gestÃo da informaÇÃo e do conhecimento 1/ 90. gestÃo da informaÇÃo e do conhecimento Índice...

of 90 /90
GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO 1/ 90

Author: internet

Post on 17-Apr-2015

104 views

Category:

Documents


1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • GESTO DA INFORMAO E DO CONHECIMENTO 1/ 90
  • Slide 2
  • GESTO DA INFORMAO E DO CONHECIMENTO NDICE 1) Conceituaes Iniciais Evoluo DADO - INFORMAES - CONHECIMENTO 2) Informao Sistemas de Informao Impactos O que devem oferecer Cuidados Gesto 3) O Conhecimento Vises Conceituais Conhecimento x Percepo Histrico Origens Gerao Tipos Criao Converso 2/ 90
  • Slide 3
  • GESTO DO CONHECIMENTO NDICE 4) Ativos intangveis 5) Aprendizagem 6) Aprendizagem Organizacional Como as Organizaes Aprendem Conceituao 5 Disciplinas de P. Senge Perfil de Organizaes que aprendem Critrios Essenciais de Aprendizagem Organizacional Fatores Facilitadores Algumas reflexes Algumas conceituaes 7) A Gesto do Conhecimento (GC) 3/ 90
  • Slide 4
  • GESTO DO CONHECIMENTO NDICE 8) A GC no Ambiente Organizacional Objetivos O Projeto GC Passos Campanha de Disseminao A Gesto do Projeto de GC Os Agentes Principais 9) Resultantes das Prticas de GC 10) Diagrama da GC nas Organizaes 11) Gesto Estratgica da GC nas Organizaes 12) Avaliao de Resultados da GC 4/ 90
  • Slide 5
  • CONCEITUAES INICIAIS Evoluo DADO - INFORMAES - CONHECIMENTO DADO: Descrio exata de algo ou algum evento. a matria- prima para gerao de informao. Sozinho o dado no tem significado. INFORMAO: Dados interpretados, dotados de relevncia e propsito. (Peter Drucker) CONHECIMENTO: Informao com valor adicionado pela mente humana - reflexo, sntese e contexto. Conhecimento informao eficaz em ao, focalizada em resultados (Peter Drucker) SABEDORIA: ? 5/ 90
  • Slide 6
  • INFORMAO Entidade tangvel ou intagvel que reduz a incerteza acerca de um evento ou estado. ( Henry C. Lucas Jr.) Diferentes tipos de deciso demandam diferentes tipos de necessidades de informao. Representa vantagem competitiva estratgica Necessita ser contextualizada e orientada Precisa agregar valor ao seu receptor 6/ 90
  • Slide 7
  • SISTEMA DE INFORMAO (SI) So fundamentais para tomada de decises Devem criar condies para suprir o fluxo de decises Um conjunto de procedimentos executados, que fornecem organizao informaes para tomada de deciso ( Henry C. Lucas Jr.) 7/ 90
  • Slide 8
  • IMPACTO DOS SISTEMAS DE INFORMAO Obteno de vantagem competitiva Aumento da receita/reduo de custos pela melhoria do desempenho empresarial Melhoria da Qualidade atravs do aperfeioamento dos processos organizacionais 8/ 90
  • Slide 9
  • O QUE OS SI DEVEM OFERECER Acesso seguro e atrativo Agilidade nas transaes Utilidade do contedo Oportunidade e disponibilidade Seletividade Interoperabilidade/Integrao 9/ 90
  • Slide 10
  • CUIDADOS NO DESENVOLVIMENTO DE SI O que armazenar para que armazenar Por quanto tempo O que, como e quando atualizar Que necessidades precisam ser atendidas 10/ 90
  • Slide 11
  • GESTO DOS SISTEMAS DE INFORMAO Estrutura de Suporte Gestores Regras (atualizaes, insero, depurao...) 11/ 90
  • Slide 12
  • CONHECIMENTO - VISES CONCEITUAIS Conhecimento a informao que muda algo ou algum, seja provocando uma ao, seja tornando um indivduo ou uma instituio capaz de uma ao diferente ou mais eficiente Conhecimento a informao com valor agregado pela mente humana. Est sempre atrelado a uma pessoa, que a absorve e o transmite (compartilhar) Conhecimento poder e diferencial competitivo. Conhecimento a crena verdadeira e justificada. (Plato) 12/ 90
  • Slide 13
