia explic-los ou entend-los, achava que esses fenmenos

    representavam constataes da fora negativa dos deuses, e que era

    necessrio aplac-la, a fim de propiciar a benevolncia das divinda-

    des tutelares. Ramatis, no livro Viagem em Torno do Eu, nos diz queOs cultos religiosos de todos os tempos expressam o sentimento do

    temor despertado pela ignorncia, na qual os seres humanos viviam

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    12/14

    2 0

    M E D O S , F O B I A S E P N I C O

    mergulhados com relao ao Universo criado e suas leis de equilbrio

    e harmonia. Incapazes de manipular os aspectos criadores da Vida,

    as coletividades limitavam-se a articular, para uso prprio, uma in-

    terpretao do que viam. E de tal situao surgia, como decorrncia,

    todo um conjunto de comportamentos reparadores e defensivos, nem

    sempre coerentes com a realidade ainda inexplorada. Ramatis est

    aqui se referindo a rituais e determinados procedimentos cridos

    com a iluso de aplacar a ira dos deuses.

    Creio que, de forma idntica do homem dessas coletividadesprimitivas, com certeza atuamos assim ainda hoje, quando con-

    cedemos poder quilo que tememos, justamente porque no en-

    tendemos, desconhecemos ou no explicamos determinado fato.

    Essa colocao de Ramatis reflete um arqutipo que carregamos,

    e isso tem muita lgica.

    Aquele homem primitivo, por conta do seu temor e ansiedade,associava o que acontecia nos cus sua postura de submisso, ou

    a uma forma de reverncia. Possivelmente isso deu incio a um

    ritual a cada vez que ocorria o fenmeno, ele ficava quieto e

    temia os cus. Quem sabe num desses momentos os raios e tro-

    ves tenham se acalmado e aquele homem atribuiu esse fato sua

    reverncia ou a qualquer outro movimento que tenha feito, inclu-sive um pedido de socorro aos deuses. bem possvel que esteja

    a a origem das manias para acalmar a ansiedade causada pelo

    medo. Inconscientemente foi ento estabelecido o processo de

    associar gestos ou atitudes repetitivas com o objetivo de acalmar

    e apaziguar a ansiedade gerada pelo medo ou pensamento ansio-

    so. As supersties tambm esto relacionadas a esse mesmo pro-cesso de associao.

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    13/14

    2 1

    L o u r d e s P o s s a t t o

    Podemos afirmar tambm que, sob um aspecto mais abran-

    gente, o medo, em nvel apreensivo, pode estar relacionado falta

    de f no amparo da vida, ao desconhecimento das leis naturais

    bem como ausncia de autoconhecimento. Observamos isso na

    postura de determinados indivduos que tm necessidade de con-

    trolar tudo e todos ou em algum que pode ter muitas dvidas

    quanto sua capacidade de lidar com algumas situaes possivel-

    mente difceis, e questiona se vai dar conta de fazer o que precisa

    ser feito ou enfrentar o que precisa ser enfrentado. Podemos citarcomo exemplos medo de doenas graves em pessoas queridas e

    prximas; estados terminais, contato com a proximidade da mor-

    te, prpria ou de algum bem prximo, velrio etc. Quantas

    situaes que tememos e sofremos por antecipao, com a sensa-

    o de que no sobreviveremos a elas, no mesmo?

    Enfim, a proposta deste livro :O desafio de entender os nossos medos e suas razes.

    Compreender que os medos neurticos querem nos mos-

    trar potenciais que temos, mas que no estamos usando

    adequadamente.

    Como nos desvencilhar dos medos neurticos.

    Afinal, entender, administrar os nossos medos, romper com

    os medos neurticos, que nos deixam insatisfeitos, nos atrapa-

    lham, nos impedem de sermos mais naturais e contribuem para

    atrasar a nossa evoluo espiritual, assim como saber lidar com os

    medos preservadores que nos impem ateno e cuidado, tudo

    isso representa os caminhos para o autoconhecimento.

    Boa leitura!

  • 5/23/2018 Medos, fobias e p nico.pdf

    14/14