controle químico de plantas daninhas na cultura … emergência, no controle das plantas daninhas e...

of 8 /8
CONTROLE QUíMICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DOAMENDOIM (ARACHIS HYPOGAEA L.) NO ESTADO DO CEARÁ * Weed control in peanut (Arachis hypogaeaL.) with herbicides in the Stateof Ceará,Brazil JÚlio CÉSAR DE AGUIAR"" JOÃO Bosco PrrOMBEIRA RAIMUNDO DE PONTES NUNES""" PEDRO HENRIQUE FERREIRA DE P AULA ... RESUMO o amendoim (A rachishypogaea L.) é wna oleaginosacom potencial de cultivo em algumas áreas do estado do Ceará e a interferência dasplantas daninhas é um dos fatores que mais afetam, negativamente, os sistemas de produção. Esta pesquisafoi conduzida no município de Paraipaba, Ce, em solo arenoso, entre setembro e dezem- bro de 1996, para avaliar a eficiênciados herbicidastrifluralin (a,a,a-trifluoro-2,6-dinitro- N-N-dipropil-p-toluidina), pendimethalin(N -( 1-etil propil)- 3, 4-dimetil- 2, 6-dinitrobenzenoamina), alachlor[2-cloro-2, 6-dietil- N- (metoximetil)acetanilida], fenoxaprop-etil (etil- 2[4-( 6-cloro- 2-benzoxa-zoliloxil)-fenoxi}propanoato) e bentazon (3-isopropil-2,1,3-benzotiodiazinona-(4)-2,2dióxido) no controle de plantas daninhas e efeitos fitotóxicos sobre asplantas do amendoim e reflexos na produção de vagense algumas características reprodutivas da linhagem PI- 165317. Os herbicidas testados e respectivas doses não foram suficientemente eficientes no controle das plantas daninhas de modo a permitir maiores produções de vagens do que a testemunha capinada. Os herbicidas não provocaram sintomas visuais de fitotoxicidade asplantas de amendoim. PALAVRAS-CHAVE: Amendoim, plantas daninhas, herbicidas. SUMMARY The peanut (A rachis hypogaea L) is an important oil seed crop with potencial for growth in some areas of the State of Ceará, Brazil. One experiment was conducted at Paraipaba county, Ceará, Brazil, on a sandy soil, to determine ifthe herbicidestrifluralin (a,a,a-trifluoro-2,6o{iinitro-N-N-dipropil-p-toluidina), pendimethalin (N-(l-etilpropil)-3,4-dimetil-2,6-dinitrobenzenoamina) and alachlor [2-cloro-2,6-dietil-N- metoximetil) acetanilida],appliedpre-emergence, and fenoxaprop-etil (etil-2[ 4-(6-cloro-2-benzoxa-zoliloxil)- fenoxi]-propanoato) and bentazon(3-isopropil-2, 1,3-benzotiodiazinona-( 4)-2,2dióxido), applied pos-emergence, could reduce weed interference and increase the pod yield of peanut, line PI-165317. Each herbicide was evaluated at four rates. AlI the herbicides and rates evaluated did not decreased the interference of the weeds,and did not avoid a decreased in pod yield, when compared with the treatment contrai where the peanut plants were kept free of weedscompetition alI the time. It was not observed on peanut plants visual symptoms of phytotoxicity due to the herbicides. KEY - WORDS: Peanut, weeds, herbicides. - "Trabalho extraído daDissertação do primeiro autor para obtençãodo grau de M.S. em Agronomia/Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará. Realizado comapoio financeiro da União Européia - Contrato NOTS3* CT93-0216. ""EngenheiroAgrônomo """Professores do Departamento deFitotecnia - Centro de CiênciasAgrári as/UFC

Upload: vuongmien

Post on 11-Feb-2019

215 views

Category:

Documents


0 download

TRANSCRIPT

CONTROLE QUíMICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO AMENDOIM (ARACHISHYPOGAEA L.) NO ESTADO DO CEARÁ *

Weed control in peanut (Arachis hypogaea L.) with herbicides in the State of Ceará, Brazil

JÚlio CÉSAR DE AGUIAR""

JOÃO Bosco PrrOMBEIRA RAIMUNDO DE PONTES NUNES"""

PEDRO HENRIQUE FERREIRA DE P AULA...

