folha regional de cianorte - edicao 670

Download Folha Regional de Cianorte - edicao 670

Post on 17-Mar-2016

247 views

Category:

Documents

8 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

edicao 670 da folha regional de cianorte com circulacao em 14 e 15 de abril de 2013

TRANSCRIPT

  • Domingo e Segunda-Feira, 14 e 15 de Abril de 2013 - Ano 12 - Edio 670 - R$ 2,00Fone: (44) 3018-2015 - Site: www.folharegionaldecianorte.com - E-mail: folhadecianorte@gmail.com

    Rondon e SedS aSSinam convnio paRa aeS no cReaS-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Pg. 4

    Nesta ltima sexta-fei-ra (12), o prefeito Clau-demir Romero Bongior-no esteve reunido em seu gabinete com uma comiti-va de diretores e coorde-nadores da Sanepar, que apresentaram o plano de Saneamento Bsico para a Capital do Vesturio. Du-rante a reunio, o Gerente Regional Eduardo Junior, acompanhado dos coorde-nadores de vrios setores da Sanepar apresentou o plano de Saneamento B-sico para Cianorte - coleta de lixo, tratamento de es-goto, e abastecimento de gua - para os prximos 30 anos.

    Bongiorno se reune com diretores da sanePar

    Prefeito Bongiorno e Vereadores juntamente com o grupo da Sanepar---------------------Pg. 12

    Finalistas do BBB13 da Rede Globo, Andres-sa e Nasser ganharam espao na mdia pelo par romntico que fi-

    zeram no reality show. Nesta semana o casal visitou as instalaes da fbrica e a loja do grupo Farump. --------- Pg. 11

    andressa e nasser visitam grupo Farump

    O Provopar realizou, na manh desta sexta-feira (12), uma reunio para definir detalhes da Campanha do Aga-salho 2013. O lanamento da edio deste ano ser no dia 17 de abril, s 8h30, no Banco do Brasil. Segundo F-tima Bongiorno, muito mais do que a assistncia, aes como a Campanha do Agasalho estimulam o trabalho vo-luntrio entre a comunidade e tem trazido grandes resul-tados, pois alm de apresentar como objetivos a partilha e a solidariedade. ----------------------------- Pg. 9

    A Agenda no est fe-chada. Mas certo que o governador lanar a pedra fundamental da Delegacia Cidad. Em contato com a Folha nesta sexta-feira, o deputado Jonas Guimares anunciou que o governador Beto Richa dever estar em Cianorte no transcorrer de

    maio. A data no foi de-finida por que ainda esta-mos elaborando a agenda de compromissos, desta-cou. Todavia um compro-misso est definido o go-vernador lanar, ao lado de autoridades locais, a pedra fundamental da De-legacia Cidad. ---- Pg. 9

    deputado Jonas anuncia que Beto richa estar em cianorte em maio

    Jonas Guimares juntamente com o Governador Beto Richa

    Provopar inicia preparativos para campanha do

    agasalho 2013

    rainha da Paz recebe alimentos arrecadados em

    palestra na acic-------------------------------------------------------Pg. 5

  • Ed n 670 - Domingo e Segunda, 14 e 15 de Abril de 2013 - Fone: (44) 3018-2015 - Website: www.folharegionaldecianorte.com - E-mail: folhadecianorte@gmail.com - Av. Brasil, 1167 - Sl. 03

  • Ed n 670 - Domingo e Segunda, 14 e 15 de Abril de 2013 - Fone: (44) 3018-2015 - Website: www.folharegionaldecianorte.com - E-mail: folhadecianorte@gmail.com - Av. Brasil, 1167 - Sl. 03

  • Ed n 670 - Domingo e Segunda, 14 e 15 de Abril de 2013 - Fone: (44) 3018-2015 - Website: www.folharegionaldecianorte.com - E-mail: folhadecianorte@gmail.com - Av. Brasil, 1167 - Sl. 03

    izaura aparecida tomaroli Varellaadvogada e Professora - e-mail: izauravarella@uol.com.br

    Um dos comentrios mais comuns dos pacientes na clnica odontolgica de que os seus dentes foram da-nificados pelo uso de antibiticos na infncia.

    Diante disso, vamos esclarecer al-gumas dvidas: Primeiramente va-mos deixar claro de que Antibiticos no causam crie.

    Existem duas teorias para essa crena popular. Uma que como o antibitico tem efeito sobre microor-ganismos, as pessoas acham que po-dem destruir os dentes. Outra poss-vel explicao para tal relao pode ser devido utilizao em um passado recente do antibi-tico tetraciclina em crianas, que levou a manchamentos nos dentes, os quais poderiam ser percebidos pela popu-lao como crie.

    Um fato indiscutvel: A tetraciclina mancha os dentes. O antibitico tetraciclina, quando utilizado no perodo em que os dentes esto sendo formados e dentes de leite e dentes permanentes at 7-8 anos de idade pode induzir a formao de manchas de colorao amarelada ou marrom--acinzentada na estrutura dentria.

    Porm, a tetraciclina s causa machas no perodo de formao dos dentes. Se os dentes j esto formados ou mesmo presentes na boca no causa efeito algum, por-tanto, pacientes adultos se usarem a tetraciclina no tero problemas de manchamento nos dentes.

    Uma maneira de diminuir essas manchas so os clare-amentos dentais feitos atualmente. Os dentes podem ser clareados, porm com certas limitaes.