  • CONHECIMENTO - VISES CONCEITUAIS Conhecimento um processo de apreenso do objeto por um sujeito percebedor(Descartes) Conhecimento(todo) provm de experincias sensoriais(David Hume, empirismo ingls) 13/ 90
  • Slide 14
  • CONHECIMENTO - VISES CONCEITUAIS Conhecimento uma mistura de: Contedo impresses sensoriais Categorias conceitos formulados a partir das impresses sensoriais Conhecedor o sujeito transcendental, a unidade que d coerncia s informaes recebidas atravs dos sentidos e traduzidos em conceitos(Emmanuel kant, pensador alemo) 14/ 90
  • Slide 15
  • CONHECIMENTO x PERCEPO certeza x Necessita correo Estvel x Tem que estar estabilizado Afirmao da verdade x varivel/temporria Inquestionvel x questionvel O conhecimento est alm da percepo 15/ 90
  • Slide 16
  • HISTRICO DO CONHECIMENTO 16/ 90
  • Slide 17
  • CRENAS VALORES INTUIO GENERALIZAES ASSOCIAES EXPERINCIA CONHECIMENTO EM AO Conhecimento informao eficaz em ao focalizada em resultados. Peter Drucker IDIAS INFORMAES ORIGENS DO CONHECIMENTO 17/ 90
  • Slide 18
  • A OBTENO DO CONHECIMENTO Aquisio: Compra de empresas, contratao indivduos que possuam conhecimento, cpias de idias e conceitos Equipes prprias dedicadas: Times especficos para gerao do conhecimento (P&D) Fuso: Equipes multi-funcionais para gerar solues criativas 18/ 90
  • Slide 19
  • A OBTENO DO CONHECIMENTO Adaptao: Variaes de cenrio, a empresa se movimenta Rede de Conhecimento: Redes auto-gerenciadas para compartilhamento 19/ 90
  • Slide 20
  • A CRIAO DO CONHECIMENTO Abordagem Japonesa: Colher o conhecimento de cada Pessoa Acumular este Conhecimento Criar conhecimento organizacional a partir do conhecimento das Pessoas Abordagem Ocidental (Americana): Individualista Um grande especialista cria solitariamente 20/ 90
  • Slide 21
  • TIPOS DE CONHECIMENTO Tcito: o conjunto de conhecimentos pessoais inerente a experincia de cada indivduo (modelos mentais, crenas e percepes) Explcito: o conhecimento sistematizado, documentado, acessvel e transmissvel em linguagem formal e sistemtica 21/ 90
  • Slide 22
  • CONHECIMENTO TCITO E EXPLCITO Conhecimento pessoal incorporado experincia Envolve fatores intangveis sistema de valor, crenas e perspectivas Insights, Intuies, Emoes, Habilidades Articulado na linguagem formal facilmente transmitido e sistematizado Expresses matemticas Afirmaes gramaticais Palavras, Nmeros, Frmulas, Princpios Tcito Conhecimento Humano Explcito 22/ 90
  • Slide 23
  • CRIAO DO CONHECIMENTO Conhecimento indivduos Organizao no cria conhecimento por si s. Compartilhamento chave para evoluo/exige confiana Conectividade Rede de Pessoas 23/ 90
  • Slide 24
  • CONVERSO DO CONHECIMENTO Os 4 modos de converso: 1 - Socializao: Do Conhecimento Tcito em Conhecimento Tcito Compartilhamento de experincias Absoro atravs da prtica (observao; imitao) No necessariamente utiliza a linguagem 2 - Externalizao: do Conhecimento Tcito em Conhecimento Explcito Articulao dos conhecimentos tcitos em conceitos explcitos Processo de criao do conhecimento perfeito 24/ 90
  • Slide 25
  • CONVERSO DO CONHECIMENTO 3 - Combinao: Do Conhecimento Explcito em Conhecimento Explcito Combinao de conjuntos diferentes de conhecimento explcito Processo de sistematizao de conceitos em um sistema de conhecimento 4 - Internalizao: do Conhecimento Explcito em Conhecimento Tcito Incorporao do Explcito em Tcito Assimilao do Explcito (conhecimento estruturado) como modelo mental. 25/ 90
  • Slide 26
  • CONVERSO DO CONHECIMENTO HABILIDADES TCNICAS KNOW HOW CULTURA ORGANIZACIONAL APRENDE FAZENDO Espiral do Conhecimento 4 modos de converso DILOGO REFLEXO COLETIVA ASSOCIAO DO CONHECIMENTO EXPLCITO 26/ 90
  • Slide 27
