dÁ outras providÊncias.” - munic??pio de nova candel??ria · memorial descritivo para obras de...

of 19 /19
EDITAL Nº 412/19, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2019. “DISPÕE SOBRE O ASFALTAMENTO EM PARTE DA RUA EMILIO MAI, TRAVESSA PE. PAULO ZELNER E RUA WALDEMAR MATTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.” RENATO ANTONIO MÜLLER, Prefeito Municipal de Nova Candelária, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais e em conformidade com o art. 79 do Código Tributário Municipal, Lei Municipal nº 500/07, FAZ SABER que lança este Edital de cobrança de Contribuição de Melhoria dos beneficiados pela pavimentação asfáltica executada em parte da Rua Emilio Mai, Travessa Pe. Paulo Zelner e Rua Waldemar Matte, bem como a cobrança dos valores relativos às despesas com as obras realizadas nos passeios e muros nos imóveis beneficiados, cuja cobrança foi autorizada pela Lei Municipal nº 1215/19, de 04 de novembro de 2019, relativo ao: I Conforme determina o Código Tributário Municipal, fica fixado o valor 23,20 VRM o metro quadrado de rua asfaltada, em frente aos imóveis atingidos pela melhoria; a) 01 (um) Valor de Referência Municipal VRM no exercício de 2019 = R$ 3,41 (três reais e quarenta e um centavos). II A relação dos beneficiados com as obras de pavimentação asfáltica, junto com as testadas, largura das ruas, área pavimentada e valor a ser pago, além das áreas isentas de pagamento, dos imóveis atingidos pela pavimentação asfáltica, Memorial Descritivo, bem como valorização, encontram-se anexos ao presente Edital, fazendo parte deste. III O pagamento dos valores ora cobrados deve ser feito na Tesouraria da Prefeitura Municipal, sita a Rua São Pedro, nº 27, Centro e poderá ser efetuado da seguinte forma: a) a vista com 10% (dez por cento) de desconto; b) em 02 (duas) parcelas, sendo 50% (cinquenta por cento) no ato, e os outros 50% (cinquenta por cento) em 30 (trinta) dias, com 08% (oito por cento) de desconto; c) em até 36 (trinta e seis) parcelas, sem desconto, sempre iguais e consecutivas, mediante solicitação por escrito. IV Os interessados terão prazo até o dia 16/12/2019, para impugnar qualquer dos elementos abaixo, cabendo ao impugnante o ônus da prova: 1 erro na localização e dimensões do imóvel; 2 cálculo dos índices atribuídos; 3 valor da contribuição de melhoria; 4 número de parcelas.

Author: others

Post on 25-Jul-2020

1 views

Category:

Documents


0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • EDITAL Nº 412/19, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2019. “DISPÕE SOBRE O ASFALTAMENTO EM PARTE DA RUA EMILIO MAI, TRAVESSA PE. PAULO ZELNER E RUA WALDEMAR MATTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.”

    RENATO ANTONIO MÜLLER, Prefeito Municipal de Nova Candelária,

    Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais e em conformidade com o art. 79 do Código Tributário Municipal, Lei Municipal nº 500/07, FAZ SABER que lança este Edital de cobrança de Contribuição de Melhoria dos beneficiados pela pavimentação asfáltica executada em parte da Rua Emilio Mai, Travessa Pe. Paulo Zelner e Rua Waldemar Matte, bem como a cobrança dos valores relativos às despesas com as obras realizadas nos passeios e muros nos imóveis beneficiados, cuja cobrança foi autorizada pela Lei Municipal nº 1215/19, de 04 de novembro de 2019, relativo ao:

    I – Conforme determina o Código Tributário Municipal, fica fixado o valor 23,20 VRM o metro quadrado de rua asfaltada, em frente aos imóveis atingidos pela melhoria;

    a) 01 (um) Valor de Referência Municipal – VRM no exercício de 2019 = R$ 3,41 (três reais e quarenta e um centavos). II – A relação dos beneficiados com as obras de pavimentação

    asfáltica, junto com as testadas, largura das ruas, área pavimentada e valor a ser pago, além das áreas isentas de pagamento, dos imóveis atingidos pela pavimentação asfáltica, Memorial Descritivo, bem como valorização, encontram-se anexos ao presente Edital, fazendo parte deste.

    III – O pagamento dos valores ora cobrados deve ser feito na Tesouraria da Prefeitura Municipal, sita a Rua São Pedro, nº 27, Centro e poderá ser efetuado da seguinte forma:

    a) a vista com 10% (dez por cento) de desconto; b) em 02 (duas) parcelas, sendo 50% (cinquenta por cento) no ato, e

    os outros 50% (cinquenta por cento) em 30 (trinta) dias, com 08% (oito por cento) de desconto;

    c) em até 36 (trinta e seis) parcelas, sem desconto, sempre iguais e consecutivas, mediante solicitação por escrito.

    IV – Os interessados terão prazo até o dia 16/12/2019, para impugnar qualquer dos elementos abaixo, cabendo ao impugnante o ônus da prova:

    1 – erro na localização e dimensões do imóvel; 2 – cálculo dos índices atribuídos; 3 – valor da contribuição de melhoria; 4 – número de parcelas.

  • V – Caso não ocorrer impugnação, fica a data de 20/12/2019, como referência para o pagamento a vista ou o 1º (primeiro) pagamento, se parcelado, vencendo as demais sempre no dia 20 do mês subsequente;

    a) o não pagamento no prazo acarretará multa e acréscimos legais estabelecidos no Código Tributário Municipal.

