desenvolvimento de sistemas ii

Click here to load reader

Post on 02-Dec-2015

215 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Desenvolvimento de Sistemas II

TRANSCRIPT

ABNT - UNOPAR - Completo

PAGE

SUMRIO31INTRODUO

42DESENVOLVIMENTO

42.1Anlise Orientada a Objetos

42.2Banco de dados

62.3Programao Orientada a Objetos

72.4Programao Web I

113CONCLUSO

12REFERNCIAS

1 INTRODUO

Apresentarei uma pesquisa identificando quais so os diagramas mais utilizados da UML, descrevendo e exemplificando sobre MRN, programao orientada a objetos e tecnologias para desenvolvimento Web.2 DESENVOLVIMENTO2.1 Anlise Orientada a ObjetosTem como funo ser um guia rpido de consulta aos principais diagramas da UML. Serve, principalmente para fins de documentao e ela permite que desenvolvedores visualizem os produtos de seu trabalho em diagramas padronizados, e muito usada para criar modelos de sistemas de software.Os mais usados, so:

1 - Diagrama de casos de Uso (mais usado pelo pessoal de requisitos)

2 - Diagrama de atividades (mais usado pelo pessoal de requisitos)

3 - Diagrama de classes

4 - Diagrama de Sequncia

5 - Diagrama de estados (Depende da complexidade e da necessidade do projeto)

6 - Diagrama de componentes (Depende da mudana do framework)

2.2 Banco de dadosO modelo relacional normalizado um modelo de dados, adequado a ser o modelo subjacente de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD), que se baseia no princpio em que todos os dados esto guardados em tabelas (ou, matematicamente falando, relaes). Toda sua definio terica e baseada na lgica de predicados e na teoria dos conjuntos.

O MRN apareceu devido s seguintes necessidades: aumentar a independncia dos dados nos sistemas operacionais de banco de dados; prover um conjunto de funes apoiadas em lgebra relacional para armazenamento e recuperao de dados; permitir processamento AD HOC (Em engenharia de software, a expresso ad hoc utilizada para designar ciclos completos de construo de softwares que no foram devidamente projetados em razo da necessidade de atender a uma demanda especfica do usurio, ligada a prazo, qualidade ou custo). O modelo relacional revelou-se ser o mais flexvel e adequados ao solucionar os vrios problemas que se colocam no nvel de concepo e implementao da Base de Dados.

A estrutura fundamental do modelo relacional a relao (tabela). Uma relao e construda por um ou mais atributos (campos) que traduzem o tipo de dados a armazenar. Cada instancia do esquema (linha) chamada de tupla (registro). O modelo relaciona no tem caminhos pr-definidos para se fazer acesso aos dados como nos modelos que o procedem. O modelo relacional implementa estruturas de dados organizados em relaes. Porm, para trabalhar com essas tabelas, algumas restries precisam ser impostas para evitar aspectos indesejveis, como: repetio de informao, incapacidade de representar parte da informao e perda de informao. Essas restries so: Integridade referencial, chaves e integridades de junes de relaes.

Figura 1 Exemplo de Tabela de Modelo Relacional Normalizado Cliente Conta Corrente

Fonte: http://docslide.com.br/documents/modelo-relacional-normalizado-mrn.html.O Modelo Entidade Relacionamento a base para a criao de um banco de dados. Para realizarmos um projeto de banco de dados, podemos dividi-lo em trs partes: inicialmente o modelo conceitual, depois o modelo lgico, e finalmente o modelo fsico.

Realizar os trs modelos de extrema importncia para que o analista de sistemas compreenda a base de dados que ele vai criar. O administrador de banco de dados (DBA) e o administrador de dados (AD) consegue separar muito bem esses trs modelos. O Modelo Entidade Relacionamento (e principalmente o diagrama) uma importante ferramenta durante o desenvolvimento de sistemas, principalmente aqueles mais complexos e difceis de visualizar sem uma anlise mais aprofundada.

A correta modelagem auxilia no correto desenvolvimento da base de dados e evita que vrias alteraes sejam necessrias para corrigir erros de concepo provenientes de falhas durante a anlise, ou ainda por problemas de comunicao entre os membros da equipe.2.3 Programao Orientada a Objetos A orientao a objetos um modelo de anlise, projeto e programao de sistemas de software baseado na composio e interao entre diversas unidades de software chamadas de objetos.

Em alguns contextos, prefere-se usar modelagem orientada ao objeto, em vez de programao. De fato, o paradigma "orientao a objeto", tem bases conceituais e origem no campo de estudo da cognio, que influenciou a rea de inteligncia artificial e da lingustica, no campo da abstrao de conceitos do mundo real. Na qualidade de mtodo de modelagem, tida como a melhor estratgia para se eliminar o "gap semntico", dificuldade recorrente no processo de modelar o mundo real do domnio do problema em um conjunto de componentes de software que seja o mais fiel na sua representao deste domnio. Facilitaria a comunicao do profissional modelador e do usurio da rea alvo, na medida em que a correlao da simbologia e conceitos abstratos do mundo real e da ferramenta de modelagem (conceitos, terminologia, smbolos, grafismo e estratgias) fosse a mais bvia, natural e exata possvel.