RESUMO

o amendoim (A rachis hypogaea L.) é wna oleaginosa com potencial de cultivo em algumas áreas do estado

do Ceará e a interferência das plantas daninhas é um dos fatores que mais afetam, negativamente, os sistemas de

produção. Esta pesquisa foi conduzida no município de Paraipaba, Ce, em solo arenoso, entre setembro e dezem-

bro de 1996, para avaliar a eficiência dos herbicidastrifluralin (a,a,a-trifluoro-2,6-dinitro- N-N-dipropil-p-toluidina),

pendimethalin(N -( 1-etil propil)- 3, 4-dimetil- 2, 6-dinitrobenzenoamina), alachlor[2-cloro-2, 6-dietil- N-

(metoximetil)acetanilida], fenoxaprop-etil (etil- 2[4-( 6-cloro- 2 -benzoxa-zoliloxil)-fenoxi}propanoato) e bentazon

(3-isopropil-2,1,3-benzotiodiazinona-(4)-2,2dióxido) no controle de plantas daninhas e efeitos fitotóxicos sobre

as plantas do amendoim e reflexos na produção de vagens e algumas características reprodutivas da linhagem PI-

165317. Os herbicidas testados e respectivas doses não foram suficientemente eficientes no controle das plantas

daninhas de modo a permitir maiores produções de vagens do que a testemunha capinada. Os herbicidas não

provocaram sintomas visuais de fitotoxicidade as plantas de amendoim.

PALAVRAS-CHAVE: Amendoim, plantas daninhas, herbicidas.

SUMMARY

The peanut (A rachis hypogaea L) is an important oil seed crop with potencial for growth in someareas of the State of Ceará, Brazil. One experiment was conducted at Paraipaba county, Ceará, Brazil, ona sandy soil, to determine ifthe herbicides trifluralin (a,a,a-trifluoro-2,6o{iinitro-N-N-dipropil-p-toluidina),pendimethalin (N-(l-etilpropil)-3,4-dimetil-2,6-dinitrobenzenoamina) and alachlor [2-cloro-2,6-dietil-N-metoximetil) acetanilida], applied pre-emergence, and fenoxaprop-etil (etil-2[ 4-(6-cloro-2-benzoxa-zoliloxil)-fenoxi]-propanoato) and bentazon(3-isopropil-2, 1,3-benzotiodiazinona-( 4)-2,2dióxido), appliedpos-emergence, could reduce weed interference and increase the pod yield of peanut, line PI-165317.Each herbicide was evaluated at four rates. AlI the herbicides and rates evaluated did not decreased theinterference of the weeds, and did not avoid a decreased in pod yield, when compared with the treatmentcontrai where the peanut plants were kept free of weeds competition alI the time. It was not observed onpeanut plants visual symptoms of phytotoxicity due to the herbicides.

KEY - WORDS: Peanut, weeds, herbicides.

-"Trabalho extraído da Dissertação do primeiro autor para obtenção do grau de M.S. em Agronomia/Fitotecnia - Centro de CiênciasAgrárias Universidade Federal do Ceará. Realizado com apoio financeiro da União Européia - Contrato NO TS3* CT93-0216.

""Engenheiro Agrônomo"""Professores do Departamento de Fitotecnia - Centro de CiênciasAgrári as/UFC

INTRODUÇAO esse herbicida controlou satisfatoriamentedicotiledôneas e não causando injúrias ao amendo-im (LEIDERMANetalli6).

Esta pesquisa foi desenvolvida com o obje-tivo de avaliar os efeitos de alguns herbicidas, emdiferentes doses, aplicados em pré-emergência e pós-emergência, no controle das plantas daninhas e nascaracterísticas reprodutivas do amendoim tais como:produção de vagens, número de sementes por va-gem, percentual de vagens maduras, peso de 100sementes, peso das sementes por vagem e produçãode vagem por planta.

MATERIAL E MÉTODOS

o amendoim é uma cultura de grande valorcomercial destacando-se como fornecedora de óleo,sendo a maior produtora por hectare cultivado, de-pois do girassol (CA V ALCANTE et aiir). Devido àmelhor qualidade, o óleo de amendoim geralmentealcança preços maiores no mercado internacional,cerca de 50%, quando comparado aos demais con-correntes, como a soja e o girassol (T Á VaRA 12).

