Edição número 2390 - 9 de julho de 2015

Download Edição número 2390 - 9 de julho de 2015

Post on 22-Jul-2016

233 views

Category:

Documents

8 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

tribunaindependenteediodigitaltribunahoje

TRANSCRIPT

<ul><li><p>QUINTA-FEIRAMACEI - ALAGOAS 9 DE JULHO DE 2015 </p><p>N0 2390</p><p>R$ 2,00 tribunahoje.comTRIBUNAINDEPENDENTE</p><p>ATENO INVESTIDORES!</p><p>DESENVOLVE CRIA APLICATIVO QUE MOSTRA OPORTUNIDADE DE NEGCIOS</p><p>PGINA 13</p><p>ZIKA VRUS</p><p>ALAGOAS TEM 200 CASOS SUSPEITOS E SOMENTE TRS CONFIRMADOS</p><p>PGINA 9</p><p>SECOM PMM / PEI FON</p><p>RVISON BATISTA</p><p>SANDRO LIMA</p><p>AGNCIA ALAGOAS / MARCOS FERREIRA</p><p>EXEMPLAR DOASSINANTE</p><p>POUPANA 0,7105%</p><p>DLAR COMERCIALR$ 3,23 R$ 3,23</p><p>Bom com possiblidades de chuvas </p><p>em reas isoladas</p><p>Mnima</p><p>22Mxima</p><p>27 MARS FINANAS DLAR PARALELOR$ 3,03 R$ 3,40 OUROR$ 117,50</p><p>EM COMPANHIA do presidente da Ferrostaal Brasil, Fabio Lobo, Renan Filho visitou ontem o Porto de Jaragu</p><p>03:39 2.2m09:58 0.1m</p><p>16:09 2.1m22:15 0.3m</p><p>O GOVERNADOR RENAN FILHO (PMDB) DISSE ON-TEM QUE TEM PRETENSO DE CONSTRUIR UM </p><p>NOVO PORTO EM ALAGOAS, POR MEIO DE UMA PAR-CERIA PBLICO-PRIVADA. DURANTE ENTREVISTA IMPRENSA, ELE CRITICOU QUE O ESTALEIRO, QUE </p><p>SERIA INSTALADO NO PONTAL DE CORURIPE, TENHA SIDO ANUNCIADO PRECOCEMENTE E QUE NEM O </p><p>LOCAL PARA SER CONSTRUDO EXISTE. PGINA 2</p><p>RODOVIA AL-105VIATURA DO BPTRAN CAPOTA E MILITARES FICAM FERIDOS</p><p>Dois policiais militares lotados no BPTran ficaram feridos aps a viatura - uma Mitsu-bishi Pajero - capotar por pelo menos duas vezes na Rodovia AL-105, em So Luiz do Quitunde. Eles foram levados pelo Samu para o hospital. O acidente ocorreu aps o condutor perder o controle do veculo, </p><p>depois de passar por uma curva.</p><p>PGINA 12</p><p>OSCAR ALAGOANOTRIBUNA INDEPENDENTE RECEBE HOMENAGEM </p><p>EM EVENTO DE DESTAQUE EMPRESARIALA gerente de publicidade da Tribuna Independente, Mari-lene Canuto, representou a Cooperativa de Jornalistas e Grficos de Alagoas na 15 edio do Oscar Alagoano, </p><p>promovido pela S.Mag no prdio da Associao Comercial.</p><p> PGINA 10</p><p>GOVERNADOR PLANEJA </p><p>NOVO PORTO EM ALAGOAS</p><p>MOBILIDADE URBANA </p><p>PREFEITURA J REFORMOU11 TERMINAIS DE NIBUS</p><p>O prefeito Rui Palmeira j entregou 11 terminais de nibus com-pletamente reformados e outros dois estaro prontos nas pr-</p><p>ximas semanas. As obras fazem parte do conjunto de aes de mobilidade urbana, que contabiliza, ainda, as faixas exclusivas </p><p>para nibus nas avenidas Fernandes Lima e Comendador Leo. </p><p>PGINA 11</p></li><li><p>PolticaTCU investiga prego de Departamento de Obras Contra as Secas em AlagoasO Tribunal de Contas da Unio (TCU) analisou representao de empresa participante de prego eletrnico conduzido pela Coordenadoria Estadual do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas em Alagoas (Dnocs/Cest-AL). A empresa questionou o tipo de licitao adotado. O relator do processo, ministro Benjamin Zymler, comentou que os responsveis des-consideraram as advertncias feitas pela Procuradoria Federal em Alagoas, assumiram a responsabilidade pelas consequncias do descumprimento.</p><p>MACEI - QUINTA-FEIRA, 9 DE jULHO DE 2015POLTICA2</p><p>Estaleiro no tem sequer o terrenoRenan Filho fala em construo de novo porto em Alagoas e destaca que estaleiro foi anunciado prematuramente</p><p>O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB--AL), voltou a defender on-tem os cortes profundos na mquina administrativa do governo federal e a repa-triao de divisas como al-ternativa para fazer frente crise.</p><p>Ns estamos preocupa-dos com essa combinao na economia. Inflao alta e desemprego alto. Esta a pior combinao que pode-mos ter. No d mais para aumentar impostos. O sa-crifcio dos trabalhadores j chegou no limite e o Con-gresso Nacional aceita que haja qualquer coisa nova, inclusive essa repatriao de capitais. Desde que se te-</p><p>nha regras claras, critrios de transparncia, seguran-a e honestidade, analisou Renan.