Florestan Adivinhas

Download Florestan Adivinhas

Post on 18-Dec-2015

18 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Florestan Fernandes advinhas

TRANSCRIPT

  • CONTRIBUIO PARA O ESTUDO SOCIOLGICO DAS ADIVINHAS PAULISTANAS (*).

    1 INTRODUO:

    As adivinhas, segundo' Amadeu Amaral, constituem "enigmas verbais, que representam o objeto por meio de analogias, mas cujo mtuo concurso o delimita suficientemente" (1). Essa conceitua-o tem dois mritos: sinttica sem ser obscura. No entanto, incorre no defeito muito grave do dogmatismo. Tomando-se uma coleo qualquer de adivinhas, verifica-se logo que nem sempre "o mtuo concurso" das analogias "delimita suficientemente" o objeto subentendido. Na "lgica" das adivinhas as coisas no se passam com o mesmo rigor e determinao que na lgica formal. Sabe-se, por exemplo, que ainda quando os enigmas so propostos em tr-mos das mesmas analogias (o que nem sempre acontece), e os significados destas so bem conhecidos, o concurso delas pode de-limitar vrios objetos diferentes. Parece que dificuldades dste ti-po levaram os folcloristas a se contentarem com a simples carate-rizao das adivinhas. o qUe faz Pitr, entre outros, e com um sucesso tal que Cocchiara afirma que sua caraterizao das adi-vinhas foi aceita "por todos os folcloristas" (2) : "a adivinha um jogo de palavras, no qual vem compreendida ou suposta qualquer coisa que no se diz, ou uma descrio engenhosa e aguda da coi-sa semelhante, de qualidades e caracteres gerais que se pode atri-buir a outra coisa tendo ou no aquela semelhana ou analogia. Essa descrio sempre vaga, to vaga que a pessoa a quem proposta a questo dirige os pensamentos para ste ou para aqule significado, incerta quanto soluo a ser encontrada. Pois fre-qentemente se esconde sob o veu de uma alegoria muito distante, e sob imagens preciosas e agradveis" (3).

    Poder-se-ia comparar as adivinhas, mantendo os paralelismos dentro de limites razoveis, com o raciocnio matemtico: atravs

    (). Trabalho apresentado cadeira de Antropologia da Faculdade de Fi-losofia, Cincias e Letras, escolhida como uma das disciplinas subsi-' dirias no exame para doutoramento.

    Amadeu Amaral, Tradies Populares, pg. 278. Giuseppe Cocchiara, Folklore, pg. 71. Giuseppe Pitr, Indovinelli, dubbi, seloglilingua, del popolo siciliano,

    pg. XVIII; apud G. Cocchiara, op. cit., pgs. 70-71.

  • 108

    de elementos dados, procura-se determinar um elemento suposto. Contudo, os elementos dados so conhecidos por meio de smbo-los que no lembram em nada a preciso racional inerente s for-mas simblicas do raciocnio matemtico, e sua conexo com o elemento suposto no possui um carter de necessidade, mas re-pousa em fundamentos fornecidos pelo pensamento por analogia. No existe nas adivinhas nenhuma evidncia capaz de impor-se por si mesma, excluindo outras significaes provveis, a partir dos elementos dados e segundo uma marcha determinada do esprito. Ao contrrio, esta segue, via de regra, um curso arbitrrio, recor-rendo mais imaginao que ao mtodo, e as prprias analogias exprimem com freqncia, atravs de smbolos idnticos, coisas ou objetos distintos. Explica-se assim porque os folcloristas se des-cuidaram dos processos psquicos envolvidos nessas manifestaes da cultura, enquanto acumulavam enormes colees de adivinhas. que era fcil registrar e classificar as formas objetivas dos "enig-mas verbais", perpetuadas nas tradies dos povos, porm muito difcil e complicado explicar .a sua "lgica", os "princpios" que regem a sua formulao e soluo.

    Em uma pesquisa que realizei em 1941, para a I Cadeira de Sociologia de nossa Faculdade, procurei recolher a maior documen-tao possvel sbre sse setor do folclore paulistano. Ao todo, consegui registrar 60 composies, sendo 56 "adivinhas" e 4 "pro-blemas", segundo as distines estabelecidas pelos prprios infor-mantes. Ordenei-as por ordem alfabtica e dei como ao traba-lho de anlise folclrica, que precisei interromper posteriormente. Por isso, o presente artigo abrange a coletnea de "problemas" e "adivinhas", juntamente com parte do material comparativo de que disponho. Como operei em diversos bairros, indico entre parn-tesis os bairros em que foram registradas as composies. Isso no quer dizer, no entanto, que elas se circunscrevem aos bairros indicados; a maioria corre no s por S. Paulo, mas por outras regies do Brasil, por Portugal, Espanha e outros pases europeus e sulamericanos. Doutro lado, a presente coleo no abrange s-mente as composies colhidas na poca da pesquisa. Acrescen-tei-lhe 5 "adivinhas", 3 "problemas" e 4 "perguntas", recolhidas no ano seguinte. Portanto, esta pequena coletnea compreende 72 composies: 61 "adivinhas", 7 "problemas" e 4 "perguntas".

    2 MATERIAL RECOLHIDO:

    1 o que , que , (Bela Vista) tem coroas e escamas no peixe? -- o abacaxi.

    2 o que , que , (Bom Retiro) cai em p e corre deitada? a gua da chuva.

  • 109

    3 o que , o que , (Lapa) nasce e corre e nunca pra?

    a gua do rio.

    4 o que , o que . (Bela Vista e Lapa) vai e vem com as tripas de fora?

    a agulha.

