files. ?· web viewrochas ornamentais e minerais não metálicos. (c) rochas ornamentais e...

Download files. ?· Web viewrochas ornamentais e minerais não metálicos. (C) rochas ornamentais e minerais…

Post on 12-Jan-2019

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

GEOGRAFIA

11. Ano

Turma B

FICHA DE AVALIAO DIAGNSTICA

Ano Lectivo 2015/2016

24 de Setembro de 2015

Ass. Professor

Classificao

Aluno N.

Assinatura do Encarregado de Educao

NOTA: O resultado desta ficha de avaliao no constituir um elemento de avaliao. A sua elaborao ir permitir ao professor realizar um diagnstico das aprendizagens realizadas no passado e das dificuldades presentes dos alunos. Constitui um precioso auxiliar do professor para a planificao do trabalho a realizar no presente ano lectivo. Por outro lado, relembra-te das tuas capacidades e lacunas.

(Para cada item, de todos os grupos apresenta apenas uma resposta. Utiliza para as respostas as grelhas da pgina 12.)Depois de teres lido toda a ficha responde s seguintes questes:

GRUPO I

A Figura 1 representa a taxa de crescimento natural da populao portuguesa, por concelho (municpio), em 2007.

(Fonte: Instituto Nacional de Estatstica, Anurios Estatsticos Regionais 2007, Destaque, Lisboa, INE, 2008 (adaptado).)

Figura 1 Taxa de crescimento natural, por concelho (municpio), em 2007.

1. A taxa de crescimento natural varia em funo

(A) do crescimento efectivo.

(B) das alteraes da imigrao e da emigrao.

(C) da conjugao das alteraes da natalidade e da mortalidade com as alteraes da imigrao e da emigrao.

(D) das alteraes da natalidade e da mortalidade.

2. Os concelhos que, de acordo com o mapa da Figura 1, apresentam taxa de crescimento natural positivo localizam-se, sobretudo...

(A) na parte oriental da NUT II Norte e da NUT II Centro.

(B) nos grupos Ocidental e Central da R.A. dos Aores.

(C) na parte sul da NUT II Alentejo e na R.A. da Madeira.

(D) na parte ocidental da NUT II Norte e na NUT II Lisboa.

3. As taxas de crescimento natural registadas no concelho do Porto e no concelho de Lisboa explicam-se, sobretudo, pelo...

(A) predomnio de populao jovem.

(B) forte envelhecimento populacional.

(C) elevado grau de escolaridade da populao residente.

(D) elevado fluxo migratrio positivo.

4. Em Portugal Continental, todos os concelhos com taxa de crescimento natural positivo registam elevadas taxas de natalidade. Esta afirmao

(A) falsa, porque a taxa de mortalidade nesses concelhos bastante elevada.

(B) verdadeira, porque a maioria da populao desses concelhos jovem.

(C) falsa, porque a taxa de natalidade relativamente baixa, mesmo nesses concelhos.

(D) verdadeira, porque so concelhos com elevado nmero de imigrantes.

5. Os valores de crescimento natural registados na generalidade dos concelhos do interior de Portugal Continental so indicativos da necessidade de se adoptarem polticas regionais que...

(A) dinamizem o comrcio tradicional e promovam o abandono da agricultura.

(B) favoream o crescimento migratrio negativo e incentivem a indstria.

(C) aumentem o emprego e atraiam populao mais jovem.

(D) melhorem a acessibilidade capital e desvalorizem o modo de vida rural.

6. O Algarve foi a regio que registou, em 2006 e em 2007, a maior taxa de crescimento efectivo. Este facto deve-se, essencialmente, ...

(A) elevada taxa de crescimento migratrio, resultante da oferta de emprego ligada ao sector do turismo.

(B) elevada taxa de crescimento natural, resultante da diminuio da taxa de mortalidade.

(C) elevada taxa de natalidade, resultante da imigrao oriunda da Europa do Norte.

(D) elevada taxa de mortalidade, resultante dos insuficientes cuidados de sade oferecidos populao.

GRUPO II

Portugal, tradicionalmente um pas de emigrantes, tem sido, nas ltimas dcadas, destino de muitos estrangeiros de diferentes provenincias, como o caso dos britnicos, cujas caractersticas etrias, em 1991 e em 2001, esto representadas na figura 2.

(Fonte: Valente Rosa, M. Joo; Seabra, Hugo de; Santos, Tiago, Contributos dos Imigrantes na Demografia Portuguesa. O papel da populao de nacionalidade estrangeira. Acime. Lisboa. Outubro de 2003) (Figura 2 Pirmides etrias dos britnicos residentes em Portugal, 1991 e 2001)

1. A figura 2 uma pirmide etria porque...

A. representa a estrutura social de uma populao.

B. representa a estrutura activa de uma populao.

C. representa a estrutura dos emigrantes portugueses.

D. representa a estrutura etria dos imigrantes britnicos no nosso pas..

2. A atraco que Portugal exerce sobre os britnicos com 60 e mais anos deve-se, principalmente, ...

A. facilidade de encontrar emprego bem remunerado.

B. facilidade de ingresso em lares da terceira idade.

C. oferta de melhores condies hospitalares.

D. existncia de condies climticas mais amenas.

3. De acordo com os dados da figura 2, as nicas classes etrias em que se verificou uma diminuio do nmero de imigrantes britnicos a residir em Portugal, entre 1991 e 2001, foram a...

