curso furo direcional

of 147 /147
CURSO DE PERFURAÇÃO CURSO DE PERFURAÇÃO HORIZONTAL DIRECIONAL III CONGRESSO BRASILEIRO DE MND e BRASILEIRO DE MND e I NoDIG AMÉRICA LATINA Apresentador: SERGIO A. PALAZZO ABRATT 1

Author: jefersoncelestino

Post on 27-Oct-2015

206 views

Category:

Documents


6 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CURSO DE PERFURAOCURSO DE PERFURAO HORIZONTAL DIRECIONAL

    III CONGRESSO BRASILEIRO DE MND eBRASILEIRO DE MND e I NoDIG AMRICA LATINA Apresentador:pSERGIO A. PALAZZO

    ABRATT 1

  • AGRADECIMENTOS

    z ISTT pelo prestgioz ISTT pelo prestgioz Prof. Samuel Ariaratnam da ASU (Arizona State University)z Eng. Ren Albert (Vermeer Internacional)z Vermeer Manufacturingz Planalz Universidade de So (USP) Campus de So Carlosz Universidade de So (USP) Campus de So Carlosz Sobratema e Instituto Opusz Gas Brasil

    SABESPz SABESPz COMGS

    ABRATT 2

  • ESTRUTURA DO CURSO

    z Apresentao em painisz Apresentao em painis z Cada painel com divises, abrangendo16 tpicosz O primeiro painel de Introduo ser apresentadoz O primeiro painel de Introduo ser apresentado

    em 20 e mais 10 para reviso e discusses. Cada tpico dos painis seguintes, ser apresentado em 15 10 i t l 15, com 10 para reviso, perguntas e concluses.

    z Teremos um intervalo de 5 a cada hora, sendo dois intervalos maiores para caf (um pela manh e outrointervalos maiores para caf (um pela manh e outro tarde) e almoo.

    z Carga horria final estimada: 6,5 horas

    ABRATT 3

  • OBJETIVO E FORMATO DO CURSO

    z Facilitar o entendimento do processo de Perfuraoz Facilitar o entendimento do processo de Perfurao Horizontal Direcional, permitindo a partir desta introduo, o aprofundamento nos diversos tpicos, atravs de outros programas de formao eatravs de outros programas de formao e treinamento.

    z Est formatado para acompanhar as etapas de uma b l iti d i f jobra real, permitindo sempre que a informao seja

    imediatamente relacionada com o procedimento real.

    z Nota: Opcionalmente poderemos falar dos equipamentos e seus detalhes.

    ABRATT 4

  • PROGRAMAS DA ABRATT

    z Curso de Extenso Universitria em MND na USPz Curso de Extenso Universitria em MND na USP (Universidade de So Paulo)

    z Curso de formao e atualizao de Fiscais de obras de Perfurao DirecionalPerfurao Direcional

    z Cursos de Certificao de Operadores e Navegadores de Perfuratrizes Direcionais.C d Pl j t d F Di i lz Curso de Planejamento de Furo Direcional

    z Curso de Fludos de Perfuraoz Curso de Tubulaes de PEADz Curso de Oramento e Custos em Perfurao Direcionalz Congressos e Workshops

    ABRATT 5

  • Paineis e tpicosp

    z INTRODUO Histrico e Definiesz INTRODUOz PR-CONSTRUO

    CONSTRUO

    Histrico e Definies Aplicaes, materiais e

    capacidades z CONSTRUO z PS-CONSTRUO

    Termos de Referencia Projeto do furo

    A li G t i Anlise Geotcnica, Investigao local e mapeamento do subsolo

    Seleo do Equipamento

    ABRATT 6

  • Paineis e tpicos

    Planejamento da Preparao do localPlanejamento da execuo do furo e cronograma dos trabalhos

    p Segurana Procedimentos da instalao Ligaes domiciliares e ou

    conexo com outrasz Custos e Oramento

    z O que a P f

    conexo com outras instalaes.

    Restaurao do rea de trabalho e eventual reinstalao dos serviosPerfurao

    Horizontal Direcional (PHD -HDD)?

    reinstalao dos servios

    Desmobilizao Limpeza da reaHDD)? Plano de destino final de

    fludos de perfurao As built

    ABRATT 7

  • Introduo Perfurao Horizontal Direcional

    z O QUE A PERFURAO HORIZONTAL DIRECIONAL?

    z HISTRICO E DEFINIESAPLICAES MATERIAIS E CAPACIDADESz APLICAES, MATERIAIS E CAPACIDADES

    z TERMOS DE REFERENCIA

    ABRATT 8

  • DEFINIO DE MTODO NO DESTRUTIVO (MND)( )

    zz uma famlia de mtodos materiais e uma famlia de mtodos materiais ezz uma famlia de mtodos, materiais e uma famlia de mtodos, materiais e equipamentos que so utilizados para equipamentos que so utilizados para instalao de novas redes de infrainstalao de novas redes de infra--estruturaestruturainstalao de novas redes de infrainstalao de novas redes de infra estrutura, estrutura, ou renovao de redes existentes, no ou renovao de redes existentes, no subsolo, com o mnimo de transtorno no subsolo, com o mnimo de transtorno no ,,trfego, comrcio no entorno da obra, e a trfego, comrcio no entorno da obra, e a menor interveno possvel na superfcie do menor interveno possvel na superfcie do local da instalao.local da instalao.- NASTT - North American Society for Trenchless Technology

    ABRATT 9

  • O QUE A PERFURAO DIRECIONAL HORIZONTAL?

    um mtodo construtivo que permite aoz um mtodo construtivo, que permite ao responsvel pela instalao de redes de infra estruturas optar pela execuo sem ainfra-estruturas,optar pela execuo sem a abertura de valas, avaliando vantagens e desvantagens quanto interveno nodesvantagens, quanto interveno no sistema de trfego local, espao de trabalho, tempo e custostempo e custos.

    ABRATT 10

  • HISTRICOS E DEFINIES

    z Primeiras execues por volta da metade da dcadaz Primeiras execues por volta da metade da dcada de 90 (1984) com 12 perfuratrizes.

    z Em 1995, j tnhamos 2000 perfuratrizes em , j poperao.

    z Em 2000, atingimos 14.000 unidadesgz Hoje, estamos perto de atingir a marca de 30.000

    unidades em operao.z O Brasil tem aproximadamente 200 unidades em

    operao.

    ABRATT 11

  • Acompanhamento do mercado

    z Uma enorme quantidade de mquinas semz Uma enorme quantidade de mquinas, sem operadores especializados

    z Engenheiros se conhecimento dosz Engenheiros se conhecimento dos procedimentos bsicos

    z Contratantes sem o conhecimento dosz Contratantes sem o conhecimento dos limites da tecnologia

    z Dificuldade de fixao de um preo justoz Dificuldade de fixao de um preo justo (nos dois lados do contrato)

    ABRATT 12

  • EM QUE CONSISTE A PERFURAO DIRECIONAL?

    z Execuo de um furo pilotoz Alargamento desse furo piloto ao dimetro

    adequado ao produto a ser instaladoz Puxada do produto a ser instalado.

