filo platyhelmintes - trematoda

Download Filo Platyhelmintes - Trematoda

Post on 20-Jun-2015

1.793 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Filo PlatyhelmintesOrigem, caracteres gerais, histria natural e classificao dos Trematodas

PDF gerado usando o pacote de ferramentas em cdigo livre mwlib. Veja http://code.pediapress.com/ para mais informao. PDF generated at: Thu, 05 Aug 2010 18:31:30 UTC

ContedoPginasTrematoda Fasciola hepatica Schistosoma Microphallus Clonorchis sinensis Paragonimus westermani 1 2 3 6 8 11

RefernciasFontes e Editores da Pgina Fontes, licenas e editores da imagem 12 13

Licenas das pginasLicena 14

Trematoda

1

TrematodaTrematoda

Botulus microporus Classificao cientfica Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes

Classe: Trematoda Rudolphi, 1808 Subclasses Aspidogastrea Digenea

Trematoda uma classe do filo Platyhelminthes composta por cerca de 11,000 espcies de endo- e ectoparasitas. Os tremtodes podem infestar uma grande diversidade de peixes, anfbios, rpteis e mamferos, sendo a escolha do hospedeiro dependente da espcie. Alguns destes organismos causam doenas graves no hospedeiro. A estrutura e fisiologia dos tremtodes bastante semelhante dos organismos da classe Turbellaria. Os tremtodes tm rgos adesivos orais e ventrais que os fixam ao hospedeiro, do qual sugam tecidos, muco, fluidos e/ou sangue. A epiderme do tremtode no ciliada e permite as trocas gasosas da respirao e a eliminao de compostos nitrogenados, ao mesmo tempo que protege das enzimas segregadas pelo hospedeiro. Os tremtodes que integram o ser humano no seu ciclo de vida, e que por isso provocam doenas, pertencem todos sub-classe Digenea. Esta por sua vez dividida de acordo com o alvo afectado pelo parasita, que pode ser tecidos, em particular o fgado, ou sangue.

Alguns tremtodes Fasciola hepatica Schistosoma (ver Esquistossomose) Microphallus Clonorchis Paragonimus westermaniClasses do Filo Platyhelminthes Monogenea | Trematoda | Cestoda | Turbellaria

Fasciola hepatica

2

Fasciola hepaticaFasciola hepatica

Fasciola hepatica Classificao cientfica Reino: Filo: Classe: Animalia Platyhelminthes Trematoda

Subclasse: Digenea Ordem: Famlia: Gnero: Espcie: Echinostomida Fasciolidea Fasciola F. hepatica Nome binomial Fasciola hepatica (Linnaeus, 1758)

Fascola (Fasciola hepatica) um verme achatado, trematdeo da famlia dos fascioldeos, filo Platyhelminthes, parasita dos canais biliares do boi, ovelha, cabra, porco e, raramente, do homem. Tal verme apresenta corpo de colorao avermelhada (acinzentada na poro anterior), foliceo, achatado, com ventosa ventral e oral pequena e faringe bem desenvolvida. Tambm conhecido pelos nomes de barata-do-fgado, baratinha-do-fgado, dvia e saguaip. Ciclo O parasito, no homem, vive em geral nas vias biliares, alvolos pulmonares e demais localizaes, sendo que apresenta um ciclo evolutivo do tipo heteroxnico, seguindo a seguinte ordem: 1- Os ovos so lanados bile e eliminados pelas fezes 2- Aps, originam miracdeos em condies favorveis (principalmente temperatura e iluminao) e estes so atraidos at o caramujo 3- Cada miracdeo forma um esporocisto, que por sua vez origina em torno de 8 rdias 4- As rdeas podem originar novas cercrias ou se multiplicarem novamente 5- As cercrias formadas nadam at o solo ou superficie da gua e perdem a cauda, encistando-se logo em seguida (metacercria) 6A metacercria infecta o hospedeiro quando este bebe gua contaminada ou come alimentos contaminados 7Desencista no Intestino Delgado, pergura sua parede e migra pelo parnquima heptico 8- A metacercria chega aos ductos biliares aps dois meses 9- No fgado, a metacercria completa a maturao Patogenia A patogenia se d, no diretamente pelo toxicidade do parasito mas sim, pela resposta do hospedeiro, isto , uma inflamao crnica no fgado e ductos biliares. Nos humanos, por serem hospedeiros acidentais, as leses so menores devido a diminuta carga parasitria

Fasciola hepatica

3

Ver tambm Fasciolose

SchistosomaSchistosoma

Classificao cientfica Reino: Filo: Classe: Animalia Platyhelminthes Trematoda

Subclasse: Digenea Ordem: Famlia: Gnero: Strigeiformes Schistosomatidae Schistosoma Espcies ver texto

Schistosoma o gnero de platelmintos tremtodes responsvel pela esquistossomose, uma parasitose grave que causa milhares de mortes por ano. Como todos os platelmintes o tubo digestivo do Schistosoma incompleto e tem sistemas de rgos muito rudimentares. um parasita intravascular e permanece sempre no lmen dos vasos quando infecta o Homem. Ao longo do seu ciclo de vida, assume as seguintes formas: 1. A forma adulta a principal e existem dois sexos, ambos fusiformes. O macho espalmado e mais grosso e tm uma calha longitudinal (canal ginecforo) no corpo, onde se encaixa e se aloja permanentemente a fmea, cilindrica e mais fina mas um pouco Ovo de Schistosoma mansoni contendo mracidio mais longa. O macho tem cerca de 1 cm e a fmea 1,5 cm. 2. Os ovos so redondos ou elpticos com cerca de 60 micrmetros e tm um espinho afiado (terminal no S.hematobium, lateral no S.mansoni), que lesa os tecidos do hospedeiro quando so expelidos. Os miracdios imaturos no seu interior secretam enzimas que ajudam a dissolver a parede dos vasos. 3. Os miracdios so formas unicelulares ciliadas que nascem dos ovos expelidos nas fezes ou urina humana, que vivem nos lagos ou rios em forma livre e so infecciosas para o caracol. 4. Os esporocistos so as formas unicelulares no caracol, que se dividem assexualmente.

