literatura informativa e literatura de catequese juliene paiva osias

Download Literatura informativa e Literatura de catequese Juliene Paiva Osias

Post on 17-Apr-2015

110 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Literatura informativa e Literatura de catequese Juliene Paiva Osias
  • Slide 2
  • DESEMBARQUE DE CABRAL EM PORTO SEGURO EM 1500 OSCAR PEREIRA DA SILVA (1922)
  • Slide 3
  • Em 21 de abril de 1500, o comandante Pedro lvares Cabral e sua esquadra de 13 embarcaes visualizaram o litoral sul do atual estado da Bahia e desembarcaram no local que foi denominado Porto Seguro. A misso era expandir o territrio de Portugal, alm de descobrir riquezas, como ouro e especiarias. O primeiro nome dado nova terra foi VERA CRUZ, logo alterado para PROVNCIA SANTA CRUZ. A MISSO
  • Slide 4
  • Por todo o sculo XVI, entre 1500 e 1601, produziu-se uma literatura informativa composta de: relatrios tratados estudos dirios, etc. DOCUMENTOS DE INFORMAO
  • Slide 5
  • OBJETIVOS DA LITERATURA DE INFORMAO: Descrever a nova terra. Traar um perfil da nova terra para o conhecimento da metrpole portuguesa.
  • Slide 6
  • Os documentos produzidos durante esse tempo no so considerados LITERATURA ARTSTICA, e sim MANIFESTAES LITERRIAS. O 1 documento informativo sobre o Brasil considerado a certido de nascimento do Brasil A CARTA, escrita por Pero Vaz de Caminha. MANIFESTAES LITERRIAS
  • Slide 7
  • Os escritos de informao sobre o Brasil tm carter bastante descritivo. Eles revelam aos europeus os hbitos de vida dos indgenas, alm da exuberncia da terra. Fazem tambm levantamentos gerais da fauna e da flora, dos rios, dos nativos, do mundo tropical. Catalogam animais, vegetao, clima, constituio fsica do povo. O QUE REVELAM OS ESCRITOS
  • Slide 8
  • Os primeiros cronistas nas terras brasileiras passeiam por diversas reas do conhecimento humano: Geografia; Botnica; Zoologia; Etnografia. DIVERSAS REAS DO CONHECIMENTO
  • Slide 9
  • Apesar do carter cientfico que muitas vezes assumem, os textos dos cronistas e dos viajantes esto marcados pela presena de fantasia de seus autores, todos eles exploradores europeus que filtravam fatos e dados, s vezes, acrescentando-lhes elementos mgicos e caractersticas fantsticas. CARTER CIENTFICO VERSUS FANTASIA
  • Slide 10
  • Observe que a nativa retratado no leo sobre tela de Albert Eckhout aparece vestida com roupa de gala, ao estilo europeu, usando joias tambm europeias. O moralismo predominante dos conquistadores portugueses e da Igreja Catlica impedia uma viso pacfica da nudez nativa. O MORALISMO DOS CONQUISTADORES MAMELUCA, DE ALBERT ECKHOUT (1641)
  • Slide 11
  • LITERATURA DE CATEQUESE Aos jesutas, orientados pela ideologia da Igreja Catlica, cabia a converso dos gentios de qualquer maneira, mesmo que os padres tivessem que aprender a lngua tupi, o que acabou acontecendo, por exemplo, com o padre Jos de Anchieta.
  • Slide 12
  • A FONTE DE TODO O CONHECIMENTO
  • Slide 13
  • Na literatura de catequese, a Bblia a fonte de todo o conhecimento. A literatura dos Jesutas bem mais realista que a dos cronistas e viajantes, pois os padres no se iludiam com o novo mundo e tratavam o indgena como pecador. A BBLIA
  • Slide 14
  • Os missionrios da Companhia de Jesus chegaram ao Brasil em 1549, com o primeiro Governador- Geral, Tom de Souza. A misso deles era converter o gentio ao cristianismo. Os jesutas permaneceram no Brasil at 1605. OS MISSIONRIOS DA COMPANHIA DE JESUS
  • Slide 15
  • Os jesutas ensinavam aos nativos os hbitos europeus (como usar roupas) para moraliz-los segundo os padres da Igreja Catlica. Deram especial ateno s crianas, por assimilarem os ensinamentos mais facilmente. CATEQUIZANDO OS NATIVOS
  • Slide 16
  • Os princpios cristos catlicos foram transmitidos pelos jesutas por meio de encenaes: Teatralizao de cenas bblicas. Lances dramticos da vida de Jesus. Vida dos santos. Passagens do Velho Testamento e do Novo Testamento, etc. ENCENAES
  • Slide 17
  • Os jesutas aderiram ao canto, ao dilogo, s narrativas, formas bem populares de encantar o pblico indgena. Aprimoraram-se em ensinar e tambm em aprender com os gentios, aproveitando o aspecto folclrico da cultura dos nativos, mantendo o idioma em que era concebido. Grande parte dos espetculos cnicos comeavam ou terminavam com danas e cnticos tpicos, a fim de envolver os indgenas. TCNICAS DE CATEQUESE
  • Slide 18
  • O PADRE JOS DE ANCHIETA
  • Slide 19
  • Anchieta era poeta, gramtico e catequista. Ele chegou a dominar o tupi de tal maneira que verteu o catecismo, as doutrinas crists e as obras de f para essa lngua. De sua obra, constam poemas, autos, cartas, sermes e uma gramtica do tupi. MISSIONRIO E POETA