    ABRATT 13

  • FORA DE PUXADA (Pull Back) ( )

    a capacidade (fora) que o equipamentoz a capacidade (fora) que o equipamento possui de trazer de volta, o peso de todas as hastes que foram utilizadas alargador maishastes que foram utilizadas, alargador, mais o peso do produto que est sendo instalado, mais as foras de atrito resultantes dessemais as foras de atrito resultantes desse movimento, em relao ao solo em que est sendo feita a instalaosendo feita a instalao.

    ABRATT 14

  • DEFINIES

    z Instalar um produto dez Instalar um produto de A at B utilizando tcnicas de:tcnicas de:

    Corte de solos Transporte de solos A B

    Remoo de solos Compactao de solos

    Primeiro Enunciado: Estaremos o tempo todo trabalhando com a Mecnica dos Solos e todo os empirismos que ela envolve, numa

    ABRATT 15instalao por instrumentos.

  • DEFINIES

    Trabalharemos tendo que controlarz Trabalharemos tendo que controlar simultaneamente cinco unidades dimensionais:dimensionais:

    z Profundidade z Desvioz Desvio z Inclinao z Direoz Distancia

    Segundo enunciado: Estaremos lidando com mecnica do solos e d d i id d di i i i lt t

    ABRATT 16procedendo com cinco unidades dimensionais e, simultaneamente fazendo a instalao por instrumentos.

  • Animao do furo piloto com pull-back e puxada do produtop p

    ABRATT 17

  • Animao do direcionamento

    ABRATT 18

  • PRIMEIRA DEFINIO

    Perfurao direcional no uma cincia

    exata.

    ABRATT 19

  • APLICAO, MATERIAIS E CAPACIDADESC C S

    z Perfurao direcional permite a instalaoz Perfurao direcional permite a instalao de:

    Redes de gs natural leo lcool (abastecimento Redes de gs natural,leo,lcool (abastecimento e distribuio)

    Redes dgua (aduo e distribuio)g ( ) Redes de esgotos (emissrios e coletores) Redes de comunicao de dados e voz Redes de transporte de slidos (Mineriodutos) Redes de energia (Gerao e Distribuio)

    ABRATT 20

  • APLICAO, MATERIAIS E CAPACIDADES

    z Perfurao direcional permite a instalaoz Perfurao direcional permite a instalao de:

    Tubulaes de ao Tubulaes de ao Tubulaes de polietileno de alta densidade

    (PEAD)( ) Tubos semi-rgidos com juntas elsticas (Flex-

    Ring) atualmente nos EEUU PVC que permite termofuso das barras (tambm

    em uso nos EEUU).

    ABRATT 21

  • APLICAO, MATERIAIS E CAPACIDADES

    Perfurao direcional pode instalar materiaisz Perfurao direcional pode instalar materiais (tubulaes) at o momento com as seguintes capacidades:seguintes capacidades: Dimetros: desde 50mm at 914,4mm (2 a 36)

    M i di t i btid t t 2000 Maior distncia obtidas at o momento: 2000m Maiores distncias esto sendo pretendidas, no

    Brasil por exemplo 5000 mBrasil, por exemplo, 5000 m

    ABRATT 22

  • TERMOS DE REFERNCIA REFERENTES A ESTE PRIMEIRO PAINELPRIMEIRO PAINEL

    CONSIDERAES INICIAISCONSIDERAES INICIAIS z Se as partes envolvidas num contrato

    discutirem e dividirem os riscos envolvidosdiscutirem e dividirem os riscos envolvidos, permitiro que o custo da obra seja reduzido significativamente (Allouche e Ariaratnamsignificativamente (Allouche e Ariaratnam 1998)

    z Isto mais verdade quando se trabalha comz Isto mais verdade quando se trabalha com os problemas mencionados nos dois enunciados,no subsolo e por instrumentos.

    ABRATT 23

    , p

  • TERMOS DE REFERNCIA

    Condies do solo e desistncia do furo:Condies do solo e desistncia do furo:z Mesmo com adequada informao geotcnica

    possvel a ocorrncia da presena de solos inesperados ou no prospectados que tornaro ainesperados ou no prospectados, que tornaro a perfurao difcil ou at mesmo impossvel de ser executada. Assim, as partes contratantes devero

    di f i d d i t i dprever as condies formais de desistncia da execuo em todos os seus contornos (fsicos, financeiros e etc.). Fica evidente que as partes se d di i dili i fdedicaram com a maior diligncia e esforos possveis para encontrar a sada para execuo do trabalho.

    ABRATT 24

  • TERMOS DE REFERNCIA REFERENTES A ESTE PRIMEIRO PAINELPRIMEIRO PAINEL

    z Tratamento da lama de perfurao: Muito emboraz Tratamento da lama de perfurao: Muito embora seja difcil de prever, possvel que o empreiteiro encontre um lenol dgua que resulte numa grande quantidade da mesma, que deve ser bombeada e tratada. Um determinado valor Q de vazo deveria ser determinado no contrato, de forma aser determinado no contrato, de forma a mutuamente enderear a soluo, mitigando o problema que isso pode causar, criando digamos assim um plano de contingncia que permita aassim, um plano de contingncia que permita a precificao separada dessa ocorrncia.

    ABRATT 25

  • DEBATE, PERGUNTAS E CONCLUSESCONCLUSES

    ABRATT 26

  • OQUE DEFINIMOS NESTE PRIMEIRO PAINEL?

    z O que perfurao direcionalz O que perfurao direcionalz Em que consiste a perfurao direcionalz Desafios com o subsolo e tipos de solosz Desafios com o subsolo e tipos de solosz O que ela no : Ela no uma cincia exataz Aplicaesp z Capacidades, unidades dimensionais e tipos de

    materiaisz Cuidados na contratao referente aos solos e

    ocorrncias inesperadas no subsolo.

    ABRATT 27

  • Pr-Construo

    Projeto do furo Projeto do furo Anlise Geotcnica e Investigao local e

    mapeamento do subsolomapeamento do subsolo Seleo do Equipamento

    Planejamento da execuo do furo e Planejamento da execuo do furo e cronograma dos trabalhos

    Custos e oramentosCustos e oramentos.

    ABRATT 28

  • PROJETO DO FURO

    ABRATT 29

  • PROJETO DO FURO

    Requer o conhecimento de duasz Requer o conhecimento de duas informaes importantes:

    F d d ( ll b k) T i Fora de puxada (pull-back) -Teorias Estimativa do clculo das foras do caso em

    anliseanlise.

    ABRATT 30

  • PROJETO DO FURO Teoria do pull-back ou fora de puxada p

    Avaliaremos o que e como calcular a foraz Avaliaremos o que , e como calcular a fora de pull-back (puxada)

    z Como deve ser entendida a capacidade de uma mquina.

    z Quais so e como atuam as foras na execuo do furo.

    ABRATT 31

  • Foras Internas e externas no pull backback

    z Fora Total de pullback durante uma instalao por perfurao direcional a soma de:

    Foras necessrias para arrastar a tubulao quando fora do furo Foras necessrias para arrastar a tubulao quando fora do furo mais:

    Foras necessrias para arrastar a tubulao dentro do furo.

