construindo monografias

Download Construindo Monografias

Post on 02-Jul-2015

10.387 views

Category:

Documents

28 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Construindo Monografias e TCCS

Elias Ferreira Porto Eliethe Xavier de Albuquerque Everson Mckenberger Ktia Corina Vieira Leonardo Tavares Martins Oswalcir A. de Azevedo Paulo Gomes Lima

UNASP 2006

UNASP

CENTRO UNIVERSITRIO ADVENTISTA DE SO PAULO

ADMINISTRAO DA ENTIDADE MANTENEDORAPresidente: Domingos Jos de Souza Tesoureiro: lnio lvares de Freitas Secretrio: Edson Rosa

ADMINISTRAO GERAL DO UNASPReitor: Euler Pereira Bahia Pr-Reitora: Thalita Regina Garcia da Silva Pr-Reitor Administrativo: lnio lvares de Freitas Secretrio Geral: Paulo Csar de Azevedo Pr-Reitor do Campus SP: Andr Marcos Pasini Pr-Reitor do Campus EC: Jos Paulo Martini Pr-Reitor do Campus HT: Alacy M. Barbosa

PRODUO EDITORIALComisso de Pesquisa: Ausberto Silvrio Castro Vera Clia Barbosa P. dos Santos Elias Ferreira Porto Eliethe Xavier de Albuquerque Everson Mckenberger Oswalcir A. de Azevedo Paulo Gomes de Lima Wanderley Dorneles da Silva Capa: Geyvison Souto Projeto Grfico e Diagramao: Fbio Borba Reviso: Elias F. Porto, Eliethe X. Albuquerque, Leonardo T. Martins Edio: Dezembro 2006

001.42 C775

Construindo monografias & TCCs / Elias Ferreira Porto et al. So Paulo UNASP SP, 2006. vi, 194 p. : il.

Referncias e Tabelas.

1. Pesquisa Metodologia 2. Pesquisa Projetos 3. Trabalhos cientficos Normas 4. Trabalhos cientficos Redao 5. Trabalhos cientficos Tcnicas I. Porto, Elias Ferreira. II. Albuquerque, Eliethe Xavier de. III. Mckenberger, Everson. IV. Vieira, Ktia Corina. V. Martins, Leonardo Tavares. VI. Azevedo, Oswalcir A. de. VI. Lima, Paulo Gomes. VII. Ttulo.Dados de Catalogao AACR2 2. ed. e Classificao CDD 22 ed. Realizado pelo Departamento de Bibliotecas do UNASP Campus SP Bibliotecria responsvel: Eliethe Xavier de Albuquerque

O processo do conhecimento da investigao epistemolgica deve ser caracterizado pelo desvelamento do objeto, no de forma fragmentria e/ou fragmentada, como se numa perspectiva unilateral as respostas ao problema suscitado se mostrassem suficientemente contempladas; muito pelo contrrio. Esse toma como sustentao maior a totalidade do objeto, escrutinando os domnios conceituais e metodolgicos que, desvelando a abrangncia contextual da problemtica levantada, possibilita tanto a explicao, a descrio, a compreenso, como tambm encaminhamentos recorrentes como crticas ou contribuies alternativas a uma dada realidade (LIMA, 1986, p.262).

4

APRESENTAOA produo de um manual que contemple os elementos metodolgicos da pesquisa cientfica, embora materializada, nunca tarefa acabada, visto que a dimenso metodolgica muito ampla, requerendo, portanto, seleo dos pontos principais que auxiliem o trabalho do pesquisador. Dessa forma, foram reunidos em oito captulos os elementos considerados imprescindveis construo da produo cientfica, como se segue. O captulo I enfatiza os princpios bsicos da pesquisa cientfica a partir de trs aspectos: compromisso, comunicao e rigorosidade cientfica. No captulo II esto descritos os passos necessrios divulgao da investigao cientfica atravs de resumos e resenhas. O terceiro captulo trata das questes ticas que envolvem e norteiam a pesquisa cientfica. No captulo IV so apresentados os principais elementos a compor um projeto de pesquisa, enquanto que o quinto captulo descreve os passos fundamentais na elaborao de uma monografia. O captulo VI trata da normalizao para uso de citaes, conforme a NBR10520 da ABNT, e no stimo captulo esto descritos e exemplificados os diversos tipos de referncias de documentos que do suporte terico pesquisa, de acordo com a NBR 6023. No oitavo captulo esto arrolados os itens bsicos e as iniciativas indispensveis elaborao do pster cientfico. O objetivo dos autores desses captulos e da Comisso de Pesquisa do UNASP dar a voc o apoio necessrio para ingressar nesta fantstica aventura que a investigao e a descoberta de novos conhecimentos ! Bom trabalho !

5

PRINCPIOS BSICOS DA PESQUISA CIENTFICA

Paulo Gomes de Lima paulo.gomes@unasp.edu.br

razovel pensar-se que a cincia pode tornar-se meio de libertao se for sustentada por uma teoria filosfica que tente compreender o significado da atividade cientfica como empreendimento de um ser pensante criativo, procura de compreenso da realidade que o envolve e com a qual est interagindo (VON ZUBEN, 1995, p. 15).

