“herbert marcuse: utopia e dialética da libertação” .no pensamento de herbert marcuse, que

Download “Herbert Marcuse: Utopia e Dialética da Libertação” .no pensamento de Herbert Marcuse, que

Post on 25-Jan-2019

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DE SO PAULO PUC-SP

JOY NUNES DA SILVA BARROS

Herbert Marcuse: Utopia e Dialtica da Libertao

MESTRADO EM FILOSOFIA

SO PAULO 2009

Livros Grtis

http://www.livrosgratis.com.br

Milhares de livros grtis para download.

PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DE SO PAULO PUC-SP

JOY NUNES DA SILVA BARROS

Herbert Marcuse: utopia e dialtica da libertao

MESTRADO EM FILOSOFIA Dissertao apresentada Banca Examinadora da Pontifcia Universidade Catlica de So Paulo, como exigncia parcial para obteno do ttulo de Mestre em Filosofia, sob a orientao do Prof. Doutor Antonio Jos Romera Valverde.

SO PAULO 2009

Banca Examinadora

___________________________________

___________________________________

___________________________________

Daniele, grande companheira. Flvia Schilling, querida professora.

AGRADECIMENTOS

Ao Prof. Dr. Antonio Jos Romera Valverde, pela sua orientao.

Aos professores participantes da Banca Examinadora: Prof. Dr. Celso Fernando

Favaretto e Prof. Dr. Jeanne Marie Gagnebin de Bons, por seus valiosos comentrios e

pela questo filosfica que norteou a finalizao deste trabalho.

professora Flvia Ins Schilling, por me inspirar desde a graduao: sua

seriedade e entusiasmo contagiam-me, sempre.

CAPES (Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior) e

Secretaria de Educao do Estado de So Paulo, pela bolsa de estudos oferecida durante

a pesquisa.

E, principalmente, Daniele P. Kowalewski, pelo amor, pacincia e dedicao.

Sua leitura e comentrios, unidos s nossas conversas, pulsam neste trabalho que, sem

voc, no seria possvel.

Outrora viajei pases imaginrios, fceis de habitar,

ilhas sem problemas, no obstante exaustivas e convocando ao suicdio.

Meus amigos foram s ilhas. Ilhas perdem o homem.

Entretanto alguns se salvaram e trouxeram a notcia

de que o mundo, o grande mundo est crescendo todos os dias,

entre o fogo e o amor.

Ento, meu corao tambm pode crescer. Entre o amor e o fogo,

entre a vida e o fogo, meu corao cresce dez metros e explode.

- vida futura! Ns te criaremos.

(Carlos Drummond de Andrade, Mundo Grande)

RESUMO

BARROS, Joy Nunes da Silva. Herbert Marcuse: Utopia e Dialtica da Libertao.

A presente dissertao tem como objetivo principal analisar o conceito de

utopia na obra de Herbert Marcuse, tomando como hiptese norteadora a assero de

que a f ostentada pela Modernidade no progresso trazido pelo esclarecimento parece ter

se esmorecido e com isso os grandes projetos de emancipao social passam a no

encontrar mais lugar no direcionamento das lutas polticas no tempo hodierno. Essa

hiptese ser analisada luz do pensamento marcusiano, entendendo-a como uma

consequncia daquilo que o autor denominou sociedade unidimensional, uma

configurao social, produto do desenvolvimento da Modernidade, que se tornou capaz

de absorver todas as formas de pensamento que lhe so contrrias e impor-se como nica

realidade possvel. Neste sentido, a questo que direciona o desenvolvimento desta

dissertao a de buscar esclarecer o estatuto filosfico que o conceito de utopia ocupa

no pensamento de Herbert Marcuse, que mantm estreito vnculo com a dialtica

hegeliana, assim como a correlao entre o pensamento utpico e a ao poltica a partir

da obra do filsofo frankfurtiano.

Palavras-chave: Herbert Marcuse, utopia, dialtica, emancipao, sociedade

unidimensional.

ABSTRACT

BARROS, Joy Nunes da Silva. Herbert Marcuse: Utopia and Dialectics of Liberation.