  • CONVERSO DO CONHECIMENTO Implicaes e Barreiras (Dificuldades) Tcito para Tcito (Socializao): Menor Tcito para Explcito (Externalizao): Maior Explcito para Explcito (Combinao): Mdio Explcito para Tcito (Internalizao): Menor 27/ 90
  • Slide 28
  • ATIVOS INTANGVEIS Capital Intelectual: Soma do conhecimento de todos de uma empresa. a capacidade mental coletiva. Capital Humano: Fonte da inovao e renovao. Capacidade individual. Capital Estrutural ou Organizacional: Pertence empresa como um todo. Conjunto de publicaes, cultura, bancos de conhecimento, tecnologias, patentes, sistemas, rotinas e procedimentos organizacionais. Capital do Cliente ou de Relacionamento: o valor dos relacionamentos de uma empresa com as pessoas com as quais fez negcio (Base de Clientes) e do potencial destes Clientes. 28/ 90
  • Slide 29
  • ATIVOS INTANGVEIS Capital Social: a qualidade e o valor dos relacionados com a sociedade em geral, atravs do exerccio da cidadania corporativa da empresa como membro das comunidades global, regional e local. Capital ambiental: o valor do relacionamento com o planeta e seus recursos, definido atravs de clculos dos custos reais dos recursos consumidos por um empreendimento ou uma economia e da determinao de sua contribuio para a sade e a sustentabilidade do meio ambiente. 29/ 90
  • Slide 30
  • ATIVOS INTANGVEIS Capital de relacionamento externo: alianas e relacionamentos comerciais com clientes, parceiros estratgicos, fornecedores, investidores, agncias reguladoras e governos. 30/ 90
  • Slide 31
  • ATIVOS INTANGVEIS - Capital Intelectual a soma de tudo que as pessoas de uma empresa sabem, e que lhe d uma vantagem competitiva no mercado. (Stewart 1991) 31/90
  • Slide 32
  • ATIVOS INTANGVEIS - Capital Intelectual o conhecimento existente em uma Organizao que pode ser usado para criar uma vantagem diferencial. (Mc Donald 1995) 32/90
  • Slide 33
  • ATIVOS INTANGVEIS - Capital Intelectual o conhecimento que pode ser convertido em valor. (Edvinsson & Gullivan - 1996) 33/90
  • Slide 34
  • ATIVOS INTANGVEIS - Capital Intelectual material intelectual que foi formalizado, capturado e alavancado para produzir um ativo de maior valor. (Klein & Prusak - 1994 ) 34/90
  • Slide 35
  • ATIVOS INTANGVEIS - Capital Intelectual Primeiro uso do termo. (John Kenneth Gabbraith 1969) 35/90
  • Slide 36
  • ATIVOS INTANGVEIS - Capital Intelectual. Por que? Limitaes do sistema contabil tradicional Valorizao de empresas principalmente as intensivas em conhecimento (Ativos de informao) 36/90
  • Slide 37
  • ATIVOS INTANGVEIS - Contabilidade Tradicional x Capital Intelectual (CI) A Contabilidade trata o tangvel Mede o Capital Financeiro Baseia-se em R x D CI Ativo intangvel Contribui para aumento de valor da marca, de um produto e de uma Organizao. 37/90
  • Slide 38
  • ATIVOS INTANGVEIS Valorao do CI A Disney comprou a ABC por US$ 19 bi. O balano US$ 5 bi (1996) Microsoft vale US$ 70 bi O balano US$ 5 bi 38/90
  • Slide 39
  • ATIVOS INTANGVEIS Valorao do CI Por que dificil? Os intangveis (informao e conhecimento dependem de contexto) O conhecimento explicito depende do tcito. Os intangveis representam vantagem competitiva Porque no contbil 39/90
  • Slide 40
  • APRENDIZAGEM Possui vrios conceitos Aprendizagem a aquisio de informaes ou de habilidades Aprendizagem mudana, relativamente permanente, de comportamento devido experincia Aprendizagem envolve aspectos emocionais e inconscientes Aprendizagem depende de relacionamentos, experincias concretas e novos inputs 40/ 90
  • Slide 41
