identificaÇÃo do projeto - jaguarao.rs.gov.br · pavimentaÇÃo asfÁltica, drenagem,...

of 42 /42
PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARÃO Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITÓRIO TÉCNICO Memorial Descritivo – Pavimentação Asfáltica 2° etapa- JOAQUIM CAETANO Página 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO OBJETO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, DRENAGEM, SINALIZAÇÃO E PASSEIOS com acessibilidades. 1.0 LOCALIZAÇÃO JOAQUIM CAETANO entre a Rua Curupaiti e Corredor das Tropas 2.0 QUANTIDADE Área: 12.691,02 m² 3.0 VALOR TOTAL R$ 1.415.905,22 (hum milhão quatrocentos e quinze mil novecentos e cinco reais e vinte e dois centavos) 4.0 MATERIAS E SERVIÇOS EXECUTADOS POR ADMINISTRAÇÃO INDIRETA Todos os itens. Jaguarão, 18 de agosto de 2016.

Author: lamtu

Post on 09-Dec-2018

215 views

Category:

Documents


0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 1

IDENTIFICAO DO PROJETO

OBJETO

PAVIMENTAO ASFLTICA, DRENAGEM, SINALIZAO E

PASSEIOS com acessibilidades.

1.0 LOCALIZAO

JOAQUIM CAETANO

entre a Rua Curupaiti e Corredor das Tropas

2.0 QUANTIDADE rea: 12.691,02 m

3.0 VALOR TOTAL

R$ 1.415.905,22 (hum milho quatrocentos e quinze mil novecentos e

cinco reais e vinte e dois centavos)

4.0 MATERIAS E SERVIOS EXECUTADOS POR ADMINISTRAO INDIRETA

Todos os itens.

Jaguaro, 18 de agosto de 2016.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 2

MEMORIAL DESCRITIVO

Projeto de Pavimentao ASFLTICA e DRENAGEM

(Empreitada por preo unitrio)

INTRODUO

O presente memorial visa descrever o projeto de terraplenagem, pavimentao,

drenagem, acessibilidade e sinalizao das ruas de Jaguaro descritas abaixo,

conforme projeto.

Obra: Pavimentao Asfltica espessura 4cm

JOAQUIM CAETANO

entre a Rua Curupaiti e Corredor das Tropas

DISPOSIES GERAIS

O presente memorial descritivo de procedimentos estabelece as condies

tcnicas a serem obedecidas na execuo dos servios acima citados, fixando os

parmetros mnimos a serem atendidos para materiais e servios, e constituiro parte

integrante dos contratos.

Todo desenvolvimento do trabalho, relacionado tcnica de execuo, material

empregado, segurana do trabalho, devero obedecer s normas e especificaes

aprovadas e recomendadas pelos rgos competentes (Associao Brasileira de

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 3

Normas Tcnicas ABNT; Legislaes vigentes, etc...) referentes execuo de obras

civis.

Todas as especificaes so complementadas pelos projetos e detalhes de

execuo, devendo ser integralmente cumpridas. As indicaes do Memorial

Descritivo, em caso de divergncia com as do Projeto Geomtrico e Complementares

devero ser comunicadas fiscalizao para ser dada resoluo final. Nas diferenas

de cotas e medidas em desenho, prevalecero sempre os valores escritos.

Todos os materiais empregados na obra devero ser de primeira qualidade e

sero submetidos a exame e aprovao da fiscalizao da obra.

A no descrio de um material ou servio dever ser entendida como de

primeira qualidade e primeiro uso e estar de acordo com as Normas Brasileiras,

especificaes e mtodo da ABNT.

Toda aplicao de material industrializado ou de emprego especial dever

obedecer de acordo com as recomendaes de seus fabricantes.

A mo-de-obra empregada dever ser qualificada e capacitada a executar o

servio requerido. Toda tcnica construtiva utilizada dever seguir a todos os preceitos

normativos.

Todos os servios tero os arremates, acabamentos e adaptaes que se

fizerem necessrios e perfeitamente executados. Caso algum material tenha sido

empregado indevidamente, ou tenha sido impugnado pela fiscalizao, dever ser

removido sem qualquer custo para a Contratante.

Os materiais reutilizados, resultante de demolio ou escavao, sero

destinados conforme orientao da Secretaria Municipal de Planejamento e

Urbanismo.

Ser obrigatrio o controle tecnolgico, devendo ser exigido da construtora e

ser de sua responsabilidade apresentar o Laudo Tcnico de Controle Tecnolgico e os

resultados dos ensaios realizados em cada etapa dos servios, conforme exigncias

normativas do DNIT e ABNT, os quais devem ser entregues obrigatoriamente

CAIXA por ocasio do envio do ltimo boletim de medio para que faam parte da

documentao tcnica do contrato de repasse e para, nos casos de problemas precoces

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 4

no pavimento, subsidiarem os reparos de responsabilidade do contratado, bem como

da responsabilidade solidria da empresa executora dos servios de pavimentao e

controle tecnolgico.

Descrio, critrios de medio e pagamentos dos servios:

Os servios e os materiais fornecidos sero objetos de medies, para efeito de

pagamento, observando os preos estabelecidos na "Planilha de Oramento" e as

quantidades efetivamente executadas ou fornecidas no perodo considerado da

medio mensal.

Os servios executados sero medidos mensalmente, depois de aprovados pela

Fiscalizao que emitir o respectivo demonstrativo de medio. A Nota Fiscal

referente medio ser autorizada a ser emitida pela empresa, aps a aprovao dos

servios realizados, portanto no ser admitido valor de nota fiscal diferente ao valor

aprovado pela fiscalizao.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 5

1.TERRAPLENAGEM

1.1 ESCAVAO MECNICA DE MATERIAL 1 CATEGORIA

PROVENIENTE DE CORTE DE SUBLEITO e=30cm (COM TRATOR

ESTEIRAS 160HP)

A escavao necessria ser realizada para remover solos inadequados. Ser

realizada uma escavao de 30 cm em toda a rea a ser pavimentada, incluindo a

escavao e retirada de solos sem suporte (borrachudos). Ser utilizado trator de

esteiras 160HP ou equipamentos equivalentes desde que aprovados pela fiscalizao.

A camada de escavao ser medida por m de material escavado na pista.

1.2 CARGA, MANOBRAS E DESCARGA DE SOLOS COM CAMINHO BASCULANTE 6m (DESCARGA LIVRE)

O volume de material escavado proveniente do corte de subleito excedente, ou

seja, o material que no ser utilizado no reaterro da microdrenagem e nivelamento

das caladas, ser carregado em caminhes basculantes com capacidade de 6m, por

carga, incluindo as manobras necessrias para otimizar o carregamento do material. A

descarga ser realizada em local de bota-fora licenciado.

1.3 TRANSPORTE COMERCIAL COM CAMINHO BASCULANTE

6m RODOVIA COM REVESTIMENTO PRIMRIO DMT=1Km empolamento

15%

O volume de material excedente carregado, devido ao empolamento estima-se

um volume extra de 15% do escavado, ser transportado em caminhes basculantes de

6m, por carga, para local de bota-fora licenciado localizado distante em mdia 1Km

do local da obra.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 6

2. PAVIMENTAO

2.1 ESCAVAO E TRANSPORTE DE MATERIAL DE 2 CAT BASE

BASALTO DMT 50m COM TRATOR SOBRE ESTEIRAS COM LAMINA E

ESCARIFICADOR

Esta especificao se aplica execuo da camada de base de basalto que dever

ser escavado e transportado, com distncia mxima de 50m at os caminhes de carga

que transportaro o material, em jazida licenciada pela Prefeitura de Jaguaro,

Estes servios somente podero ser iniciados, aps a concluso dos servios de

terraplenagem e regularizao do subleito, e devero ser executados isoladamente da

construo das outras camadas do pavimento e compreender as seguintes operaes:

escavao e transporte.

Os servios devero ser executados mecanicamente, constando o equipamento

mnimo necessrio: trator sobre esteiras com lmina e escarificador. Alm deste,

podero ser utilizados outros equipamentos, aceitos pela Fiscalizao.