As condições edafoclimáticas favoráveis emalgumas regiões do estado do Ceará, como é o casoparticular do Litoral, além de informações técnicase cultivares identificados e adaptados às condiçõeslocais, fazem dessa cultura uma opção de explora-ção das mais viáveis (TÁ VORAI2).

O amendoim é uma planta de crescimentolento, sendo que um dos principais problemas dacultura, e o mais oneroso, é o controle das ervas

daninhas, que competindo por luz, água e nutrien-tes, provocam acentuadas perdas na produtividadeprejudicando a qualidade do produto e dificultandoa colheita (pEREIRA et afiz?).

A extirpação das ervas más geralmente é fei-ta por meios mecânicos entre as linhas e manual-mente, à enxada, entre as plantas, operação essa,difícil, morosa e bastante dispendiosa e, em se tra-tando de extensas áreas, o trabalho da capina se trans-forma em verdadeiro problema, principalmente nosperíodos chuvosos, quando o rendimento dos traba-lhos diminui, além de não poder ser bem feito(LEillERMAN et aliz'5).

O uso de produtos químicos no controle dasplantas daninhas, no amendoim, apresenta-se comouma alternativa viável, em razão de permitir que acompetição por invasoras seja mantida em baixosníveis, possibilitando à cultura mostrar o seu poten-cial produtivo máximo, como também eliminar aocorrência de doenças facilitadas por danos mecâ-

. ,lllCOS as raizes.

Trabalhos realizados no Brasil têm demons-trado que os herbicidas trifluralin, fenoxapropil-etil,alachlor e pendimethalin controlaram gramíneas semcausar fitotoxicidade à cultura do amendoim (SAD E9,PINTO & FLECK8, GRASSI & LEIDERMAN3,SILVA et aiizil). Todavia, pesquisa conduzida por PE-REIRA et aiiz7 mostrou que o herbicida alachlor cau-sou uma leve fitotoxicidade a cultura. Com relaçãoao herbicida bentazon, há registro mostrando que

o experimento foi conduzido na Estação Ex-perimental de Paraipaba, da EMBRAP A, no muni-

cípio deParaipaba-Ce, situadaa3°17' S e 39°15' W,a uma altitude de 25 m, no período de setembro adezembro de 1996.

O plantio do amendoim foi realizado em ter-reno preparado, com uma aração seguida de umagradagem, no espaçamento de 60 x 10 cm, utilizan-do-se duas sementes por cova, totalizando 333.333plantas/ha. A linhagem utilizada foi a PI-165317pertencente ao grupo Spanish.

A adubação, baseada nos resultados da aná-lise do solo, foi realizada simultaneamente ao plan-tio e consistiu na distribuição uniforme de 230,0 kg/ha da fórmula 0-63-30. A adubação nitrogenada foirealizada 20 dias após o plantio, aplicando-se, emcobertura, 20 kg/ha de sulfato de amônia. Por oca-sião da floração, foram aplicados 500 kg/ha de gesso.

Os herbicidas usados em pré-emergência fo-ram: trifluralina (a,a,a-trifluoro-2,6-dinitro-N-N-

dipropil-p-toluidina), pendimethalin(N-( 1-etilpropil)- 3, 4-dimetil- 2, 6-dinitrobenzenoa-mina) e alachlor [2-cloro-2,6-dietil-N-(metoximetil)acetanilidaJ e os em pós-emergência foram:

fenoxaprop-etil (etil-2[ 4-(6-cloro-2-benzoxazoli-loxil)-fenoxi}propanoato) e bentazon (3-isopropil-2, 1,3-benzothiadiazinona-( 4)-2,2-dióxido).Foi adotado o delineamento experimental em blo-cos ao acaso, com 17 tratamentos e quatro repeti-ções, em modelo fatorial hierárquico, sendo dois dostratamentos formados pela, testemunha sem capinaonde não foi realizado nenhum controle das plantasdaninhas após o plantio e a testemunha capinadaque recebeu capinas freqüentes à enxada, proporci-

peso de 100 sementes, peso das sementes por va-gem e peso seco das vagens por planta.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

onando que as plantas de amendoim fossem mantidaslivres da competição das plantas daninhas durantetodo o ciclo. Os herbicidas utilizados com as res-pectivas doses e marcas comerciais, encontram-sena Tabela 1.