  • APRENDIZAGEM Trs Filosofias subjacentes Comportamentalista (Behaviorismo) nfase em comportamentos observveis (exteriorizao) Estmulo resposta conseqncia Humanista nfase na Pessoa Liberdade para aprender Ensino centrado no aluno Cognitivista (Construtivismo) nfase na cognio Como o ser humano conhece o mundo Processos mentais (atribuio de significados, da compreenso, da transformao, armazenamento e uso da informao envolvida da cognio) 41/ 90
  • Slide 42
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Por que? Porque aprender mais rpido que os concorrentes uma significativa vantagem competitiva Porque o conhecimento o principal ativo das organizaes Porque os negcios esto mais complexos e dinmicos Porque as organizaes precisam manter-se em evoluo 42/ 90
  • Slide 43
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Aprendizagem Organizacional a capacidade que uma Organizao possui para manter ou melhorar seu desenvolvimento com base na experincia adquirida Aprendizagem Organizacional pressupe certa habilidade das Organizaes para se adaptarem a mudanas (empresa em movimento) Aprendizagem Organizacional um processo para alavancar o conhecimento nas Organizaes Conceituao 43/ 90
  • Slide 44
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Como as Organizaes Aprendem No acontece por acaso Resulta do desempenho/habilidades especficas Necessita aes disciplinadas Necessita ambiente propcio O papel da A.O ajudar as Organizaes a superarem seus limites e tornarem-se melhores 44/ 90
  • Slide 45
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Organizaes que aprendem 5 Disciplinas de P. Senge Domnio Pessoal Aprender a expandir as capacidades pessoais para obter os resultados desejados e criar um ambiente empresarial que estimule todos os participantes a alcanarem suas metas Modelos Mentais Refletir, esclarecer continuamente e melhorar a imagem que cada um tem do mundo, a fim de verificar como moldar atos e decises 45/ 90
  • Slide 46
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Organizaes que aprendem 5 Disciplinas de P. Senge Viso Compartilhada Estimular o engajamento do grupo em relao ao futuro que se procura criar e elaborar os princpios e as diretrizes que permitiro que esse futuro seja alcanado Aprendizagem em grupo Transformar as aptides coletivas ligadas a pensamento e comunicao, de maneira que grupos de pessoas possam desenvolver inteligncia e capacidades maiores do que a soma dos talentos individuais 46/ 90
  • Slide 47
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Organizaes que aprendem 5 Disciplinas de P. Senge Pensamento Sistmico Criar uma forma de analisar e uma linguagem para descrever e compreender as foras e inter-relaes que modelam o comportamento dos sistemas A capacidade de forar e dominar estas 5 disciplinas caracteriza as Organizaes que aprendem 47/ 90
  • Slide 48
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Perfil de Organizaes que aprendem A aprendizagem no reativo, intencional, eficaz e conectado a estratgia da Organizao O aprendizado oportuno e contnuo e no funo de crises O aprendizado cria flexibilidade e agilidade para lidar com a incerteza As pessoas se sentem capazes de gerar continuamente novas formas de criar os resultados desejados As mudanas derivadas do aprendizado criam razes em vez de serem transitrias 48/ 90
  • Slide 49
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Critrios essenciais de AO 1 - Transformao Habilidades, atitudes, valores, comportamentos so criados/modificados com o passar do tempo 2 - Compartilhamento Tudo que aprendido passa a ser propriedade da coletividade 3 - Preservao O que foi aprendido deve permanecer na Organizao mesmo com a sada de indivduos 49/ 90
  • Slide 50
