edicao 01082014issuu

Download Edicao 01082014issuu

Post on 01-Apr-2016

220 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

redução de peso, ciclovia, psfs, dia dos pais, curta

TRANSCRIPT

  • www.folhaopiniao.com.brSexta-feira, 1. de agosto de 2014

    Reunio com secretrio de Estado buscou viabilizar construo da ciclovia

    Na tera-feira, dia 29 de julho, o prefeito Dr. Mrcio Pampuri esteve em reunio na Secretaria de Estado do Meio Ambiente com o secretrio Rubens Rizek, o deputado estadual Celino Cardoso e representantes da Companhia de Saneamento Bsico do Estado de So Paulo - Sabesp e Departamento de Estradas de Rodagem DER, para dar viabilidade na construo da ciclovia prevista no projeto do Parque Linear que margear a Represa Paiva Castro -, com a primeira parcela da verba a ser liberada pela estatal, conforme acordo assinado com a mesma pela Prefeitura Municipal.

    Prefeitura desenvolve programa de reduo de peso nos PSFs

    Final de semana do Dia dos Pais cultural acontece no Centro Educacional

    Coordenado pela nutricio-

    nista Daniela Romaro, o Proje-

    to Viva Mais e Melhor Grupo

    Reduo de Medidas atende

    cerca de 23 pessoas todas

    as teras e quintas-feiras no

    Programa Sade da Famlia -

    PSF Capoavinha. O programa

    tambm est implantado nos

    PSFs Pinheiral e Ferno Dias.

    Trabalhamos o emagreci-

    mento com qualidade de vida,

    combatendo doenas crnicas

    como o diabetes, colesterol,

    presso alta, entre outras. O

    Programa tem durao de trs

    meses, com encontros sema-

    nais, nos quais so tratados

    diferentes assuntos relativos

    mudana de hbitos alimenta-

    res. O atendimento acontece

    em grupo e, quando necess-

    rio, individualmente, contou

    Daniela. Pagina 3

    Pagina 8

    SEXTA-FEIRA1. DE AGOSTO DE 2014

    Pagina 8

  • www.folhaopiniao.com.brSexta-feira, 1. de agosto de 20142

    Folha Opinio Comunicao, Eventos e Jornalismo Ltda - cnpj: 11.603.231/0001-06

    Av, Tabelio Passarela, 771, cj 2, Centro, Mairipor CEP: 07600-000

    Redao e publicidade:

    4419-4378 / 4275-0504 / 9-9529-2619 / redacao@folhaopiniao.com.br / comercial@folhaopiniao.com.br

    Reportagem: Tatiara Guariente e Gabriela Bacelar web: Hygor Uyeno Editorao eletrnica: Camila Oliveira

    Colaboradores: ssio Minozzi Jnior, Lucas Goulart, Marisa Motta Cardone e Tarclio de Souza Barrros.Editor: Maurcio Arajo

    CITAO DA SEMANAH muitas pessoas de viso perfeita que nada vem... O ato de

    ver no coisa natural. Precisa ser aprendido!

    Rubem Alves, foi telogo, pedagogo, poeta e filsofo brasileiro

    Aprovada lei de minha au-toria que cria o Programa de Sade Bucal nas escolas mu-nicipais. Com apoio de todos os vereadores e a sanso do prefeito, fica acrescentada essa ao de polticas pblicas na educao do municpio.

    As crianas passam a ter mais esse direito assegurado por lei. Colocado em prtica, o programa de sade bucal possibilitar aos alunos melhor oportunidade de bom aprovei-tamento escolar, pois, alm das condies oferecidas pela rede escolar inerentes ao ensino, ele proporcionar ao aluno melho-res condies fsicas para o seu aprendizado, que condio fundamental para se aprender mais e melhor.

    Evidentemente, o aluno ou aluna sem a oportunidade de aes preventivas e de tratamento odontolgico, sofre prejuzo no seu processo de aprendizagem. Os profissio-nais de educao, que nesse aspecto so leigos, se esforam ao fazer orientaes educativas de preveno e a prtica do

    Sade bucal nas escolas

    bochecho.O programa proposto pre-

    tende proporcionar as nossas crianas da rede pblica muni-cipal de ensino, aes efetivas de preveno odontolgica e interveno com tratamento, se necessrio, com profissio-nais especialistas, dentistas, a fim de garantir sade bucal efetiva.

    A atual gesto municipal estabeleceu como proposta, em seu Programa de Go-verno, a Sade Bucal, por entender ser uma ao de fundamental relevncia para o desenvolvimento de nossas crianas. Por isso, se compro-meteu implantar o programa de sade bucal em todas as escolas da rede municipal de ensino.

    Essa sua vontade, explici-tada em campanha eleitoral, d um primeiro passo ao sancionar essa lei. Agora, devemos aguardar a imple-mentao efetiva do programa de sade bucal.

    LEGISLATIVO

    Essio Minozzi Junior, professor, vereador e presidente da Cmara Municipal de Mairipor

    Jornais locais e regionais esto em condies de se rein-ventarem e podem se tornar at mais fortes nesta poca dominada pela internet.

    O Reino Unido o melhor local do mundo para se rein-ventar o jornalismo local. O pas possui milhares de pe-quenos jornais, muitos deles com mais de cem anos de existncia.

    Mas, como sabemos, em diversos pases o jornalismo local est sofrendo ataques de vrios lados: diminuio de leitores de jornais impressos, novos competidores digitais e a ascenso das mdias sociais.

