histÓriada loja maÇÔnica mensageiros da luz nº...

Click here to load reader

Post on 25-Nov-2020

0 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • HISTÓRIADA LOJA MAÇÔNICA MENSAGEIROS

    DA LUZ Nº 1783

    “JUBILEU DE OURO” - 06 DE FEVEREIRO DE 2020

    De início, para contar a história da Loja Maçônica Mensageiros da

    Luz, é necessário antes contar um pouco da história da maçonaria

    no Estado do Espírito Santo, quando a sua imagem neste estado

    começa a se firmar como uma escola onde se ensinava e aprendia

    as virtudes fundamentais: a liberdade de pensamento; a

    independência da razão; o auxílio mútuo; a beneficência e dedicação

    à causa do progresso ao registrar sua presença no Espírito Santo,

    com a fundação da 1ª Loja Maçônica em Vitória, que registra o ano

    de1832, com o nome de “BENEFICÊNCIA Nº 0007” que esteve em

    atividade por apenas 15 (quinze) anos, sendo extinta em 1847. 15

  • (quinze) anos após a extinção da loja maçônica Beneficência nº

    0007, há registro de fundação da 2ª loja maçônica, também em

    Vitória, com o nome BENEFICÊNCIA Nº 144 no ano de1862 que

    novamente não prosperou, sendo extinta em 1872. Assim consta do

    Livro Esquadro e Compasso em Vitória (Álbum da Loja Maçônica União e

    Progresso, pág. 27, Fernando Achiamé).

    A 3ª Loja Maçônica mais antiga no Espírito Santo foi fundada também

    na hoje capital Vitória, em 08 de novembro de 1872 com o nome de

    UNIÃO E PROGRESSO Nº 236, que permanece em atividade

    ininterrupta até os dias atuais.

    A 4ª Loja Maçônica mais antiga instalada no Espírito Santo, fora

    aberta na região do extremo norte, em Barra de São Mateus, hoje

    Conceição da Barra, no ano de 1874 com o nome SEGREDO E

    BENEFICÊNCIA, tendo sido aprovada sua filiação ao Grande

    Oriente Unido do Brasil, por ato do Soberano Grão Mestre em 1874.

    Um dos fundadores o irmão Porfírio dos Santos Lisboa foi seu

    presidente interino e como secretário interino o irmão Bernardino

    Francisco da Silva, e contava com 22 (vinte e dois) membros,

    conforme Boletim GOU (Grande Oriente Unido e Supremo Conselho do Brasil nº 4

    a 7 – abril a julho de 1874). Sua atividade durou apenas 08 (oito) anos,

    sendo extinta em 1882. 18 (dezoito) anos da extinção da primeira loja

    maçônica no extremo norte capixaba se passaram, e o extremo norte

    foi novamente contemplado com uma nova loja, desta vez em São

    Mateus, com o nome UNIÃO CINCO DE FEVEREIRO, fundada em

    1900.

    Seu fundador irmão Alfredo de Siqueira Mello.

  • Pertenceram ao seu quadro de membros:

    1. Ambrósio Ferreira de Souza;

    2. Américo Silvares (último Presidente);

    3. Carlos Francisco Gonçalves;

    4. Ernesto Bastos;

    5. Graciano Faria dos Santos;

    6. Joaquim Graciano de Moraes;

    7. José Antonio de Souza Lé;

    8. José Maria Faria e Silva;

    9. Manoel da Victoria Rocha;

    10. Quintino de Moraes Rios;

    11. Vicente Lopes de Oliveira

    (Registro no livro Maçonaria no Espírito Santo, Christiano Woelffel Fraga, pág. 285/286),

    no Boletim GOB nº 1 e 2 - março e abril de 1901), e nº 3 e 4, maio e junho de 1901, página

    157). Registra como Presidente interino o irmão Vicente Lopes de

    Oliveira, como secretário interino o irmão Quintino de Moraes

    Rios, tendo permanecido ativa por 12 (doze) anos, sendo extinta em

    1912.

    Consta também como Loja Capitular União Cinco de Fevereiro em

    São Mateus, conforme Boletim nº 11 e 12 janeiro/fevereiro de 1902,

    página 579. Como presidente o irmão Cosme de Oliveira Andrade e

    secretário Izidoro Oliveira Guimarães.