    ABRATT 32

  • Foras que as mquinas devem ter

    FLOWRATE MAX Pil t b MAX H lMACHINE CAPABILITIES FLOWRATE MAX Pilot bore MAX Hole Machine Pull Force TORQUE(Nm) (L/min) DISTANCE(m) DIAMETER(mm)

    4 ton 1500 40 120 35012 ton 5000 200 360 600

    MACHINE CAPABILITIES

    12 ton 5000 200 360 60020 ton 15000 600 650 100050 ton 20000 1000 800 1100

    varies with soil conditions

    z Comprimento do furo requer o conhecimento de duas foras e uma velocidade (vazo):

    O f il t di t d f f d t O furo piloto e o dimetro do furo requerem fora de torque A passagem da tubulao exige fora de puxada (pull back) A velocidade da puxada requer uma capacidade de fluxo de lama

    t h l h i ( it i di t )

    ABRATT 33que mantenha o espao anelar cheio (conceito mais adiante)

  • SEGUNDA DEFINIO

    As especificaes de uma i d fi id dmquina definem sua capacidade

    de execuo de um furo, elas no definem um comprimento possvel para um dado produto, num dado di t d ddimetro com um dado peso, em dadas condies de solos.

    ABRATT 34

  • Foras externas de pull-back (puxada)

    Superfcie

    Pullforce (Kg) = 0.5 x Product weight (Kg/m) x Length (m)

    Sobre Roletes

    Pullforce (Kg) = 0.1 x Product weight (Kg/m) x Length (m)

    ABRATT 35

  • Exemplo de clculo de foras externasp

    Fora na superfcie (kg) 0 5 do Peso doz Fora na superfcie (kg) = 0,5 do Peso do tubo por metro x o comprimento do tubo

    z Fora sobre roletes = 0.1 do peso do tubo por metro x o comprimento do tubo.

    Tubo de ao 315mm, parede de 0,375 de espessura, com 70kg por m e 200 m de comprimento = 0 5 x 200 x 70 ou 7 000 kg se o tubo estiver200 m de comprimento = 0,5 x 200 x 70 ou 7.000 kg se o tubo estiver sobre a superfcie e 1.400 sobre os roletes.

    ABRATT 36

  • Air or fluid or ....Requisitos e Situao dentro do furo

    z Solo EstabilizadoFl id d R

    Return fluidProduct

    z Fluido de Retorno Filtercake para impedir

    perda de fludo na formao

    Queda suficiente para criar uma presso esttica do fluido.

    Retorno do fluido com d id d 1 4 k /ldensidade < 1.4 kg/l

    Materiais em suspenso Controle da velocidade do

    flido no espao anelar.p z Mecnica dos Solos

    Produndidade deve ser no mnimo 5 vezes o dimetro do furo

    ABRATT 37z Arcoz Evitar colapso devido a

    tenso superficial.FiltercakeSoil/rock

    Cuttings

  • Prtica inicial de anos atrs....continua

    Pullback force (Kg)

    Pullback force = 1.5 times the total weight of the product

    Pullback force (Kg) = 1.5 x Product weigth (Kg/m) x Length (m)

    ABRATT 38

  • Comportamento do tubo dentro do furo

    Lifting force (Kg/m)z Empuxo

    Archimedes proporcional ao dimetro

    Return fluid

    Air or fluid or ....

    proporcional ao dimetro externo do tubo e densidade do fludo (lama)

    Product No est relacionado ao tipo

    do material ou profundidade da instalao

    Weight (Kg/m)

    z A resultante da fora dentro do

    furo, portanto igual a fora de empuxo menos o peso do

    ABRATT 39empuxo menos o peso do produto.

  • Como calcular essa fora de empuxo?

    E f

    Lifting force (Kg/m)

    z Essa fora proporcional densidade do fludo de

    Return fluid

    retorno.z Densidade de 1.25 Kg/lz Mais alargamento vai

    Product

    Air or fluid or ....z Mais alargamento vai

    resultar resultar numa reduo da densidade, e consequentemente daProduct

    2

    e consequentemente da fora de empuxo.

    ABRATT 40Lifting force (Kg/m)=

    Product outside diameter (mm) 1000

    2

  • Exemplo de mesmo dimetro entre PEAD e Ao

    315 mm HDPE PN10 18.3 Kg/m 315 mm STEEL 0.375" wall 70 Kg/m

    Lifting force (Kg/m)=Product outside diameter (mm)

    1000

    2

    315 2

    315 mm HDPE PN10 18.3 Kg/m 315 mm STEEL 0.375 wall 70 Kg/m

    Lifting force ( 99.2 Kg/m) Lifting force (99.2 Kg/m)

    Lifting force (Kg/m)=3151000

    2= 99.2 Kg/m

    80.9 Kg/m 29.2 Kg/m

    ABRATT 41Weight (18.3 Kg/m) Weight (70 Kg/m)

  • Produtos de grande dimetrosLifting force (Kg/m)Lifting force (Kg/m)

    z Produto de grande dimetro preenchido com

    Return fluid

    Water dimetro preenchido com fludo de retorno, para criar peso adicional como compensaoProduct

    Water

    compensao.Product

    Product weight + Water weight

    ABRATT 42

    g g

  • Exemplo PEAD vazio x cheio dgua

    315 mm HDPE PN10 18.3 Kg/m 277.6 mm Inside diameter

    2

    1270Product inside diameter (mm)

    Water weight (Kg/m)=

    Empty Water filled

    1270g ( g )

    2

    1270

    277.6 Water weight (Kg/m)= = 60.7 Kg/m

    Lifting force ( 99.2 Kg/m) Lifting force (99.2 Kg/m)

    80.9 Kg/m 19.8 Kg/m

    ABRATT 43 Weight (18.3 Kg/m) Weight ((18.3 + 60.7)= 79 Kg/m)

  • F d d d t d fForas de puxada dentro do furoLength (m)

    Pullback force (Kg)Length (m)

    In hole force (Kg/m)

    Depth (m)

    Pullback force (Kg) = In hole force (Kg) x 0.5 x ( length (m) + Depth (m) )

    Project 315mm product to be installed over 200m at a maximum depth of 4 6mProduct Buoyancy (Kg/m) Weight (Kg/m) In hole force(Kg/m) Downhole pullback force (Kg)

    HDPE 315 mm PN10 empty 99.2 18.3 80.9 8276STEEL 315 mm empty 99.2 70 29.2 2987

    HDPE 315 mm PN10 filled 99.2 79 20.2 2066

    Project 315mm product to be installed over 200m at a maximum depth of 4.6m

    ABRATT 44

    HDPE 315 mm PN10 filled 99.2 79 20.2 2066

  • Clculo da fora total de puxadaPullback force (Kg)

    Pull = 1 x External pull force

    Pull = 0 5 x External pull force + 0 5 x Downhole forcePull = 0.5 x External pull force + 0.5 x Downhole force

    Pull = 1 x Downhole pull force

    ABRATT 45

    p

  • Exemplo: Tubo com 200m 315 mm de dimetro ao semExemplo: Tubo com 200m, 315 mm de dimetro, ao sem suporte de rolos