    Os casos omissos a este Edital serão resolvidos com base na Legislação Municipal, e, subsidiariamente, na Legislação Federal pertinente.

    O presente Edital entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

    GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA CANDELÁRIA, 08

    DE NOVEMBRO DE 2019.

    Renato Antonio Müller Prefeito Municipal

    Registre-se e Publique-se Clayton Dewes Nunes Sec. de Adm. e Planejamento

  • ANEXO III

    MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PLUVIAL, PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA EM CBUQ,

    SINALIZAÇÃO VIÁRIA E PASSEIOS PÚBLICOS COM ACESSIBILIDADE

    GENERALIDADES: O presente memorial tem por objetivo descrever os procedimentos que serão

    utilizados para as obras de Drenagem pluvial, pavimentação asfáltica em CBUQ, sinalização viária e passeios públicos com acessibilidade, conforme projetos específicos, nas Ruas Emílio Mai, Valdemar Matte e Travessa Pe. Paulo Zelner, no município de Nova Candelária – RS.

    A colocação de materiais e/ou instalação de aparelhos deverão seguir as indicações e procedimentos recomendados pelos fabricantes e pela ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas.

    É necessário que a empresa participante e o responsável técnico da empresa tenham atestado de capacidade técnica devidamente registrado pelo CREA, de execução deste serviço, nos serviços de maior relevância abaixo listados:

    Escavação Mecânica de Valas; Sarjeta; Reaterro de Valas de Bueiros; Drenagem; Pintura de Ligação; Concreto Betuminoso Usinado a Quente - CBUQ; Sinalização; Passeios Públicos. É necessário que as empresas participantes do processo licitatório façam

    visita técnica ao local da obra através do seu responsável técnico em data a ser agendada com o setor técnico da prefeitura, antes da licitação. Na visita técnica a empresa deverá sanar as dúvidas técnicas referentes à obra. O engenheiro da prefeitura expedirá o atestado que fará parte dos documentos que deverão ser apresentados pela empresa no dia da licitação.

    A empresa participante deverá apresentar a licença de operação da usina de CBUQ a ser utilizada na obra, fornecida pela FEPAM ou por órgão ambiental equivalente, sendo que a licença deverá estar atualizada e em plena vigência. Quando a usina de asfalto for propriedade de terceiros, deverá a empresa licitante apresentar declaração assinada pelo proprietário da usina, com firma reconhecida em cartório, que irá fornecer todo o material necessário para a execução da obra.

    No decorrer da execução deverá ocorrer o controle tecnológico das etapas e para isto a empresa deverá disponibilizar de laboratorista e auxiliares.

  • No final da obra deverá ser fornecido O LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO DA PAVIMENTAÇÃO das ruas e dos respectivos resultados dos ensaios realizados, o qual deverá atender as Recomendações constantes nas Especificações de Serviços (ES) e normas do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT.

    Obs: Os serviços nivelamento da rua para definição do greide projetado previsto no projeto será realizado pelo município, antes da emissão da Ordem de Início dos Serviços para a empresa vencedora da licitação.

    1.0 SERVIÇOS INICIAIS:

    1.1 PLACA DE OBRA EM CHAPA DE AÇO GALVANIZADO

    Tem por objetivo informar a população e os usuários da rua, os dados da obra.

    A placa deverá ser afixada em local visível, preferencialmente no acesso principal do empreendimento.

    A placa deverá ser confeccionada em chapas de aço laminado a frio, galvanizado, com espessura de 1,25 mm. As dimensões da placa são de 2,00 m x 1,25 m (tamanho padrão mínimo).

    Terá dois suportes e serão de madeira beneficiada (7,5 x 7,5), com altura livre de 1,20m.

    O layout da placa deverá atender ao padrão do Governo Federal referente ao financiamento. 1.2 SERVIÇOS TOPOGRÁFICOS PARA PAVIMENTAÇÃO

    Necessários equipamento e pessoal de topografia para a realização da

    locação da obra, com a demarcação em pista das atividades a serem executadas. A via será demarcada conforme projeto em toda sua extensão na largura

    indicada em projeto e obedecendo aos detalhes, tais como: redes pluviais, bocas de lobo, sarjetas de concreto, pista e passeio público.

    A empresa executora deverá dispor uma equipe de topografia do início até o término da obra.

    2.0 DRENAGEM

    2.1 ESCAVAÇÃO MECANIZADA PARA TUBULAÇÃO O serviço de escavação da vala para implantação de tubulação pluvial

    compreende a locação, escavação propriamente dita, escoramento onde necessário, regularização do fundo da vala, esgotamento se necessário, conformação do material reaproveitável ao lado da vala ou em depósito, retirada, carga e descarga em bota-fora do material excedente ou inaproveitável.

    Para materiais reaproveitáveis, inclui seu manuseio, estocagem in situ e conservação.

  • A escavação poderá ser manual ou mecânica. Ao iniciar a escavação, a Contratada deverá ter feito a pesquisa de interferências para que não sejam danificados quaisquer tubos, caixas, cabos, postes, ou outros elementos existentes. Não está prevista a necessidade de outros tipos de escoramentos, se forem requeridos deverão ser previamente acordados com a Fiscalização.

    A largura das escavações será de 80 cm, conforme projeto, e profundidade de 1,20m para os tubos de 40cm e de 50cm.