    5 o que . o que . (Bela 'Vista) quando anda arrasta as tripas? a agulha.

    6 qual a cabea que no tem pena? (Bela Vista) o alfinete.

    7 tem cabea e no gente, (Bela Vista) tem dentes mas no tem boca. . que ? o alho.

    8 qual a ave, (Pari) que no tem pena?

    a Ave-Maria.

    9 o Que . o que , (Pari) desce gritando e sobe chorando?

    balde cheio de gua.

    10 o que , o que , (Bom Retiro) que se pe em cima da mesa corta-se, e no se come?

    o baralho.

    11 o que , o que , (Lapa) entra em casa,

    fica com a cabea de fora? o boto.

    12 de que cr (Bela Vista, Par, Lapa e Belem) era o cavalo branco de Napoleo?

    branco.

    13

    -

    o que , o que , (Pari) tem bico e tem asas, mas no ' va?

    bule.

    14 quanto mais se tira, (Pari) maior ficas que ?

    um buraco.

    15 cru no existe (Bela Vista) cozido no se come, que ?

    a cal.

    16 o que , o que , (Lapa e Bom Retiro) caminha, caminha e no se cansa?

    o caminho.

    17 o que , o que , (Par e Bom Retiro) que caminha, caminha.

    nunca chega ao fim? o caminho.

  • ^~ 110

    18 o que , o que , (Bela Vista) come-se de qualquer jeito, mas se corta chorando?

    a cebola. 19 o que , o que , (Lapa e Bela Vista)

    onde o mdico esconde os seus erros? no cemitrio.

    20 o que , o que , (Bela Vista) de comer e no para comer?

    a colher. 21 o que , o que , (Bom Retiro)

    nasce fechado e cresce fechado, mas tem gua dentro? o cco,

    22 o que , o que , (Bom Retiro) so cinco operrios

    s um usa chapu? os dedos e o dedal.

    23 qual a coisa que, (Bela Vista) quanto maior menos se v?

    a escurido. 24 que uma coisa, (Lapa)

    que tudo devora, mas a gua mata?

    o fogo.

    25 o que , o que , (Bela Vista) tem cora e no rei, tem esporas e no cavalo?

    o galo. 26 o que , o que , (Bom Retiro)

    saiu da terra feio, terra voltou colorido? o ladrilho.

    27 o que , o que , (Lapa) era pisado e feio, depois bonito e pisado? o ladrilho.

    28 o que , o que , (Belem) uma casinha amarela, sem porta nem janela?

    a laranja. 29 o que , o que , (Lapa e Bela Vista)

    que est no meio do rio? a letra i>

    30 o que , que , (Pari) que est acima do po.

    o til. 31 o que , o que r , (Bela Vista)

    Deus tem e o Diabo tambm? reaparece em Deus dar? a letra cl.

  • 32

    o que , o que , (Pari e Liberdade) que est sempre fechada

    sempre molhada? a lngua.

    33

    -

    o que , o que , (Lapa) vermelha por fora

    branca por dentro? a ma.

    34 o que , o que , (Bela Vista) que entra duro

    sai mole? o macarro, quando posto na gua fervendo.

    35 meia meia, meia feita, (Bela Vista) meia meia, por fazer, quantas meias so?

    um quarto de meia. 36 o que , o que , (Par)

    a mulher derrama gua em cima do marido para le trabalhar?

    o monjolo: a bica derrama gua no cocho. 37 o que , o que , (Lapa)

    dono de tim vestbulo, mas nunca o v?

    a orelha. 38 o que , o que , (Bom Retiro e Bela Vista)

    no ar prata - no cho ouro?

    o ovo. 39 o que , o que , (Bom Retiro)

    verde no planta, fala e no gente?

    o papagaio. 40 qual o bicho que anda com as patas? (Bom Retiro)

    -- o pato. 41 redondico, redondaco,

    tem mais que mil buracos? a peneira.

    42

    -

    bate em mim, (Lapa) bate em vs, bate na saia

    bate no cs? a peneira.

    43

    -

    o que , que , (Par) antes de ser j o era?

    a pescada. 44 Maninha vamos fazer (Pari)

    aquilo que Deus consente, juntar plo com plo

    deixar o pelado dentro. O que ?

    fechar os olhos ou encostar as pestanas.

  • - 112

    45 a me verde, (Selem) a filha encarnada, a me mansa

    a filha danada? a pimenta.

    46 qual o animal, (Bela Vista) que anda com os ps na cabea?

    o piolho. 47 o que que vai e vem, (Bela Vista)

    no troca de lugar? a porta.

    48 qual a coisa (Bom Retiro) que quanto mais cresce, mais perto do cho fica? o rabo do burro.

    49 o que , o que , (Lapa) sempre trabalha

    nunca cobra ordenado? o relgio.

    50

    -

    o que , o que , (Lapa) sempre anda

    nunca se cansa? o relgio.

    51 alto est, (Bom Retiro) alto mora, todo o mundo o v, ningum o adora?

    o relgio. 52 o que , o que , (Pari)

    corre, corre, e est sempre no mesmo lugar? o rio.

    53 o que feito para andar, (Lapa e Bela Vista) no anda?

    a rua 54 na gua nasci, (Belem)

    na gua me criei, se nela me botarem, nela morrerei. O que ?

    o sal. 55 o que , o que , (Bela Vista)

    um homem v todo dia, um rei raramente,

    Deus, apesar de todo seu poder, nunca viu? seu semelhante.

    56 o que , o que , (Pari) entra na gua e no se molha? .-- a sombra.

    57 o que , o que , (Bela Vista) tdas as mes tm, sem po no se pode f