    ABCC B A

    External Force (Kg) 0 3500 7000D h l F (K ) 2987 1494 0

    ABC

    Downhole Force (Kg) 2987 1494 0TOTAL FORCE (Kg) 2987 4994 7000TOTAL FORCE (Kg) 2557 4275 5992

    fluid density 1.25 Kg/ltfluid density 1.07 Kg/lt

    ABRATT 46

  • GEOTECNIA: A etapa que definep q

    Em vista de todo o leque de interfernciasz Em vista de todo o leque de interferncias visto at aqui no projeto do furo, fica evidente que as condies geotcnicas soevidente que as condies geotcnicas so determinantes na definio do uso ou no da perfurao direcionalperfurao direcional

    ABRATT 47

  • Investigao Geotcnica

    z A primeira preocupao sempre com a ocorrncia de rochas, em quaisquer situaes, mesmo descontinuas.

    z A segunda com as caractersticas de resistncia e estabilidade do solo

    z A terceira com o nvel do lenol fretico

    ABRATT 48

  • Certame de sondagemg

    Furos de grande distncia > 500 mz Furos de grande distncia => 500 m Iniciar com intervalos de 150 m, e observada

    alguma heterogeneidade relevante reduzir paraalguma heterogeneidade relevante reduzir para 100 m e assim por diante.

    z Furos de distncias menores =< 500mz Furos de distncias menores =< 500m

    ABRATT 49

  • Certame de sondagemg

    Nota: Os furos devem ser feitos fora do eixo da perfurao (recomenda-se 3 m no mnimo)perfurao (recomenda-se 3 m no mnimo).

    Importante: Estas recomendaes se submetem Importante: Estas recomendaes se submetem orientao do gelogo responsvel pelo estudo.

    ABRATT 50

  • Certame de sondagem no caso de travessia sob rio

    Neste caso necessrio alm da sondagem de preferncia a batimetria para definio exata dopreferncia a batimetria, para definio exata do perfil e fundo do rio.

    O furo dever ser executado pelo menos 6mO furo dever ser executado pelo menos 6m abaixo do nvel mais baixo.

    A sondagem at 12 m abaixo do nvel mais baixo.g

    ABRATT 51

  • Investigao local e Mapeamento do subsolo

    Determinado o alinhamento no local daz Determinado o alinhamento no local da travessia direcional, a anlise do local fundamental:fundamental: Espaos

    I t f i f i Interferncias na superfcie Entorno da locao de equipamentos Presena de outras instalaes na superfcie e no

    subsolo.

    ABRATT 52

  • Investigao local e Mapeamento do subsolo

    A presena de outras redes j instaladas nasz A presena de outras redes j instaladas nas proximidades da nova rede podem ser motivo de impedimento da locao da novamotivo de impedimento da locao da nova travessia.

    z Tambm significam risco potencial de acidentes

    ABRATT 53

  • Problemas com redes e sistemas no subsolo Uma preocupao Mundialp p

    Infraestrutura atualInfraestrutura atual totalmente congestionada;

    Ns continuaremos a instalar novas redes de ido e panses edevido expanses e modernizaes

    certo que no temos certo que no temos registrado adequadamente todas as

    ABRATT 54nossas redes de modo a evitar intereferencias.

  • O problema antigo....p g

    ABRATT 55

  • Remanejamentos e Ampliaes alteram as locaes de redes constantementede redes constantemente

    ABRATT 56

  • Segurana exige cautela e exposio de redesexposio de redes

    z Interrupo de servios essenciaisz Segurana pessoal com acidentes fatais, g p ,

    perda de tempo.z Segurana Pblica g z Danos ao Meio Ambientez Custo de reparos multas e processosz Custo de reparos, multas e processos

    ABRATT 57

  • Segurana exige cautela e exposio de redesexposio de redes

    z REGRA NICA Inicie sua pesquisa pelo cadastro existente, ainda que ele

    no seja confivel, ele um ponto de partida e poder ser j p p patualizado corretamente nesta oportunidade, at mesmo, nica.

    z Sequnciaq Inicie por uma inspeo visual no local, comparativa com os

    cadastros que voce tem em mos. Uma tampa de PV indicativo de rede que aberta (vide adiante Entrada emindicativo de rede que aberta (vide adiante Entrada em Espaos Confinados NR 33), lhe indicar profundidade, alinhamento, dimetro, servio, uma tubulao descendo de um poste est levando energia enterrada a algum lugar e

    ABRATT 58

    p g g gassim por diante.

  • Segurana exige cautela e exposio de redesexposio de redes

    Utilize os dispositivos eletronicosz GPR Geo radaresz Pipe Locators Localizadores de tubulaesp

    Por fim, se h desconfiana da existncia de uma rede no identificada pelos meios acima:

    ESCAVE e OBSERVE VISUALMENTE

    ABRATT 59

  • Isto pode acontecer....p

    ABRATT 60

  • Isto pode acontecer....p

    ABRATT 61

  • Exploso em Indiana

    ABRATT 62

  • Exploso em escola de Kansas

    ABRATT 63

  • Exploso em Minnesota

    ABRATT 64

  • Incndio em rede de gs em Ohio

    ABRATT 65

  • Exploso em Rhode

    ABRATT 66

  • Exploso na Virginia

    ABRATT 67

  • E aqui? lgico que j tivemos vrios

    ABRATT 68

  • Localizao via escavao e Go Radar

    ABRATT 69

  • Localizao via pipe-locator

    ABRATT 70

  • O valor da utilizao do Go Radar (GPR)

    Localizando redes

    Pisos de Concreto

    Condutividade e Resisitividade dos solos so problemas para o GPR, reconhece-los inclusive o l d l l f invel de lenol fretico

    (principalmente na regio litornea) fundamental

    ABRATT 71

  • B)GPR - Ground Penetrating Radar

    Electrical Conduits

    Unknown

    F M iW t M i Force MainWater Main

    Tela do GPR

    ABRATT 72

  • GPR - Ground Penetrating Radar

    Tela do GPR

    ABRATT 73

  • ABRATT 74

  • ABRATT 75

  • ABRATT 76

  • A soluo com escavao vcuo

    z No Destrutiva

    z Expe com segurana:z Expe com segurana: Tubos CabosCabos Fibra ptica Redes energizadas Outros servios

    enterrados

    ABRATT 77z 10 x mais rpido que

    escavao manual...

  • SEGURANASEGURANA

    POR ONDE COMEAR?COMEAR?