    A escavação final, a regularização e limpeza do fundo da vala deverão ser executadas manualmente para obtenção do greide final de escavação, cujas cotas deverão ser verificadas a cada 10 m. No caso de existência de água, esta deverá ser dirigida para a lateral da vala e ser mantido esgotamento permanente de forma que os trabalhos de regularização e limpeza, e, posteriormente o assentamento, sejam realizados sempre em seco.

    2.2 REDE PLUVIAL DIAM 0,40 m 2.3 REDE PLUVIAL DIAM 0,50 m

    O serviço de execução de rede pluvial contempla o fornecimento do tubo de

    concreto armado e a instalação do mesmo. Deve se ater ao fato para os tubos de 0,40 e 0,50 m de diâmetros terem

    armadura simples. A carga, transporte, descarga junto à obra e descida dos tubos na vala,

    sejam feitas manualmente ou com auxílio de equipamentos mecânicos, deverão ser executadas com os devidos cuidados para evitar danos aos tubos. Cuidado especial deverá ser tomado com as partes de conexão, ponta e bolsa, para evitar que sejam danificadas na utilização de cabos e/ou tesouras e/ou outras peças metálicas, na movimentação dos tubos.

    No momento da aplicação os tubos deverão estar limpos, desobstruídos e não apresentar fissuramento superior ao permitido, rachaduras ou danos. Todo tubo recusado pela Fiscalização deverá ser substituído pela Contratada às suas custas.

    O assentamento deverá ser executado imediatamente após a regularização de sua fundação, evitando assim a exposição desta às intempéries. Os tubos deverão estar perfeitamente apoiados em toda sua extensão.

    O assentamento deve ser feito de jusante para montante. Havendo interrupção, ou em trechos em que as caixas não estejam terminadas e tamponadas, o último tubo deverá ser tamponado para evitar a entrada de elementos estranhos.

    A argamassa de rejunte será de cimento e areia, traço 1:3 em volume, devendo ser colocada de forma a procurar a perfeita centralização da ponta em relação à bolsa, proporcionando o correto nivelamento da geratriz inferior interna dos tubos. Havendo presença de lençol freático, deve-se proteger as juntas com capeamento externo de argamassa de cimento e areia, traço 1:1 em volume, com aditivo impermeabilizante.

    Após o assentamento deve ser verificado o alinhamento e o nivelamento do trecho, não sendo admitidas flechas que possam causar o acúmulo de águas dentro da tubulação vazia ou que provoquem turbulência ou ressalto no fluxo.

  • Internamente, deve ser verificado a inexistência de ressaltos nas juntas, ou de restos da argamassa aderida que possam causar cavitação, assim como, de materiais ou objetos. Testes hidrostáticos poderão ser realizados antes que o reaterro atinja a altura mediana do tubo.

    2.4 PEDRA BRITADA GRADUADA, CLASSIFICADA.

    Após as escavações, assentamento e rejuntamento inferior da tubulação,

    deverá ser realizado o travamento da tubulação, com brita graduada, para a perfeita estabilização dos tubos. Posteriormente verificar o rejuntamento da tubulação, concluir o rejuntamento do selo superior e então terminar o preenchimento da vala com brita graduada até o nível indicado em projeto.

    2.5 TRANSPORTE COMERCIAL DE BRITA

    Este serviço consiste no transporte do material que será utilizado na obra em

    caminhão caçamba, devidamente fechado e envolto por lona, para que não haja o desprendimento de material nas vias públicas. Está sendo adotado um DMT médio de 16,9km, que compreende a distância até a pedreira licenciada localizada o mais próximo do local da obra.

    2.6 REATERRO MECANIZADO DE VALA COM RETROESCAVADEIRA

    Os reaterros de valas serão realizados com solo isento de pedras, madeiras,

    detritos ou outros materiais que possam causar danos às instalações ou prejudicar o correto adensamento. Deverão ser utilizados solos coesivos em toda a altura da vala. O reaterro será desde o nível da brita graduada utilizada na estabilização dos tubos até a cota do projeto (nível inferior da base e sub-base). Em função dos tubos e equipamentos de compactação utilizados, o preenchimento deve ser feito em camadas de no máximo 20 cm, compactadas com soquetes manuais de madeira e pneumáticos.

    A rotina dos trabalhos de compactação e seus controles serão propostas previamente pela Contratada para aprovação da Fiscalização, sendo vedada a compactação de valas, cavas ou poços, com pneus de retroescavadeiras, caminhões, etc.

    2.7 ESCAVAÇÃO MECANIZADA PARA BOCAS DE LOBO

    O serviço de escavação da vala para implantação das bocas de lobo

    compreende a locação, escavação propriamente dita, escoramento onde necessário, regularização do fundo da vala, esgotamento se necessário, conformação do material reaproveitável ao lado da vala ou em depósito, retirada, carga e descarga em bota-fora do material excedente ou inaproveitável.

    Para materiais reaproveitáveis, inclui seu manuseio, estocagem in situ e conservação.

    A escavação poderá ser manual ou mecânica. Ao iniciar a escavação, a Contratada deverá ter feito a pesquisa de interferências para que não sejam

  • danificados quaisquer tubos, caixas, cabos, postes, ou outros elementos existentes. Não está prevista a necessidade de outros tipos de escoramentos, se forem requeridos deverão ser previamente acordados com a Fiscalização.

    A largura das escavações será de 1,60 x 1,60 m, e profundidade de 1,40m. A escavação final, a regularização e limpeza do fundo da vala deverão ser

    executadas manualmente para obtenção do greide final de escavação. No caso de existência de água, esta deverá ser dirigida para a lateral da vala e ser mantido esgotamento permanente de forma que os trabalhos de regularização e limpeza, e, posteriormente o assentamento, sejam realizados sempre em seco.