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Por que as Organizaes aprendem Fatores Facilitadores 1 - Investigao Imperativa Busca de Conhecimento em ambiente externo 2 - Defasagem de Desempenho Percepo generalizada de que existe diferena entre desempenho real e desejado 3 - Preocupao com medio Discusso de critrios de medio considerada atividade de aprendizagem 50/ 90
  • Slide 51
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Por que as Organizaes aprendem Fatores Facilitadores 4 - Curiosidade Organizacional A curiosidade propcia a experimentao 5 - Clima de Abertura Comunicao sem restries entre Pessoas (Rede) 6 - Educao Continuada Empenho constante da Organizao na manuteno dos nveis de aprendizagem 51/ 90
  • Slide 52
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Por que as Organizaes aprendem Fatores Facilitadores 7 - Variedade Operacional Diversidade de Mtodos apreciada 8 - Defensores Multiplos Encorajamento Aprendizagem (multiplicadores) 9 - Envolvimento das Lideranas Lideranas sustentam ambiente propcio a Aprendizagem 10 - Perspectiva Sistmica Viso da interdependncia entre as reas organizacionais e conscincia da necessidade de tempo para obter resultados 52/ 90
  • Slide 53
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Algumas reflexes Todas as Organizaes so sistemas de Aprendizagem A cultura organizacional influi na forma como a Organizao aprende Processo contnuo de aprendizagem no garante que a empresa aprendiz O caminho para a transformao em Organizao Aprendiz passa por uma reviso organizacional para o se ver por dentro Construir uma Organizao Aprendiz exige desenvolver continuamente a capacidade de criar uma viso do futuro 53/ 90
  • Slide 54
  • APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL (A.O.) Como saber se a Organizao est aprendendo Melhoria de desempenho Aumento de viso dos empregados Qualidade dos dilogos Coletividade prevalece sobre a individualidade Fluxo do Conhecimento regulado 54/ 90
  • Slide 55
  • A GESTO DO CONHECIMENTO (GC) Algumas conceituaes 1 - uma disciplina para o desenvolvimento de mtodos integrados para identificar, capturar, recuperar, compartilhar e avaliar os ativos de conhecimento de uma organizao (Gartner Group) 2 - um processo articulado e intencional, destinado a sustentar ou a promover o desempenho global da Organizao, com base no conhecimento. 55/ 90
  • Slide 56
  • A GESTO DO CONHECIMENTO (GC) 3 - Tem por objetivo capturar, analisar, interpretar, organizar, mapear e difundir a informao, para que esta seja til e esteja disponvel como conhecimento 4 - A nica vantagem sustentvel que uma Empresa tem aquilo que ela coletivamente sabe, aliado eficincia com que ela usa esse conhecimento e a aptido com que ela o adquire Davenport e Pruzac Conhecimento Empresarial 56/ 90
  • Slide 57
  • A GESTO DO CONHECIMENTO (GC) 5 - a arte de criar valor alavancando os ativos intangveis Karl Sveiby 6 - o processo sistemtico de identificao, criao, renovao e aplicao dos conhecimentos que so estratgicos na vida de uma Organizao. a administrao dos ativos de conhecimento desta Organizao 57/ 90
  • Slide 58
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL Objetivo Geral: Continuidade e evoluo da Organizao Objetivos Especficos Saber o que a Organizao conhece (mapeamento) Intensificar a utilizao do conhecimento especializado Compartilhar conhecimento entre pessoas e times Facilitar a reutilizao de conhecimentos pr-existentes em novas situaes Fortalecer a percepo do valor da Organizao pelos Clientes Facilitar o estabelecimento de um ambiente de aprendizagem organizacional. Reduzir o impacto quando da movimentao das Pessoas (demisses, aposentadoria, remanejamentos) 58/ 90