</p><p>A economia vive um mo-mento dramtico. No h como relativizar a crise. E a sociedade est no limite, no tem mais jeito, o Governo vai ter que cortar na prpria carne, que reduzir minist-rios, cargos em comisso, que cortar despesas, isso que o Senado novamente sugere. Temos de ter alter-nativas de buscar dinheiro novo e a primeira delas re-patriar capitais, observou o presidente do Senado.</p><p>A repatriao de divisas est no Projeto de Lei do Se-nado (PLS) n 126 de 2015, </p><p>de autoria do senador Ran-dolfe Rodrigues (PSOL-AP), que um dos integrantes da CPI do SwissLeaks em discusso na Comisso de Assuntos Econmicos. Para o presidente do Senado, o dinheiro repatriado ser um aporte para criar o fundo de compensao aos estados que tiverem perdas com a unificao das alquotas do ICMS.</p><p>Outra proposta para fazer frente crise, feita pelo senador Romero Juc (PMDB-RO) de reduzir a meta fiscal, a economia feita para o pagamento de juros da dvida pblica, de 1,159% para 0,4% do Produto Inter-no Bruto (PIB). </p><p>ASSESSORIA</p><p>FOTOS PbLICAS</p><p>Governador Renan Filho quer um porto que atenda todas as demandas e sem prejuzos ao estado</p><p>Senador Renan Calheiros preocupa-se com a inflao alta e a taxa de desemprego em todo o pas</p><p>ReCURSOS</p><p>Secretaria de Educao ter nova sede</p><p>Durante a entrevista que acompanhavam a agenda do governo, Renan Filho falou sobre o prdio da Secretaria de Estado da Educao, que acabou sendo danificado em decorrncia das fortes chu-vas no ltimo final de sema-na.</p><p>De acordo com o governa-dor, o Executivo deve cons-truir uma nova sede para a Secretaria de Educao, no entanto, a obra no ter con-dies de ser realizada no mesmo local, no Centro de Macei. </p><p>Aquele prdio hist-rico e muito antigo. pre-ciso uma nova estrutura e atualmente a secretaria est localizada em diversas reparties. Brevemente, es-taremos apresentando o pro-jeto da nova sede da Secre-taria de Educao que ser construda com recursos prprios, porm, no ser erguida no Centro de Ma-cei, informou o governador Renan Filho. </p><p>GeSTOPassados seis meses de </p><p>sua gesto em Alagoas, o governador citou avanos pontuais, a exemplo da re-duo da violncia em Ala-goas, bem como na capital. Entre as batalhas que ter que enfrentar durante o seu mandato, o chefe do Poder Executivo reforou o seu empenho no controle da Lei Responsabilidade Fiscal (LRF) para que mais aes ocorram como o planejado. Atualmente, a LRF ainda tem atrapalhado alguns pro-jetos que o governo poderia colocar em prtica logo no incio de gesto. (EP)</p><p>eCOnOmiA</p><p>Presidente do Senado defende ajustes nas contas do governo</p><p>eDiTORiA De POLTiCA </p><p>O governador Renan Filho (PMDB) visitou ontem a Ferrostaal, empresa especializada no ramo de peas, sediada no Porto de Macei. Na agen-da, a relevncia do segmen-to para economia do estado. No entanto, outros assun-tos foram abordados pelo chefe do Executivo durante entrevista com jornalistas. </p><p>Renan tocou em um as-sunto, que h mais de qua-tro anos foi considerado importante para o setor eco-nmico: a instalao de um estaleiro em Alagoas. Para o governador, houve precip-tao ao anunciar um em-preendimento de tamanha magnitude.</p><p>Quando o estaleiro foi anunciado, ocorreu de for-ma prematura. Muito antes da gestao deste empreen-dimento comear, ele j foi anunciado de maneira con-creta. Atualmente, o estado no tem sequer o terreno para a construo do esta-leiro. O estaleiro conseguiu licena ambiental e outros avanos por causa de muito esforo da bancada federal, explicou o governador, que foi deputado federal poca do anncio da construo do estaleiro.