    ABRATT 78

  • Se houver entrada em espaoSe houver entrada em espao confinado

    Observe a NR 33

    ABRATT 79

  • Com localizadores evite trabalhar prximo ou sobre, ou sob:p ,

    Laos detectores de trfegoz Laos detectores de trfegoz Cercas e grades metlicas, principalmente

    as de segurana, energizadasz Linhas de transmisso de energiaz Antenas e Torres de Transmisso de dados

    ou imagensou imagensz Torres de equipamentos de controle areoz Nas retas de aproximao de Aeroportos

    ABRATT 80z Nas retas de aproximao de Aeroportos

  • Com localizadores evite trabalhar prximo ou sobre, ou sob:p ,

    Pisos de concreto armadosz Pisos de concreto armadosz Cuidado com a ignio eletrnica dos

    veculosz Agua salgada (no so no litoral no..)z Utilize sempre rdios de comunicao,

    manuais do fabricante,manuais do fabricante,z Participe dos cursos de treinamento

    ABRATT 81

  • OPLANEJAMENTO DO FURO

    Utilize um planejador eficientez Utilize um planejador eficientez Faa visita ao trecho antes de dar preoz Requisite os cadastros das concessionriasz Faa a localizao das interfernciasFaa a localizao das interfernciasz Prepare sua planilha de custos e de

    execuo antes de contratar a obraexecuo antes de contratar a obraz Planeje os materiais e equipamentos de

    apio de segurana de sinalizaoABRATT 82

    apio, de segurana, de sinalizao

  • PLANEJADOR DE FUROSPLANEJADOR DE FUROS

    um recurso de informtica que permitez um recurso de informtica que permite voce planejar e furar na telinha ao invs de furar ao vivo Assim voce comete osde furar ao vivo. Assim voce comete os erros e os corrige sem danos, prejuizos e acidentesacidentes.

    z Com ele voce calcula seus custos de maneira muito precisa

    ABRATT 83

  • O QUE? QUEM?O QUE? QUEM? QUANTO?

    Em quaisquer hiptesesEm quaisquer hipteses, a segurana pessoal, da empresa e do meio pambiente est em jogo.

    ABRATT 84

  • SEGURANA PESSOAL

    Utilize todas as vestimentas adequadas taisz Utilize todas as vestimentas adequadas, tais como botas, luvas, no utilize roupas soltas.

    z Sinalize o local, no Brasil curiosos passam horas em redor de obras observando.

    z Mantenha a companhia de trfego informada ou envolvida.

    z Avise as concessionrias de gs e energiaz Tenha um funcionrio CIPA em cada equipe

    ABRATT 85z Tenha um funcionrio CIPA em cada equipe

  • ACIDENTES DO TRABALHO

    A rea da construo civil sempre visada!z A rea da construo civil sempre visada!z Empresas tm que investir em segurana

    pessoal:SinalizaoVestimentasAparelhagemAparelhagem

    Servios de Emergncia (Primeiros Socorros)

    ABRATT 86Socorros)

  • SINALIZAO

    Envolver a companhia ou departamento dez Envolver a companhia ou departamento de trfego, eles emprestam respeito sinalizaosinalizao

    z Funcionrios treinados em trnsito devem estar no trecho (isto ajudar demais)

    z Cones, placas indicativas dos perigos e mudanas no trnsito so fundamentais.

    ABRATT 87

  • APARELHAGEM

    Rdio Comunicao eficientez Rdio Comunicao eficientez Telefone celular em servioz Aparelhos de localizao calibrados e

    operados levando-se em conta as suas limitaes

    z Alarmes instalados, tapetes equalizadores Alarmes instalados, tapetes equalizadores de voltagem e etcetera, testados.

    ABRATT 88

  • VESTIMENTAS

    Vestimentas adequadas botas protetorasz Vestimentas adequadas, botas protetoras (bico duro, no de ao), luvas protetoras

    z Capacetes quando houver qualquer movimentao acima da cabea

    z Quem deve vesti-las? Todos os que esto trabalhando no local e em contato com as mquinas e equipamentos.

    ABRATT 89

  • ERGONOMIA

    Este o principal motivo da maioria dosz Este o principal motivo da maioria dos acidentes de trabalho.

    z Carregar pea pesadas, levant-las do cho ou transitar carregando-as, geralmente o motivo de contuses lombares com afastamento.

    z Evite o uso de ferramentas inadequadas ( aqui no d pra quebrar o galho)

    ABRATT 90

  • O C SO OCNO CASO DE TOCAR UMA REDE ELTRICA

    Cuidado se tocar a fase neutra o alarme noz Cuidado, se tocar a fase neutra o alarme no acionado, mas a energia cai no local...

    z Tocada a fase positiva, no permita que ningum se aproxime de todos os equipamentos ligados perfuratriz.

    z No saia do tapete equalizador z Tente recolher a coluna se estiver no furo

    guia, ou tente empurrar se estiver no retorno

    ABRATT 91

    gu a, ou e e e pu a se es e o e o o

  • O C SO OCNO CASO DE TOCAR UMA REDE ELTRICA

    No retire nem acrescente barrasz No retire nem acrescente barrasz Pea a algum que esteja fora da rea de

    alcance que fale com a concessionriaz No desligue o alarme, ele manter a equipe

    e os curiosos distantes e atentos.z Oriente a equipe para no sair correndo, Oriente a equipe para no sair correndo,

    pode ser fatal...

    ABRATT 92

  • O C SO OCNO CASO DE TOCAR UMA REDE ELTRICA

    S RETOME O TRABALHO COM A REDE DESLIGADA, CASO CONTRRIO PARTA

    PARA NOVO PLANEJAMENTO APS INSPEO INVASIVA

    ABRATT 93

  • Q O OCQUANDO TOCAR UMA REDE DE GS

    O primeiro indcio o aparecimento dez O primeiro indcio o aparecimento de bolhas no fludo de perfurao

    z Apague cigarros ou qualquer outro instrumento que produza chama ou fascas

    z Comunique-se com a concessionriaS RETOME O TRABALHO COM AS RETOME O TRABALHO COM A

    AUTORIZAO DA CONCESSIONRIA

    ABRATT 94CONCESSIONRIA

  • COMO LIDAR COM EMERGNCIAS ENVOLVENDO VTIMASENVOLVENDO VTIMAS

    z Funcionrio CIPA atende o acidentado no permitaz Funcionrio CIPA atende o acidentado, no permita que inexperientes atendam o acidentdo.

    z Acione (se houver no local) o paramdicoz Acione (se houver no local) o paramdicoz A equipe deve saber de antemo onde esto

    localizados os pronto-socorros da regio.localizados os pronto socorros da regio.z Estojo de primeiros socorros, utilizados pela pessoa

    CIPA. Estancar hemorragias ajuda muito.g j

    ABRATT 95

  • COMO LIDAR COM EMERGNCIAS ENVOLVENDOCOMO LIDAR COM EMERGNCIAS ENVOLVENDO VTIMAS

    Documentao de todos os funcionriosz Documentao de todos os funcionrios, boletins de ocorrncias, testemunhas que no sejam da empresa so providnciasno sejam da empresa, so providncias que evitaro transtornos maiores no futuro.

    z Trabalhe com um check-list

    ABRATT 96

  • PORTANTO, ACIDENTES...,

    REDE DE GS EXPLODEREDE DE GS EXPLODEREDE ELTRICA, ELETROCUTA,

    REDE DGUA INUNDAREDE DE ESGOTO FEDEREDE DE ESGOTO FEDE

    REDE DE FIBRA OPTICA ILUMINADA,REDE DE FIBRA OPTICA ILUMINADA, CEGA

    N d id li it t d i ABRATT 97

    Na dvida solicite o corte do servio

  • O QUE VOCE NO QUERO QUE VOCE NO QUER...

    ABRATT 98

  • O QUE VOCE NO QUER....Q Q

    ABRATT 99

  • O C S O O SSE O CUSTO DE OPERAR ESSA SEGURANA TODA?