O volume ser medida por m de material compactado na pista.

2.2 CARGA, MANOBRAS E DESCARGA DE SOLOS COM

CAMINHO BASCULANTE 6m (DESCARGA LIVRE)

O volume de material escavado na jazida, ser carregado em caminhes

basculantes com capacidade de 6m, por carga, incluindo as manobras necessrias para

otimizar o carregamento do material. A descarga ser realizada na pista em cargas

sucessivas espaadas conforme orientao do encarregado da obra.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 7

2.3 TRANSPORTE COMERCIAL BASE COM CAMINHO

BASCULANTE 6m RODOVIA COM REVESTIMENTO PRIMRIO

DMT=20Km empolamento 15%

O volume de material carregado na jazida, o coeficiente de empolamento do

material de 15%, ser transportado em caminhes basculantes de 6m, por carga,

atravs da rodovia municipal estrada Joaquim Caetano com revestimento primrio,

distante em mdia 20Km, para local da obra na Rua Joaquim Caetano entre a Rua

Curupaiti e Corredor das tropas. Conforme as caractersticas verificadas do material

existente na jazida, admite-se que a relao entre o volume escavado e o volume

compactado na pista de 1/1,15.

2.4 ESPALHAMENTO MECANIZADO DA BASE COM

MOTONIVELADORA 140HP

Ser executado em conformidade com a seo transversal tipo do projeto,

sendo que a mesma ter espessura de 30 cm conforme especificado na Planilha

Oramentria, e nos Projetos.

Os servios de construo da camada de base devero ser executados

mecanicamente, constando o equipamento mnimo necessrio para o espalhamento do

material ser a motoniveladora.

A camada de sub-base ser medida por m de material espalhado na pista.

2.5 COMPACTAO MECANICA DA BASE e=30cm A 100% DO PN -

PAV. URBANA

Ser executado em conformidade com a seo transversal tipo do projeto, e

compreender as seguintes operaes: compactao e acabamento.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 8

Os servios de compactao da camada de base devero ser executados

mecanicamente, constando o equipamento mnimo necessrio: motoniveladora 140

HP; rolo compactador vibratrio tanden ao liso 58 HP 9,4t;

Alm destes, podero ser utilizados outros equipamentos, aceitos pela

Fiscalizao.

Dever ser realizada a compactao de 100% do Proctor Normal.

A compactao de sub-base ser medida por m de material compactado na

pista.

2.6 AREIA GROSSA - POSTO JAZIDA/FORNECEDOR (RETIRADO

NA JAZIDA, SEM TRANSPORTE)

Esta especificao se aplica ao material de travamento da camada de base de

basalto que ser utilizada areia grossa, isenta de materiais orgnicos e pedras na

espessura de 8cm.

Estes servios somente podero ser iniciados, aps a concluso dos servios de

execuo da base, e devero ser executados isoladamente da construo das outras

camadas do pavimento e compreender as seguintes operaes: carga, descarga e

transporte.

O volume ser medida por m de material compactado na pista.

2.7 CARGA, MANOBRAS E DESCARGA DE AREIA GROSSA PARA

TRAVAMENTO DA BASE COM CAMINHO BASCULANTE 6m

(DESCARGA LIVRE) empolamento 10%

O volume de material na jazida, ser carregado em caminhes basculantes com

capacidade de 6m, por carga, incluindo as manobras necessrias para otimizar o

carregamento do material. A descarga ser realizada na pista em cargas sucessivas

espaadas conforme orientao do encarregado da obra.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 9

2.8 TRANSPORTE COMERCIAL BASE COM CAMINHO

BASCULANTE 6m RODOVIA PAVIMENTADA DMT=1,5Km empolamento

10%

O volume de material carregado na jazida, o coeficiente de empolamento do

material de 10%, ser transportado em caminhes basculantes de 6m, por carga,

atravs da rodovia pavimentada, distante em mdia 1,5Km, para local da obra.

Conforme as caractersticas verificadas do material existente na jazida, admite-se que

a relao entre o volume escavado e o volume compactado na pista de 1/1,10.

2.9 ESPALHAMENTO MECANIZADO DA AREIA GROSSA PARA

TRAVAMENTO DA BASE COM MOTONIVELADORA 140HP

Ser executado em conformidade com a seo transversal tipo do projeto,

sendo que a mesma ter espessura de 8cm conforme especificado na Planilha

Oramentria, e nos Projetos.

Os servios de construo da camada de base devero ser executados

mecanicamente, constando o equipamento mnimo necessrio para o espalhamento do

material ser a motoniveladora 140HP.

A camada de base ser medida por m de material espalhado na pista.

2.10 COMPACTAO MECANICA DA BASE DE BASALTO TRAVADO

COM AREIA GROSSA e=10cm A 100% DO PN - PAV. URBANA

Ser executado em conformidade com a seo transversal tipo do projeto, e

compreender as seguintes operaes: compactao e acabamento.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 10

Os servios de compactao e travamento da camada de base devero ser

executados mecanicamente, constando o equipamento mnimo necessrio: caminho

pipa 6000litros (189Kw); rolo compactador vibratrio tanden ao liso 58 HP 9,4t, rolo

compactador vibratrio p de carneiro 17HP 1,65t. Alm destes, podero ser

utilizados outros equipamentos, aceitos pela Fiscalizao. Dever ser realizada a

compactao de 100% do Proctor Normal.

A compactao de base ser medida por m de material compactado na pista.

2.11 ENSAIO DE BASE

Aps a execuo da base os seguintes ensaios sero executados:

Ensaio de granulometria por peneiramento (cdigo Sinapi 74022/6);

Ensaio de compactao (cdigo Sinapi 74022/10);

Ensaio de ndice suporte Califrnia (cdigo Sinapi 74022/19);

Ensaio de teor de umidade (cdigo Sinapi 74022/23);

Ensaio de massa especfica (cdigo Sinapi 74022/15);

Ensaio de equivalente em areia (cdigo Sinapi 74022/42).

2.12 FORNECIMENTO E ASSENTAMENTO DE MEIO-FIO PR-

MOLDADO, Dimenses 12x15x30x100cm (Face Superior x face Inferior x altura

x comprimento),Rejuntado c/Argamassa 1:4 Cimento:Areia, Incluindo Escavaco

e Reaterro.

Todo meio fio, tambm denominado como guias, ser de concreto simples e com

resistncia mnima compresso de 15 Mpa.

Sero abertas valas conforme dimenses das guias. O fundo ser apiloado, sobre

os quais sero assentadas ou reassentadas as guias de maneira a representar a forma, o

alinhamento e o nvel previstos no projeto.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 11

As guias sero rejuntadas com argamassa de cimento e areia, com trao 1:4

respectivamente. Ser tolerado at 20 mm de desvio no alinhamento e perfis

estabelecidos no projeto.

Os meios-fios tero 30 cm de altura, 15 cm de largura na base e 12 cm no topo,

com comprimento de 100 cm. Os meios-fios devero ter resistncia adequada, estando

completamente curados por ocasio de seu uso. Seu acabamento dever ser

satisfatrio, sem rebarbas e porosidade.

Ficaro vista 15 cm pelo lado da pista. A concordncia de altura dos meios-fios

junto aos acessos de garagens ser executada com inclinao de uma pea, mantendo-

se a continuidade entre os normais e os rebaixados. As curvas sero executadas com

fraes de meios-fios, com comprimentos adequados ao desenvolvimento do segmento

curvo, com as faces e arestas subordinadas aos raios. Aps sua colocao, devero ser

adequadamente escorados para evitar deslocamentos.

Os meios-fios sero medidos por metro linear assentado, rejuntado e escorados,

conforme o projeto e especificaes acima.