</p><p>Aps informar que o esta-do no tem sequer o terreno para construir o estaleiro, Renan Filho assegurou que interesse do Executivo cons-truir um novo porto para o estado porque o atual no atende todas as demandas. </p><p>Vou conversar com a Ro-seane [Beltro], presidente do porto, sobre a construo de um novo porto por inter-mdio de uma parceria p-blico privada [PPP]. A atual condio deste porto boa e ruim, pois, fica em um </p><p>Renan quer barrar acordo da Cmara sobre desoneraoO presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDb-AL), vai comprar duas brigas, uma com a presidente Dilma, e outra com os depu-tados. Ele avisou a lderes tem ampla maioria no colgio que pretende colocar em votao s aps setembro o projeto de lei que re-duz os benefcios de desonerao na folha de pagamento, aprovado na Cmara. Se assim fizer, a arrecadao de R$ 10 bilhes esperada pelo Planalto para o segundo semestre ter previso revisada para 2016. Renan tambm quer barrar os acordos de desoneraes mantidas para alguns setores, fechados pelo PMDb, PT e PP.</p><p>Texto baseEste o nico ponto de acordo de Renan com o ministro da Fazenda, joaquim Levy: o aumento da alquota para todos os setores sem exce-o, como prev o PL original.</p><p>e$perana de DilmaCaso se concretize a proposta de Renan de votar o texto original do Planalto, o Governo retoma a previso de ganhar mais R$ 2 bilhes, que perdeu com os acordos da Cmara. </p><p>Levy &amp; Renan Ao saber ontem da ideia de Renan, um deputado do PP passou a enten-der a expresso Ento deixa.., repetida por Levy para cada desonera-o mantida pelos deputados. </p><p>Caso mnica Velloso Renan acaba de virar ru na justia Federal no processo em que acusado de receber propina da Mendes junior aquela suspeita que o derrubou da presidncia em 2007.</p><p>Bola nas costasRelator da MP da renegociao da dvida dos clubes de futebol, o depu-tado Otvio Leite (PSDb-Rj) diz que levou bola nas costas. O lobby da CbF atuou forte para descaracterizar o texto na tera, dia da votao. Comandados pelo ex-deputado Walter Feldman (hoje diretor da CbF), lderes do PTb, PP, PT e PMDb reuniram-se em almoo na casa do deputado jovair Arantes (PTb-GO) para tramar a mudana.</p><p>Dinastias Uma emenda aglutinativa foi apresentada em separado e venceu. Caiu ponto importante para a democracia nos clubes, diz Leite: O artigo que alterava o peso dos votos de dirigentes nas federaes, que hoje refor-am reeleio seguida de antigos dirigentes. Leite previa que atletas e clubes amadores tambm votassem, para equilbrio de foras.</p><p>Carto vermelho Mas houve vitria em campo (poltico). A MP prev punibilidades para os cartolas, maior transparncia nas contas, fiscalizao externa e impe-dimento de reeleio de dirigentes com comprovada gesto temerria. Falta a regulamentao. estrelas Duas figuras so paparicadas atualmente no Congresso, com fotos selfie e autgrafos: O senador presidencivel Acio Neves e o deputado cantor Srgio Reis. </p><p>CasrioMais festa em braslia semana que vem. Meia Repblica esperada no casamento do senador de Tocantins Atades Oliveira.</p><p>Cerco aos grandesA CPI do CARF faz um cerco hoje a executivos da Ford, Mitsubishi e Santander, suspeitos de integrarem mfia que causou prejuzo de R$ 19 bilhes ao Tesouro. O presidente da CPI, senador Atades Oliveira (PSDb-TO), diz que vai falar grosso. </p><p>Grito de independncia O PMDb baixa em peso hoje no Rio de janeiro para jantar com o prefeito Eduardo Paes, e visita obras na cidade. A ideia foi do deputado Danilo Forte (CE) meses atrs, abraada pelos Picciani. Ser o primeiro grito de independncia do partido junto ao PT.</p><p>Barriga cheiaUm servidor do MP que pedia ontem reajuste de 30% em protesto no Senado foi questionado sobre seu salrio. Respondeu que ganhava R$ 4 mil; apertado, citou R$ 9 mil; Mas no site da transparncia surge com... R$ 12 mil brutos. </p><p>Fronteira desguarnecida Em Mato Grosso do Sul 100% dos Delegados federais entregaram suas chefias em protesto pelo descaso do Governo com as delegacias da PF nas localidades de fronteira. A lei 12.855 de 2013, que prev adicionais, vai completar dois anos sem sair do papel.</p><p>Prmio POSer entregue hoje noite, em cerimnia no Kubitschek Plaza, o II Prmio Paulo Octavio de Jornalismo. Sero distribudos R$ 22 mil em vrias categorias.