fisiologia do sistema neuromuscular -contração do músculo esquelético-

Download Fisiologia do Sistema Neuromuscular -Contração do músculo esquelético-

Post on 05-Jan-2016

119 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Fisiologia do Sistema Neuromuscular -Contração do músculo esquelético-. Caroline Pouillard de Aquino. Anatomia fisiológica do músculo esquelético. Fibra do músculo esquelético Cada fibra se prolonga por todo o comprimento do músculo. - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

  • Fisiologia do Sistema Neuromuscular-Contrao do msculo esqueltico-Caroline Pouillard de Aquino

  • Anatomia fisiolgica do msculo esquelticoFibra do msculo esquelticoCada fibra se prolonga por todo o comprimento do msculo.Cada fibra inervada por apenas uma terminao nervosa, situada perto do meio da fibraSarcolema: Membrana celular da fibra muscular que se funde com a fibra do tendo

  • Anatomia fisiolgica do msculo esquelticoMiofibrilas; Filamentos de actina e de miosinaCada fibra muscular composta por miofibrilas (centenas a milhares)Cada miofibrila composta de 1500 filamentos de miosina (+ espessos) e 3000 de actina, que so protenas responsveis pela contrao muscularA tintina a responsvel pelo posicionamento lado a lado dos filamentos de miosina e actina

  • Anatomia fisiolgica do msculo esquelticoSarcoplasma: Lquido localizado entre as miofibrilas, rico em potssio, magnsio, fosfato e mitocndrias

    Retculo sarcoplasmtico: Presente no sarcoplasma; Importante para a contrao muscular; Extensos nas fibras musculares com contrao muito rpida

  • Anatomia fisiolgica do msculo esqueltico

  • Mecanismo Geral da contrao muscular1- Os potenciais de ao cursam pelo nervo motor at suas terminaes nas fibras musculares2- Em cada terminao, o nervo secreta acetilcolina (substncia neurotransmissora)3- Em determinado local da membrana da fibra muscular os canais regulados pala acetilcolina so abertos4- Grande quantidade de Na+ se difunde para o lado interno da membrana das fibras musculares, desencadeando o potencial de ao.

  • Mecanismo Geral da contrao muscular5- O potencial de ao se propaga por toda a membrana da fibra muscular6- O potencial de ao despolariza a membrana muscular, fazendo com que o retculo sarcoplasmtico libere Ca++7- Os ons clcio ativam as foras atrativas entre os filamentos de actina e miosina, fazendo com que eles deslizem ao lado um do outro, o que o processo contrtil 8- Os ons clcio so bombeados de volta ao retculo sarcoplasmtico pela bomba de Ca++, cessando o processo de contrao muscular

  • Relao entre a velocidade de contrao e a cargaO msculo esqueltico se contrai extremamente rpido quando est livre de cargaA velocidade de contrao fica progressivamente menor medida que a carga aumentaQuando a carga aumentada at um valor igual fora mxima que o msculo pode exercer, a velocidade de contrao zero

  • Energtica da contrao muscularRendimento do trabalho durante a contrao muscular

    T= rendimento do trabalhoC= cargaD= distncia do movimento contra a carga

    T=CXD

  • Fontes de energia para a contrao muscularATP:Movimentao dos filamentos de actinaBombeamento dos ons clcio do sarcoplasma para o retculo sarcoplasmtico, aps o trmino da contraoBombeamento dos ons sdio e potssio atravs da membrana da fibra muscular, para manuteno de condies adequadas para propagao do potencial de ao das fibras musculares

  • Fontes de energia para a contrao muscularATP:ATP clivado e depois refosforiladoFontes de energia para refosforilao:1- Fosfocreatina ( clivada para liberar energia para ligao de um on fosfato ao ADP)2- Gliclise do glicognio previamente armazenado nas clulas musculares

  • Fontes de energia para a contrao muscular3- Metabolismo oxidativo Mais de 95% de toda a energia usada pelos msculos para contrao mantida por longo tempo derivada dessa fonteNutrientes consumidos: carboidratos, gorduras e protenas

