grupos de liga†ƒo e recombina†ƒo

Download GRUPOS DE LIGA‡ƒO E  RECOMBINA‡ƒO

Post on 26-Jun-2015

393 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Relatório de Genética sobre GRUPOS DE LIGAÇÃO E RECOMBINAÇÃO

TRANSCRIPT

  • 1. ndice Introduo ................................................................................................................................ 2 Material .................................................................................................................................... 6 Procedimento ........................................................................................................................... 6 Resultados ................................................................................................................................ 7 Cruzamentos possveis: ......................................................................................................... 7 Fentipos obtidos na F1 e nmero de fmeas e machos: ....................................................... 8 Cruzamentos possveis: ......................................................................................................... 9 Gentipos e fentipos possveis para a F2: ............................................................................. 9 Fentipos da F2 e sua contagem: ......................................................................................... 10 Clculos .................................................................................................................................. 11 Teste X2 para a hiptese 1:1:1:1 .......................................................................................... 11 Teste X2 para o grupo 3 ....................................................................................................... 11 Teste X2 para a turma .......................................................................................................... 12 Distncia entre os loci white(w) e miniatura(m) .................................................................. 12 Discusso de Resultados ......................................................................................................... 13 Concluso ............................................................................................................................... 14 Bibliografia ............................................................................................................................. 151