    Existe a necessidade de escavação para instalação de bocas de lobo onde já existe tubulação instalada, devendo haver cuidados para remover o tubo existente e não danificar a tubulação lateral de onde será executada a boca de lobo.

    2.8 – BOCA DE LOBO 0,80m x0,80m x1,20m (INTERNA) COM GRADE DE FERRO

    As caixas coletoras (bocas de lobo) serão de alvenaria de tijolos maciços de

    20 cm, de acordo com os projetos, obedecendo às prescrições das Normas NBR-9649 e 9814, no que couber.

    O fundo das caixas será regularizado manualmente, receberá lastro de brita com espessura de 5cm e posteriormente lastro de concreto magro com espessura de 10cm.

    A argamassa de assentamento da alvenaria será de cimento e areia, traço 1:3 em volume.

    As caixas deverão ser revestidas internamente com chapisco traço 1:3 (ci-ar) e posteriormente com massa única de espessura 1,5 cm, traço 1:2:8 (ci-ca-ar).

    As grelhas deverão ter medidas de 1,00m x 1,00m, e serão confeccionadas com barras de ferro chato de 2”x1/2”, com espaçamento de 3 cm entre as barras, soldadas nas extremidades com outra barra de ferro da mesma especificação.

    As grelhas metálicas serão assentadas sobre a alvenaria e feito a acabamento no encaixe da pavimentação após a execução do CBUQ, sendo necessário o recorte da pavimentação para a perfeita instalação das grades.

    Existe a necessidade de instalação de bocas de lobo onde já existe tubulação instalada, devendo haver cuidados para remover o tubo existente e não danificar a tubulação lateral de onde será executada a boca de lobo.

    2.9 REATERRO MECANIZADO DE VALA COM RETROESCAVADEIRA

    Os reaterros das valas ao redor das bocas de lobo já executadas serão

    realizados com solo isento de pedras, madeiras, detritos ou outros materiais que possam causar danos às instalações ou prejudicar o correto adensamento. Deverão ser utilizados solos coesivos em toda a altura da vala. O reaterro será desde o nível da escavação realizada até a cota do projeto (nível inferior da base e sub-base). O preenchimento deve ser feito em camadas de no máximo 20 cm, compactadas com soquetes manuais de madeira e pneumáticos.

    A rotina dos trabalhos de compactação e seus controles serão propostas previamente pela Contratada para aprovação da Fiscalização, sendo vedada a

  • compactação de valas, cavas ou poços, com pneus de retroescavadeiras, caminhões, etc.

    2.10 ESCAVAÇÃO MECANIZADA DE VALAS DE DRENAGEM

    O serviço de escavação da vala de drenagem compreende a locação,

    escavação propriamente dita, escoramento onde necessário, regularização do fundo da vala, esgotamento se necessário, conformação do material reaproveitável ao lado da vala ou em depósito, retirada, carga e descarga em bota-fora do material excedente ou inaproveitável.

    Para materiais reaproveitáveis, inclui seu manuseio, estocagem in situ e conservação.

    A escavação poderá ser manual ou mecânica. Ao iniciar a escavação, a Contratada deverá ter feito a pesquisa de interferências para que não sejam danificados quaisquer tubos, caixas, cabos, postes, ou outros elementos existentes. Não está prevista a necessidade de outros tipos de escoramentos, se forem requeridos deverão ser previamente acordados com a Fiscalização.

    A largura das escavações será de 80 cm, conforme projeto, e profundidade de 0,60m.

    A escavação final, a regularização e limpeza do fundo da vala deverão ser executadas manualmente para obtenção do greide final de escavação. No caso de existência de água, esta deverá ser dirigida para a lateral da vala e ser mantido esgotamento permanente de forma que os trabalhos de regularização e limpeza, e, posteriormente instalação do geotêxtil e o assentamento do material granular (rachão), sejam realizados sempre em seco.

    2.11 EMBASAMENTO DE MATERIAL GRANULAR - RACHÃO 2.14 GEOTEXTIL NÃO TECIDO

    Após as escavações conforme especificado em projeto, a vala de drenagem

    deverá permitir o preenchimento da mesma com material granular - rachão. A inclinação da base da vala não poderá ser inferior a 1%, visto que já existe um declive médio superior ao longo do trecho. O selo inferior, laterais e superior será executado com manta geotextil não tecido para drenagem.

    A drenagem é executada para coletar as águas oriundas do lençol freático e executadas nas laterais da base da pavimentação, para evitar a infiltração desta água na pavimentação. A drenagem será conduzida para desaguar nas bocas de lobo.

    2.12 TRANSPORTE COMERCIAL COM CAMINHÃO BASCULANTE EM RODOVIA PAVIMENTADA 2.13 TRANSPORTE COMERCIAL COM CAMINHÃO BASCULANTE EM LEITO NATURAL

    Este serviço consiste no transporte do material que será executado na obra

    em caminhão caçamba, devidamente fechado e envolto por lona, para que não haja o desprendimento de material nas vias públicas. Está sendo adotado um

  • DMT médio de 15km de rodovia pavimentada e adotado um DMT médio de 1,9km de rodovia em leito natural para todos os trechos das obras em questão, até a pedreira licenciada localizada o mais próximo do local da obra.