2.13. 2.14 TRANSPORTE E IMPRIMAO ASFLTICA DA BASE

A imprimao consiste na aplicao de uma camada de material betuminoso

sobre a superfcie de uma base concluda, antes da execuo de um revestimento

betuminoso qualquer, objetivando:

a) aumentar a coeso da superfcie da base, pela penetrao do material

betuminoso empregado;

b) promover condies de aderncia entre a base e o revestimento;

c) impermeabilizar a base;

Podem ser empregados asfaltos lquidos, tipo CM-30, ou IMPRIMA, includo o

transporte at ao trecho da aplicao.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 12

A escolha do material betuminoso adequado dever ser feita em funo da

textura do material de base. A taxa de aplicao aquela que pode ser absorvida pela

base em 24 horas, devendo ser determinada experimentalmente, no canteiro da obra.

A taxa de aplicao varia de 0,6 a 1,6 l/m, conforme o tipo de textura da base e

do material betuminoso escolhido.

Aps a perfeita conformao Geomtrica da base procede-se varredura da sua

superfcie, de modo a eliminar o p e o material solto existente. Aplica-se a seguir, o

material betuminoso escolhido na temperatura compatvel com o seu tipo, na

quantidade certa e da maneira mais uniforme. A temperatura de aplicao do material

betuminoso deve ser fixada para cada ligante, em funo da relao temperatura-

viscosidade.

A fim de evitar superposies, ou excessos, nos pontos inicial e final das

aplicaes, devem-se colocar faixas de papel, transversalmente, na pista, de modo que

o incio e o trmino da aplicao do material betuminoso situem-se sobre esta faixa, as

quais sero a seguir retiradas. Qualquer falha na aplicao do material betuminoso

deve ser imediatamente corrigida. Na ocasio da aplicao do material betuminoso, a

base deve se encontrar seca.

Dever ser observado um perodo mnimo de cura de 24 (vinte e quatro) horas

da imprimao asfltica antes do capeamento com CBUQ.

A imprimao ser medida atravs da rea executada, em metros quadrados

(m).

2.15 ENSAIOS DE IMPRIMAO - ASFALTO DILUDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 13

Aps a execuo da imprimao da base os seguintes ensaios sero executados:

Ensaio de viscosidade Saybolt-Furol (cdigo Sinapi 74022/2);

Ensaio de determinao da peneirao (cdigo Sinapi 74022/3);

Ensaio de desemulsibilidade (cdigo Sinapi 74022/49);

Ensaio de carga da partcula (cdigo Sinapi 74022/48);

Ensaio de adesividade a ligante betuminoso (cdigo Sinapi 74022/37);

Ensaio de adesividade a ligante betuminoso (cdigo Sinapi 74022/51);

Ensaio de resduo por evaporao (cdigo Sinapi 74022/47);

Ensaio de granulometria por peneiramento (cdigo Sinapi 74022/6).

Ensaio de controle de taxa de aplicao de ligante (cdigo Sinapi

74022/27).

2.16 e 2.17 TRANSPORTE E PINTURA DE LIGAO PARA CBUQ

Consiste na aplicao de uma pintura de material betuminoso sobre a superfcie

limpa uma aplicao de pelcula de material betuminoso sobre a superfcie de base

granular imprimada, visando promover a aderncia entre a camada existente e o

revestimento a ser executado.

Aplica-se a seguir, o material betuminoso adequado, na temperatura compatvel

com o seu tipo, na quantidade certa e na maneira mais uniforme. O material

betuminoso no deve ser distribudo quando a temperatura ambiente estiver abaixo de

10C, ou em dias de chuva, ou quando esta estiver iminente.

Deve-se executar a pintura de ligao em toda a camada, em um mesmo turno de

trabalho, e deix-la fechada ao trnsito, sempre que possvel. Quando isso no for

possvel, deve-se trabalhar em meia pista, fazendo a pintura de ligao da adjacente,

logo que a pintura permita sua abertura ao trnsito.

Para a varredura da superfcie a receber pintura de ligao utilizam-se, de

preferncia, vassouras mecnicas.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 14

A taxa a ser utilizada dever variar entre 0,4 a 0,6 l/m, que ser verificado pelo

menos uma taxa de aplicao atravs de ensaio adequado bandeja ou atravs de

preenchimento da Planilha do controle de pintura de ligao.

A distribuio do ligante, emulso asfltica RR-2C, deve ser feita por carros

equipados com bomba reguladora de presso e sistema completo de aquecimento, que

permitam a aplicao do material betuminoso em quantidade uniforme, includo o

transporte at ao trecho da aplicao.

As barras de distribuio devero ser do tipo de circulao plena, com

dispositivo que possibilite ajustamentos verticais e larguras variveis de espalhamento

de ligante.

Os carros distribuidores devero dispor de termmetros, em locais de fcil

observao, e, ainda, um espargidor manual para tratamento de pequenas superfcies e

correes localizadas.

O depsito de material betuminoso, quando necessrio, deve ser equipado com

dispositivo que permita o aquecimento adequado e uniforme do contedo do

recipiente. O depsito deve ter capacidade tal que possa armazenar a quantidade de

material betuminoso a ser aplicado em pelo menos, um dia de trabalho.

A pintura de ligao ser medida atravs da rea executada, em m.

2.18 ENSAIOS DE PINTURA DE LIGAO

Aps a execuo da pintura de ligao os seguintes ensaios sero executados:

Ensaio de viscosidade Saybolt-Furol (cdigo Sinapi 74022/2);

Ensaio de determinao da peneirao (cdigo Sinapi 74022/3);

Ensaio de determinao da sedimentao (cdigo Sinapi 74022/4);

Ensaio de carga da partcula (cdigo Sinapi 74022/48);

Ensaio de resduo por evaporao (cdigo Sinapi 74022/47);

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 15

Ensaio de controle de taxa de aplicao de ligante (cdigo Sinapi

74022/27).

2.19 e 2.20 TRANSPORTE DE CAP 50/70 E USINAGEM DE CONCRETO

BETUMINOSO USINADO A QUENTE (CBUQ),

O Cimento Asfltico de Petrleo 50/70 ser transportado para a Usina sendo

necessrio para compor a mistura do Concreto Betuminoso Usinado a Quente, trao da

mistura e caractersticas melhor descrito conforme cdigo do Sinapi 72962, com peso

especfico do CBUQ de 2,35 toneladas/m.

2.21, 2.22 e 2.23 APLICACAO DE CONCRETO BETUMINOSO

USINADO A QUENTE (CBUQ),CAP 50/70, INCLUSIVE TRANSPORTE

DMT=145Km Caamba trmica e Carga, Manobra e Descarga de Material

Betuminoso

A capa ser executada sobre a base de basalto decomposto aps a realizao dos

servios de imprimao e pintura, observado o tempo de ao do produto.

O revestimento asfltico (capa) consistir de uma camada de concreto

Betuminoso Usinado a Quente (C.B.U.Q.), com espessura de 4,0cm sobre a base de

basalto travado com areia grossa na rea da pista de rolamento e na rea de

estacionamentos.

Composio da Mistura do C.B.U.Q: A mistura da massa asfltica do tipo

CBUQ dever constituir-se em uma mistura uniforme de agregados e cimento asfltico

do tipo CAP-50/70, no teor de 5,6% de CAP-50/70, com peso especfico de 2,35

toneladas/m.

O Concreto Betuminoso Usinado Quente (C.B.U.Q.) ser produzido na usina

de asfalto a quente, atendendo aos requisitos especificados. Ao sair do misturador, a

massa deve ser descarregada diretamente nos caminhes caamba trmica basculante e

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 16

transportada para o local de aplicao. Os caminhes utilizados no transporte devero

possuir lona para proteger e manter a temperatura da mistura asfltica a ser aplicada na

obra. A descarga da mistura ser efetuada na caamba de uma vibro-acabadora de

asfalto, a qual ir proceder ao espalhamento na pista que dever ter como objetivo a

pr-conformao da seo de projeto.

Em conjunto com a vibro-acabadora, dever atuar o rolo pneumtico

autopropulsionado de presso varivel, cujos pneumticos devero ter suas respectivas

presses internas aumentadas gradativamente, com o suceder das passadas. Como

unidade de acabamento, ser utilizado um rolo metlico, tipo tandem.