    Num mercado em que novas empresas estoNum mercado em que novas empresas esto tentando firmar posies, preo problema

    No h espao para leilo nesta rea, principalmente por parte do contratante, o

    risco de acidentes fatais e custo social

    10

    torna essa poltica no mnimo irresponsvel

    ABRATT

    100

  • CONCLUSES

    indispensvel que se opere comz indispensvel que se opere com segurana totalz prioritrio que se prepare equipes das construtoras e da fiscalizao

    z conveniente que se avalie a questo dos preos de execuo de ambos os lados,

    10

    executores e contratantes

    ABRATT

    101

  • PROCEDIMENTOS DAPROCEDIMENTOS DA INSTALAO

    Vamos seguir umaVamos seguir uma sequncia de animaes que nos daro melhor qentendimento...

    10ABRATT

    102

  • Instalao da mquina, observao do tipo de solo, variabilidade da pressop , p

    10ABRATT

    103

  • Alargamento, com distribuio do fludo de perfuraop

    10ABRATT

    104

  • Falhas e problemasp

    10ABRATT

    105

  • Falhas e problemasp

    10ABRATT

    106

  • Falhas e problemasp

    10ABRATT

    107

  • Falhas e problemasp

    10ABRATT

    108

  • 3. Definio

    A correta aplicao doA correta aplicao do fludo de perfurao uma garantia de sucesso na gperfurao direcional

    10ABRATT

    109

  • Fluidos de Perfurao

    Uma introduo s propriedades e usos

    11ABRATT

    110

  • Fludos de Perfurao

    zC h id t b l dzConhecidos tambm como lamas de perfuraozMi t d f ( i t ) b b dzMisturado fora (mecanicamente) e bombeado

    para dentro do furo.z P lz Permanece no espao anelarz Volta superfcie

    11

    zDescrio mais simplista:Agua + Bentonita + Polmero + Aditivos = Fluido ou

    Lama de perfuraoABRATT

    111

    Lama de perfurao

  • O que contm um fludo?q

    Agua + Solidos = Fludo de perfuraoAgua + Solidos = Fludo de perfuraoAgua+ Slido de qualidade pobre = Fludo

    pobrepobreAgua + Bom slido = Fludo de boa qualidade

    z Nota: Quando perfurando somente com b l t

    11

    gua voce recebe pelo que voce est gastando...resultado pobre e comprometedor

    ABRATT

    112

  • Funes principais do fludo p p

    z Manter o furo abertoz Manter o furo abertoz Estabilizar a parede evitando o colapso da mesma

    Manter o slido escavado em suspensoz Manter o slido escavado em suspensoz Estabilizar formaes inconformadas

    L b ifi h t d i d d fz Lubrificar as hastes da mquina e parede do furoz Controlar a formao de presses

    R f i t i li d

    11

    z Resfriar o transmissor e limpar as ps de escavao

    ABRATT

    113

  • Propriedades dos fludosp

    z Densidadez Densidadez Contedo de Areia (Baixo)

    Capacidade de Filtrao(filter cake and filtrate)z Capacidade de Filtrao(filter cake and filtrate)z Resistncia Gelatinosa e Tixotropicidade

    Hz pHz Calcio

    Vi id d

    11

    z Viscosidade

    ABRATT

    114

  • Importnciap

    zDetermina a quantidade de solidos que estzDetermina a quantidade de solidos que est retornandoz Se estiver alta aumente o fluxoz Se estiver alta, aumente o fluxo

    Se estiver no fluxo mximo, reduza a velocidade de perfurao para permitir o espao serde perfurao para permitir o espao ser preenchido pela taxa de bombeamento

    zDetermina a eficcia do sistema de

    11

    reciclagem de lama (se estiver sendo utilizado)

    ABRATT

    115

  • Volume anelar

    z o espao entre o dimetro externo do tubo e oz o espao entre o dimetro externo do tubo e o dimetro interno do furo.

    z Esse espao pode variar, mas a recomendao idealEsse espao pode variar, mas a recomendao ideal aponta para 1,5 x o dimetro externo do tubo, o que facilita a circulao do fludo.

    z Calo Hidrulico ocorre quando a circulao interrompida, formando um fora equivalente a um ili d hid li f t d b d l d

    11

    cilindro hidrulico em frente da cabea do alargador com o tubo....

    ABRATT

    116

  • Espao anelarp

    Para manter a circulao e evitar o calo hidrulico:Para manter a circulao e evitar o calo hidrulico:z Mantenha o bombeamento do volume requeridoz Controle a taxa de penetrao do alargadorz Controle a taxa de penetrao do alargadorz Utilize alargadores adequados a cada tipo de soloz Pre-alargue para misturar material escavado com

    11

    e a a gue pa a s u a a e a esca ado cofludo produzindo uma lama que tenha bom fluxo.

    ABRATT

    117

  • Volume do furo e fatores de fluxo

    O volume requerido de fluxo estimado multiplicando se o oz O volume requerido de fluxo estimado multiplicando-se o o volume do furo por um fator de flluxo que varia de 1 a 5

    Areias: 1 a 1.5 Argilas: 3 a 5 Argilas tm afinidades com agua..... O volume de bombeamento requerido aumenta com a q

    plasticidade da argila...e com a consistncia dos demais solos Argilas de baixa a mdia plasticidade: Use fator 3

    Argilas de alta plasticidades a dura ou muito duras use fator 5

    11

    Argilas de alta plasticidades a dura ou muito duras, use fator 5 Furos muito longos, podem exigir um acrscimo no fator acima

    da indicao informada (principalmente na funo tempo)

    ABRATT

    118

  • Exemplo de taxa de penetraop p

    Furo piloto:Furo piloto:4.5 x 4.5/25 = 0.8 gal/ft hole volume0.8 gal/ft x 3 = 2.4 gal/ft fluid volume required2.4 gal/ft x 10 ft/pipe = 24 gal/pipe45 sec/qt 26 sec/qt = 19 sec/qt difference100% - 19% = 81% pump efficiency100% - 19% = 81% pump efficiency40 gpm rated pump x 0.81 = 32.4 gpm(24 gal/pipe)/32.4 gpm = 0.74 min/pipe or 44 sec/pipe

    11Therefore, the 4.5-in pilot hole must be drilled at a rate of 44

    sec/pipe (or slower) to avoid exceeding pump capacity.

    ABRATT

    119

    p p ( ) g p p p y

  • EXEMPLO DE TAXA DE PENETRACO

    Reamed Hole:Reamed Hole:10 x 10/25 = 4 gal/ft hole volume4 gal/ft x 3 = 12 gal/ft fluid volume requiredg g q12 gal/ft x 10 ft/pipe = 120 gal/pipe45 sec/qt 26 sec/qt = 19 sec/qt difference100% 19% = 81% pump efficiency100% - 19% = 81% pump efficiency40 gpm rated pump x 0.81 = 32.4 gpm(120 gal/pipe)/32.4 gpm = 3.7 min/pipe or 222 sec/pipe

    12Therefore, the 10-in reamed hole must be at a rate of 222 sec/pipe (or

    slower) to avoid exceeding pump capacity.

    ABRATT

    120

    slower) to avoid exceeding pump capacity.