  • Slide 59
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O PROJETO DE GC 1 PASSO: Avaliar o cenrio organizacional Estrutura funcional Processos Componentes estratgicos Cultura organizacional (crenas e valores) Normatizao sobre Propriedade Intelectual Clima organizacional Conhecimento explicitado existente (BD, Normas, sistemas) Disponibilidades de TI 2 PASSO: Definir a estratgia de implantao De cima para baixo De baixo para cima Setorialmente 59/ 90
  • Slide 60
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O PROJETO DE GC 3 PASSO: Definir o escopo do projeto e diagramar Mapeamento do Conhecimento/Contedos (Necessrios X Disponibilidades Individuais) Ensino a Distncia Gesto Documental EC - Educao Corporativa Banco de Talentos - Gesto de Competncias Perfis adequados s necessidades Perfis das Pessoas dos times Formao de substitutos Movimentao de empregados Melhores Prticas Programas de Intercmbio Comunidades externas Banco de Narrativas 60/ 90
  • Slide 61
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O PROJETO DE GC 4 PASSO: Definir Polticas e Diretrizes 5 PASSO: Analisar a estrutura X processos (ou servios ou produtos) 6 PASSO: Definir os processos (ou produtos, ou servios) O que mais importante para o negcio O que mais fcil Qual a seqncia Qual o aprofundamento 7 PASSO: Desenhar a RVORE DO CONHECIMENTO Definir nomenclatura (processo, sub-processo, ramo, assunto, atividade) Definir nveis 61/ 90
  • Slide 62
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O PROJETO DE GC 8 PASSO: Definir o padro de registro 9 PASSO: Identificar, selecionar e capacitar os especialistas Seleo individual Rede de Pessoas (Comunidades) 10 PASSO: Definir os Gestores da rvore Gerenciais (topo) Tcnicos (ponta) 11 PASSO: Identificar, avaliar e selecionar os ttulos de conhecimentos prioritrios O que mais importa preservar O que mais urgente Profundidade e Amplitude 62/ 90
  • Slide 63
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O PROJETO DE GC 12 PASSO: Captar e registrar os conhecimentos (padro) 13 PASSO: Definir Indicadores e pontos de controle 14 PASSO: Definir Cronograma de Avaliao e Ciclo de Melhorias 15 PASSO: Lanar na Base e disponibilidade Facilidade de acesso Facilidade de navegao Usabilidade 16 PASSO: Avaliar evoluo (comparao disponvel X desejado) 63/ 90
  • Slide 64
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O PROJETO DE GC Campanha de Disseminao O que o Projeto GC Vantagens Como contribuir Quem so os Agentes Informes peridicos Vinculao com as estratgias organizacionais 64/ 90
  • Slide 65
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL A GESTO DO PROJETO DE GC Cuidados permanentes Compatibilizao com o Alinhamento Estratgico Mudanas na/da alta Direo Mudanas no Negcio (funes, vendas, redirecionamento) Alinhamento poltico Atualizao e Avaliao constante dos contedos (Gesto de Contedos - Content Management - CM) Integrao e compatibilizao de contedos/mdias Fomento interao entre as Pessoas Sobrevivncia do repositrio de Conhecimento e do Conceito 65/ 90
  • Slide 66
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL A GESTO DO PROJETO DE GC Cuidados permanentes Avaliao da motivao dos Gestores e Usurios Reunies com Gestores Pesquisa de Satisfao dos Usurios Manuteno da disseminao Campanha permanente Avaliao da disseminao Avaliao do nvel de sensibilizao Dependncia com relao ao repositrio de Conhecimento Volume/Qualidade das contribuies 66/ 90
  • Slide 67
