conhecimento mÉtodos e tÉcnicas. do processo do conhecimento participam: empirismo, razão e...

Click here to load reader

Post on 22-Apr-2015

103 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • CONHECIMENTO MTODOS E TCNICAS
  • Slide 2
  • Do processo do conhecimento participam: Empirismo, Razo e Intuio. CONHECIMENTO
  • Slide 3
  • EMPIRISMO (Do grego Empeiria, que significa Experincia) A nica fonte dos nossos conhecimentos a experincia recebida e experimentada pelos nossos sentidos. Nada existe em nosso intelecto que antes no tenha estado nos sentidos. A razo no agrega nada de novo porque se limita simplesmente a unir e ordenar os diferentes dados da experincia. Por ocasio do nosso nascimento a nossa mente est totalmente vazia, como se fosse uma folha em branco na qual, aos poucos, a experincia escreve. Ponto Forte: A importncia da experincia na origem dos nossos conhecimentos. Ponto Fraco: Subestimao do papel da razo.
  • Slide 4
  • RAZO (Do Latim Ratio = Razo). CONHECIMENTO A razo humana, o pensamento abstrato, a nica fonte de conhecimento. Os nossos sentidos nos enganam e no conduzem ao conhecimento verdadeiro, pois o mundo da experincia encontra- se em contnua mudana e transformao. Um conhecimento verdadeiro s quando logicamente necessrio e universalmente vlido. Ponto Forte: Reforar a idia do importante papel ativo e criador da razo, do pensamento abstrato, no conhecimento da verdade e da essncia das coisas. Ponto Fraco: Separar a razo da experincia e desprezar o papel dos sentidos.
  • Slide 5
  • INTUIO (Do Latim, In tuire = Ver em, contemplar). CONHECIMENTO rgo ou faculdade superior de conhecimento. Conhecimento que nos fornece direta e imediatamente a verdade absoluta. Espcie de conhecimento natural.Funo da mente que age independente da pessoa ser ou no letrada. um fenmeno psquico natural que todos os seres humanos possuem, alguns em maior grau, outros em menor grau. A pajelana, o xamanismo, o misticismo e o esoterismo atuam muito nessa rea como forma de explicar fenmenos estranhos razo e ao empirismo.
  • Slide 6
  • MTODOS MAIS UTILIZADOS (Do Latim, Caminhos) Mtodo Comparativo Estabelece procedimentos de comparao entre elementos, para evidenciar-lhes as semelhanas e/ou diferenas. Mtodo histrico ou de reviso terica Faz o encadeamento de fatos, ou de teorias, usando a dicromia (sequncia temporal) ou a sincronia (convivncia de fatos, ou teorias, no mesmo perodo ). Mtodo monogrfico ou estudo de caso Descrio minuciosa de um caso, ou teoria, esmiuando-lhe a trajetria do incio at o momento da pesquisa. Mtodo estatstico Procedimentos vrios da Estatstica, para a interpretao e anlise de dados.
  • Slide 7
  • TCNICA VIABILIZAO DO MTODO TCNICA DE OBSERVAO DIRETA Faz uso dos sentidos para captar aspectos da realidade. desenvolvida em laboratrios ou na natureza. TCNICA DE ENTREVISTA Utiliza a conversao direta entre indivduos e o registro feito atravs de QUESTIONRIOS (Respostas por escrito, sem a presena do pesquisador) ou por FORMULRIOS OU ROTEIROS ( Entrevistador faz as perguntas e anota as respostas). TCNICA DE TESTES Utilizao de instrumentos padronizados com a finalidade de obter dados especficos e quantitativos, como as medidas de frequncia e de rendimentos.
  • Slide 8
  • TCNICA DE ANAMNESE Conhecer a histria de vida de algum para um mais profundo conhecimento do objeto de estudos. TCNICA EXPERIMENTAL Conhecer a realidade mediante experimentos em laboratrios ou de campo. TCNICA VIABILIZAO DO MTODO MATERIAL Instrumental exigido pela tcnica.
  • Slide 9
  • METODOLOGIA CINCIA TECNOLOGIA Metodologia: Caminho para chegar a um fim Meios ou Mtodos de investigao Forma de diferenciar o verdadeiro do falso Cincia: Estudo, com critrios metodolgicos, das relaes existentes entre causa e efeito de um fenmeno, com o objetivo de demonstrar a verdade dos fatos e suas aplicaes prticas. Tecnologia: Atividade do homem para melhorar seus esforos cotidianos. Superao das tcnicas animais. Atividade que utiliza instrumentos (mquinas, motores, etc.) para tornar o trabalho menos sofrido.
  • Slide 10
  • APRESENTAO DE TRABALHOS
  • Slide 11
  • Universidade Anhanguera Uniderp Curso de Engenharia Civil Joo de Deus, RA 123456 Joo da Silva, RA 23456 Severino Cachaceiro, RA 23456 Juca Batista, RA 23456 RELATORIO DE AVALIAO DE TRABALHO DIRIGIDO DE APRENDIZAGEM I Campo Grande MS Maro/2010 CAPA_MODELO
  • Slide 12
  • Universidade Anhanguera Uniderp Curso de Engenharia Civil RELATORIO DE AVALIAO DE TRABALHO DIRIGIDO DE APRENDIZAGEM I Campo Grande MS Fevereiro/2010 Relatrio apresentado como requisito para avaliao parcial da disciplina Trabalho Dirigido de Aprendizagem, do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhanguera Uniderp, turma N10, sob a orientao do(a) Prof.( a ). M.Sc. Vanda Alice Garcia Zanoni. FOLHA DE ROSTO_MODELO