  • FLEXIBILIDADE

    z O ideal para evitar dificuldadesz O ideal para evitar dificuldades durante o processo todo de perfurao ter uma linha de perfurao suave de A para BB.

    Furo Piloto: O stress estar nas hastes, ferramentas e sistema de navegaoAl t O t t Alargamento: O stress estar nas hastes, ferramentas e na tubulao.

    E complementarmente, na mquina bvio

    A B

    12

    A B

    mquina bvio.z Embora a tecnologia nos

    permita dirigir ou variar a direo ns no deveramos

    t i t d i

    ABRATT

    121

    estar interessados nisso...

  • Preparao (set up) dos equipamentos

    P f t iz Perfuratrizz Sistema de lama

    (fludo)(fludo)z Hastes

    Ferramentasz Ferramentas (Alargadores)

    z Sistema de Navegao

    12

    z Sistema de Navegao

    ABRATT

    122

  • Set up da Perfuratriz

    PIT de Lanamento

    Lanamento na superfcieLanamento na superfcie

    12ABRATT

    123

  • Drilling machine capabilitiesMACHINE CAPABILITIES MAX Pilot bore MAX Hole

    Navigator model PULLBACK(Kg) TORQUE(Nm) STD. OPT. DISTANCE(m) DIAMETER(mm)D6X6 2052 746 23 36/68 50 200

    D7X11 series II 4082 1763 34 36/68/100 120 350

    FLOWRATE(L/min) MACHINE CAPABILITIES

    D10X14 4536 1898 34 100/200 150 400D16X20A 7258 2708 95 200 250 450D18X22 8200 2950 95 200 300 450D20X22 9072 2950 95 200 330 450

    D24X40A 10796 5415 144 200 360 600D24X40 series II 10796 5415 200 500 360 600

    D33X44 15015 5940 189 500 400 700D36X50 16380 6725 189 500 450 750

    D36X50 i II 16380 6725 300 500 450 750D36X50 series II 16380 6725 300 500 450 750D55X100 25025 13538 568 1000 650 1000D75X100 34125 13538 568 1000 700 1000D80X100 36400 13538 770 1000 700 1000D100X120 45500 16200 770 1000 800 1100

    12

    D100X120 45500 16200 770 1000 800 1100D150X300 68250 40350 1000/2500 1000 1300D200X300 91000 40350 1000/2500 1100 1300D300X500 137000 68300 2500/5000 1300 1600

    varies with soil conditions

    ABRATT

    124

    varies with soil conditions

  • Foras agindo dentro do furo

    Lifting force (Kg/m)

    Return fluid

    Ai fl id

    Product

    Air or fluid or ....

    Weight (Kg/m)

    Lifting force (Kg/m)=Product outside diameter (mm)

    1000

    2

    In hole force (kg/m) Lifting force (kg/m) Weight (kg/m)Empty product

    12

    In hole force (kg/m) = Lifting force (kg/m) - Weight (kg/m)

    In hole force (kg/m) = Lifting force (kg/m) - Weight (kg/m) - Weight in pipe (Kg/m)Filled product

    ABRATT

    125

  • Foras agindo dentro do furo

    Fora de Empuxo:A hi dArchimedes

    Proportional densidade do fludo (1.25)No relacionado com a profundidade

    Nota: Produtos de grande dimetro so preenchidos com gua ou fludo, para criar um peso adicional para compensar o empuxo principalmente o PEAD

    12

    para compensar o empuxo, principalmente o PEAD que tende a colar na geratriz superior, j o ao tende a colar na geratriz inferior.

    ABRATT

    126

  • Fora estimada de pull-back (puxada)

    Length (m)Pullback force (Kg)

    Depth (m)

    In hole force (Kg/m)

    12

    Pullback force (Kg) = In hole force (Kg) x 0.5 x ( length (m) + Depth (m) )

    ABRATT

    127

  • Sistemas de Mistura, bombeamento e reciclagemMix/pump and recycling units per Navigator

    Navigator model Mixing systems Mixing/pump systems Recycling units Pit pumpsPL8000 HP250/HP300

    D7X11 series II MX125 HP250/HP300/MP100DH

    Mix/pump and recycling units per Navigator

    D10X15 MX125/MX250/ST750 MP100DH/MP200DHD16X20A MX125/MX250/ST750 MP200DHD18X22 MX125/MX250/ST750 MP200DH PS3DD24X33 MX250/MX850 MP200DH R400E PS3D

    D24X40A MX250/MX850 MP200DH R400E PS3DD24X40 series II MX250/MX850 MP500DH R400E PS3D

    D33X44 MX250/MX850 MP500DH R400E/R1000E PS3D/PS4DD36X50 MX250/MX850 MP500DH R400E/R1000E PS3D/PS4D

    D50X100 MX250/MX850 MP1000DH/P1000 R1000E PS4D/PS6DD55X100 MX250/MX850 MP1000DH/P1000 R1000E PS4D/PS6DD75X100 MX850/M2000E MP1000DH/P1000 R1000E PS4D/PS6DD80X100 MX850/M2000E MP1000DH/P1000 R1000E PS4D/PS6D

    12

    D100X120 MX850/M2000E MP1000DH/P1000 R1000E PS4D/PS6DD150X300 M2000E/2 X M2000E MP1000DH/P1000/P2500 R1000E/R2000E PS6DD200X300 M2000E/2 X M2000E MP1000DH/P1000/P2500 R1000E/R2000E PS6DD300X500 M2000E/2 X M2000E P2500/2 X P2500 R2000/2 X R2000 PS6D

    ABRATT

    128

    > D300 M2000E/2 X M2000E P2500/2 X P2500 R2000/2 X R2000 PS6DVermeer Sitetec products

  • Sequncia ideal do Projeto

    1. PREPARAO1. PREPARAO

    40 50% de todo o trabalho est na

    1. PREPARAOz INFORMAES

    REQUERIDAS Desejo do Cliente

    O d d preparao.2.FURO PILOTO3.PRE-ALARGAMENTO

    z Oque, onde e quando Na superfcie

    z Topografiaz Obstaculos

    Abaixo da superfcie4.PRODUTO5.INSTALAO

    z Condies do soloz Estratigrafiaz Obstaculos

    tubos cabos

    12

    cabos ?????

    z Capacidade Adequao

    z MquinaFerramentas

    ABRATT

    129

    z Ferramentasz Produtoz Planejamento do furo

  • TIPOS DE SOLOS

    z Coesivos (finos) z Granulares (no coesivos)z Coesivos (finos) Argilas Areia (Siltosos)

    z Granulares (no coesivos) Areia CascalhosAreia (Siltosos)

    Argilo-Arenosos e etc. Requerem escavao e

    Cascalhos Matacos Requerem escavao e

    so compactveis compactaoz Rochas

    Sedimentrias

    13

    Sedimentrias Metamrficas Igneas

    ABRATT

    130

    g Requerem escavao,

    ou penetrao

  • TRABALHO EM ROCHAS

    z Escavao

    Point load

    Escavao Rochas brandas

    z Penetrao Rochas mdias a duras

    z Impacto Rochas mdias, duras e muito

    duras

    13Impact

    Scraping

    ABRATT

    131

  • 2.FURO PILOTO

    Pit Entrada Pit saida

    Cabea de perfurao com a Sonda de Transmisso

    Ps de corte

    13ABRATT

    132

  • Principio do direcionamento

    Gi Ez Gira e Empurra No muda direo, Nem inclinao

    z S empurra Muda inclinao

    / di

    13

    e/ou direo dependendo da posio da sapataC li it d l

    ABRATT

    133

    Curva limitada pelo raio de curvatura das hastes.