O concreto betuminoso usinado a quente ser medido em m.

Ser obrigatrio o controle tecnolgico, ser exigido da construtora e ser de

sua responsabilidade apresentar o Laudo Tcnico de Controle Tecnolgico e os

resultados dos ensaios realizados em cada etapa dos servios, conforme exigncias

normativas do DNIT 031/2006 para pavimentos flexveis concreto asfltico

especificao de servio, os quais devem ser entregues obrigatoriamente por ocasio

do ltimo boletim de medio para que faam parte da documentao tcnica do

contrato de repasse e para, nos casos de problemas precoces no pavimento,

subsidiarem os reparos de responsabilidade do contratado, bem como da

responsabilidade solidria da empresa executora dos servios de pavimentao e

controle tecnolgico.

2.24 ENSAIOS DE CONCRETO ASFLTICO

Aps a execuo da camada de concreto betuminoso usinado a quente os

seguintes ensaios sero executados:

Ensaio de penetrao (cdigo Sinapi 74022/1);

Ensaio de viscosidade Saybolt-Furol (cdigo Sinapi 74022/2);

Ensaio de ponto de fulgor (cdigo Sinapi 74022/25);

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 17

Ensaio de susceptibilidade trmica (cdigo Sinapi 74022/28);

Ensaio de espuma (cdigo Sinapi 74022/29);

Ensaio de granulometria do agregado (cdigo Sinapi 74022/52);

Ensaio de granulometria do filler (cdigo Sinapi 74022/54);

Ensaio de equivalente em areia (cdigo Sinapi 74022/42);

Ensaio Marshal (cdigo Sinapi 74022/40);

Ensaio trao por compresso diametral (cdigo Sinapi 74022/55);

Ensaio de densidade (cdigo Sinapi 74022/56).

2.25, 2.26 e 2.27 FORNECIMENTO E ASSENTAMENTO DE PISO

INTERTRAVADO DE CONCRETO - modelo onda 16 faces (PAVIS) 22 x 11 x

08 cm, resistncia de 35mpA (nbr 9781), cor natural

O Pavimento ser executado em duas (03) paradas de nibus referentes ao

transporte coletivo urbano, travados em todo o seu permetro com guia (cordo) de

concreto, assentados de modo que sua dimenso maior fique perpendicular ao eixo

transversal da via, localizao conforme projetos.

Esta etapa a mais importante da construo do pavimento, pois ela

fundamental para a qualidade final do mesmo. Os operrios devem trabalhar sempre

sobre o piso j assentado, por onde ser feito tambm o abastecimento das peas.

O tipo de assentamento ser espinha de peixe 90, ao iniciar a colocao das

peas, deve-se ter o cuidado com o ngulo correto, e sempre iniciar por pontos onde os

apoios so bem definidos, como por exemplo, o meio-fio. As peas devem ser

posicionadas firmemente, lado a lado, encaixando-se com cuidado, no afetando o

colcho de areia. Se ocorrer o surgimento de fendas, as peas devem ser batidas com

martelo de borracha, tendo sempre em vista um melhor ajuste. As juntas entre as peas

devem ter 3mm. importante manter sob controle o posicionamento e o alinhamento

das peas, utilizando-se, para isso, linhas longitudinais e transversais fixadas e

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 18

esticadas a cada 5 m. Os ngulos retos devem ser conferidos atravs do tringulo

retngulo ou gabaritos de madeira.

Terminada a colocao de todas as peas inteiras do trecho, devem se assentar os

ajustes (frao das unidades) nos espaos, junto aos confinamentos externos e

internos. Existem duas maneiras de se seccionar a pea: a guilhotina e a serra circular.

Com a serra circular, a qualidade e a preciso do corte da pea superior ao mtodo da

guilhotina.

A pavimentao ser com blocos intertravados de concreto modelo onda 16

faces (PAVIS), TRNSITO PESADO, nas dimenses 22x11cm e altura mnima 8 cm,

resistncia mnima de 35 MPa (NBR 9781), COR NATURAL.

A camada de assentamento s dever ser executada quando estiverem prontas

as camadas subjacentes sub-base e base, os sistemas de drenagem e os confinamentos

externos e internos,

O assentamento dever ser executado de forma a obedecer ao perfil transversal

determinado in loco, com leve caimento de 5% em direo aos pontos de captao das

guas pluviais. A camada de areia deve ser espalhada e rasada em um movimento

nico de uma rgua, nunca no sentido de vai-vem, importante se controlar as cotas

das guias que garantem a espessura uniforme da camada e o espao para as peas at a

cota final do pavimento. O assentamento do bloco ser executado, cuidadosamente,

sobre o colcho de areia compactado, cuidando o intertravamento entre os blocos.

Imediatamente aps o assentamento da pavimentao ser feito o rejuntamento dos

blocos, com areia de granulometria mdia em abundncia, a seguir, a compactao do

pavimento com rolo compactador vibratrio.

O colcho de areia, para assentamento do bloco, ter espessura de 6 cm, aps

dever ser nivelado e compactado conforme inclinaes de projeto. A areia dever ser

do tipo mdia, limpa e sem pedras, e com umidade natural, no poder estar

encharcada no momento de assentamento dos blocos.

O assentamento do bloco ser executado, cuidadosamente, sobre o colcho de

areia compactado, cuidando o intertravamento entre os blocos. Imediatamente aps o

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 19

assentamento da pavimentao ser feito, a compactao do pavimento com rolo

compactador.

A compactao realizada em duas passadas sobre toda a rea, cuidando-se

para que haja uma sobreposio dos percursos para evitar a formao de degraus. A

compactao deve parar a pelo menos, 1m do limite de peas assentadas, ainda sem

confinamento.

Uma vez executada a compactao final, damos incio ltima etapa: o

espalhamento da camada de areia mdia sobre o pavimento. Uma fina camada de areia

espalhada sobre as peas, e com uma vassoura o operrio varre at que as juntas

entre as peas sejam completamente preenchidas. A compactao final tem como

objetivo conferir uma estabilidade definitiva ao pavimento. Sua execuo se procede

da mesma forma como a compactao inicial, diferenciando-se pelo nmero de

passadas que a placa vibratria ter que executar. Devero ser realizadas pelo menos

duas passadas em diversas direes, observando-se a sobreposio nos percursos

sucessivos.

Aps a compactao final, o operrio deve fazer a varrio final para

posteriormente o pavimento ser liberado para o trfego. Depois de decorrida uma ou

duas semanas aps a liberao do pavimento, a empresa dever retornar ao local para

verificar a selagem das juntas e, se necessrio, preencher as juntas atravs de uma

nova varrio.

3.0 DRENAGEM

3.1 MOVIMENTO DE TERRA

3.1.1 LOCAO DE REDE DE DRENAGEM - Inclusive Topgrafo

As locaes topogrficas da obra devero ser executadas atravs de

equipamentos especficos, adequados e em perfeita obedincia aos projetos

elaborados. A empresa contratada dever informar fiscalizao, por escrito,

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 20

antecipadamente, sobre quaisquer divergncias ou mudanas relativas locao da

obra, que por ventura possa ocorrer.

O servio ser medido por metro linear de rede locada.

3.1.2 ESCAVAO MECANIZADA DE VALA COM PROFUNDIDADE AT

1,5 M (mdia entre montante e jusante/uma composio por trecho) com

retroescavadeira (capacidade da caamba da retro: 0,26 m3 / potncia: 88

hp), largura menor que 0,8 m, em solo de 1a categoria, locaiscom baixo

nvel de interferncia. af_01/2015

As valas devero ser abertas com equipamento mecnico (retroescavadeira),

obedecendo rigorosamente o projeto construtivo, devero possuir sempre o dimetro

externo do tubo acrescido de 10 cm de cada lado. O fundo das valas dever ser

preparado de forma a manter uma declividade constante em conformidade com a

indicada no projeto, proporcionando apoio uniforme e contnuo ao longo da tubulao.