    2.15 REATERRO MECANIZADO DE VALA COM RETROESCAVADEIRA

    Os reaterros de valas serão realizados com solo isento de pedras, madeiras,

    detritos ou outros materiais que possam causar danos às instalações ou prejudicar o correto adensamento. Deverão ser utilizados solos coesivos em toda a altura da vala. Compreende desde o fechamento do dreno executado com material granular (rachão) e fechamento superior com o geotêxtil não- tecido até a cota do projeto (nível inferior da base e sub-base). O preenchimento deve ser feito em camadas de no máximo 20 cm, compactadas com soquetes manuais de madeira e pneumáticos.

    A rotina dos trabalhos de compactação e seus controles serão propostas previamente pela Contratada para aprovação da Fiscalização, sendo vedada a compactação de valas, cavas ou poços, com pneus de retroescavadeiras, caminhões, etc.

    Após a execução do reaterro, todo o material proveniente da escavação que não houver sido utilizado deverá ser removido para bota-fora.

    2.16 MEIO-FIO E SARJETA CONJUGADO DE CONCRETO, MOLDADO IN LOCO

    Para execução do meio-fio e a canaleta em concreto, o mesmo será como

    um bloco único a ser confeccionado “in loco” com máquina extrusora, e terá 25 cm de altura total externa (com o passeio), canaleta de 5 cm de altura contra a área pavimentada e 4 cm na altura da canaleta com o meio-fio, sendo que a largura do meio-fio será de 12 cm na face superior e 15cm na base inferior, e a largura da canaleta de 30 cm, perfazendo uma seção transversal no formato de um “L”, com uma área de 0,05m²/m linear. O concreto deverá ser usinado, Fck mínimo do concreto de 15 MPa.

    3.0 PAVIMENTAÇÃO

    3.1 REGULARIZAÇÃO E COMPACTAÇÃO DO SUBLEITO:

    Regularização é a operação destinada a conformar o leito da rua, nos

    trechos que forem necessários, no sentido transversal e longitudinal, compreendendo cortes ou aterros de até 0,20 m de espessura. Toda a vegetação e material orgânico por ventura existentes no leito da rua, serão removidos.

    Após a execução de cortes e ou adição de material necessário para atingir o greide correto, proceder-se-á a homogeneização do solo do subleito, para posterior compactação.

    3.2 EXECUÇÃO E COMPACTAÇÃO DE BASE E OU SUB BASE COM MACADAME SECO

  • O macadame seco consiste numa camada de agregado graúdo (pedra

    rachão), aberto uniformemente no laito, devidamente compactado e posteriormente bloqueado e preenchido por agregado miúdo (britado), de faixa granulométrica especificada.

    A base de macadame seco será executada numa espessura de 20 cm compactado.

    A sua execução deverá seguir as orientações expressas na especificação DNIT.

    3.3 TRANSPORTE COMERCIAL COM CAMINHÃO BASCULANTE EM RODOVIA PAVIMENTADA 3.4 TRANSPORTE COMERCIAL COM CAMINHÃO BASCULANTE EM LEITO NATURAL

    Este serviço consiste no transporte do material que será executado na obra

    em caminhão caçamba, devidamente fechado e envolto por lona, para que não haja o desprendimento de material nas vias públicas. Está sendo adotado um DMT médio de 15km de rodovia pavimentada e adotado um DMT médio de 1,9km de rodovia em leito natural para todos os trechos das obras em questão, até a pedreira licenciada localizada o mais próximo do local da obra.

    3.5 EXECUÇÃO E COMPACTAÇÃO DE BASE E OU SUB BASE COM BRITA GRADUADA SIMPLES

    Sobre a sub-base de macadame, será executada a brita graduada. As bases granulares são camadas constituídas de mistura de solos e

    materiais britados, ou produtos totais de britagem. A base será executada numa espessura de 15 cm compactada, com brita

    graduada. A compactação deverá ser executada com rolo vibratório liso até atingir a

    densidade máxima. A sua execução deverá seguir as orientações expressas na especificação

    DNIT.

    3.6 TRANSPORTE COMERCIAL DE BRITA Este serviço consiste no transporte do material que será utilizado na obra em

    caminhão caçamba, devidamente fechado e envolto por lona, para que não haja o desprendimento de material nas vias públicas. Está sendo adotado um DMT médio de 16,9km, que compreende a distância até a pedreira licenciada localizada o mais próximo do local da obra.

    3.7 EXECUÇÃO DE IMPRIMAÇÃO COM ASFALTO DILUÍDO CM-30

    E uma pintura de material betuminoso aplicada sobre a superfície da base

    antes da execução de um revestimento betuminoso qualquer, com objetivo de

  • promover condições da aderência entre a base e o revestimento e impermeabilizar a base.

    A imprimação será executada onde foram realizados os serviços de base de brita graduada.

    A imprimação será realizada com caminhão espargidor, devidamente calibrado para execução dos serviços, o tráfego sobre áreas imprimidas só deve ser permitido depois de decorridas no mínimo 24 horas de sua aplicação e quando estiver convenientemente curado.

    O material a ser utilizado será o asfalto diluído CM 30, com a taxa de 1,2 l/m2.

    Esta pintura será efetivada em toda a área de intervenção. Deverá ser regular e uniforme.

    3.8 CONSTRUÇÃO DE PAVIMENTO COM APLICAÇÃO DE CBUQ, PARA CAPA DE ROLAMENTO

    Execução da camada de revestimento asfáltica em CBUQ (concreto

    betuminoso usinado a quente) com espessura de 5 cm compactado determinado nos projetos e orçamento discriminado, com densidade do CBUQ de 2,5548 ton/m3. Trata-se de uma mistura flexível, resultante do processamento a quente, em uma usina apropriada, fixa ou móvel, de agregado mineral graduado, material de enchimento ("filler" quando necessário) e cimento asfáltico, espalhada e comprimida a quente.