As parcelas experimentais foram constituí-das de quatro linhas de plantas de cinco m de com-primento, espaçadas de 60 cm. As duas linhasexternas foram consideradas como bordaduras, bemcomo 0,5 m de cada extremidade das linhas centrais.Os herbicidas foram aplicados com um pulveriza-dor costal pressurizado com CO2 a 0,27 MPa, combarra de 2,0 m de comprimento, equipada com qua-tro bicos, jato cônico, com vazão de 300 Ilha.

Os herbicidas pré-emergentes foram aplica-dos logo após a semeadura e incorporados atravésde uma irrigação por aspersão. Os pós-emergentesforam aplicados quando as ervas daninhas encon-travam-se a uma altura média de 4 cm e a culturacom uma altura média de 7 cm, quando apresentava12 folíolos expostos. Todos os tratamentos foramaplicados no período da manhã, em dia de baixa in-solação e ventos suaves.

O controle das ervas daninhas e o efeitofitotóxico dos herbicidas sobre a cultura foram de-terminados em duas avaliações visuais, realizadas15 e 45 dias após a aplicação (DAA) dos herbicidas.Para tanto, foi utilizada uma escala qualitativa, vari-ável de zero a 100, em que o grau zero correspondeua nenhum controle das plantas daninhas e nenhumafitotoxicidade à cultura e o grau 100 representoucontrole completo das plantas daninhas e morte dacultura, conforme proposta por FRANS &T ALBER T2. Por ocasião da colheita, foram anota-das às espécies infestantes presentes, numa amostraobtida de uma área de 0,50 x 0,50 m, determinadaatravés de um quadrado metálico de igual dimensãolançado aleatoriamente, por duas vezes, na área útildas parcelas da testemunha sem capinas. As plantasdaninhas amostradas foram identificadas, contadase classificadas em plantas de folhas estreitas e fo-

lhas largas.A colheita consistiu na remoção manual das

plantas, seguida da secagem em terreiro e posteriorseparação manual das vagens. Nesta oportunidadeforam selecionadas, aleatoriamente, três plantas decada parcela para determinação do número de se-mentes por vagem, percentual de vagens maduras,

As plantas daninhas encontradas na área ex-perimental eram 50,8% de folhas estreitas, onde45,8% eram gramíneas (Dactyloctenium aegyptium (L)Beauv., Seta ria sp., Cenchrus echinatus L) e 5%cyperaceas (Cyperus sp.), e 49,2% de folhas largascom predominância de Croton sp., Merremia aegyptia(L.) U rban, Macroptüium sp., Chamecrista dukeana L.,Mimosa invisa Mart., Centrosema sp., Desmodium sp.,Crotalaria retusa (L), A canthospermum hispidum DC,Blainvillea sp., Emüia sonchifolia DC, Commelina sp.,Barreria'OOt icÜl4ta (L) G.F. W Meyer,Boerhaviacoccinea

Mill. e Tumerasp.A eficiência dos herbicidas no controle das

plantas daninhas, determinada através das avalia-ções visuais, foram realizadas 15 e 45 dias após aaplicação (DAA). Constatou-se diferença significa-tivas entre herbicidas, porém nenhuma diferençaentre as doses usadas dos diversos herbicidas (T a-bela 2). Outra constatação foi que os herbicidas pré-emergentes alachlor, trifluralin e pendimethalinexerceram um controle das plantas daninhas, entre71,7 e 89,5 % em relação a testemunha capinada,até 15 DAA. Aos 45 DAA esses valores reduziram-se para entre 17,5 e 33,3%, o que caracteriza umaperda rápida na eficiência da ação desses herbicidas.Essa perda pode ser atribuída as condições climáti-cas locais, caracterizadas por elevada temperaturae insolação, predominantes durante a condução doexperimento, causando volatilização efotodecomposição dos químicos. Outros fatorescomo as características arenosas do solo da área ex-perimental e número elevado de irrigações aplica-das podem ter contribuído para a lixiviação e reduçãona eficiência dos herbicidas. O fenoxaprop-etil mos-trou menor eficiência, 53,7% de controle, do queos herbicidas antes citados, na avaliação realizada15 DDA, porém a sua persistência manteve-se maiselevada, visto que 45 DAA detinha um controle de40,8% das plantas daninhas, estatisticamente supe-rior ao pendimethalin e trifluralin. Quanto aobentazon, apresentou controle inexpressivo (9,0 %)aos 15 DAA e nenhum controle 45 DAA.

Quanto a fitotoxicidade, nenhum dosherbicidas causou sintoma característico nas plan-

com as plantas daninhas sendo o fator mais afetadoo número de vagens por planta.