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL O trabalhador do Conhecimento Algum que analisa, cria valor e comunica a informao/conhecimento para otimizar a deciso o facilitador do conhecimento, onde se inclui funes de Administrao e Tecnologia da Informao Devem ter combinao de habilidades e atributos Hardware (conhecimento estruturado, qualificaes tcnicas e experincia profissional) Software (claro senso dos aspectos culturais, polticos e pessoais do Conhecimento) 67/90
  • Slide 68
  • A GC NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL Armadilhas do processo Prevalncia da tecnologia (no garante a criao e o compartilhamento) Iniciativas isoladas Excesso de ambio do projeto Desprezar a formao da cultura do conhecimento 68/ 90
  • Slide 69
  • OS AGENTES PRINCIPAIS NA GC Profissionais do Conhecimento (detentores/geradores) Gestores de Processos, Produtos ou Servios (validadores) Lderes ou Gerentes do Conhecimento Gestores da Base de Conhecimento (Operadores) 69/ 90
  • Slide 70
  • OS AGENTES PRINCIPAIS NA GC Profissionais do Conhecimento Gestores de Processos, Produtos ou Servios Gestores da Base Base LDERESDOCONHECIMENTOLDERESDOCONHECIMENTO USURIOSUSURIOS Acesso Contribuies 70/ 90
  • Slide 71
  • OS AGENTES PRINCIPAIS DA GC O novo lder Busca o comprometimento Participativo/grupal Atua como projetista, educador, e regente do grupo Viso compartilhada Pensamento sistmico 71/90
  • Slide 72
  • OS AGENTES PRINCIPAIS DA GC Lder Tradicional x Lder do Conhecimento Lder Tradicional Apia-se em regras Controla tudo Cultura de tarefa Delega o que fazer Motivao: poder e dinheiro Poder baseado no cargo Trabalho troca econmica 72/90
  • Slide 73
  • OS AGENTES PRINCIPAIS DA GC Lder Tradicional x Lder do Conhecimento Lder do Conhecimento Apia-se nas pessoas, suas capacitaes e habilidades Controla o mais importante Cultura ampla Delega como fazer Motivao: desafio Poder pela competncia Trabalho enriquecimento cultural alm de troca econmica 73/90
  • Slide 74
  • RESULTANTES DAS PRTICAS DE GC O que muda na vida das Pessoas Aprendizagem Organizacional (A. O) Educao continuada Ensino-aprendizagem propulso da evoluo Dez Fatores Facilitadores Educao Corporativa Gerente educador Ex.: AMIL Plano Educacional atrelado s estratgias Mudana de paradigma Centro de treinamento Universidade Corporativa 74/ 90
  • Slide 75
  • EDUCAO CORPORATIVA uma disciplina desenvolvida em consonncia com as estratgias empresariais, que visa aumentar o Capital Intelectual de forma estruturada e sistmica. uma prtica educacional estruturada na Organizao com foco na coletividade e nos resultados. 75/90
  • Slide 76
  • EDUCAO CORPORATIVA Mudana de paradigma CENTRO DE TREINAMENTO UNIVERSIDADE CORPORATIVA Desenvolver habilidades OBJETIVO Desenvolver as competncias essenciais Aprendizado individual FOCO Aprendizado organizacional Ttico ESCOPO Estratgico Necessidades individuais NFASE Estratgias de negcios Interno PBLICO Interna e externo Eventos Isolados FREQUNCIA Processo contnuo de Aprendizagem Espao real LOCAL Espao real e virtual Aumentos de habilidades RESULTADO Melhorias de resultados 76/ 90
  • Slide 77
  • EDUCAO CORPORATIVA Objetivo principal Desenvolvimento e instalao de competncias empresariais e humanas consideradas crticas para viabilizao das estratgias do negcio 77/90
  • Slide 78
  • EDUCAO CORPORATIVA Princpios Fornecer aprendizagem como apoio as metas do negcio EC um processo e no um local Capacitar cadeia de valor Estimular os lderes a envolver-se e facilitar o aprendizado Ser utilizada para a vantagem competitiva. 78/90
  • Slide 79
  • EDUCAO CORPORATIVA Alguns nmeros Das 10 Melhores Empresas para se trabalhar (EXAME - 2003) 5 tem UC: Rede Card (2), Mc Donald (5), Tigre (6), Natura (7) Bank Boston (10) Das 10 empresas mais admiradas no Brasil, 7 utilizam EC: Nestl, Natura, Embraer, Ambev, Mc Donalds, Petrobrs e Vale do Rio Doce (REVISTA CARTA CAPITAL) 79/90