  • Caractersticas da contrao do msculo como um todoContrao isomtrica X isotnica:Isomtrica: O msculo no encurta durante a contraoIsotnica: O msculo encurta, mas sua tenso permanece constante por toda a contrao

  • Fibras musculares rpidas X fibras lentasCada msculo composto por uma mistura desses dois tipos de fibras, alm das fibras com diferentes graduaes entre estes 2 extremos.Os msculos que reagem rapidamente so compostos em sua maior parte por fibras rpidasOs msculos que respondem lentamente, mas com contrao prolongada, so compostos em sua maior parte por fibras lentas

  • Fibras musculares rpidas X fibras lentasFibras rpidas:1- Grandes, para uma grande fora de contrao2- Retculo sarcoplasmtico muito extenso, para rpida liberao de ons clcio3- Grande quantidade de enzimas glicolticas4- Suprimento sanguneo menos extenso, devido ao metabolismo oxidativo ter importncia secundria5- Menor n de mitocndrias

  • Fibras musculares rpidas X fibras lentasFibras lentas:1- Menores e inervadas por fibras nervosas pequenas2- Vasos sanguneos e capilares extensos e numerosos, para suprir quantidades extras de oxignio3- n elevado de mitocndrias4- Fibras com grande quantidade de mioglobina, a qual armazena oxignio

  • Mecnica da contrao do msculo esquelticoUnidade motora:

    Todas as fibras musculares inervadas por uma s fibra nervosa formam uma unidade motoraEm geral, pequenos msculos que devem reagir rapidamente e nos quais o controle deve ser preciso, tm mais fibras nervosas e menos fibras musculares (por ex., apenas 2 ou 3 fibras musculares por unidade motora)Inversamente, grandes msculos que no necessitam de controle fino podem ter muitas fibras musculares em uma unidade motora

  • Mecnica da contrao do msculo esquelticoContraes musculares com foras diferentes-somao das foras:Somao: soma de contraes individuais para aumentar a intensidade da contrao totalA somao ocorre por 2 meios:1- Pelo aumento do n de unidades motoras que se contraem ao mesmo tempo (somao por fibras mltiplas)2- Pelo aumento da frequncia de contrao (somao por frequncia), o que pode levar tetanizao

  • Tnus do msculo esquelticoMesmo em repouso, os msculos apresentam certa tenso, conhecida como tnus muscular.

    Esse tnus resulta de baixa frequncia de impulsos nervosos vindos da medula espinhal.

  • Fadiga muscularCausada por contraes musculares fortes, perdurando por um longo perodo

    Aumenta em proporo quase direta com a intensidade da depleo do glicognio muscular

  • Remodelao do msculo para se ajustar sua funoDimetro, comprimento, fora, suprimento vascular e fibras musculares podem ser alterados para se ajustar s funes requeridas pelos msculos

  • Hipertrofia e atrofia muscularesHipertrofia: - Aumento da massa muscular total- Resulta do aumento do n de filamentos de actina e miosina em cada fibra muscular- Ocorre tambm aumento da intensidade da sntese das protenas contrteis e do sistema enzimtico de fornecimento de energia

  • Hipertrofia e atrofia muscularesAtrofia: -Diminuio da massa muscular-Ocorre, por ex, quando um msculo privado de seu suprimento nervoso (perodo para reversibilidade: 3 meses a, no mx, 2 anos)-No seu estgio final, h substituio da fibra muscular por tecido fibroso e gorduroso-O tecido fibroso tende a continar a se encurtar por vrios meses, o que conhecido como contratura

  • Atrofia muscular X FisioterapiaUm dos problemas mais importantes na fisioterapia consiste em evitar que os msculos em atrofia venham a desenvolver contraturas debilitantes ou disformes.Isso conseguido por meio de exerccios dirios de alongamento muscular ou pelo uso de aparelhos que mantenham os msculos estirados durante o processo de atrofia.