    O material asfáltico a ser utilizado é o CAP 50-70. Os agregados para o concreto asfáltico serão constituídos de uma mistura de

    agregado graúdo, agregado miúdo e, quando necessário "filler". Os agregados graúdo e miúdo devem ser pedra britada. O agregado graúdo é o material que fica retido na peneira nº 4 e o agregado miúdo é o material que passa na peneira nº 4. Esses agregados devem estar limpos e isentos de materiais decompostos, preciso no controle da matéria orgânica e devem ser constituídos de fragmentos sãos e duráveis, isentos de substâncias deletérias.

    A mistura de agregados para o concreto asfáltico deve enquadrar-se na faixa do DAER, de acordo com a espessura a ser aplicada.

    São previstos os seguintes equipamentos:

    Usinas;

    Vibro-acabadoras de nivelamento eletrônico;

    Rolos compactadores;

    Caminhões;

    Balança para pesagem de caminhões. Usinas para misturas asfálticas O concreto asfáltico deve ser misturado em uma usina fixa, gravimétrica ou

    volumétrica. Os agregados podem ser dosados em peso ou em volume. Cada usina deverá estar equipada com uma unidade classificadora de

    agregado, após o secador, e dispor de misturador de "pug-mill", com duplo eixo

  • conjugado, provido de palhetas reversíveis e removíveis, ou outro tipo capaz de produzir uma mistura uniforme. Deve, ainda, o misturador possuir dispositivos de descarga, de fundo ajustável e dispositivo para o controle do ciclo completo da mistura.

    Poderá também ser utilizada uma usina com tambor secador/ misturador de duas zonas (convecção e radiação) - "Drum-Mixer", provida de: coletor de pó, alimentador de "filler", sistema de descarga da mistura betuminosa por intermédio de transportador de correia com comporta do tipo "Clam-shell" ou, alternativamente em silos de estocagem.

    A usina deverá possuir silos de agregados múltiplos, com pesagem dinâmica dos mesmos e deverá ser assegurada a homogeneidade das granulometrias dos diferentes agregados. A usina deverá possuir ainda uma cabine de comandos e de quadros de força. Tais partes devem estar instaladas em recinto fechado, com os cabos de força e comandos ligados em tomadas externas, especiais para essa aplicação. A operação de pesagem dos agregados e do ligante betuminoso deverá ser semi-automática, com leitura instantânea e acumulada dos mesmos, através de digitais em "display" de cristal líquido. Deverão existir potenciômetros para compensação das massas específicas dos diferentes tipos de cimentos asfálticos e para seleção de velocidades dos alimentadores dos agregados frios.

    Os agregados devem ser secados por meio de um tambor secador, o qual é regularmente alimentado por qualquer combinação de correias transportadoras ou elevadores de canecas. O secador deve ser provido de um instrumento para determinar a temperatura do agregado que sai do secador. O termômetro deve ter precisão de 5°C e deve ser instalado de tal maneira que a variação de 5°C na temperatura do agregado seja mostrada pelo termômetro dentro de um minuto.

    Vibro-acabadora As vibro-acabadoras devem ser autopropelidas e possuírem um silo de

    carga, e roscas distribuidoras, para distribuir uniformemente a mistura em toda a largura de espalhamento da vibroacabadora.

    As vibroacabadoras devem possuir dispositivo eletrônico para nivelamento, de acordo com as atuais exigências do DNIT, de forma que a camada distribuída tenha a espessura solta que assegure as condições geométricas de seção transversal, greide e espessura compactada de projeto.

    Se durante a construção for verificado que o equipamento não propicia o acabamento desejado, deixando a superfície fissurada, segregada, irregular etc, e não for possível corrigir esses defeitos, esta acabadora deverá ser substituída por outra que produza um serviço satisfatório.

    A vibroacabadora deve operar independentemente do veículo que está descarregando.

    Enquanto o caminhão está sendo descarregado, o mesmo deve ficar em contato permanente com a vibroacabadora, sem que sejam usados os freios para manter esse contato.

    Equipamento de compactação Todo o equipamento de compactação deve ser autopropulsor e reversível. Os rolos "tandem" de aço com dois eixos devem pesar, no mínimo, 8 ton. Os rolos usados para a rolagem inicial devem ser equipados com rodas com

    diâmetro de, no mínimo, 1,00m.

  • Os rolos pneumáticos devem ser do tipo oscilatório com uma largura não inferior a 1,90m e com as rodas pneumáticas de mesmo diâmetro, tendo uma banda de rodagem satisfatória. Rolos com rodas bamboleantes não serão permitidos. Os pneus devem ser montados de modo que as folgas entre os pneus adjacentes sejam cobertas pela banda de rodagem do pneu seguinte.

    Os pneus devem ser calibrados para o peso de operação, de modo que transmitam uma pressão de contato "pneu-superfície" que produza a densidade mínima especificada.

    Os rolos pneumáticos devem possuir dispositivos que permitam a variação simultânea de pressão em todos os pneus. A diferença de pressão entre os diversos pneus não deverá ser superior a 5 libras por polegada quadrada.

    Cada passagem do rolo deve cobrir a anterior adjacente, em pelo menos 0,30m.