A baixa eficiência dos herbicidas pode seratribuída ao reduzido espectro de ação dos produ-tos utilizados, visto que eram mais específicos parauso no controle de plantas daninhas de folhas es-treitas ou de folhas largas e a infestação da área ex-perimental ser composta de aproximadamente de50% de cada tipo de invasora. Isso pode ter possibi-litado o controle de algumas espécies de plantas da-ninhas, deixando sempre outras livres deinterferência permitindo assim a sua proliferação emantendo o campo sempre infestado. Em situaçõescomo essa seria recomendado o uso de misturas deherbicidas que aumentariam o espectro de controledas plantas daninhas.

CONCLUSÕES

tas de amendoim, nas avaliações visuais realizadasaos 15 e 45 DAA. Esse resultado esta de acordocom os encontrados por SADE9, PINTO &FLECK8, GRASSI & LEIDERMAN, sn.. V A et allr1e LEIDERMAN et alli6. O mesmo não ocorreu comPEREIRA et allil, que encontrou uma levefitotoxicidade provocada pelo alacWor.

Quando se avaliou a interferência das plan-tas daninhas sobre a produção de vagens do amen-doim, comparando-se os dados das testemunhascapinada e sem capina, pode-se inferir que os com-ponentes mais afetados foram a produção de va-gens/planta e o peso de 100 sementes. O númerode sementes por vagem, o percentual de vagensmaduras e o peso de sementes por vagem não foramafetadas pela presença das plantas daninhas (T abe-Ias 3 e 4).

Houve diferença significativa, entreherbicidas, quanto ao seus efeitos sobre a produçãototal de vagens, o peso de 100 sementes e o pesodas vagens por planta. Entretanto estas característi-cas não foram modificadas pelas doses testadas. Apercentagem de vagens maduras na colheita e o pesode sementes por vagens não foram significativamen-te modificadas pelos herbicidas e doses aplicadas(Tabelas 3 e 4). Trabalho conduzido por SADER etalli.1O mostrou que o número de sementes por vagemnão diferiu significativamente entre a testemunhacontrole e os tratamentos com o herbicida T reflan.

Os dados da Tabela 4 indicam que osherbicidas alachlor, trifluralina, pendimethalin efenoxaprop-etil não diferem entre si quanto a pro-dução de vagens, peso de 100 sementes e peso devagens por planta, enquanto que o bentazonpropocionou decréscimos significativos na produçãode vagens quando comparado com o alachlor e opendimethalin. O bentazon causou também decrés-cimo, no peso de 100 sementes quando comparadocom o pendimethalin e no peso de vagens por plan-ta quando comparado com o alacWor.

Quando se compara o peso de vagens porplanta e o peso de 100 sementes da testemunha ca-pinada com os tratamentos que receberamherbicidas, verifica-se que os últimos apresentamvalores significativamente menores o que refletiu-se na menor produção de vagens. Pesquisa conduzidapor ISHAG4 mostra uma redução de 80% na produ-ção de vagens de amendoim devido à competição

1. Os herbicidas trifluralina, pendirnethalin e alachlorexerceram um controle das plantas daninhas, en-tre 71,7 e 89,5%, até 15 DAA. Após 45 dias apósa aplicação (DAA), o controle foi reduzido para afaixa de 17,5 a 33,3%.

2. O controle exercido pelos herbicidas não foi sufi-ciente para evitar a redução na produção de va-gens do amendoim, quando comparado com atestemunha capinada.

3. A especificidade dos herbicidas usados para con-trole de plantas com folhas esteitas ou largas,associado a temperaturas e insolações elevadas, esolos arenosos que demandaram irrigações maisfreqüentes, podem ser apontadas como causas daineficiência dos herbicidas.

4. O fenoxaprop-etil foi o que melhor controlou asplantas daninhas até 45 DAA, embora não tenhaproporcionado aumento na produção de vagensdo amendoim em relação a testemunha capinada.

5. O bentazon, nas avaliações visuais, foi o menoseficiente nos controle das plantas daninhas, che-gando a não mostrar controle aos 45 DAA.

6. Os herbicidas usados não causaram sintomas devisuais de fitotoxicidade ao amendoim.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. CAVALCANTE, R. D. et ai/i. Cultura do amen-doim. Fortaleza: Secretaria de Agricultura eAbastecimento, 1974. 27p.