    A partir da instalação da Loja União e Progresso em Vitória, federada

    ao GOB (Grande Oriente do Brasil), a maçonaria planta suas raízes

    definitivamente no Espírito Santo.

    Passaram-se 58 (cinquenta e oito) anos da extinção da segunda Loja

    maçônica em São Mateus, a União Cinco de Fevereiro, mas o ideal

    dos maçons que fundaram as duas lojas extintas não foi sufocado

  • pelo tempo. Outros abnegados irmãos insistiram em manter vivo o

    ideal dos antigos irmãos em manter o crescimento da maçonaria na

    região litoral do extremo norte capixaba.

    Nasce a Augusta e Respeitável Loja Maçônica Simbólica

    Mensageiros da Luz, Nº 1.783, em 06 de fevereiro de 1970, após

    reunião realizada entre os irmãos José Pereira de Amorim, Fausto

    Merçon, Álvaro Lira, Mateus Cardoso Toscano, Eurípedes Rocha,

    Teotônio Pastorini e Avelino Olírio de Souza, tendo o irmão José

    Pereira de Amorim assumido a presidência, nomeando o irmão

    Avelino Olírio de Souza como secretário ad hoc conforme registro na

    ata de fundação nº 01.

    Ata nº 01 fl. 01 e 02 de fundação da Loja Maçônica Mensageiros da Luz nº 1783

  • Constitui-se a primeira diretoria provisória:

    Presidente: Álvaro Lyra; - (in memorian)

    1º Vice Presidente: Fausto Merçon; (in memorian)

    2º Vice Presidente: Theotônio Pastorini; - (in memorian)

    Orador: José Pereira de Amorim; - (in memorian)

    Secretário: Avelino Olírio de Souza;

    Tesoureiro: Mateus Cardoso Toscano e – (in memorian)

    Chanceler: Eurípedes Rocha – (in memorian)

    Inicialmente se reuniam na sala de trabalho do irmão Fausto Merçon

    situada na praça São Mateus; na residência do irmão Theotônio

    Pastorini (texto do irmão Edvard Patrício/2012) e até no porão da 1ª Igreja

    Batista local (registro na ata nº 06 página 07). Os fundadores conseguiram

    de imediato um terreno para construção do templo com o Prefeito

    Municipal Sr. Wilson Gomes, (relato do irmão Edvard Patrício em 2012 por

    ocasião do aniversário de 42 anos de fundação).

    Fruto de muito trabalho e dedicação dos abnegados irmãos

    fundadores, no mesmo ano da fundação, em 07/09/1970 foi realizada

    a primeira reunião no primeiro templo próprio, (registro na ata nº 17 de

    07/09/1970).

    Na ata nº 19 de 21/09/1970, o irmão José Pereira de Amorim, então

    orador, em seu pronunciamento, declara que quem teve primeiro a

    ideia de fundar a loja em São Mateus, foi o irmão Manoel Orlindo,

    que residiu nesta cidade. Desafio aceito, obra realizada, loja

    construída.

  • PEDRA FUNDAMENTAL

    Foto da área para construção do templo em 1970.

    Exmo. Sr. Wilson Gomes (Prefeito Municipal), com o enxadão à mão.À esquerda dois

    trabalhadores e o irmão Eurípedes Rocha,à direita os irmãos Álvaro Lira, José Pereira de

    Amorim, Fausto Merçon, TheotônioPastorini, Avelino Olírio de Souza e Mateus Cardoso

    Toscano.

  • Na marcação (seta) vemos parte do prédio do primeiro templo próprio, em 1970.

  • Em setembro de 1970, chega em São Mateus e visita a loja

    Mensageiros da Luz, o irmão Ezequias Mendonça, missionário e

    pastor batista, iniciado na Loja Maçônica Ismael Montez da cidade de

    Santa Cruz na Bolívia.

    Em 13/12/1970 a Loja Maçônica Mensageiros da Luz foi regularizada

    e sagrada.

    Em maio de 1971 foi eleita a primeira diretoria para o biênio 1971/73,

    presidida pelo irmão Fausto Merçon; 1º Vice Presidente Avelino Olírio

    de Souza; 2º Vice Presidente Mateus Cardoso Toscano; Tesoureiro

    Eurípedes Rocha (Ata de posse de 19/06/1971).