O terreno do fundo das valas dever estar seco, sendo feita se necessrio, uma

drenagem prvia. O fundo das valas dever ser apiloados, regularizados para o perfeito

apoio da tubulao em terreno desprovido de torres ou pedras.

3.1.3 ESCAVAO MECANIZADA DE VALA com profundidade

maior que 1,5 m at 3,0 m, com (mdia entre montante e jusante/uma composio

por trecho) com retroescavadeira (capacidade da caamba da retro: 0,26 m3 /

potncia: 88 hp), largura menor que 0,8 m, em solo de1a categoria, locais com

baixo nvel de interferncia. af_01/2015

As valas devero ser abertas com equipamento mecnico (escavadeira

hidrulica), obedecendo rigorosamente o projeto construtivo, devero possuir sempre

o dimetro externo do tubo acrescido de 10 cm de cada lado. O fundo das valas dever

ser preparado de forma a manter uma declividade constante em conformidade com a

indicada no projeto, proporcionando apoio uniforme e contnuo ao longo da tubulao.

O terreno do fundo das valas dever estar seco, sendo feita se necessrio, uma

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 21

drenagem prvia. O fundo das valas dever ser apiloados, regularizados para o perfeito

apoio da tubulao em terreno desprovido de torres ou pedras.

3.1.4 e 3.1.5 REATERRO MECANIZADO DE VALA COM

RETROESCAVADEIRA (capacidade da caamba da retro: 0,26 m / potncia:

88 hp), largura at 0,8 m, profundidade at 1,5 m ou at 3m, com solo (sem

substituio) de 1 categoria em locais com baixo nvel de interferncia.

af_04/2016

Os solos para o reaterro das valas de drenagem sero provenientes de reas de

emprstimo ou das prprias escavaes no local e, devero apresentar boa qualidade,

ser isento de material orgnico e de impurezas, dever ser compactado em camadas de

20 cm, at atingir na superfcie (cota da sub-base) 100% Proctor Normal.

O transporte de terra para a construo de aterros ser executados por equipamento

adequado para a execuo.

O reaterro das valas de toda a obra dever ser efetuado at a altura original do

terreno, ou at a altura do greide. Caso o material no seja aceitvel, a fiscalizao

poder determinar que o material usado no aterro seja obtido em outra fonte diversa da

vala a aterrar. Todo o material usado no reaterro ser de qualidade aceitvel e no

conter torres grandes, madeira, nem outros materiais estranhos.

A compactao em reas limitadas ser obtida por meio de soquetes mecnicos ou

soquetes de mo apropriados, at que a camada sobre os tubos seja de, no mnimo

50cm. O aterro e a compactao devero ser feitos simultaneamente de ambos os

lados, at a mesma altura; os equipamentos pesados de terraplenagem e compactao

no devero operar a uma distncia inferior a 1,50m do tubo, enquanto uma espessura

de material equivalente a 50cm no tiver sido colocada sobre o mesmo; mquinas

leves e motoniveladoras podero operar dentro dos limites descritos anteriormente,

depois que uma cobertura mxima de 1m tenha sido colocada por cima do tubo.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 22

A medio do servio de reenchimento ser feita em m.

3.2 FORNECIMENTO E ASSENTAMENTO DE TUBULAES

Sero utilizados na rede pluvial, tubos de dimetros internos de 0,40 e 0,60 com

comprimento til de 1,00m, no mnimo, conforme projetos de drenagem.

A rede constituda de tubo de concreto simples, classe- PS1, macho/femea, DN

400 mm, para aguas pluviais (NBR 8890), junta em argamassa 1:3 cimento:areia.

Para travessias, dimenses conforme projeto, devem ser utilizados tubos do tipo

PA2 (NBR 8.890/2003), concreto armado com seo circular, macho-e-fmea quando

as juntas forem rgidas, e ponta-e-bolsa quando as juntas forem elsticas.

Os tubos devero ser rejuntados externa e internamente com argamassa

aditivada, no trao 1:3, de cimento, areia mdia e impermeabilizante. No assentamento

de tubos de concreto, dever-se- evitar cort-los, deslocando-se as posies de caixas e

bocas de lobo, se necessrio.

Os tubos devero ser descidos na vala por processo mecnico (utilizando-se

maquinrio hidrulico), sendo perfeitamente alinhados e nivelados, em conformidade

com as cotas. Antes da execuo de qualquer junta, ser verificado se a ponta do tubo

est perfeitamente centrada em relao bolsa.

Quanto aos materiais, amostras, ensaios, aceitao e rejeio de tubos, devem

ser seguidas a NBR 8.890/2003.

Os tubos devem trazer, em caracteres bem legveis e indelveis, a marca, a data

de fabricao, o dimetro interno, a classe a que pertencem e um nmero para

rastreamento de todas suas caractersticas de fabricao, gravados no concreto ainda

fresco, conforme requisito geral da NBR 8.890/2003. Os tubos devero ser retos, sem

trincas e nem fraturas nas bordas, apresentar superfcie interna e externa

suficientemente lisa e dar som claro quando percutido com martelo leve.

No ser permitida nenhuma pintura que oculte defeitos eventualmente

existentes nos tubos.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 23

Todas as tubulaes devero ser executadas com inclinao conforme indicado

em projeto.

3.4 BOCAS-DE-LOBO

3.4.1 e 3.4.2 BOCA DE LOBO NORMAL E ESCONSA EM ALVENARIA

TIJOLO MACICO, revestida c/ argamassa de cimento e areia 1:3, sobre lastro de

concreto 10cm e tampa de concreto armado

A sua execuo obedecer aos seguintes requisitos mnimos:

As bocas-de-lobo normais sero quadradas e as esconsas sero retangulares,

conforme dimenses do projeto anexo.

As tubulaes nas bocas-de-lobo esconso tero inclinao de 30 em relao ao

eixo normal da caixa, sempre em direo ao fluxo das guas.

Sobre um contrapiso de cascalho, ou equivalente, ser construdo o piso de

concreto, coletor pluvial ser conectado atravs de tubos de dimetro mnimo

de 0,40m, 10 cm acima do fundo.

As paredes sero constitudas em alvenaria de tijolos macios nas espessuras

conforme projeto, rejuntados com argamassa de cimento e areia 1:3, revestida

internamente com massa nica.

Em continuidade do meio-fio e em frente boca ser colocado um espelho de

concreto conforme modelo.

Em frente BL o pavimento ser rebaixado para orientar as guas pluviais.

Sobre as paredes ser colocado laje de concreto armado no mesmo plano de

passeio, devendo ficar uma fenda de 1 cm entre o chassi e o passeio, para

facilitar a remoo do chassi.

Sero constitudas de laje de fundo de concreto simples, com FCK 15Mpa,

com espessura de 10 cm. A alvenaria ser com tijolo macio e espessura de 25

cm, com trao 1:2:8. A viga de amarrao ter 20 cm de altura pela espessura

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 24

do tijolo, ser de concreto armado com FCK 15 MPa, com 4 barras de 8 mm

(5/16) de ao CA-50 e estribos de 4.2 mm a cada 20 cm. A tampa ser de

concreto armado com barras de 10 mm (3/8) de ao CA-50, colocado a cada

10 cm.

3.4.3 e 3.4.4 BOCA DE LOBO EXTENSA (1m e 1,84m) EM ALVENARIA TIJOLO

MACICO, REVESTIDA C/ ARGAMASSA DE CIMENTO E AREIA 1:3, SOBRE

LASTRO DE CONCRETO 10CM E TAMPA DE CONCRETO ARMADO

A sua execuo obedecer aos seguintes requisitos mnimos:

As bocas-de-lobo normais sero quadradas deslocadas do meio fio e tero uma

extenso de ligao at a captao das guas pluviais junto ao meio fio,

conforme dimenses do projeto anexo.

Sobre um contrapiso de cascalho, ou equivalente, ser construdo o piso de

concreto, coletor pluvial ser conectado atravs de tubos de dimetro mnimo

de 0,40m, 10 cm acima do fundo.