6

1

PESQUISA CIENTFICAA pesquisa cientfica uma contribuio que o pesquisador oferece ao

universo do conhecimento. Dessa forma, em sua construo, preciso ter como fio condutor, princpios e normas tcnicas que estruturem o grau de sua confiabilidade. Tais princpios envolvem tanto o comprometimento do pesquisador com a qualidade e fidedignidade da pesquisa quanto a forma de comunicao da mesma. Assim, antes da construo da pesquisa o pesquisador precisa estar atendo aos princpios fundamentais considerados neste captulo.

1.1

Princpio do CompromissoA importncia dos vrios tipos de pesquisa cientfica, desde uma monografia

at uma tese, no se esgota no cumprimento de um requisito acadmico. A posterior divulgao das descobertas e das idias defendidas, seja perante a banca examinadora ou por meio da publicao de um livro, atribui pesquisa um papel elevado. Os conceitos divulgados podem orientar novas pesquisas, provocar mudanas na sociedade e mesmo contribuir para o desenvolvimento do pas. Reconhecendo-se tal importncia, o princpio do compromisso deve conduzir o pesquisador, desde a escolha do tema, a seleo e a leitura das fontes documentais, a sistematizao da vida de estudos, at a redao e divulgao dos resultados da investigao.

1.1.1 Sobre a Definio da rea de Estudo e a Escolha do TemaA seleo do tema de estudo depende da preferncia, da disponibilidade e das inclinaes do pesquisador. O tema pode ser encontrado dentro do conjunto de interesses e dos conhecimentos imediatos acumulados pelo pesquisador. Na escolha do tema, primeiro deve-se identificar o campo de estudo, a rea do conhecimento e o tema propriamente dito. A partir desses elementos que ser

7

feita a proposta do problema a ser pesquisado, bem como a abordagem a ser desenvolvida. Exemplos: Campo de estudo: Psicologia rea do conhecimento: O inconsciente individual Tema: O inconsciente e o processo de tomada de decises Problema: Em que consiste a influncia do inconsciente na tomada de decises? Campo de estudo: Administrao rea do conhecimento: Recursos Humanos Tema: Critrios ticos e contratao de pessoal Problema: Por que critrios ticos esto sendo utilizados atualmente na seleo de pessoal no mundo corporativo? O tema deve ser escolhido partindo-se sempre do geral para o especfico. Quanto mais objetiva e delimitadamente o pesquisador define seu tema, mais facilidade vai ter, no decorrer da pesquisa, para organizar e expandir a abordagem sem perder o foco proposto. Assuntos sobre os quais pouco se tem escrito ou que ainda se mostram duvidosos podem se constituir em terreno movedio para o pesquisador mdio ou principiante. Uma escolha mais acertada do tema pode resultar de consulta prvia a diversos autores, numa rea especfica. Nessa consulta, o estudante pode identificar brechas, que ele eventualmente venha a preencher. Salomon (1991) enumera algumas fontes de inspirao e de sugesto para a escolha de temas de pesquisa, entre elas a observao, reflexo, senso comum, experincia pessoal, seminrios e controvrsias. A observao direta e minuciosa dos fatos e dos comportamentos sociais conduz a problemas potenciais, cuja pesquisa certamente apresentar resultados prticos. Por sua vez, a reflexo permite ao pensamento perscrutar o mundo sensvel e a realidade interior, de onde podem emergir temas originais. Salomon destaca ainda que, importantes pesquisas podem ainda ser oriundas da experincia pessoal, uma vez que cada pessoa tem comportamentos e maneiras prprias de reagir s situaes concretas da vida.

8

Definido o tema de estudo, passa-se em seguida elaborao de uma estrutura provisria a ser seguida durante a pesquisa. Essa estruturao provisria, bem como a definitiva, deve levar em conta a questo da interdisciplinaridade. O mundo globalizado requer do pesquisador a habilidade de interligar diferentes reas de estudo, em torno da rea principal escolhida. Morin (2000, p. 14), afirma que os desenvolvimentos prprios de nossa era planetria nos confrontam, inevitavelmente e com mais e mais freqncia, com os desafios da complexidade. Segundo ele os diferentes componentes da sociedade (fator econmico, poltico, sociolgico, psicolgico, afetivo, mitolgico) so inseparveis e existe um tecido interdependente, interativo e inter-retroativo entre as partes e o todo, o todo e as partes. Para Morin, a poltica da especializao, que leva o pesquisador a se fixar numa rea cada vez mais restrita, no se mantm no mundo globalizado. Considerando essa realidade, disciplinas como psicologia, filosofia, histria, antropologia ou religio devem ser includas numa pesquisa voltada para a rea de administrao, economia, gastronomia, sade, comunicao ou pedagogia, dentre outras. A pesquisa interdisciplinar parte do pressuposto de que o ser humano um todo interligado, bem como a sociedade e as cincias.

1.1.2 Sobre a Seleo de Fontes Tcnico-Cientficas NecessriasA revoluo industrial possibilitou tornar a cultura uma mercadoria a ser produzida, vendida e consumida. Assim, o mercado editorial, em todo o mundo, oferece uma multiplicidade de obras, cabendo ao leitor inteligente exercer senso crtico e seletivo a fim de que seu programa de pesquisa tenha rendimento e eficcia. H inmeras leituras sem proveito, tanto para um leitor comum quanto para o pesquisador. preciso, portanto, realizar uma criteriosa seleo das obras. Pode-se comear essa seleo levando-se em conta: a qualificao do autor e o tipo de abordagem que faz de seu tema; o sumrio da obra; nele o pesquisador deve analisar se os itens relacionados s