    Tambm no podemos dizer que apenas a tetraciclina pode causar efeitos negativos no dente. Todo medicamen-to indicado para crianas tendem a ser mais adocicados e ter sacarose na frmula para que as crianas aceitem me-lhor o medicamento. No somente o acar, mas outros componentes da frmula dos medicamentos tm alta aci-dez, o que favorece a perda da poro mineral da estrutu-ra dentria. Outro ponto que alguns pais descuidam na higiene oral quando crianas esto doentes. Assim, elas ingerem o medicamento e dormem sem escovar os dentes. Com isso, o risco de ter problemas dentrios, em especial a crie, aumenta.

    colaborao: dr. Wagner destfanocirurgio dentista - cRo 10637

    antiBitico no daniFica os dentes

    Dias atrs recebi uma ligao do Ado do Cartrio. Ele me pedia que eu passasse por l para me dar um documen-to nico, primeiro e original. Nada mais era que o Estatuto original, da associao de Proteo maternidade e infncia- aPmi, datado de 08 de maio de 1957, data da fundao da entidade. Mais original ainda: as duas assina-turas que constam no documento tambm original, revelam as letras delicadas de duas mulheres valorosas, que nos primeiros anos de fundao de Cianorte eram importantes cones que atuavam na proteo dos mais necessitados. A assinatura de LuiZa Lucia ruFini VareLLa e de He-Lena rocHa de moraes Barros revela a determina-o destas duas mulheres, que num tempo de nada, onde tudo estava para se construir em Cianorte, j se importam com os mais vulnerveis a sua volta. Famlias chegavam de caminho, com a mudana pequena em cima e as pes-soas misturadas no meio dos mveis. Chegavam e no sa-biam para onde ir. Casas improvisadas eram levantadas do dia para a noite para que estas famlias humildes se abri-gassem com suas crianas espera de uma oportunidade, num tempo onde a areia dominava as ruas e os restos de queimadas se espalhavam pelas avenidas e ruas recm--abertas. A necessidade de abrigar estas famlias levaram as duas a se envolverem na luta de proteo me e seus filhos. Foi a primeira organizao social filantrpica funda-da em Cianorte e que permanece ao longo dos anos ainda.

    Todos os dias chegavam novas pessoas que iam abrindo frentes agrcolas e se acomodando no comrcio local que nascia. O primeiro Prefeito Wilsom Ferreira Varella com sua esposa Luiza Lucia e Dr. Paulo de Moraes Barros, Gerente da Companhia Melhoramentos Norte do Paran que fundou Cianorte, com sua esposa Helena, cnscios estavam, de sua imensa tarefa frente organizao da cidade. Era a cidade apenas uma clareira aberta na mata circundante, mas es-tava destinada a crescer e se tornar a cidade que hoje, aconchegante e hospitaleira.

    D. Luiza e D. Helena, fundadoras da APMI revelaram desde logo sua preocupao em atender a me gestante, antes, durante e depois do parto, assim como garantir as-sistncia mdica, alis, dos dois nicos mdicos da cidade. Afinal, Cianorte fundada em 1953, s passou a ser munic-pio no ano de 1955 e tinha, portanto, apenas dois anos de vida civil. Nem pensem que por ser pequena a cidade no tinha problemas. Faltava tudo, desde as acomodaes para os que chegavam em cima de caminhes com suas prprias mudanas, at posto de sade, prefeitura, cmara, que no tinham sede prpria, e se acomodavam nas pequenas de-pendncias cedidas pela Companhia.

    D. Luiza morreu muito cedo, no ano de 1960. A presena de sua grande amiga Maria Egl Polito Mafra amparou a fa-mlia que ficava sem me definitivamente, e que juntas lu-tavam nos primeiros tempos para melhorar a vida dos mais vulnerveis. D. Maria Mafra, graas a Deus est viva, lcida e vive no seio de sua famlia Mafra com o carinho de seus familiares. E D. Helena Rocha de Moraes Barros tambm vive, embora com dificuldades de sade. Mulher bonita, culta, preparada, com grande interesse na rea de arque-ologia, conseguiu salvar peas arqueolgicas, como vasos de cermica e urnas funerrias indgenas que foram en-contradas na regio na poca do desbravamento feito pela Companhia e que hoje repousam na Universidade Estadu-al de Maring. Graas a ela a histria inicial manteve suas provas vivas e graas ao seu interesse acabou contribuindo com a histria da regio. Relata que panelas, ferramentas de pedra e um pote identificado como camucim retirado da jazida com ossos e pedras dentro, identificavam, portanto, a passagem de indgenas com costumes muito prprios por nossa regio. Graas a ela a histria no se perdeu e consi-deramos como uma grande preciosidade o seu talento para garantir s geraes vindouras provas de seu passado.

    D. Helena, mulher de fibra, fina, delicada e ao mesmo tempo corajosa que saiu do conforto da cidade de So Pau-lo para acompanhar seu esposo Dr. Paulo de Moraes Barros e aqui criar a sua famlia. A ela rendo de corao, ab imo pectore, do fundo do peito, do fundo da alma, com fran-queza a minha melhor homenagem.

    LemBrando de HeLena rocHa de moraes Barros

    GUa vidaA Unesco lanou o Ano Internacional de Cooperao

    pela gua no dia 11 de maro de 2013. Talvez seja in-significante ou at se passe desapercebido, a questo da gua, porque em nossa regio temos um acesso ilimitado a esse bem. A gua um bem de domnio pblico, alm de um recurso limitado e dotado de valor, conforme consta da Lei Federal 9.433 de 08 de janeiro de 1997, que insti-tuiu a poltica nacional de recursos hdrico