  • Slide 13
  • INTRODUO A PARTE DO TRABALHO ONDE O ASSUNTO APRESENTADO COMO UM TODO, SEM DETALHES. TRATA-SE DO ELEMENTO EXPLICATIVO DO AUTOR PARA O LEITOR. INICIAR COM A ABORDAGEM DO ASSUNTO DO TRABALHO E TERMINAR COM OS OBJETIVOS GERAIS E ESPECFICOS. A INTRODUO DEVE: 1.Estabelecer o assunto, definindo-o claramente, no deixando dvida quanto ao(s) campo(s) que abrange; 2.Indicar a finalidade e os objetivos do trabalho, esclarecendo sob que ponto de vista tratado o assunto; 3.Referir-se aos tpicos principais do texto dando o roteiro ou a ordem da exposio;
  • Slide 14
  • REVISO DA LITERATURA ELEMENTO ESSENCIAL EM TESES E PRINCIPALMENTE EM DISSERTAES. A REVISO DA LITERATURA DEVE: 1.Fazer referncia a trabalhos anteriormente publicados, situando a evoluo do assunto; 2.Limitar a reviso s contribuies mais importantes diretamente ligadas ao assunto; 3.Mencionar o nome de todos os autores, no texto ou em notas e, obrigatoriamente, nas referncias bibliogrficas. 4.Nem todos os trabalhos requerem uma seo especial dedicada reviso da literatura; h casos em que os autores preferem incorpor-la introduo, principalmente se essa reviso for breve.
  • Slide 15
  • DESENVOLVIMENTO A PARTE MAIS EXTENSA E VISA COMUNICAR OS RESULTADOS DA PESQUISA. NO DESENVOLVIMENTO DEVE-SE LEVAR EM CONSIDERAO OS SEGUINTES ASPECTOS: 1.Os materiais, tcnicas e mtodos devem ser descritos de maneira precisa e breve visando possibilitar a repetio do experimento com a mesma preciso; 2.Os mtodos inditos desenvolvidos pelo autor devem ser justificados e apontadas suas vantagens em relao a outros; 3.Os processos tcnicos a que foram submetidos os produtos e os tratamentos empregados devem ser citados; 4.Tcnicas novas devem ser descritas com detalhes e novos equipamentos ilustrados com fotografias e/ou desenhos; 5.s tcnicas e mtodos j conhecidos deve-se fazer apenas referncia e no descries;
  • Slide 16
  • 6.Hipteses e generalizaes que no estejam baseadas nos elementos contidos no prprio trabalho devem ser evitadas; 7.Os dados utilizados na anlise estatstica figuraro no texto, ou em anexo; 8.A anlise dos dados, sua interpretao e discusses tericas podem ser conjugadas ou separadas, conforme melhor se adequar aos objetivos do trabalho; DESENVOLVIMENTO 9.Os diversos resultados devem ser agrupados e ordenados convenientemente, podendo vir eventualmente acompanhados de tabelas, grficos ou figuras, com valores estatsticos para maior clareza; 10.Os dados experimentais obtidos so analisados e relacionados com os principais problemas que existam sobre o assunto, dando subsdios para a concluso.
  • Slide 17
  • CONCLUSO TRATA-SE DA RECAPITULAO SINTTICA DOS RESULTADOS DA PESQUISA, RESSALTANDO O ALCANCE E AS CONSEQUNCIAS DE SUAS CONTRIBUIES, BEM COMO SEU POSSVEL MRITO. DEVE SER BREVE E BASEAR-SE EM DADOS COMPROVADOS. REDIGIR A CONCLUSO DO TRABALHO DE ACORDO COM OS OBJETIVOS PROPOSTOS.
  • Slide 18
  • BIBLIOGRAFIA ABNT ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS. NBR 7215 - Cimento Portland - Determinao da Resistncia Compresso, Rio de Janeiro, 1996. FORMAGINI, S., 2005, Dosagem Cientfica e Caracterizao Mecnica de Concretos de Altssimo Desempenho, Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE/UFRJ, 2005. FOSSATI, M. B., FORMAGINI, S.. Concretos dosados com substituio parcial do cimento Portland por escria de alto forno moda. In: 49 CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO - CBC 2007,12. 2007. Anais Bento Gonalves, 2007 p.5-12. ITENS COMPLEMENTARES ANEXOS OU APNDICES NDICE GLOSSRIO
  • Slide 19
  • COMPONENTES DE UMA MONOGRAFIA ITENS PRELIMINARES Capa Folha de Rosto Epgrafe(Opcional) Dedicatria (Opcional) Agradecimento (Opcional) Sumrio Lista de figuras Lista de tabelas Lista de siglas Lista de anexos Lista de abreviaturas Resumo(Portugus e Lngua Estrangeira - Abstract) ARGUMENTAO Introduo Reviso da Literatura Materiais e Mtodos Resultados Discusso, anlise Concluso/Consideraes ITENS COMPLEMENTARES Bibliografia Anexos ou apndices ndice Glossrio
  • Slide 20
  • COMPONENTES DE UM RELATRIO ITENS PRELIMINARES Capa Folha de Rosto Sumrio Lista de figuras Lista de tabelas Lista de siglas Lista de anexos Lista de abreviaturas ARGUMENTAO Introduo Reviso da Literatura Materiais e Mtodos Resultados Discusso, anlise Concluso/Consideraes ITENS COMPLEMENTARES Bibliografia Anexos ou apndices
  • Slide 21
  • NORMAS ABNT ABNT NBR 14724 Informao e documentao Trabalhos acadmicos Apresentao ABNT NBR 15287 Informao e documentao Projeto de pesquisa Apresentao ABNT NBR 6023 Informao e documentao - Referncias - Elaborao ABNT NBR 6027 Informao e documentao Sumrio Apresentao ABNT NBR 10520 Informao e documentao Citaes em documentos - Apresentao