  • Slide 80
  • RESULTANTES DAS PRTICAS DE GC O que muda na vida das Pessoas Educao a Distncia Ampliao de Oportunidades (capilaridade, simultaneidade) Criao da figura do tutor Criao da figura do Gestor Acadmico Criao da figura do conteudista Utilizao de especialistas de TI Plano Educacional Conceito de Educao Corporativa Viso de futuro Atrelado s estratgias 80/ 90
  • Slide 81
  • RESULTANTES DAS PRTICAS DE GC O que muda na vida das Pessoas Banco de Talentos Facilidade para obteno de tutores/instrutores Facilidade para atualizao dos saberes Capacidade de redirecionamento de investimentos em capacitao (Indicadores) Comunidades de Conhecimento Rede de Pessoas Interao constante Focos definidos 81/ 90
  • Slide 82
  • RESULTANTES DAS PRTICAS DE GC O que muda na vida das Pessoas Gesto Documental Preservao da memria da Organizao moral legal Facilidade de localizao de documentos Possibilidade de leitura virtual Emisso de relatrios (documentos a eliminar, % de eliminados/ano, etc...) Gesto de Processos Visibilidade Identificao para melhorias 82/ 90
  • Slide 83
  • RESULTANTES DAS PRTICAS DE GC O que muda na vida das Pessoas Gesto do Relacionamento com Clientes Conhecimento do perfil dos Clientes perfil de compras comportamento padres de consumo Estabelecimento de grupos de Clientes Gesto de Reclamaes 83/ 90
  • Slide 84
  • RESULTANTES DAS PRTICAS DE GC O que muda na vida das Pessoas Programas de Intercmbio Otimizao do funcionamento das Comunidades Ampliao da Rede de Pessoas (Capital Intelectual) Melhores Prticas Acelerao do aprendizado Fortalecimento das Comunidades externas 84/ 90
  • Slide 85
  • DIAGRAMA DA GC NAS ORGANIZAES ATUALIZAO e MERCADO INTERNET PROGRAMAS DE INTERCMBIO MELHORES PRTICAS COMUNIDADES EXTERNAS 85/ 90
  • Slide 86
  • GESTO ESTRATGICA DA GC NAS ORGANIZAES Continuidade dos negcios Reutilizao do Conhecimento Mobilidade e Capacidade decisria 86/ 90
  • Slide 87
  • AVALIAO DE RESULTADOS DA GC Crescimento no volume de contedos Crescimento no nmero de acessos Maior participao dos profissionais de conhecimento Crescimento do nmero de processos mapeados Base GC como caminho crtico Atuao das pessoas voltada ao compartilhamento Agilidade do processo decisrio 87/ 90
  • Slide 88
  • Bibliografia ANGELONI, M Terezinha (Coord) - Organizaes do Conhecimento, Editora Saraiva, S. Paulo, 2001 DAVENPORT, Thomas H. PRUSAK, Laurence - Conhecimento Empresarial, Editora Campus, Rio de Janeiro, 1998 DIBELLA, Anthony J. - Como as organizaes aprendem, Editora Edvector, S. Paulo, 1999 GRAMIGNA, Maria Rita - Modelo de Competncias e Gesto dos Talentos, Editora Makron Books, S. Paulo, 2002 KLEIN, David A - A Gesto Estratgica do Capital Intelectual, Editora Qualitymark, Rio de Janeiro, 1998 88/90
  • Slide 89
  • Bibliografia MELO, Luiz E. Vasconcelos - Gesto do Conhecimento: Conceitos e aplicaes, Editora Cmara Brasileira do Livro, S. Paulo, 2003 MOREIRA, Marco Antonio - Teorias de Aprendizagem, Editora EPU, S. Paulo, 1999 NONAKA, Ikujiro e TAKEUCHI, Hirotaka - Criao de Conhecimento na Empresa, Editora Campus, Rio de Janeiro, 1997 SENGE, Peter - A 5 disciplina, Editora Best-Seller, 1990 STEWART, Thomas A. - Capital Intelectual, Editora Campos, Rio de Janeiro, 1958 89/90
  • Slide 90
  • Bibliografia SVEIBY, Karl Erik - A nova Riqueza das Organizaes, Editora Campos, Rio de Janeiro, 1998 TERRA, Jos Claudio C. - Gesto do Conhecimento: o grande desafio empresarial, Negcio Editora, S. Paulo, 2000 WAROMAN, Kellie T. - Criando Organizaes que Aprendem, Editora Futura, S. Paulo, 1996 90/90