    Com esse nmero de com-petidores, com essas mudan-as no comportamento do leitor e com todas as novas tecnolo-gias, como a mdia local pode permanecer viva e relevante?

    Diferenciar plataformasAs diversas plataformas

    disponveis necessitam ser diferenciadas. Ler um jornal impresso diferente de ler um jornal no celular, que pre-cisa ser mais rpido, curto e geograficamente consciente. Em um tablet, por exemplo, um veculo de mdia precisa apostar em mais imagens e vdeos do que em blocos de

    Como sobreviver - e prosperar - na era digital

    textos.Os jornais locais neces-

    sitam pensar amplamente em suas opes e criar o melhor contedo para cada plataforma.

    Ambiente de colabora-es

    A indstria jornalstica necessita reequilibrar seus recursos para apoiar o jor-nal ismo invest igat ivo de qualidade e ao mesmo tem-po incorporar as diferentes vozes e colaboradores que existem na internet e na mdia social.

    No Reino Unido, expe-rimentos em que membros da comunidade pautam as not c ias, resul taram em jornais inovadores como o Pocklington Post. Mais da metade de seu contedo gerado por usurios.

    Iniciat ivas como essa no so um atentado ao jornalismo de qualidade, mas uma abordagem con-tempornea que cria mais recursos para se reportar o cotidiano de um lugar.

    Foco verticalNo podemos nos es-

    quecer da marca dos jornais que nos acompanharam

    at aqui, mas no podemos confiar apenas na tradio de seus nomes. Um jornal centenrio no possui mais o mesmo renome para um adolescente que usa o Fa-cebook para se informar. A mdia local no pode ficar parada e necessita inventar novos produtos, sob medida, para seu pblico.

    Tornar-se uma agncia local

    Jornais locais atingem uma audincia local que os empresrios tambm querem atingir. O mercado publicit-rio d cada vez mais valor para a qualidade do contedo e seu contexto, preferindo negociar diretamente com editores locais.

    Unindo o conhecimento sobre sua rea, uma cura-doria de contedo e uma estratgia para mlt iplas plataformas, as mdias locais conseguiro se catapultar para alm do jornal ismo impresso e existir em qual-quer meio. Esse fenmeno em diferentes comunidades poder tornar o jornalismo local ainda mais forte na era digital.

    Jeff Moriarty, do The Guardian, no Observatrio da Imprensa

    ESSIO MINOZZI

  • www.folhaopiniao.com.brSexta-feira, 1. de agosto de 20143 CIDADE

    Prefeitura desenvolve programa de reduo de peso nos PSFs da cidade

    Coordenado pela nutricionis-

    ta Dra. Daniela Romaro, o Pro-

    jeto Viva Mais e Melhor Grupo

    Reduo de Medidas atende

    cerca de 23 pessoas todas as

    teras e quintas-feiras no Pro-

    grama Sade da Famlia - PSF

    Capoavinha. O programa tam-

    bm est implantado nos PSFs

    Pinheiral e Ferno Dias.

    Trabalhamos o emagreci-

    mento com qualidade de vida,

    combatendo doenas crnicas

    como o diabetes, colesterol,

    presso alta, entre outras. O

    Programa tem durao de trs

    meses, com encontros sema-

    nais, nos quais so tratados

    diferentes assuntos relativos

    mudana de hbitos alimentares.

    O atendimento acontece em

    grupo e, quando necessrio, in-

    dividualmente, contou Romaro.

    Alm do acompanhamento

    com a nutricionista, as pacientes

    da unidade Capoavinha, tambm

    recebem o acompanhamento do

    mdico, Dr. Fernando G. de Pe-

    res - que pede os exames e faz

    o acompanhamento dos pacien-

    tes - e as enfermeiras Daniela

    Gomes de Oliveira Teixeira Faria

    e Kzia Gomes da Silva Arajo,

    promovem atividades fsicas

    junto s pacientes, uma vez por

    semana. A ideia tirar as pesso-

    as do sedentarismo e mudar os

    hbitos alimentares das mesmas

    para que o programa seja mais

    eficaz, disse Faria.

    Temos um polo de nutri-

    cionistas e notamos que a

    obesidade estava se tornando

    um dos principais problemas de

    sade dos muncipes, que acre-

    ditavam no ter dinheiro para

    fazer um tratamento adequa-

    do. No entanto, a maioria das

    doenas crnicas decorrente

    de maus hbitos alimentares,

    portanto, se no procurarmos

    combater as causas de nada

    adianta o tratamento, explicou

    a nutricionista, alertando para

    o tratamento multidisciplinar

    do Programa, que termina no

    prximo dia 13 de agosto para

    dar lugar a uma nova turma que

    inicia em setembro, ainda sem

    data definida.

    Em um ms emagreci

    cinco quilos, adotando o regi-

    me prescrito, ou seja, eliminei

    pes, massas, frituras, aca-

    res, refrigerantes, etc., do meu

    cardpio, contou satisfeita,

    Valde de Jesus Novaes, 37.

    J a Wanderlia Aparecida

    Moreira de Moraes, 23, elogiou

    o atendimento e est contente

    porque perdeu oito centmetros

    de abdmen e emagreceu dois

    quilos com a adoo da nova

    dieta, diminu o consumo de

    leo e aumentei o de verduras

    e cozidos e estou me se