  • LOJAS FUNDADAS PELA MENSAGEIROS DA LUZ

    Loja Maçônica José Bahia em 13/03/1983 na cidade de Conceição da Barra-ES, (apoio

    compartilhado com a Loja Maçônica Linhares Unidos) e outras. Seu atual presidente, o irmão

    Ediclenes Santos Silva.

    Loja Maçônica Izaias de Oliveira Freitas em 24/07/1993 na cidade de Pedro Canário/ES, seu

    atual presidente, o irmão Beroaldo Batista de Oliveira.

  • JUBILEU DE PRATA

    Em 01/07/1995 foi comemorado o JUBILEU DE PRATA com jantar

    festivo no CEPE, sob a gestão do irmão Pedro Delfino, que nesta

    oportunidade transmitia o cargo para o novo presidente, irmão

    Geraldo Pinto, com presenças do Eminente irmão Luiz Carlos Franco

    de Mello Grão Mestre do GOB-ES e seu adjunto Poderoso irmão

    Gabriel Leônidas dos arcos Rodrigues; do irmão Eval Galazzi Grão

    Mestre Honorário; convidados; membros e familiares.

  • Registrou-se importante momento com a apresentação dos Lowtons

    (filhos de maçons) adotados pela Loja Mensageiros da Luz na

    ocasião das comemorações dos 25 (vinte e cinco) anos de fundação.

    Registro Jornal local Tribuna do Cricaré) de 08/7/1995

  • Em 23/08/1995 a Loja Maçônica Mensageiros da Luz foi reconhecida

    de UTILIDADE PÚBLICA pela Lei municipal nº 370/95 de

    23/08/1995.

  • FRATERNIDADE FEMININA CRUZEIRO DO SUL

    Em 2007 foi fundada com apoio da Loja Maçônica Mensageiros da

    Luz nº 1783 sob a gestão do Presidente irmão Geovalte Lopes de

    Freitas. Como presidente para o biênio 2007/2009, foi eleita a

    cunhada Raquel Erler de Oliveira Freitas.

  • AÇÃO PARAMAÇÔNICA JUVENIL - APJ

    Em 2008, foi fundado o NÚCLEO ALFA APEJOTISTA “IRMÃO

    JOSÉ DE OLIVEIRA BRINCO” pela Loja Maçônica Mensageiros da

    Luz nº 1783, tendo como Preceptor o irmão Vanair Raimundo de

    Oliveira, preceptora Noêmia Maia de Oliveira e secretário Jairo Silva

    Andrade, quando foi eleita a primeira diretoria assim composta:

    DUCTOR: FÁBIO SILVA ANDRADE;

    NOMEMCLATOR: LAIÇA APARECIDA BIANCHI PINTO;

    ESCRIBA: JAIRO SILVA ANDRADE e

    COLETOR: FERNANDA REGINA DE ARAÍJO.

    COMO PRECEPTORES:

    Vanair Raimundo de Oliveira

    Noêmia Maia de Oliveira

  • II ENCONTRO ESTADUAL DA APJ EM SÃO

    MATEUS

    II Encontro Estadual da APJ, realizado nos dias 10 e 11 de outubro de 2009

    http://2.bp.blogspot.com/_nPLpUEyTTR8/SuLK4BPN29I/AAAAAAAABvw/-DfiyTGwcLQ/s1600-h/APJ+-.JPG

  • HOMENAGENS E AGRADECIMENTOS

    Na pessoa do irmão Pedro Delfino, então presidente desta Loja por

    ocasião do jubileu de prata, homenageamos e agradecemos aos Ex

    presidentes que o antecedeu.

  • Do mesmo modo, na pessoa do irmão Vanair Raimundo de Oliveira,

    ex presidente anterior ao atual, homenageamos e agradecemos aos

    Ex presidentes que o antecedeu.

  • Registramos nossa alegria em desfrutar da presença do irmão

    Avelino Olirio de Souza, único dos sete fundadores desta loja que

    vive entre nós e através deste, homenageamos os demais

    fundadores.

    Entrega da medalha da Comemoração do Jubileu de Ouro ao único fundador da A.R.L.S.

    Mensageiros da Luz em vida, Ir. Avelino Olirio de Souza, pelo Ir. Alex Martins.

  • Ao atual presidente irmão Marcio Domingos Palombo Lyrio, sua

    diretoria e membros, agradecemos o empenho e dedicação para a

    realização deste evento grandioso.