  • Navegao remota da superfcie

    Parametros medidosSinal de alta frequncia

    z Profundidadez Inclinaoz Direo

    Sinal de alta frequncia

    Distncia Mxima 500m

    z Relgioz Temperaturaz Bateria (vida)Sinal magntico Tolernciasz Profundidade 5%z Inclinao 0.1- 1%

    Distncia mxima (prof) 40 m

    13Operada por bateria

    z Relgio 30Interfernciaz Passiva

    ABRATT

    134

    z Ativa

  • O QUE ACONTECE DENTRO DO FURO?

    RB R

    RS

    13

    z Para que haja retorno h que haver um fluido R!z Para R permanecer fludo ele s pode carregar uma certa

    quantidade de slidos!REGRA RETORNO (100%) = FLUID0 (75 %) + SOLIDOS (25%)

    B =FluidoS = Solo (cuttings)R = Retorno

    ABRATT

    135

    z REGRA RETORNO (100%) = FLUID0 (75 %) + SOLIDOS (25%)z Para cada m3 de solo precisamos de 3 m3 de fludo (lama)z Slidos de granulometria fina so fceis de serem transportados.

    R = B + S

  • REQUISITOS DO FLUDOO U O

    z Comportamento Tixotrpico Fluido quando em movimento Slido quando parado

    z Transporte de slidos(viscosidade)p ( )z Prevenir perda de lqudo durante a

    formao (filter cake) Formao instvel Menos fludo para transporte Estabilizao do furo

    z Manter os slidos em suspenso

    13

    p(resistncia gelatinosa)

    z Encapsulamento dos slidos Prevenir que argila embole

    ABRATT

    136

  • O risco de fura com gua...g

    z No tem comportamento Tixotrpicoz No tem comportamento Tixotrpico Fluido sempre, em movimento

    ou paradoz No transporta slidos (no tem p (

    viscosidade)z Percola durante a formao (no

    forma o filter cake) Furo colapsa No h transporte No estabiliza o furo

    13

    z No mantem material em suspenso (no tem caracterstica gelatinosa)

    ABRATT

    137

    z No encapsula o slido, e permite o embolamento da argila

  • Clculo do Volume de Fludos

    Length (m)Hole diameter

    Depth (m)

    Hole diameter

    p ( )

    2Soil factor

    Soil volume (m3) = Hole diameter(m) x 0.785 x ( length (m) + Depth (m) )

    Fluid volume(m3) = 3 x Soil volume(m3)

    2

    13

    Fluid volume(liters) = 1000 x Fluid volume(m3)

    Soil factor is related to the type of soil

    ABRATT

    138

    1 > 3 for non-cohesive soils (sand, gravel, cobble)4 > 10 for cohesive soils (clay, loam, fine sand)

  • Tempo de bombeamento do fludo

    Length (m)Length (m)

    Depth (m)

    Hole diameter

    Pumping time(minute) = ------------------------------------------Fluid volume (liters)

    Pump capacity (liters/minute)

    13Rule: Pump should provide 1 liter/minute per mm in diametereg 500 mm hole > 500 liters/minute

    Hole diameter (mm)

    ABRATT

    139

  • Perfurao paralarela

    z A distncia entre dois furos deve ser no mnimo 10z A distncia entre dois furos deve ser no mnimo 10 vezes o dimentro do furo piloto!

    Minimum 10 x hole dia

    14

    Minimum 10 x hole dia

    ABRATT

    140

  • Al t (R i )Alargamento (Reaming)Produto / Haste

    z Pre-Alargamento Faa o alargamento em diferentes estgios

    E h t

    14

    Empurre hastes

    z Ultimo alargamento j traga o produto

    ABRATT

    141

    Alargador(Reamer)

  • Tipos de Alargadores (Reamers) Existem Dezenas

    z Cortador reamerz Cortador reamer. Escava cortando Auxilia na mistura

    fludo/solo. Material escavado

    removido pela lama. Volume de lama > 3x volume

    de solo

    z Alargadores compactarores Material escavado

    t d

    14

    compactado. Volume de lama = volume de

    solo compactado

    ABRATT

    142

  • fProblemas na superfcie

    Compaction reamer Cutter reamerCompaction reamer Cutter reamer

    minimum 10 x Odminimum 7 x OD

    minimum 10 x Od

    14z Regras para evitar essa ocorrncia

    Menor profundidade utilizando o alargador compactador deve ser 10 x o dimetro do furo.

    ABRATT

    143

    Menor profundidade utiizando o alargador cortador deve ser 7 x o dimetro do furo.

  • Dimensionamento das operao de alargamento e pr-alargamentoa a ga e to e p a a ga e to

    ABC

    L th O tHole size related to installation length

    ABC

    Length Overcut 0 > 50 m 20% 50 > 100 m 30% 100 >300 m 40%

    300 50%Pre-reaming

    14

    300+ m 50% Condition/product

    ROCK 50% STEEL 50%

    Pre reamingTarget surface A = B = CSame surface means same Torque/Horsepower and same speed

    d = final hole diameter (mm)n = amount of reaming stages

    ABRATT

    144

    n = amount of reaming stagesm = number of ream

    Pre ream diameter(mm) = m x final hole diameter(mm)2

    n

  • Avaliao dos estresses no produtoFora de arraste do fluidoFora de arraste do fluido

    Angulo

    Fora de trao

    z Estresses a serem considerados:Atrito do solo Flutuabilidade

    14

    Trao nas ferramentas e produtos Toro nas hastes e ferramentas Arco nas hastes (Hoop stress)

    ABRATT

    145

    Atritos diversos

  • PS CONSTRUO

    z Avaliar a ligao de atendimento aos clientesz Avaliar a ligao de atendimento aos clientes.z Qualquer vala ou pit ou acesso aberto deve ser

    fechado z A construo do as built deveria se pauta no data

    log das mquinas ou registro do operador.z O fludo de perfurao coletado deve ter um plano

    de deposio final seguindo disposies legais.z Tomar precaues para que fludos no adentrem

    14

    z Tomar precaues para que fludos no adentrem ruas, estradas, galerias de redes dguas pluviais, ou esgotos.

    ABRATT

    146

    z O plano de disposio final deve constar do contrato.

  • PS CONSTRUO

    z Ele pode ser reutilizado (reciclado)z Ele pode ser reutilizado (reciclado)z Utiliz-lo em outras aplicaes tpicas para

    bentonitas (argilas) com por exemplo: Proteo de ( g ) p p umidade do subsolo

    z Assim, a perfurao teoricamente exige dois pits um d t d d d t t i i ide entrada e um de sada, e portanto minimiza a avaliao na superfcie (pavimento)...entre outras vantagens.

    14

    g

    ABRATT

    147