2. FRANS, R.E., T ALBER T, R.E. Design of field 7. PEREIRA et alli. Avaliação do uso de herbicidasexperiments and the measurement and analysis na cultura de amendoim (A rachis hypogaea L.).ofplant reponses. In: TRUELOVE, B. (Ed.). Revista Ceres, v.24, n. 132, p. 116-127, 1977.

Research methods in weed science. 2nd. ed. 8.PINTO,J.J.o,FLECK,N.G.ComportamentodeAuburn: Southern Weed Science Society, 1977. herbicidas utilizados em pós-emergência no con-

3. GRASSI, N., LEIDERMAN, L. Estudos compa- trole de plantas daninhas gramíneas em soja.

rativos de herbicicdas para amendoim. In: SE- Pesquisa Agropecúaria Brasileira, Brasília,MINÁRlo BRASILEIRO DE HERBICIDAS v. 25, n. 6, p. 815-831,1990.E ERVAS DANINHAS, 10, 1974, Santa Maria. 9. SADER, R. Controle químico de plantas dani-Resumos dos trabalhos... Santa Maria: Socie- nhas na cultura do amendoim (Arachisdade Brasileira de Herbicidas e Ervas Daninhas, hypogaea L.). Piracicaba: ESALQ/Mestrado1974. p. 27. em Fitotecnia, 1975. 122 p. (Dissertação de

4. ISHAG, H. M. Weed control in irrigated Mestrado).groundnuts (Arachis hypogaea L.) in the Sudan 10. SADER, R. et alli. Efeito de diferentes doses deGezira. J oumal of Agricultural Science, v. 77, trifluralin (treflan) no poder germinativo e pro-p. 237-242, 1971. dução de sementes de amendoim. Revista Bra-

5. LEIDERMAN, L. etalli. Aplicação do herbicida sileirade Sementes, Brasília, v.l, n.l, p. 59-63,treflan na cultura do amendoim em solos arena- 1979.sos e massapê. O Biológico, v. 31, n. 12, p. 279- 11. SILVA, J.F. et alli. Efeitos do controle de plantas283, 1965. daninhas, com herbicidas, na produção e quali-

. Bentazon - novo herbicida dade fisiológica de sementes de amendoimde pós-emerg~a para amendoim e soja. In: (Arachis bypogaea L.). Planta Daninha, v. 6, n.2,SEMINÁRIO BRASILEIRO DE p. 115-122, 1983.HERBICIDAS E ERVAS DANINHAS, 10, 12. TÁ VORA, F.J. A. F. Cadernos de agricultu-1974, Santa Maria. Resumos dos trabalhos... ra: cultura do amendoim. Fortaleza: UFC/ CCA,Santa Maria: Sociedade Brasileira de Herbicidas 1993. "paginação irregular". (Apostila de Aula

e Ervas Daninhas, 1974. p. 47. da disciplina Agricultura).

TABELA 1. Nomes técnico e comercial e doses dos ingredientes ativos (i. a.) e produto comercial (p. c.)dos herbicidas e adjuvantes utilizados no controle de plantas daninhas em amendoim.

Paraipaba, Ce. 1996.

Nome técnico Nome comercial Adjuvante Doses. 1 2l.a. p.c.

T rifluraIin T riflura1ina Defensa CE - 0,90 2,00Trifltu-alin Triflura1inaDefensaCE - 1,80 4,00T rifltu-alin T riflura1ina Defensa CE - 2,70 6,00Pendimetha1in Herbadox 500 CE - 0,50 1,00Pendimethalin Herbadox 500 CE - 1,00 2,00Pendimethalin Herbadox 500CE - 1,50 3,00Alachlor Laço CE - 1,20 2,50Alachlor Laço CE - 2,40 5,00A1ach1or Laço CE - 3,60 7,50Fenoxaprop-etil Furore CE - 0,12 1,00Fenoxaprop-etil Furore CE - 0,24 2,00Fenoxaprop-etil Furore CE - 0,36 3,00

BentazOn Basagran 680 SA AssiSt.11/ha 0,42 0,70BentazOn Basagran 680 SA Assist. 11/ha 0,84 1,40BentazOn Basagran 680 SA AssiSt.11/ha 1,26 2,10

1 i.a. ingrediente ativo - kg/ha2 p.c. produto comercial- Vha

~ . "'I~I[.'!.!{C1:{II1[IJI'11l.!.~ ~ Im~~ lm8

6.