    O Empreiteiro deverá possuir um equipamento mínimo, constando de um rolo pneumático e um rolo "tandem" de dois eixos de 8ton. para cada vibroacabadora, com um operador para cada rolo, ou naquelas quantidades e tipos indicados nas especificações particulares do projeto.

    Caminhões para transporte da mistura Os caminhões tipo basculantes para o transporte do concreto asfáltico,

    deverão ter caçambas metálicas robustas, limpas e lisas, ligeiramente lubrificadas com água e sabão, óleo parafínico, ou solução de cal, de modo a evitar a aderência da mistura às chapas.

    Balança para pesagem de caminhões Para pesagem de caminhões com o concreto asfáltico, deverá o Empreiteiro

    instalar balanças com a precisão de 0,5% da carga máxima indicada e sua capacidade deve ser, pelo menos, 2000kg superior à carga total máxima a ser pesada. As balanças deverão ser aferidas sempre que a Fiscalização julgar conveniente. Os dispositivos de registro e controle da balança devem ser localizados em local abrigado e protegido contra agentes atmosféricos e climáticos.

    PROJETO DA MASSA ASFÁLTICA DO CBUQ:

    Antes da emissão da ordem de início dos serviços deverá ser apresentada à

    fiscalização o projeto de massa asfáltica do concreto betuminoso usinado a quente, conforme especificações do DAER ES-P 16/91.

    Tal projeto deverá constar os seguintes itens: a) Composição granulométrica da mistura, sendo que a mesma deverá

    atender às especificações do DAER ES-P 16/91. b) Teor de ligante de projeto; c) Características Marshall do Mistura conforme especificações do DAER ES-

    P 16/91: 1.Massa específica aparente da mistura; 2.Estabilidade 60º C: 500 Kgf (mínimo); 3.Vazios de ar: 3 – 5%; 4.Fluência 60º C (1/100’’): 8 – 16 ‘’; 5.Relação Betume-Vazios: 75 – 82.

  • Para fins de controle da massa asfáltica do pavimento serão coletadas amostras da mesma na pista antes da compactação para determinar a granulometria e teor de asfalto da mistura, sendo que os mesmos deverão enquadrar-se nas especificações de projeto.

    d) Controle dos agregados da mistura conforme especificações do DAER ES-P 16/91:

    1.Densidade efetiva dos agregados 2.Índice de Lamelaridade da mistura dos agregados: máximo 50% 3.Porcentagem dos agregados utilizados na mistura. A rolagem inicial deve ser realizada quando a temperatura da mistura for tal

    que somada à temperatura do ar esteja entre 150°C e 190°C. Se a temperatura de qualquer mistura asfáltica que deixar a usina cair mais do que 12°C, entre o tempo de carregamento na estrada, deve-se usar lonas para cobrir as cargas.

    As misturas devem ser colocadas na estrada quando a temperatura atmosférica estiver acima de 10°C.

    O preço unitário incluirá a obtenção de materiais (inclusive ligante betuminoso), o preparo da mistura, o espalhamento, a compactação da mistura, toda mão de obra e encargos, equipamentos e serviços eventuais relativos a este serviço.

    CONTROLE DE ESPESSURA DO REVESTIMENTO ASFÁLTICO:

    As espessuras da Capa de CBUQ devem seguir as espessuras

    especificadas no projeto. Para fins de controle de qualidade e espessura, a medição será aprovada

    mediante relatório de ensaios de espessura, os ensaios devem ser feitos através de sonda rotativa tirando 1 (uma) amostra, a sondagem deve ser executada a cada 50m. Será entregue a fiscalização relatório com fotos e espessura das amostras, bem como encaminhar as amostras para a prefeitura.

    Após a execução dos ensaios a empresa deverá executar o imediato fechamento dos locais onde foram tirados os corpos de prova.

    Será adotado a média da espessura do ensaio para fins de medição, sendo o máximo tolerado para a medição a espessura de projeto (5cm).

    3.9 TRASNPORTE COM CAMINHÃO BASCULANTE 10M3 DE MASSA ASFÁLTICA PARA PAVIMENTAÇÃO URBANA

    Este serviço consiste no transporte do material que será executado na obra

    em caminhão caçamba, devidamente fechado e envolto por lona, para que não haja o desprendimento de material nas vias públicas. Está sendo adotado um DMT médio de 58km de rodovia pavimentada para todos os trechos das obras em questão, até a usina licenciada localizada o mais próximo do local da obra.

  • 4.0 PASSEIOS E RAMPAS DE ACESSIBILIDADE

    4.1 ALVENARIA DE TIJOLO CERÂMICO Deverá ser feita uma mureta no limite do lote com o passeio para permitir o

    nivelamento do passeio, contenção ou aterro da terra do lote lindeiro e travamento dos blocos intertravados do passeio. A mureta deverá seguir a inclinação existente na rua e será executada com tijolos maciços de primeira qualidade, espessura 20 cm, assentados com argamassa (traço 1:4).

    4.2 REGULARIZAÇÃO E COMPACTAÇÃO DO SUB LEITO DO PASSEIO

    Os serviços de regularização de passeio, tem por objetivo deixar a superfície

    do passeio totalmente nivelada e compactada para o recebimento da camada final de revestimento do passeio.

    O material vindo do empréstimo será descarregado, espalhado e compactado manualmente.

    Será utilizado o apoio de retroescavadeira quando necessário, além de ferramentas manuais para a execução deste serviço.