Na programao orientada a objetos, implementa-se um conjunto de classes que definem os objetos presentes no sistema de software. Cada classe determina o comportamento (definido nos mtodos) e estados possveis (atributos) de seus objetos, assim como o relacionamento com outros objetos. C++, C, VB.NET, Java, Object Pascal, Objective-C, Python, SuperCollider, Ruby e Smalltalk so exemplos de linguagens de programao orientadas a objetos. ActionScript, ColdFusion, Javascript, PHP (a partir da verso 4.0), Perl (a partir da verso 5) e Visual Basic (a partir da verso 4) so exemplos de linguagens de programao com suporte a orientao a objetos.2.4 Programao Web IPrincipais tecnologias para o Desenvolvimento de Sites.

HTML

Do ingls Hyper Text Markup Language, significa Linguagem de Marcao de Hipertexto, ou seja, HTML uma coleo de estilos que define os vrios componentes de um documento Internet. Utilizado em: formatao, documentos multimdia, formulrios, hiperlinks clicveis, imagens grficas, etc.

Tabela 1 Cdigo exemplo HTML

Ttulo da pgina exemplo

Um cabealho de nvel 1

Primeiro pargrafo. Veja Lorem Ipsum para

mais texto

  • Um item de uma lista no ordenada
  • Um item

Fonte: https://social.stoa.usp.br/articles/0016/1519/exemplo.html

CSS

A utilizao de CSS (Cascading Style Sheets) recomendada, pois permite separar estilo visual de contedo. Tal fator fundamental quando se faz o design e estruturao de um website. Quando CSS utilizado de maneira correta, a manuteno do website torna-se mais simples. Alm disso, existem outras vantagens como facilidade de criar estilos visuais mltiplos por exemplo podendo-se oferecer o estilo otimizado para impresso.

Tabela 2 Cdigo exemplo CSS

Ttulo da pgina exemplo

h1 { background: #aaa; }

ul { border: 1px solid black;}

Um cabealho de nvel 1

Primeiro pargrafo. Veja Lorem Ipsum para

mais texto

  • Um item de uma lista no ordenada
  • Um item

Fonte:https://social.stoa.usp.br/articles/0016/1520/exemplo-css.html

Adobe Flash

Formato de arquivo multimdia de grande apelo visual, muito difundido atualmente na Internet. Animaes com efeitos sonoros e interatividade podem ser criadas com esse recurso, tornando as pginas muito mais atraentes e agradveis.

Figura 1 Exemplo de Pagina em Flash

Fonte: http://www.thefwa.com/

JavaScript

Atravs do JavaScript voc tem muitas possibilidades de melhorar pginas HTML com elementos interessantes. Sendo capaz, por exemplo, de responder muito facilmente a eventos iniciados pelo usurio. Deste modo, podemos desenvolver pginas muito sofisticadas com a ajuda do JavaScript.

Figura 2 Exemplo de Pagina em Java

Fonte: http://www.tnt.com.br 3 CONCLUSOAps longa pesquisa, concluo que com o crescimento e modernizao da informao, devemos nos especializar cada dia mais pois as linguagens de programao mudam e evoluem, assim como o mercado e as necessidades das pessoas que querem acesso as informaes.REFERNCIAS

Desconhecido. Modelo Relacional Normalizado-MRN. Artigo. Disponvel em: . Acesso em: 23 out. 2015.

GASPAROTTO, Henrique Machado. Os 4 pilares da Programao Orientada a Objetos. Artigo. Disponvel em: < http://www.devmedia.com.br/os-4-pilares-da-programacao-orientada-a-objetos/9264>. Acesso em: 23 out. 2015.

MARTINEZ, Marina. UML. Artigo. Disponvel em: . Acesso em: 23 out. 2015.

RIBEIRO Gabriela Fonseca. Os principais diagramas da UML Resumo rpido. Artigo (Sistemas de Informao). Disponvel em: . Acesso em: 23 out. 2015.

RODRIGUES, Joel. Modelo Entidade Relacionamento (MER) e Diagrama Entidade-Relacionamento (DER). Artigo. Disponvel em: < http://www.devmedia.com.br/modelo-entidade-relacionamento-mer-e-diagrama-entidade-relacionamento-der/14332>. Acesso em: 23 out. 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARAN. Biblioteca Central. Normas para apresentao de trabalhos. 2. ed. Curitiba: UFPR, 1992. v. 2.

Wikipdia, a Enciclopdia Livre. Orientao a objetos. Artigo. Disponvel em: . Acesso em: 23 out. 2015.

Sistema de Ensino Presencial Conectado

nome do cursO

Bruno giordano matias de oliveira

Produo textual Individual

Eixo Temtico Desenvolvimento de Sistemas II

Xinguara

2015

bruno giordano matias de oliveira

Produo textual Individual

Eixo Temtico Desenvolvimento de Sistemas II

Trabalho apresentado ao Curso Analise e Desenvolvimento de Sis