As paredes sero constitudas em alvenaria de tijolos macios nas espessuras

conforme projeto, rejuntados com argamassa de cimento e areia 1:3, revestida

internamente com massa nica.

Em continuidade do meio-fio e em frente boca ser colocado um espelho de

concreto conforme modelo.

Em frente BL o pavimento ser rebaixado para orientar as guas pluviais.

Sobre as paredes ser colocado laje de concreto armado no mesmo plano de

passeio, devendo ficar uma fenda de 1 cm entre o chassi e o passeio, para

facilitar a remoo do chassi.

Sero constitudas de laje de fundo de concreto simples, com FCK 15Mpa,

com espessura de 10 cm. A alvenaria ser com tijolo macio e espessura de 25

cm, com trao 1:2:8. A viga de amarrao ter 20 cm de altura pela espessura

do tijolo, ser de concreto armado com FCK 15 MPa, com 4 barras de 8 mm

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 25

(5/16) de ao CA-50 e estribos de 4.2 mm a cada 20 cm. A tampa ser de

concreto armado com barras de 10 mm (3/8) de ao CA-50, colocado a cada

4.0 PONTILHO

4.1 e 4.2 DEMOLIO DA LAJE PASSEIO

Ser demolida a laje de concreto armado do passeio, de um lado, conforme

localizao em projeto.

A demolio dever acontecer de forma a preservar integralmente as estruturas

que no necessitam de interveno. No haver reaproveitamento de material e todo o

entulho dever ser removido por conta da contratada;

4.3 ASSENTAMENTO DE ADUELA/TUBO DE CONCRETO PARA

REDES COLETORAS DE GUAS PLUVIAIS, DIMETRO DE 1500

MM

O prolongamento do sistema de drenagem ser executado com aduelas de concreto

armado, quadrada, com 1,50m de abertura, assentadas sobre lastro de concreto magro.

A ligao entre a tubulao existente e a aduela dever ocorrer de forma continua

atravs de rejunte argamassado.

4.4 MONTAGEM E DESMONTAGEM DE FRMA DE LAJE MACIA

com rea mdia menor ou igual a 20 m, p-direito simples, em chapa de

madeira compensada resinada, 2 utilizaes. af_12/2015

As vigas e os pilares, apoiados diretamente na face superior das aduelas, sero

executados em concreto armado, com dimensionamento e posicionamento indicado

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 26

em projeto. As paredes sero em concreto, armadas com tela de ao, conforme

dimensionamento de projeto. A laje, face superior do passeio, ser executada em

concreto armado sobre lastro de brita.

4.5 e 4.6 ARMAO DE PILAR OU VIGA DE UMA ESTRUTURA

CONVENCIONAL DE CONCRETO ARMADO e ARMACAO EM TELA DE

ACO SOLDADA NERVURADA q-138, aco ca-60, 4,2mm, malha 10x10cm em

uma edifcao trrea ou sobrado utilizando ao ca-50 de 12.5 mm - montagem.

af_12/2015

As armaduras sero executadas nas bancadas destinadas ao corte e dobragem

do ao. Suas dimenses, dimetros e formas seguiro especificaes determinadas em

projeto para cada seo. As ferragens sero colocadas somente aps a limpeza das

formas e aplicao de desmoldante.

4.7 e 4.8 CONCRETO FCK = 25MPA, TRAO 1:2,3:2,7 (CIMENTO/

AREIA MDIA/ BRITA 1) - preparo mecnico com betoneira 600 l. af_07/2016

e lanamento com uso de baldes, adensamento e acabamento de concreto em

estruturas. af_12/2015

O amassamento do concreto fck 25MPa ser feito mecanicamente no trao

estabelecido. Depois de lanado nas formas, ser adensado mecanicamente. Para

efetuar-se uma boa cura do mesmo, este dever ser molhado periodicamente.

4.9 ENROCAMENTO COM PEDRA ARGAMASSADA TRACO 1:4

COM PEDRA DE MAO

Ser feito um enrocamento de pedra de mo arrumada, na entrada e sada do

pontilho, a pedra deve ser assentada de forma que no fique apresentando aberturas,

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 27

com lastro de concreto ciclpico com fck de 15 MPa com agregado adquirido tendo

uma espessura de 0,30m e dimenses conforme indicadas em projeto.

5. CALADA ACESSVEL

5.1 REGULARIZAO E COMPACTAO MANUAL de terreno com

soquete

Esta especificao se aplica regularizao do subleito da calada.

Regularizao a operao que executada prvia e isoladamente na construo de

outra camada do pavimento, destinada a conformar o subleito, quando necessrio,

transversal e longitudinalmente.

Essa regularizao ser feita manualmente. So indicados os seguintes tipos de

equipamentos para execuo da regularizao: enxada, p, rastel, placa vibratria entre

outros necessrios.

Os equipamentos de compactao e mistura, sero escolhidos de acordo com o

tipo de material empregado e podero ser utilizados outros, que no os

especificados acima, desde que aceitos pela Fiscalizao.

5.2 ALVENARIA EM TIJOLO CERMICO MACIO 5 x 10 x 20 cm 1/2

vez (espessura 10cm), assentando com argamassa 1:2:8 (cimento, cal e areia) E

PISO INTERTRAVADO DE CONCRETO - modelo retangular (PAVER), 20 x

10 x 06cm resistncia de 35MPa (NBR 9781) cor vermelho

Dever ser executada nas extremidades paralelas e contrria s guias, 3 fiadas,

vez, na dimenso do bloco (10cm), 2 fiadas de tijolos macios com dimenses de

(5x10x20)cm assentadas com argamassa de cimento e areia no trao 1:2:8. A ltima

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 28

fiada ser com bloco retangular (PAVER) parte integrante do passeio ser executado,

respeitado os nveis e medidas de projeto.

5.3, 5.4, PISO INTERTRAVADO DE CONCRETO E ASSENTAMENTO

- modelo retangular (PAVER), 20 x 10 x 06cm resistncia de 35MPa (NBR 9781)

cor natural e vermelho

Esta etapa a mais importante da construo do pavimento, pois ela

fundamental para a qualidade final do mesmo. Os operrios devem trabalhar sempre

sobre o piso j assentado, por onde ser feito tambm o abastecimento das peas. O

tipo de assentamento ser espinha de peixe 90, ao iniciar a colocao das peas, deve-

se ter o cuidado com o ngulo correto, e sempre iniciar por pontos onde os apoios so

bem definidos, como por exemplo, o meio-fio. As peas devem ser posicionadas

firmemente, lado a lado, encaixando-se com cuidado, no afetando o colcho de areia.

Se ocorrer o surgimento de fendas, as peas devem ser batidas com martelo de

borracha, tendo sempre em vista um melhor ajuste. As juntas entre as peas devem ter

3mm. importante manter sob controle o posicionamento e o alinhamento das peas,

utilizando-se, para isso, linhas longitudinais e transversais fixadas e esticadas a cada 5

m. Os ngulos retos devem ser conferidos atravs do tringulo retngulo ou gabaritos

de madeira.

Terminada a colocao de todas as peas inteiras do trecho, devem se assentar

os ajustes (frao das unidades) nos espaos, junto aos confinamentos externos e

internos. Existem duas maneiras de se seccionar a pea: a guilhotina e a serra circular.

Com a serra circular, a qualidade e a preciso do corte da pea superior ao mtodo da

guilhotina.

A pavimentao ser com blocos intertravado de concreto modelo retangular

(PAVER), TRNSITO LEVE, nas dimenses 10x20cm e altura de 6 cm, resistncia

mnima de 35 MPa, COR NATURAL E VERMELHO.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 29

O assentamento dever ser executado de forma a obedecer ao perfil transversal

determinado in loco, com leve caimento de 3% em direo as guias do pavimento.