    4.3 EXECUÇÃO DE PASSEIO EM PISO INTERTRAVADO, COM BLOCO DE CONCRETO DE COR NATURAL - RESISTÊNCIA DE 35 MPA (NBR 9781)

    O passeio será executado em blocos de concreto intertravado (espessura de

    6 cm), devendo ser regularizado para o nivelamento da base, o mesmo deverá ser demarcado conforme projeto. O modelo dos blocos a ser utilizado será do tipo retangular, cor natural, tamanho 10x20 cm, sendo assentados sobre o pó de pedra para fazer o travamento e posterior espalhamento de pó para o rejuntamento das frestas. Junto ao piso intertravado também será instalado piso tátil direcional e de alerta, que deverão seguir os padrões das normas existentes, sendo que sua colocação deverá obedecer aos locais indicados em projeto.

    O passeio somente será executado após a conclusão da execução do muro.

    4.4 PISO PODOTATIL DIRECIONAL E ALERTA (NBR 16.537) Será instalado piso tátil direcional (cor vermelha) e de alerta (cor amarela),

    do tipo lajota de concreto, na cor indicada, com dimensões de 25 cm x 25 cm x 2,5cm (larg x comp x esp) em todas as calçadas conforme regem as normas da NBR9050 e decreto nº5.296.

    O piso deverá atender os quesitos da NBR 9050 quanto a textura, rugosidade, instalação e demais.

    O piso será assentado após preparo e compactação do leito do passeio. O piso tátil de concreto deve ser assentado sobre argamassa de concreto 15Mpa, preparado na obra, sendo o mesmo lançado sobre o lastro de pó de brita, e após assentamento do piso tátil, e sendo necessário posteriormente o rejuntamento do mesmo, assegurando uma perfeita fixação do piso.

    Devem ser obedecidos os detalhamentos específicos em projetos.

  • RAMPAS DE ACESSIBILIDADE 4.5 PEDRA BRITADA GRADUADA PARA BASE 4.6 EXECUÇÃO DE PASSEIO COM CONCRETO MOLDADO IN LOCO

    Inicialmente serão demarcados os locais para receberem as rampas.

    Posteriormente as calçadas devem serão rebaixadas junto às travessias de pedestres sinalizadas, sendo cortadas e demolidas em cotas que permitam o perfeito encaixe com o leito da rua pavimentada.

    O terreno onde será instalada a rampa deverá ser regularizado e compactado, para após receber lastro de concreto, traço 1:2,5: 3,5 com fck 20 Mpa, espessura de 6cm. O concreto deverá ser desempenado.

    Será executado conforme NBR 9050, com piso tátil de alerta junto a rampa de acessibilidade. O piso tátil será de lajotas de concreto, instalado, assentado e rejuntado com argamassa de assentamento em peças de 25cm x 25cm x2,5cm (larg x comp x esp) conforme indicação em planta, assegurando uma perfeita fixação do piso. O piso deverá atender os quesitos da NBR 9050 quanto a textura, rugosidade, instalação e demais.

    Não deve haver desnível entre o término do rebaixamento da calçada e o leito da rua pavimentada.

    Os rebaixamentos de calçadas devem ser construídos na direção do fluxo de pedestres.

    A inclinação deve ser constante e não superior a 8,33% (1:12). Os rebaixamentos das calçadas localizados em lados opostos da via

    devem estar alinhados entre si. O detalhamento da rampa encontra-se em planta anexa.

    5.0 SINALIZAÇÃO VIÁRIA

    5.1 SINALIZAÇÃO HORIZONTAL COM TINTA ACRILICA E MICROESFERA DE VIDRO

    Consiste na execução de faixas que tem a função de definir e orientar os

    pedestres ordenando-os e orientando os locais de travessia na pista, sendo estas executadas com tinta acrílica na cor branca para faixa de pedestres (3,00 x 0,40 m com espaçamento de 0,40 m) e faixas de retenção com largura de 0,40m e comprimento variável conforme projeto,

    A sinalização horizontal será executada com tinta retro-refletiva a base de resina acrílica com microesferas de vidro. A tinta deverá apresentar ótima aderência ao pavimento, alta resistência ao desgaste e boa flexibilidade, deverá atender as especificações da NBR 11862 e DER/PR EC-OC 03/05.

    A sinalização deverá ser executada por meio manual e por pessoal habilitado.

  • 5.2 SUPORTE METÁLICO Os suportes das placas serão metálicos 1.1/2””, parede de 3mm, o suporte

    deve ser galvanizado a fogo para uma maior proteção, devem ser fixados em base de concreto obedecendo as dimensões que estão em projeto detalhado.

    5.3 SINALIZAÇÃO VERTICAL

    A sinalização vertical, é composta por placas de sinalização que tem por

    objetivo aumentar a segurança, ajudar a manter o fluxo de tráfego em ordem e fornecer informações aos usuários da via.

    As placas de sinalização vertical deverão ser confeccionadas em chapas de aço laminado a frio, galvanizado, com espessura de 1,25 mm para placas laterais à rua.

    A reflexibilidade das tarjas, setas, letras do fundo da placa será executada mediante a aplicação de películas refletivas, com coloração invariável, tanto de dia como à noite.

    Todas as placas executadas devem obedecer às especificações descritas no Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito (CONTRAN), Conselho Nacional de Trânsito.

    As placas de sinalização vertical com a denominação das ruas serão fornecidas e instaladas com pessoal próprio do município, pois é adotado no município um modelo específico de placas de identificação, conforme prancha 10/11 do projeto anexo.

    Nova Candelária/RS, 03 de novembro de 2017.

    Cristiano Feltens Eng. Civil – CREA 194.435