    Da esquerda para direita, o irmão Joenilton Caetano (M. Cerimônias), André Goltara (Orador),

    Fernando Brasil (1º Vice Presidente), o irmão Márcio Lyrio, (Presidente da Loja M. Mensageiros

    da Luz), o irmão Renato Pirola (2º Vice Presidente), Helielson C. Moreira (Secretário) e Sergio

    M. Vieira (Chanceler).

  • ABERTURA COMEMORAÇÕES DO JUBILEU DE PRATA, 1995

    CONVOCAÇÃO DA SOCIEDADE MATEENSE

    O irmão José Carlos Magalhães, orador oficial da loja na abertura

    das comemorações do jubileu de prata, convocou a sociedade de são

    Mateus a se unir à maçonaria na busca de soluções para os diversos

    problemas sociais que ocorrem no município. Propôs: “por que não,

    Maçonaria e sociedade mateense, firmarem uma aliança a fim de

    promover mudanças capazes de, pelo menos, minimizar as injustiças

    sociais?” Acrescentando: “Por que ignorá-las, se elas têm se

    constituído em fábricas de crianças carentes, que vivem

    abandonadas pelas vias públicas, assaltando e roubando, matando

    e sendo mortas?”

    O orador também chamou a atenção para a “indiferença” diante do

    drama de pessoas “sem teto, sem trabalho, sem pão e sem

    segurança”. Apontou a existência de um “conformismo” com relação

    ao caminho das drogas, “aberto ao jovem”, e voltou a indagar: “Por

    que aceitar passivamente a ideia de se construir mais escolas

    verdadeiramente educativas?” E reiterou a proposta de união entre

    maçonaria e sociedade com vistas a uma melhor atenção aos

    “oprimidos socialmente”.

    Magalhães encerrou suas palavras pedindo a Deus o fortalecimento

    dos espíritos, que a maçonaria possa cultuar sempre o seu ideal de

    liberdade, igualdade e fraternidade, e “que a sociedade mateense

    possa ser conhecida como fraterna, solidária e cristã, com todas as

    pessoas exercendo o convívio como filhos do Grande Criador”,

    DEUS.

    Reflitamos, pois.

  • NOTA DO AUTOR

    Por ocasião do Jubileu de Ouro da ARLS Mensageiros da

    Luz, nº 1.783, Oriente de São Mateus (ES), ocorrido em 06

    de fevereiro de 2020, veio à ideia produzir o presente

    trabalho com a intenção de acrescer registros e valorizar a

    história da maçonaria no Espírito Santo, resgatar e preservar

    sua memória, especialmente, do litoral do extremo norte

    capixaba que, desde o ano de 1874, tem buscado plantar

    suas raízes nesta região, especialmente na memória da

    agora Grande Benfeitora da Ordem, ARLS Mensageiros da

    Luz nº 1.783.

    Registro aqui meu agradecimento aos que confiaram a mim

    a responsabilidade e o privilégio de poder contar,

    especialmente e brevemente, a história da Loja Maçônica

    Mensageiros da Luz, nº 1.783, e em especial aos que não

    mediram esforços para o cumprimento desta honrosa e

    gratificante missão.

    São Mateus (ES), 06 de fevereiro de 2020

    Por Joaquim Camilo Filho.

    M∴I∴- Membro da A.L.R.S Mensageiro da Luz nº 1783

  • REFERÊNCIAS

    Livro Esquadro e Compasso em Vitória (Álbum da Loja Maçônica

    União e Progresso, pág. 27, Fernando Achiamé).

    Livro Maçonaria no Espírito Santo, Christiano Woelffel Fraga, pág.

    285/286

    Boletim GOU E SUPREMO CONSELHO DO BRASIL, nº 4 a 7 – abril

    a julho/1874

    Boletim GOB nº 1 e 2 - março e abril de 1901), e nº 3 e 4, maio e

    junho de 1901, página 157

    Boletim nº 11 e 12 janeiro/fevereiro de 1902, página 579

    Boletim GOB nº 3 e 4 – maio e junho de 1901 página 157)

    Ata nº 01 página 01

    Ata nº 06 página 07

    Ata nº 17 de 07/09/1970.

    Jornal Tribuna do Cricaré de 08/7/1995