geografia - noções conceituais para a contemporaneidade

Download Geografia - noções conceituais para a contemporaneidade

If you can't read please download the document

Post on 25-Jul-2015

91 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Apresentao do PowerPoint

Geografia: noes conceituais para a contemporaneidade

derson Dias de OliveiraGODOY, P. R. T. (org.) Histria do Pensamento Geogrfico e Epistemologia em Geografia. So Paulo: Cultura Acadmica, 2010.

Ler Uma necessidade epistemolgica a distino entre paisagem e espao, In: Milton Santos, A Natureza do Espao, Edusp, So Paulo, 2006.

Geografia - como surgiu essa cincia?Saber que acompanha ns desde os primrdios da humanidade (localizao, forma do globo).Estabelecimento de relaes com a Natureza fez parte das estratgias de sobrevivncia dos grupos humanos desde suas primeiras formas de organizao;

Os povos da pr-histria j desenvolviam conhecimentos considerados geogrficos (ANDRADE, 1987);Ex. caadores e coletores - observao da dinmica das estaes do ano e do ciclo reprodutivo da natureza; navegadores - conhecimento da direo e a dinmica dos ventos, mars e correntes martimas; agricultores - conhecimento das variaes climticas;

So conhecimentos que permitiram s sociedades se relacionarem com a Natureza e modific-la em benefcio prprio;

Ao longo da histria, a natureza foi sendo transformada pelo trabalho do homem, que passou a produzir um espao com o objetivo de garantir sua subsistncia. Esse processo de humanizao tornou a natureza cada vez mais artificializada, graas ao desenvolvimento de tcnicas.

Poucos lugares da superfcie terrestre ainda no sofreram transformaes.

Expandiram-se as reas agrcolas, desenvolveram-se as cidades e as indstrias, construram-se estradas, enfim, cada vez mais novas tcnicas foram sendo incorporadas ao espao geogrfico, transformando-o.

Porm, mesmo esses lugares, como no interior da Floresta Amaznica ou nas calotas polares, o territrio est delimitado, existe domnio poltico.

Embora as paisagens estejam impregnadas de relaes humanas, essas no so facilmente percebidas, sendo necessrio desvend-las para que o espao geogrfico possa ser apreendido em sua essncia.Estes esto sujeitos a acordos internacionais e neles atuam interesses, ligados aos que buscam sua preservao e aos que desejam explor-los de forma predatria. Mesmo em um meio natural, que parea intocado, existem relaes polticas, econmicas, culturais e ambientais que no so visveis na paisagem.Enfim, a geografia um conhecimento que tem seu incio paralelo ao surgimento do homem. No entanto, suas ideias mais elaboradas ocorreram na Grcia - Pitgoras e Aristteles;Geo = terra Grafia = descrio / termo contraditrio

Desde a Antiguidade muitos autores elaboraram estudos considerados geogrficos, embora o conhecimento fosse disperso e desarticulado, vinculado filosofia, matemtica e s cincias da natureza. Na Grcia Antiga, Herdoto, Hipcrates e Aristteles, entre outros, analisaram a dinmica dos fenmenos naturais, elaboraram descries de paisagens e estudaram a relao homem-natureza. Na Idade Mdia, Cludio Ptolomeu fez importantes estudos geogrficos e cartogrficos registrados em sua obra Sntese Geogrfica.

A expanso martima europia proporcionou substanciais avanos aos estudos geogrficos.No entanto, somente em meados do sculo XIX, dois pesquisadores alemes Alexandre Von Humboldt (1769-1859) - naturalista; gelogo e botnico; e Karl Ritter (1779-1859) - estudo dos lugares; filosofia e histria; fundaram a geografia como cincia;Essa como uma rea do conhecimento que passou a ser pesquisada e ensinada nas universidades, com a gradativa sistematizao de seu arcabouo terico-metodolgico.

At meados do sculo XX a maioria dos gegrafos se limitava a descrever as caractersticas fsicas, humanas e econmicas das diversas formaes socioespaciais, procurando estabelecer comparaes e diferenciaes entre elas. Embora tenha tido um importante papel no desenvolvimento da geografia como cincia, a geografia tradicional nos legou um ensino escolar centrado no:clima;relevo;Vegetao;Hidrografia;memorizao de mapas e;dados estatsticos sobre populao e economia.Essa estrutura perdurou at a segunda metade do sc. XX, quando a descrio das paisagens, com seus fenmenos naturais e sociais, passou a ser realizada de forma mais eficiente e atraente pela televiso;Assim os gegrafos se viram obrigados a buscar novos objetos de estudo que permitissem geografia sobreviver como disciplina escolar no ensino bsico e como ramificao das cincias humanas em nvel universitrio.Nesse perodo, o processo de mudana do objeto de pesquisa da disciplina teve seu marco principal na dcada de 1970, quando a geografia passou por um efervescente processo de renovao em suas bases tericas e nos seus mtodos de anlise.

Esse processo transformador teve como um dos pioneiros o gegrafo francs Yves Lacoste. Em 1976 ele publicou A geografia - isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra, livro que viria a balanar as estruturas da geografia tradicional. Criticava seu contedo ideolgico a servio dos interesses dominantes poltico e econmico e apontava caminhos para a renovao crtica. No Brasil um dos pioneiros nesse processo foi o gegrafo Milton Santos, em seu livro Por uma geografia nova, publicado em 1978.