A. dos homens dos 10 aos 14 anos e a das mulheres dos 15 aos 19 anos.

B. dos homens e a das mulheres dos 15 aos 19 anos.

C. das mulheres dos 25 aos 29 anos e a dos homens dos 0 aos 4 anos.

D. das mulheres e a dos homens dos 25 aos 29 anos.

4. A pirmide etria representada na figura 2 mostra que, entre 1991 e 2001, o nmero de imigrantes britnicos com idade entre 50 e 54 anos, a residir em Portugal, registou um aumento...

A. superior a 100%.

B. entre 75% e 100%.

C. entre 50% e 75%.

D. inferior a 50%.

5. As caractersticas etrias dos imigrantes britnicos representadas na figura 2 vo ter consequncias, em Portugal, na...

A. demografia, porque aumenta significativamente a taxa de natalidade.

B. demografia, porque diminui a taxa de mortalidade.

C. economia, porque aumentam as despesas com as reformas.

D. economia, porque contribuem para a criao de riqueza.

6. A pirmide etria dos imigrantes de origem africana residentes em Portugal dever apresentar, comparativamente dos imigrantes britnicos, uma...

A. forma semelhante da figura 2.

B. base mais estreita e um topo mais largo.

C. base mais larga e um topo mais estreito.

D. base e um topo mais largos.

GRUPO III

A figura 3 mostra as alteraes que se verificaram na estrutura da populao activa portuguesa, entre 1960

e 2001.

(Fonte: INE. 30 anos de 25 de Abril. Um Retrato Estatstico. 2004) (Figura 3 Estrutura da populao activa portuguesa entre 1960 e 2001)

1. A populao activa de um pas ou de uma regio corresponde ao conjunto de pessoas que tm...

(A) entre 15 e 64 anos de idade e exercem uma actividade por conta de outrem.

(B) no mnimo 15 anos de idade e esto disponveis para exercer uma actividade.

(C) uma actividade remunerada contnua, qualquer que seja a sua idade.

(D) entre 15 e 64 anos de idade e exercem uma actividade por conta prpria.

2. A comparao dos valores percentuais dos diferentes sectores de actividade, patentes na figura 3, permite-nos concluir que...

(A) depois de 1981, a actividade que registou maior crescimento percentual positivo foi a indstria.

(B) o sector primrio foi o que, percentualmente, perdeu menos populao.

(C) em 2001, mais de metade da populao activa trabalhava no sector tercirio.

(D) os trs sectores de actividade registaram um aumento percentual semelhante.

3. No perodo entre 1960 e 2001, alm da alterao na estrutura da populao activa portuguesa, evidenciada na figura 3, houve um aumento do nmero de activos. Esta afirmao ...

(A) verdadeira, devido ao rejuvenescimento da mo-de-obra nos diferentes sectores.

(B) falsa, devido forte emigrao para os pases da Europa Ocidental.

(C) verdadeira, devido entrada, generalizada, da mulher no mundo do trabalho.

(D) falsa, devido modernizao da agricultura, especialmente a partir da dcada de 70.

4. As alteraes registadas na estrutura da populao activa portuguesa, no perodo considerado na figura 3, foram acompanhadas por uma...

(A) forte concentrao de populao no litoral e por um despovoamento das regies do interior.

(B) reduo das assimetrias na distribuio da populao entre o norte e o sul do pas.

(C) quebra do nvel de instruo e por um dfice da qualificao profissional da populao portuguesa.

(D) modernizao do sector agro-florestal e pela consequente diminuio das exportaes deste sector.

5. A qualificao da populao activa constitui um dos objectivos estratgicos dos quadros comunitrios de apoio, nomeadamente, do QREN (Quadro de Referncia Estratgico Nacional) para o perodo de 2007-2013. Esta aposta tem como principal objectivo...

(A) melhorar a posio de Portugal nas estatsticas internacionais referentes natalidade.

(B) equiparar os salrios dos trabalhadores portugueses aos praticados nos pases asiticos.

(C) aumentar a competitividade da economia portuguesa na Europa e no Mundo.

(D) criar mais empregos nas diferentes actividades ligadas agro-pecuria.

6. Para calcular a taxa de actividade

(A) dividimos a populao activa pela populao inactiva.

(B) dividimos a populao activa pela populao absoluta e multiplicamos o resultado por 100.

(C) dividimos a populao activa pela populao absoluta

(D) subtramos a populao activa populao absoluta e multiplicamos o resultado por 100.

GRUPO IV

O mapa da Figura 4 representa, por concelhos

Recommended

View more >