The present dissertation mainly aims at analyzing the concept of utopia in the

work of Herbert Marcuse, taking as a guiding hypothesis the assertion that the faith

Modernity has in the progress brought by clarification seems to have faded and

therewith the great projects of social emancipation will no longer find a place in

directing political struggles in modern times. This hypothesis will be analyzed in the

light of Marcusean thinking, perceiving it as a consequence of what the author

denominated one dimensional society, a social configuration, product of the

development of Modernity, which has been able to absorb all forms of thinking that are

contrary to it and impose itself as the only reality possible. Thus, the issue that directs

the development of this masters thesis is the endeavor to clarify the philosophical status

that the concept of utopia occupies in Herbet Marcuse's thinking, which has close ties

with Hegelian Dialectics, as well as the correlation between utopic thinking and political

action from the perspective of the Frankfurt philosopher.

Key words: Herbet Marcuse, utopia, dialectics, emancipation, one-dimensional society.

SUMRIO

INTRODUO ..............................................................................................................09

I. Utopia e Histria.......................................................................................... 25

II. Dialtica e Pensamento Negativo............................................................... 33 II.1 A Negatividade da Filosofia...........................................................................33 II.2 Emancipao e Dialtica................................................................................ 41 III. O Materialismo Dialtico............................................................................ 47

IV. Reavaliao da Dialtica: a Negao da Negao..................................... 54

V. Prazer e Realidade: a Civilizao contra a Liberdade............................. 59

VI. A Ausncia do Horizonte de Negao na Sociedade Unidimensional..... 71

VII. Utopia e Teoria Crtica............................................................................... 82

VIII. Teologia e Histria Universal..................................................................... 94

IX. Reconciliao e Natureza.......................................................................... 103

X. Aristteles e o Movimento Circular......................................................... 114

XI. Libertao e Tempo................................................................................... 124

XII. O Fundamento Biolgico da Libertao.................................................. 135

XIII. A Dimenso Esttica e as Aporias da Libertao................................... 148

Concluso..................................................................................................................... 172

Bibliografia ...................................................................................................................175

9

Introduo

Em julho de 1967, em uma srie de debates ocorridos durante encontro

organizado pelo Comit Estudantil da Universidade Livre de Berlim Ocidental1, Herbert

Marcuse discute qual funo o pensamento utpico pode ainda desempenhar na

sociedade industrial avanada. Na palestra com a qual d incio ao evento, denominada

O fim da utopia, expe a ambivalncia contida no tema: o termo o fim, expresso no

ttulo de sua palestra, tem um sentido ambguo, pode ser entendido tanto como a atual

falncia dos projetos de transformao substancial da sociedade, que j no ocupam

espao frente realidade, quanto a constatao de que no presente os objetivos ltimos

buscados por tais projetos deixaram de ser utpicos, constituindo possibilidades reais:

Iniciando por uma verdade bvia, direi que hoje qualquer forma nova de vida sobre a terra, qualquer transformao do ambiente tcnico e natural, uma possibilidade real, que tem seu lugar prprio no mundo histrico. Podemos fazer do mundo um inferno, como vocs sabem, caminhamos para isso. Mas podemos fazer tambm o oposto. Este fim da utopia, ou seja, a recusa das ideias e das teorias que ainda se servem de utopias para indicar determinadas possibilidades histrico-sociais, podemos hoje conceb-lo, em termos bastante precisos, tambm como fim da Histria; isto , no sentido de que as novas possibilidades de uma sociedade humana e de seu ambiente no podem mais ser imaginadas como prolongamento das velhas, nem tampouco serem pensadas no mesmo continuum histrico (MARCUSE, 1969, p. 14-15).

A pretenso de Marcuse nesse debate desvincular o sentido do termo utopia

do de irrealizvel: o adjetivo utpico estabelecido como ndice de desqualificao.

Por certa perspectiva, dizer que certo projeto de transformao social constitui uma

utopia a prvia postulao de sua absoluta interdio, ou seja, que frente ordem

reinante, ele uma soluo incongruente com os problemas reais do mundo. Por essa

perspectiva, o termo utopia remete a devaneio, fantasia, iluso, ou seja, ideia

da impossibilidade de traduzir em fatos concretos o que por certo projeto postulado,

eliminando-se, de uma vez por todas, sua validade como proposta efetiva. Porm, objeta

Marcuse, o que deve ser posto primeiramente em questo a especificao do termo

irrealizvel, pois este tambm comporta duas acepes, sendo necessria uma

1 Publicados sob o ttulo Das En