Enquanto na Frana e no Brasil a renovao teve forte influncia do pensamento de esquerda, sobretudo do marxismo, nos Estados Unidos contraposio corrente tradicional foi quantitativa ou pragmtica;Esta criticava a falta de pragmatismo, o atraso tecnolgico da geografia tradicional e passou a utilizar sistemas matemticos e computacionais para interpretar o espao geogrfico. Essa corrente tecnicista e utilitarista da renovao, que mascarava os conflitos e as contradies sociais denunciados pelos gegrafos crticos, era uma perspectiva conservadora, a servio do status quo.O fim do socialismo real contribuiu para reduzir a influncia do marxismo nas cincias humanas.

Isso abriu caminho para a difuso de outras correntes terico-metodolgicos na geografia crtica, como a fenomenologia e o existencialismo;Tambm, ao mesmo tempo as correntes crticas passam a valorizar as novas tecnologias computadores, satlites etc. na interpretao do espao geogrfico.Atualmente, depois de trs dcadas de renovao emergem novos atores com o avano da globalizao, o crescimento de problemas como os conflitos tnicos, a questo ambiental, os movimentos terroristas, as crises financeiras etc.Esses consolidam a certeza de que a geografia uma disciplina fundamental para a compreenso do mundo contemporneo nas escalas local, nacional e mundial.

O que Geografia? polmica ..Para algumas pessoas, :o estudo da paisagem; a descrio da Terra;o estuda das regies;o estudo dos mapas;o estudo dos lugares;e para vocs?

Definio do conceito de Geografia uma cincia que tem como objeto principal de estudo o espao (geogrfico) - palco das realizaes humanas;Lugar da relao homem x meio - busca pela sobrevivncia;

O homem faz geografia medida que se faz humano, ser social

CINCIA GEOGRFICAGEOGRAFIA Cincia que estuda o espao geogrfico. Cincia que tem na base de seus mtodos a busca pelo esclarecimento das contradies existentes na relao homem e natureza atravs do entendimento que a partir das relaes sociais que o homem produz o espao geogrfico.

pelo trabalho humano que a natureza se torna recurso e meio, condio e produto de sobrevivncia do homem na terra.A Geografia a cincia que estuda o espao e as relaes que ocorrem nele. J o espao a construo do trabalho humano sobre um ambiente natural (SANTOS, 2001).Especialidades da Cincia GeogrficaGeografia Fsica:Geografia Humana:Geografia Econmica:Geografia Cultural:Geografia Poltica:

Milton Almeida dos Santos 1926 - 2001A Geografia Objetiva:Compreender os porqus das paisagens em que vivemos;Como ela foi construda;Por que ela assim;Busca do rompimen-to da simples visu-alizao e descrio conformista das paisagens;

LUGAR - primeira referncia que cada um tem no mundo.(...) Percorrer as ruas do Centro, depois de anos em que no pisava por l, dava certo prazer a dona Irene. Prazer que ela no confessava a si mesma. Parava diante de vitrines. Sim senhor, como isso mudou. (...) Ali era uma livraria. Mais adiante, cad a confeitaria que tinha aquele sorvete de pistache, super delicioso? Nada de confeitaria . Somente bancos, financeiras, agncias de loteria esportiva. Dona Irene sentia leve saudade da dcada de 60. Era outro Rio. Mas devemos conhecer o Rio de hoje, e ela ia aproveitando o percurso na direo do nibus para ver, assuntar, sentir, apesar do multido, do bolo de gente, do barulho... (...)Carlos Drummond de Andrade. O medo e o relgio. In: Moa deitada na grama. Rio de Janeiro, Record, 1987.

O que paisagem?Tudo aquilo que ns vemos, o que a nossa viso alcana, a paisagem [...]. No apenas formada de volumes, mas tambm de cores, odores, movimentos, sons etc. Provrbio oriental paisagem est a frente e atrs dos nossos olhos;

Milton Santos

Vista do bairro Iguau, Ipatinga, MG, 2007.A transformao das paisagens

Insero de trabalho humano no espao ao longo do tempo;Construo de novas paisagens;Segundo Lucas (1991), os fatores estticos da paisagem esto relacionados com a reao mental do que os olhos vem. Ronai (1976), apud Cabral (2000, p.36) afirma que no existe um olhar virgem, espontneo, inocente. O olhar no somente o exerccio de um sentido (a viso), ele tambm a produo de sentido (significao). preciso ter em mente que o arranjo de formas naturais e/ou artificiais assume diferentes sentidos segundo o modo de olhar (atribuir significados).

Oferecida nossa percepo e, ao mesmo tempo, produto de nossas experincias, a paisagem traduz-se como campo de significao individual e scio-cultural, indicando que essa categoria geogrfica deve ser considerada em seu carter pluridimensional (CABRAL, 2000, p.42).A paisagem resulta, portanto, do homem, de seu olhar, de seus atos, no a coisa ou a natureza em estado bruto. Desta forma, no h como escapar da subjetividade da anlise. At mesmo a interpretao de fotografias ou imagens orbitais dependente