TABELA 2. Controle de plantas daninhas (%) na cultura do amendoim, através de avaliações visuaisrealizadas 15 e 45 dias após a aplicação (DAA), proporcionada por diferentes herbicidas. Paraipaba, Ce. 1996.

Doses(kg/ha)

Avalia~ãoTratamentos 15 DAA 45 DAA

P/herb.P/trato P/trato P/herb..Test. sem capina - 0,00 0,00Test. capinada - ; ~ 1?0,00 1 00,00 ~

1,20 85,75 25,00Alachlor 2,40 90,75 89,50 b1 36,25 33,33 bc

3.60 92.00 38. /j0,901,802.70

Trifluralina 71,75 ab 17,50 a

0,501,001.50

Pendimethalin 83,42 b 25,42 ab

0,120,24036

Fenoxaprop-etil 53,75 a 40,83 c

Bentazon 9,17 c 0,00 d

-0,420,841026

68,2568,7578.25

16,2517,5018,,75

IMédias com a mesma letra são consideradas iguais pelo teste de Tukey ao nível de 1% de probabilidade.DAA: Dias após aplicação do herbicida.ns - não significativo.

oli)Q)

o-.,,--Q

)

=Q)

sQ)

li)

oo-Q)

~oli)Q)

o-.,,--tUM~

~tUSli)=Q

)0.0tU>Q

)~~~=Q

)UMQ

)o-á'Q

)0.0tU>Moo-li)Q

)

=Q)

SQ)

li)Q)

~oMQ)

S...~=li)=Q

) .

0.0 tU

tU

>

=

Q)~

~O

-o

MltU

o

u..o-~

li)

~

=o

Q)

M

0.0o-tUtU

>

~

li)tU

tU

._~U

o=

li)

<tU

Q

).t:

o-tU

Q

)

~

S~

Q

)Q

) 0.0

li) tU

.- >

-...tU

M=

o

<

o-.

li)~

Q

)

<

=~

Q

)~

S

~

~<

li)

~-a

I~~ 5~

=

~'O

=

? ;..

~l.i=°':=~~'O~=Qf;o,

~~

-r- '1.

=

~l

I i

I

=

~jO

- C

IO\

r-. t'I

on o

~C

~r-.

N

r-. on

on O

I~

=1:.

~oô -D

~

.~~

A

O\A

~.

~~

~-

- -

t'I t'I"

~!

~

5~'"

==

;..

'0-;,;~

~~

=

~

~5~'"

~

I..,. I~,

~ ,'!

~\O\O

;:

~V"I

~~

,'! ~

~

I~

. t")

r-- ""

- .

'-;' .

o .

t") ...

. \O

10 o

:; o

o t")

I]~

:~

~êo

- N

~

~

\O

o

o-

Q

N

,.. o

o o

- -

\Oe

00

.00

00.

- =

.

O.

O

. "

. .

VI

~...O

O

O

O

O

~2'",

~ ef~

~

'ri

~~

~

M

~

r-.:=

0 .~

.~O

'rl~-.

'O.r-.~

.0' .0

,,=\0

'ri O

. --

'O~

~

- 0\

~

O

~

r-.-~

- 'ri

~I" I]~=

=;.--'"

==

~'O

c.o'"..=-

I~ I§ I~

I~ I~

r~.I~

I~

,g.,e

~"O~c"s.~"'o;Ex~c"s.~u~I

.'"'o;

Q)

f-'

oCJ

o:as

r'I I~

. V

v""ó""ó

(U(U

""ó""ó~

:-=:...0

...o (U

(U...o

...o o

o ~

~

o-o-vv""ó

""ó~~

O

oo~

-lr') (U

(U

oo

>>

.;j(U

'(U

uu,:.=

~

c=c=

0.0

0.0.-ti)tI)~

~*

* *

CIi'

v=vSv'"

oov~o'"vo-CIi'

cuM

~S'"=~CU

>v~~;jEvUMV0-S~cu>Moo-'"vESv'"v~oMvS';j='"=v

.O

()cucu >

=cu

~õ.

o M

lCU

o

u..o-;j

'"~

=

e ~

o-cucu

>v

~.É

~o o

'" '"

'" v

cu o-

~

v.~

S

-f ~

v cu

A

>'"

Mo

o~

o-

o '"v

. ~ =

~

v.