Schistosoma 5. As cercrias, com meio milmetro, so as formas larvares multicelulares com caudas bfidas que abandonam o caracol e penetram a pele dos seres humanos. Elas produzem vrias enzimas e tm movimentos bruscos que lhes permitem furar a pele intacta em apenas alguns minutos. A cercria transforma-se aps a penetrao numa forma sem cauda que se denomina schistosolum. Os schistosolum so susceptiveis destruio pelos eosinfilos, mas uma vez estabelecidos no pulmo, mascaram-se com protenas e glcidos das clulas humanas, ficando practicamente indetectveis.

4

Ciclo de VidaInicia-se com o caramujo (caracol aqutico). Estes caramujos so hospedeiros intermedirios do schistosoma, albergando o ciclo assexuado. Nos seus tecidos multiplicam-se os esporocistos, dando mais tarde origem s formas multicelulares cercarias, que abandonam o molusco e nadam na gua. O homem contaminado ao entrar em contato com as guas dos rios onde existem estes caramujos infectados. Se estas larvas encontrarem um ser humano na gua, penetram pela pele nua e intacta, ou pelas mucosas, como da boca e esfago aps ingesto da gua, ou anal ou genital. Ela continua a penetrar os tecidos at encontrar pequenos vasos sanguineos, no interior dos quais entra. Viaja ento pelas veias, passa pelo corao e atinge os pulmes pelas artrias pulmonares, onde se fixa. Aps alguns dias ocorre a transformao para a forma jovem, liberam-se e migram pelas veias pulmonares, corao e artria Aorta at atingirem o fgado. L ocorre o amadurecimento das larvas em formas sexuais macho e fmea, e o acasalamento (forma sexuada). Aps este acasalamento, os parasitas migram juntos (a fmea no canal ginecforo do macho), contra o fluxo sanguneo (migrao retrgrada), atingindo as veias mesentricas e do plexo hemorroidrio superior (ou no caso do S.hematobium o plexo vesical da bexiga). L, os parasitas pem milhares de ovos todos os dias, Cercrias identificadas com anticorpos fluorescente verdes. As durante anos (entre trs e quarenta anos). Os ovos caudas so bfidas. passam do lumen dos vasos ao lmen do intestino ou bexiga simplesmente destruindo todos os tecidos intervenientes. No so todos os ovos que passaro para o lmen do intestino, sendo assim, os ovos que continuaro na circulao sero arrastados pela corrente sanguinea at chegar no fgado via veia porta, onde se estabelecer e provocar um processo inflamatrio circunscrito ao ovo, e este processo evoluir para um tecido circunscrito fibroso cicatricial, e o conjunto desta reao inflamatria e o ovo do schistosoma no fgado chama- se granuloma heptico. . Atravessam a parede dos vasos sanguneos, causando muitos danos tanto com os seus espinhos como pela reaco inflamatria do sistema imunitrio que lhes reage. Atingindo o intestino so eliminados pelas fezes (ou no caso do S.hematobium atingem a bexiga e so libertados na urina). Os ovos, em contato com a gua, liberam os miracdios que nadam livres at encontrar um caramujo (caracol aqutico), penetrando-o. Dentro do caramujo ocorre a multiplicao da forma assexuada, o esporocisto, que se desenvolve na forma larvar que libertada seis semanas aps a infeco do caramujo, novamente recomeando o ciclo.

Schistosoma

5

Espcies Schistosoma mansoni, frica sub-sahariana, Brasil* Schistosoma japonicum, Sul da China e sudeste asitico Schistosoma mekongi, Sudeste asitico Schistosoma intercalatum, Floresta tropical do Congo Schistosoma haematobium, frica sub-sahariana Schistosoma malayense, Malsia

*As demais espcies no so observadas no Brasil.

Microphallus

6

MicrophallusMicrophallus Classificao cientfica Reino: Filo: Classe: Animalia Platyhelminthes Trematoda

Subclasse: Digenea Ordem: Famlia: Gnero: Plagiorchiida Microphallidae Microphallus Espcies ver texto

Microphallus um gnero de tremtodo parasitrio da famlia Microphallidae. O nome vem do grego e significa "pequeno pnis". So parasitas de uma diversa variedade de moluscos, crustceos, aves e mamferos. Algumas espcies tm complexos ciclos de vida envolvendo mais que um hospedeiro. M. piriformes parasita o bivalve Littorina saxatilis; quando este ltimo ingerida por gaivotas d-se a infeco das aves; o parasita deixa os seus ovos nas fezes das gaivotas que iro infectar novos bivaves. M. pseudopygmaeus provoca a castrao qumica do seu hospedeiro, o gastrpode Onoba aculeus, provocando um crescimento do animal acima do normal. M. papillorobustus faz com que o seu hospedeiro (Gammarus insens

View more