2. Introduo A Gentica, do grego genno (fazer nascer), a cincia dos genes, da hereditariedade e da variao dos organismos. A Gentica o ramo da biologia que estuda as leis da transmisso dos caracteres hereditrios nos indivduos, e as propriedades das partculas que asseguram essa transmisso.Com os estudos de Mendel a gentica tomou um grande impulso, assim Mendel considerado um dos pais de Gentica moderna. Servindo-se de ervilheiras, Mendel elaborou uma srie de experimentos. Os resultados deste serviram para a elaborao das seguintes leis relacionadas gentica: 1 Lei de Mendel - Lei da Segregao dos Factores ou Lei Fundamental da Gentica - Os factores que condicionam uma caracterstica separam-se na formao de um gmeta onde o mesmo carrega apenas um alelo de cada gene, estes por tanto so puros com relao a cada factor. A fecundao permite a unio dos alelos e a manifestao do factor em relacionado aos genes. Quando um indivduo possui um par de alelos idntico chamado homozigtico (puro) e se apresenta diferentes alelos heterozigtico (hbrido).2 - Lei de Mendel - Lei de Segregao Independente - Lei da Herana ou Lei da Gerao Independente - Os factores para duas ou mais caractersticas segregam-se no hbrido, distribuindo-se independentemente para os gmetas onde se combinam aleatoriamente, ou seja, ao acaso.Dois ou mais pares de genes alelos localizados em diferentes pares de cromossomas homlogos segregam-se independentemente. Portanto, esta a condio de validade da segunda lei de Mendel. 2 3. Quando dois ou mais pares de genes alelos estolocalizadosemummesmopardecromossomas homlogos, eles no obedecem lei da segregao independente. Afinal, durante a meiose ir haver uma tendncia de que esses genes permaneam unidos, quando o par de homlogos se separar, como mostra a figura. Quando dois ou mais pares de genes alelos se localizam em um mesmo par de cromossomas, dizemos que eles apresentam ligao gentica (ou ligao factorial). No entanto, existe um fenmeno capaz de alterar essa tendncia de unio. Designa-se a esse fenmeno de crossing-over, ou seja, troca de fragmentos entre cromossomas homlogos, que pode acontecer na Prfase da primeira diviso da meiose. Uma forma de se indicar a posio relativa dos genes uma nomenclaturahabitualmenteusadapelaqumicaorgnica.Oduplo-heterozigtico que tem os dois genes dominantes no mesmo cromossoma e os dois recessivos no outro (AB/ab) chamado de heterozigtico "cis". O duploheterozigtico cujos genes dominantes esto em cromossomas diferentes do par de homlogos (Ab/aB) o heterozigtico "trans".Quando as clulas de um indivduo cujo Gentipo AB/ab sofrem meiose e originam gmetas, os tipos de gmetas formados podem variar em funo da ocorrncia ou no da permutao. No acontecendo o crossing-over, apenas dois tipos de gmetas podero se formar: AB e ab. Caso ocorra o crossing-over, alm desses dois tipos tambm podero ser encontrados os gmetas aB e Ab.3 4. importante destacar que, mesmo ocorrendo o crossing-over, os gmetas AB e ab formam-se, uma vez que os cromatideos externos no trocam fragmentos entre si. Vendo na figura anterior observa-se que apenas os cromatideos internos, tambm chamados cromatideos vizinhos, trocam fragmentos. Os gmetas dos tipos AB a ab, cujo aparecimento no depende da ocorrncia da permutao, so chamados gmetas parentais, porque eles reflectem a posio dos genes nas clulas. Os gmetas dos tipos Ab e aB, que s aparecem caso acontea a permutao, so chamados recombinantes. ThomasH.Morgan,embriologista,realizou estudos aprofundados com moscas. As moscas estudadas tm dimenses reduzidas e, muito frequentemente, esto sobre os frutos maduros, tendo o nome cientfico Drosophila melanogaster; , por isso, conhecida por moscada-fruta. Numa amostra de moscas da fruta com olhosvermelhos,consideradasaformaselvagem, Morgan encontrou um dia, com grande surpresa, um macho com olhos brancos. Passou ento a estudar a transmisso gentica desta caracterstica. A forma desta mosca que predomina na Natureza tem o corpo cinzento, olhos vermelhos e asas longas e designada por forma selvagem. No entanto, tambm existem outras formas com caractersticas alternativas como, por exemplo olhos brancos, corpo preto ou asas vestigiais4 5. Morgan e os seus colaboradores desenvolveram a ideia de que as distncias fsicas entre os genes num cromossoma esto relacionadas com a taxa de recombinao. Assim, o crossing-over ocorre mais ao menos ao acaso ao longo do cromossoma e os genes mais distantes tm uma maior probabilidade de sofrer este processo do que aqueles que ficam mais prximos. A partir desta teoria as frequncias de recombinao do-nos a ordem dos genes ao longo do cromossoma e uma estimativa das distncias relativas entre os genes. Com estes dados podemos calcular os mapas comossmicos a partir das frequncias de recombinao mapas genticos. As distncias genticas so calculadas utilizando a frmula:Pode estimar-se, experimentalmente, a posio relativa dos genes no cromossoma, para isso, calcula-se a percentagem de recombinao entre esses genes. Sabe-se que 1% de recombinao corresponde a uma unidade de mapa de ligao de ligao. Analisam-se os resultados recorrendo ao teste de 2: 2= (oi ei)2/ei. usual representar-se a constituio gentica das formas alternativas pela letra inicial da palavra inglesa que expressa a caracterstica que elas manifestam. Por exemplo, o alelo para olhos brancos representa-se por w (de white). Quando este locus ocupado pelo alelo da forma selvagem, este representa-se pela mesma letra afectada do sinal + (w+). No caso da Drosophila melanogaster, h 5 grupos de ligamento (2n8, em que n=3, autossomas +X +Y). Nas clulas diplides desta espcie existem dois cromossomas X (fmea) ou um cromossoma X e um Y (macho). A utilizao desta espcie de moscas, h mais de um sculo, deve-se a diversas caractersticas teis tanto para investigao, como para modelo de ensino dos princpios bsicos da hereditariedade. 5 6. De seguida so apresentadas algumas dessas vantagens: - pequena; - A sua manuteno em laboratrio fcil e barata; - Tm um ciclo de vida curto (cerca de 2 semanas) e uma alta produtividade; - Tm apenas 4 pares de cromossomas; - A totalidade do seu genoma foi, recentemente, sequenciada.Material - Drosophila melanogaster - 2 Fmeas white-miniatura (Xwm/Xwm) virgens - 2 Machos selvagem (Xw+m+/Y) - Frascos pequenos com meio de cultura e levedura - Eterizador - Mortrio - Pinas - Papel branco - Etiquetas - ter - Lupa binocularProcedimento1 Realizou-se o cruzamento (em duplicado) de fmeas white-miniatura com machos selvagem, colocando-se um casal em cada frasco com meio de cultura (data da realizao); 2 Retiraram-se os progenitores oito dias depois aps o cruzamento (data da realizao); 3 Observaram-se as caractersticas fenotpicas da gerao F 1 e fez-se a contagem 15 dias aps o incio do trabalho (data da realizao); 4 Cruzou-se F1 F1 (4 casais em dois frascos); 6 7. 5 Retiraram-se os progenitores (F1) oito dias aps o cruzamento; 6 Observaram-se as caractersticas da F2 e fez-se a sua contagem, 15 dias aps o cruzamento.Resultados P: White-miniatura selvagem (o cruzamento foi em duplicado), ou seja, P: 2 Xwm Xwm 2 Xw+m+YCruzamentos possveis:Segundo o esquema formam-se gmetas do tipo parental, havendo cruzamento entre estes gmetas. Por outro lado, poderiam formar-se gmetas do tipo recombinante, mas devido fmea ser dupla homozigtica estes gmetas seriam iguais aos gmetas parentais.ouNa F1, como resultado do cruzamento anterior, temos fmeas heterozigticas de asas normais e olhos vermelhos e machos de olhos brancos e asas miniatura.7 8. F1:MachoFmeaAs fmeas so heterozigticas, da podermos dizer que entre os gmetas que as formaram havia gmetas parentais e gmetas recombinantes. Os genes so ligados ao sexo e localizam-se na