S~

v

<

'"

~

~~

~~

o

<

~~

o.

11 .,=..~=~..'"-'-=

=

o-E~

;::..=-=o~..

-~=..e

I~~

8'-1I~

I

I ~~ o~

I

li~N

~=~

I

o I

.,..g.

I ~i§fr,...

~E~=..~-=..

I. ~aoZ f='C=eI"'I~:~

.f..oEA,

I~!~ -ê...e"c

le~~1

Itl"eir' ..,I! f~~

,

I~l~

'".cc=~~~ o'"ô '"t--.- ~C

\

~Nv ~ô '"'"

~N.

N a-r-..

~.

0\

I~r-:~ I~ô ~

.00

I...c§S2-

~

,Q

~

~\õ

.,., .,.,

, \D

..,

- ,

,-

~

0\

~""O

~O

~~

O~

..,...,. 0\

0\ ,,\D

ON

O

,O'..,.

O

' ,

, 'N

'

O\__O

\I"'-O\O

\_\D

\D

I"'- I"'-

I"'- I"'-

I"'-

O

O

O

""I"'-\DI"'-I"'-I"'-\D

\D~

1"'-1"'-1"'-1"'-1"'-1"'-1"'-1"'-1"'-

000000000

,Q

,Q

~=

=

-

\D

~

$N

-

,,

, .,.,

.,., ..,.

-..,.

..,. ~

~O

O"'O

""O""""O

1"'-0\0..,\D\D

0-\DN

-.ô-.ô.., ,

,'V::-.ôV

::..,...,...,...,...,...,...,...,...,.

N

0\ 00

00 \D

I"'-

..,.. a\

r-:00

I"'- I"'-

""0000000001"'-O

OO

\I"'-N""""\D

N""

1"'-' ..: ..,.' 0\ v:: ..,.. ..: -' O

0000001"'-001"'-00001"'-

~

~

,Q

0\ -

..,.I"'-

00 00,

..: ..:

-""00""00..,-0\""00~

~~

~~

~~

~~

,Q

~

,Q

I"'- N

N

- 0\

-..:

' ..:

O

I"'-ON

"'OO

\D""N

~1"'-..,...,0\000\--0

0":":000":-"":

000000000N

..,.\DO

\OO

I"'-""O""

I": ..; O

..: N' O

..: ...:

.:=

-;

C

~...

:: ~

~

~

a~

~

.-

C.)

"" "O

=

.~

c-

.. ..

<I:

t- ~

r--oor--.

r--.-- ~~

0\" -"

1'-0\

000"""

..f'V::

..".."

'C"'"

1"-1"-

ÔÕ

r-°-o""-ô?\-

N..,.

-M60'

'D""

00-..:

o'6-o5-=><

o=-

" o;:

~

"

~õ.- ~r--r--.- ao"'.0\ao .o..0000~

.~ ~t--.o ~o"'.0\

~

N~

~

° .

. M

'D

MO

"'~0\.

~.

N"~

. ~

r--",'D'D

'"r-- .,

. c

°

"'Nr--O

Or--.

r--. r--.

r--. ~

0000

~00 N

~

00

N

N~

"'O"'O

",r--r--0.,.,..

~"

C

~~

~~

MN

.,N

" C

00

000000'"O

MM

O\.,

o\N-'N

" C

00000000

~

'"

O

-r--

-

..: Ô

'D~

O'D

-~

:::- ~

:. C

~

r--

N

N'"

'"

Ô

Ô

NO

MO

\O

. "'.

"'. 'D

. ~

-000

'DN

~'D

M~

OO

N

,

ÔÔ

Ô":

CO~

~C

~

~

O

a.) a.)

~~~

~

]]:.õ:.õ~

~

..0..0o

o~

~

CoC

o

~

~~

~~~

-'r)~

~

>,>

.~

~

~~~~~

~

~~~

~--C

/) C

/)~

~

--o o

"'Qj"'Q

jC

oCo

C/)

C/)

"a "a"~

"~C

/) C

/)~

~

~~e

e~

~

~~

"m

"mc:

c:o

oC

.) C

.)o

oI~

I~

C/)

C/)

~

~~

~

--~~~

~E

E

C/)

C/)

~

~

E

E~

~

E

Eo

oC

.) C

.)C

/) C

/)~

~

:a:a.~

.~

~~

- N