</p><p>Ponto FinalOitava economia do mundo, o brasil est to desdenhado no exterior que o cerimonial errou o Hino do Pas na chegada da comitiva aos jogos do Pan no Canad. </p><p>local central de Macei, no entanto, no atende todas as demandas, avaliou o gover-nador Renan Filho, que aps a entrevista com a imprensa seguiu com a sua agenda, conhecendo a estrutura da empresa Ferrostaal.</p><p> TRIBUNAINDEPENDENTE</p><p>ESPLANADALeAnDRO mAZZini - contato@colunaesplanada.com.br</p><p>Com Equipe DF, SP e Nordestewww.colunaesplanada.com.brcontato@colunaesplanada.com.brTwitter @leandromazzini</p></li><li><p>ASSESSORIA</p><p>Governo e servidores j se reuniram em duas oportunidades, no entanto, a proposta foi rejeitada</p><p>REAJUSTE</p><p>Negociaes com a educao no avanaram</p><p>EM ALAGOAS</p><p>CNV busca parceria para continuar trabalhos</p><p>As negociaes do gover-no estadual tambm no avanaram com os servido-res da educao. A presiden-te do Sinteal (Sindicato dos Trabalhadores da Educao de Alagoas), Consuelo Cor-reia, contou que a no incio desta semana a categoria esteve reunida com o secre-trio de Educao e vice-go-vernador, Luciano Barbosa (PMDB) e que a proposta do governo continua a mesma: 7% dividido em trs parce-las e apenas a primeira re-</p><p>troativa a maio, a qual j tinha sido rejeitada. </p><p>Segundo a presidente do Sinteal, a categoria est pe-dindo um reajuste de 13,01% que referente data-base.</p><p>O governo no apre-senta nada concreto, fica empurrando com a barriga. Apesar da nossa data base ser em maio, enviamos um ofcio ao Executivo ainda em janeiro, solicitando ainda a aplicao do piso do magis-trio, mais a nossa data-ba-se, relatou Correia. </p><p>O governo ofereceu 7%,, sendo 2% pago em julho re-torativo a maio, 2% pagos em setembro sem retroativo e 3% em novembro, tambm sem retroativo.</p><p>A sindicalista revelou que j era para a categoria ter deflagrado greve, porm, no ms de junho as esco-las estavam em recesso e o nmero de funcionrio nas unidades escolares eram o mnimo.</p><p>Vamos esperar o secre-trio nos chamar para ne-</p><p>gociar at hoje noite, caso contrrio, amanh [sexta--feira] faremos uma assem-bleia com a categoria para traar uma agenda de luta para irmos para o enfren-tamento com o governo, e a greve no est descartada, garantiu.</p><p>MOVIMENTOHoje, o Sinteal tambm </p><p>participa da assembleia que ser realizada na CUT, s 15 horas, juntamente com as outras entidades, para traar aes de luta. (AT)</p><p>Instituda em setembro de 2013, a Comisso Esta-dual da Memria e Verdade Jayme Miranda foi criada para apurar as graves vio-laes de Direitos Humanos ocorridas no perodo do Re-gime Militar em Alagoas. O secretrio de Estado da Comunicao, nio Lins, representou o governo do estado em reunio do grupo realizada ontem no Palcio Repblica dos Palmares.</p><p>O propsito do encontro definir o futuro da comisso, </p><p>que, conforme a lei 12.528, de 18 de novembro de 2011, estabelece dois anos de mandato aos membros, a partir da criao. Segun-do nio Lins, o trabalho da Comisso da Verdade de extrema importncia para a sociedade e o Governo do Estado far o possvel para atender as demandas solici-tadas.</p><p> Estou aqui como me-diador, representando o Gabinete Civil. Faremos o possvel para agilizar as </p><p>demandas da Comisso da Verdade. At sexta-feira [10 de julho] me comprome-ti em dar uma posio aos membros quanto s solici-taes de recursos humanos qualificados para realizar a segunda etapa dos traba-lhos, que consta pesquisas, anlise dos relatrios, um local seguro para arquivar o acervo e uma secretria assegurou.</p><p>De acordo com o presi-dente da Comisso, Delson Lira, a demanda mais ur-</p><p>gente trata do trmino do mandato dos membros do grupo, em setembro de 2015. </p><p>Segundo um dos mem-bros da Comisso, Padre Manoel Henrique, foram ou-vidos um nmero expressivo de familiares, amigos das v-timas e as prprias vtimas, alm de alguns militares, a...</p></li></ul>