Dever ser executada nas extremidades paralelas e contrria s guias, 3 fiadas, vez.

na dimenso do bloco (10cm), 2 fiadas de tijolos macios com dimenses de

(5x10x20)cm assentadas com argamassa de cimento e areia no trao 1:2:8. A ltima

fiada ser com bloco retangular (PAVER) parte integrante do passeio ser executado,

respeitado os nveis e medidas de projeto. Nas esquinas devero ser assentados os

blocos de sinalizao ttil e direcional conforme demonstrado em projeto. O colcho

de areia, para assentamento do bloco, ter espessura de 6 cm, aps dever ser nivelado

e compactado conforme inclinaes de projeto. A areia dever ser do tipo mdia,

limpa sem pedras, e no poder estar encharcada no momento de assentamento dos

blocos.

O assentamento do bloco ser executado, cuidadosamente, sobre o colcho de

areia compactado, cuidando o intertravamento entre os blocos. Imediatamente aps o

assentamento da pavimentao ser feito, a compactao do pavimento com placa

vibratria.

A compactao realizada em duas passadas sobre toda a rea, cuidando-se

para que haja uma sobreposio dos percursos para evitar a formao de degraus. A

compactao deve parar a pelo menos, 1m do limite de peas assentadas, ainda sem

confinamento.

Uma vez executada a compactao final, damos incio ltima etapa: o

espalhamento da camada de areia mdia sobre o pavimento. Uma fina camada de areia

mdia sobre as peas, e com uma vassoura o operrio varre at que as juntas entre as

peas sejam completamente preenchidas. A compactao final tem como objetivo

conferir uma estabilidade definitiva ao pavimento. Sua execuo se procede da mesma

forma como a compactao inicial, diferenciando-se pelo nmero de passadas que a

placa vibratria ter que executar. Devero ser realizadas pelo menos duas passadas

em diversas direes, observando-se a sobreposio nos percursos sucessivos.

Aps a compactao final, o operrio deve fazer a varrio final para

posteriormente o pavimento ser liberado para o trfego. Depois de decorrida uma ou

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 30

duas semanas aps a liberao do pavimento, a empresa dever retornar ao local para

verificar a selagem das juntas e, se necessrio, preencher as juntas atravs de uma

nova varrio.

5.5, 5.6, 5.7 e 5.8 RAMPAS DE ACESSIBILIDADE em concreto 12 MPa,

trao 1:3:5 (cimento /areia/brita), preparo mecnico, espessura 7cm, com junta

de dilatao em madeira, incluso lanamento e adensamento e PISO TTIL

ALERTA E DIRECIONAL

Sero executadas rampas nas esquinas, conforme projeto, para a acessibilidade

dos transeuntes NBR9050, em cimento alisado 3 cm, rampa de inclinao

8,33%

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 31

deve ser nivelado para receber as placas respeitando as medias para que no forme

desnveis.

Dimenses:

Comprimento

(mm)

Largura

(mm)

Espessura

(mm) Fixao

Alerta 250 250 220 Argamassa

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 32

6. SINALIZAO

6.1 SINALIZAO HORIZONTAL COM TINTA

RETRORREFLETIVA A BASE DE RESINA ACRILICA COM

MICROESFERAS DE VIDRO

Ser constituda de marca longitudinal com linhas de diviso de fluxos opostos

de circulao (LFO-1) linha simples contnua e (LFO-2) linha simples seccionada,

dimenses conforme quadro a seguir:

VELOCIDADE

v

(Km/h)

LARGURA

DA LINHA l

(m)

CADNCIA

t : e

TRAO

t

(m)

ESPAAMENTO

e

(m)

v < 60

0,10

1 : 2

2

4

expressa atravs de pintura do pavimento com tinta a base de resina acrlica,

utilizando a cor amarela, tonalidade 10 YR 7,5/14. Todas as marcas devem ser

refletivas, apresentando ampla visibilidade diurna e noturna. A refletorizao ser pela

asperso de microesferas de vidro sobre a pelcula da tinta no momento da sua

aplicao.

A Sinalizao horizontal compreende todas as linhas e marcas pintadas no

pavimento com tinta a base de resina acrlica utilizando a cor amarela-mbar ou

branca. As linhas e marcas podero ser:

Traado Contnuo: so as linhas sem interrupo pelo trecho da via onde esto

demarcando; podem estar longitudinalmente ou transversalmente apostas via.

Tracejada ou seccionada: so linhas seccionadas com espaamentos de extenso

igual ou maior que o trao.

Smbolos e legendas: so informaes escritas ou desenhadas no pavimento

indicando uma situao ou complementando sinalizao vertical existente.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 33

A sinalizao horizontal apresenta as seguintes cores:

Amarela: utilizada na regulao de fluxos de sentidos opostos, na marcao de

obstculos, na delimitao de espaos proibidos para estacionamento ou parada e nos

pontos de parada de transporte coletivo;

Branca: utilizada na regulao de fluxos de mesmo sentido, na delimitao de

trechos de vias destinados ao estacionamento regulamentado de veculos em condies

especiais e na marcao de faixas de travessia de pedestres, smbolos e legendas;

A sinalizao horizontal dever ser executada por meio mecanizado, e por

pessoal habilitado. Toda a sinalizao ser executada conforme projeto.

Os servios de sinalizao sero medidos por metro m aplicado na pista.

Marcas Longitudinais

De acordo com a sua funo as marcas longitudinais so subdivididas nos

seguintes tipos:

- Linhas de Diviso de Fluxos Opostos: cor amarela (LFO)

Linha simples:

Linha seccionada:

Dupla contnua:

Largura das linhas: 0,10m

Distncia entre as linhas: 0,10m

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 34

Relao entre A e B: 1:3

Dimenses: A=4,00m B=12,00m

- Linhas de Diviso de mesmo sentido: cor branca (LMS)

Linha simples:

Linha seccionada:

Largura das linhas: 0,10m

Distncia entre as linhas: 0,10m

Relao entre A e B: 1:3

Dimenses: A=4,00m B=12,00m

- Linhas de Bordo: cor branca (LBO)

Linha simples:

Linha seccionada:

Dupla contnua:

Largura das linhas: 0,10m

Distncia entre as linhas: 0,10m

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 35

Relao entre A e B: 1:2

Dimenses: A=4,00m B=8,00m

Marcas Transversais

- Linha de Reteno: cor branca (LBO)

Linha simples:

Largura das linhas: 0,10m

No caso de faixa de pedestre, a linha de reteno dever ser posicionada 1,20m

da faixa e paralelamente a ela.

- Faixa de Travessia de pedestres: cor branca (FTP)

Largura

das linhas: 0,40m

Distncia entre as linhas: 0,60m

Largura da faixa: 4,00m

6.2 FORNECIMENTO E COLOCAO DE TACHA REFLETIVA

BIDIRECIONAL

Dispositivos auxiliares Taches

So elementos refletores, que podem ser mono ou bidirecionais na cor branca

ou amarela. O tipo e cor das faces refletoras dos taches refletivos so definidos

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 36

conforme se enquadrem nas condies especificadas na tabela a seguir, considerando a

face voltada para este sentido.

Na linha de eixo quando linha contnua, sero instalados taches bidirecionais

amarelas com elementos refletores amarelo a cada 50cm em toda extenso da linha,

conforme projeto. Sero instalados tambm nos cruzamentos de algumas vias para

delimitar o trfego de veculos indicando onde o mesmo dever contornar, protegendo

tambm as faixas de travessias de pedestres e ciclofaixa, nos diversos cruzamentos das

ruas perpendiculares, medidas e quantidades conforme projeto de sinalizao.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 37

6.3 SINALIZAO VERTICAL

Sero colocadas nas vias conforme modelo e localizao que constam no projeto.

Devero ser do tipo semi-refletiva, confeccionadas em chapa de ao galvanizado

nmero 18. As placas sero fixadas atravs de 2 parafusos galvanizados, com arruelas

e porcas sextavadas.

Os postes apresentam 2 (dois) furos de dimetro de 8,5 mm com eixos paralelos

distantes da extremidade superior de 5 cm e 30 cm, respectivamente. Aps a soldagem

e furaes a pea dever ser galvanizada.

As placas de sinalizao devem ser colocadas na posio vertical, fazendo um

ngulo de 93 a 95 em relao ao sentido do fluxo de trfego, voltadas para o lado

externo da via, a borda inferior deve ficar, no mnimo, 1,50m de altura em relao

pista e, com afastamento de 1,50m a contar do limite do acostamento. Esta inclinao

tem por objetivos assegurar boa visibilidade e leitura dos sinais, evitando o reflexo

especular que pode ocorrer com a incidncia de faris de veculos ou de raios solares

sobre a placa e dimenses conforme Cdigo Brasileiro de Trnsito vigente.

As cavas de fixao dos suportes metlicos devero ter seo circular de D=

0,30cm x 0,60cm de profundidade, preenchido com concreto fck 15MPa, moldado no

local, com recobrimento compactado, a fim de que o sinal permanea na posio

recomendada.

Altura livre mnima de 2,10 m entre a placa e o piso acabado. Sero medidas por

unidades instaladas.

6.4 PLACA ESMALTADA PARA IDENTIFICAO NR DE RUA,

DIMENSO 45X25CM

Sero colocadas nas esquinas, conforme projetos, placas com nomenclatura de rua,

esmaltada nas dimenses 25x45cm, devero conter os seguintes dados:

1 - Tipo do logradouro (Informao obrigatria);

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 38

2 - Nome do logradouro (Informao obrigatria);

3- Numerao do primeiro e do ltimo imvel da quadra (Informao opcional), e

4- Nmero do CEP - Cdigo de Endereamento Postal (Informao opcional).

O emplacamento dos logradouros dever ser executado da seguinte maneira:

I - com placas afixadas em elementos j existentes (paredes de imveis, postes de

concreto ou outros que permitam sua correta fixao e visualizao), a critrio da

Prefeitura a escolha do melhor local.

7. PAISAGISMO E MOBILIRIO URBANO

7.1 PLANTIO DE GRAMA EM PLACAS

Condies fitossanitrias:

As placas de grama devero estar em perfeito estado fitossanitrio, sem apresentar

sintomas de doenas, deficincias nutricionais ou partes danificadas, e sem a presena

de ervas daninhas e/ ou propgulos que possam vir a infestar as reas do jardim.

Condies de manuseio:

As placas ou rolos devero ser devidamente transportados para evitar danos as suas

partes.

Cuidados com as mudas:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 39

O gramado e o plantio devero ser executados o mais brevemente possvel a partir de

sua chegada obra.

Plantio:

O terreno a ser gramado dever ser nivelado deixando uma profundidade de 3 a 5 cm

abaixo do nvel final para garantir a homogeneidade no plantio.

Todos os buracos devero ser corrigidos antes da colocao das placas, inclusive

aqueles provocados ocasionalmente pela prpria equipe de jardinagem.

A terra dever ser levemente umedecida antes da colocao das placas.

Aps o plantio o gramado dever ser batido para favorecer uma melhor

fixao e dever receber uma camada de 5 kg por m de substrato de cobertura que

ajudar a corrigir eventuais diferenas de nveis.

Os recortes do gramado devero ser feitos com o auxlio de um faco bem afiado que

permitir o acompanhamento das curvas apresentadas no projeto paisagstico.

O gramado recm implantado dever receber regas dirias abundantes durante a obra.

MOBILIZAO E DESMOBILIZAO GERAL E ADMINISTRAO DA OBRA

8.0 MOBILIZAO GERAL DA OBRA

MOBILIZAO E DESMOBILIZAO DE PESSOAL

Descrio: Aplica-se mobilizao do pessoal necessrio para a execuo dos

servios segundo o cronograma previsto.

Medio: Valor global. (unidade)

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 40

Pagamento: Preo global constante na Planilha de Preos a ser pago em duas parcelas,

sendo 50% na mobilizao e 50% na desmobilizao.

MOBILIZAO E DESMOBILIZAO DE EQUIPAMENTOS

Descrio: Aplica-se mobilizao de todos os tipos de equipamentos, ferramentas,

materiais e tudo que for necessrio para execuo dos servios segundo o cronograma

previsto.

Medio: Valor global. (unidade).

Pagamento: Preo global constante na Planilha de Preos a ser pago em duas parcelas

da seguinte forma: 50% quando da mobilizao dos equipamentos e 50% quando da

desmobilizao dos equipamentos.

Equipamentos utilizados na execuo da Terraplenagem:

01 Retroescavadeira (57 Kw);

01 Trator de Esteiras (160 HP)

01 Motoniveladora (140 HP)

01 Rolo compactador vibratrio Tanden ao liso 58 HP 9,4t

01 Rolo compactador vibratrio p de carneiro 17HP 1,65t

03 Caminhes basculante 14m - 36ton (286CV)

1 Caminho Pipa 6000litros (189Kw)

Equipamentos utilizados na execuo da Pavimentao:

1 Vibroacabadora de asfalto sobre esteiras (20Kw)

1 Rolo compactador de pneus esttico presso varivel 21t (97kw)

1 Rolo compactador vibratrio de um cilindro ao liso 9,5 ton

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 41

Equipamentos utilizados na execuo da Drenagem e Acessibilidade:

01 Retroescavadeira (57 Kw);

02 Caminhes Basculante 6m.

9.0 ADMINISTRAO DA OBRA

9.1 ADMINISTRAO

Descrio: Aplica-se este item ao fornecimento de toda a estrutura indireta necessria

ao apoio e administrao das atividades da obra, incluindo logsticas terrestres e/ou

martimas, dos materiais, de pessoal, do planejamento e controle, das estadias, da

alimentao, dos transportes e traslados, veculos de apoio, combustveis e

lubrificantes necessrios execuo dos servios contratados segundo o cronograma

previsto.

O Engenheiro est previsto a ocupao na obra em 80 horas mensais;

O Tcnico em laboratrio est previsto a ocupao na obra de 30 horas mensais;

O Encarregado Geral e o Auxiliar de Escritrio est previsto a carga horria de 220

horas mensais

Medio: Ser medida por verba (unidade) conforme andamento da obra prevista no

cronograma fsico-financeiro.

9.2 SERVIOS TOPOGRFICOS PARA PAVIMENTAO, INCLUSIVE

NOTAS DE SERVIOS, ACOMPANHAMENTO E GREIDE

Os servios sero executados conforme descrito abaixo:

A locao das entradas das Ruas Adjacentes e do Corredor das Tropas ser

feita atravs dos eixos e a partir destes medir as larguras e comprimentos das ruas e do

corredor das tropas projetado.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARO Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Planejamento e Urbanismo ESCRITRIO TCNICO

Memorial Descritivo Pavimentao Asfltica 2 etapa- JOAQUIM CAETANO

Pgina 42

A nota de servio ser executada aps o levantamento topogrfico dos eixos

das vias, em seguida utilizando a inclinao e largura de projeto, determinar as cotas

dos bordos.

O acompanhamento de greide ser realizado aps a realizao de cada etapa

dos servios de rebaixamento de pista, regularizao de subleito e estabilizao

granulomtrica da sub-base e base, utilizando equipamento de topografia (teodolito e

nvel) para conferncia com a nota de servio; na locao da imprimao, do

tratamento superficial, do meio fio utilizar medidas do projeto e nota de servio.

Medio: Ser medida por m (metro quadrado) conforme andamento da obra prevista

no cronograma fsico-financeiro.

9.3 PLACA DE OBRA EM CHAPA DE AO GALVANIZADO

A Contratada providenciar a placa de obra, fixada em estrutura de madeira, com a

dimenso mnima de 2,0 m x 1,25 m, de acordo com as normas e padres estipulados

pela Secretaria de Comunicao Social do Governo Federal.

A placa do servio e/ou Obra dever ser fixada e executada pela empresa.

A placa dever ser confeccionada conforme modelo padro e dever ser colocada

em local visvel, no cruzamento de maior circulao, devidamente prumada e nivelada.

Jaguaro, 19 de agosto de 2016.