colossenses - cap. 02 parte 02

Download Colossenses - Cap. 02 parte 02

Post on 10-Jul-2015

493 views

Category:

Spiritual

8 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Apresentao do PowerPoint

Cap. 02:04-15

A IGREJA VERDADEIRA SOB ATAQUES

A Igreja vive num campo minado pelo Inimigo. A jornada rumo glria no uma estrada reta, espaosa e confortvel, mas um caminho sinuoso, cheio de perigos e espinhos. Embora a caminhada seja difcil e os inimigos sejam muitos, a chegada ao destino certa! Algumas verdades so destacadas no trecho que lemos. Vamos ver quais so. AS MARCAS DE UMA IGREJA VERDADEIRA VS. 04-07Vamos destacar cinco marcas conforme o texto do apstolo Paulo Igreja de Colossos. Vejamos em primeiro lugar o que diz o apstolo no versculo 05:

Era uma Igreja disciplinada Paulo manifesta sua alegria ao verificar que aqueles irmos viviam em ordem e firmados na f. A palavra grega txis traduzida por fileiras ordenadas como em um exrcito ou em perfeita disposio. A Igreja deve se assemelhar a um exrcito, com cada soldado em seu devido posto, aguardando a ordem de seu comandante. Os cristos devem avanar com disciplina e obedincia como fazem soldados em um campo de batalha.

Em segundo lugar: Verso 06 Uma igreja verdadeira manifesta um firme propsito com o Senhorio de Jesus Cristo. uma Igreja que vive para Cristo e Nele. A vida crist s possvel se estiver debaixo do senhorio de Jesus Cristo. Um dos resultados da converso a submisso completa de nossa vida a Jesus. Somente no Novo Testamento Jesus tratado como Salvador 22 vezes e como Senhor por 650 vezes. H uma grande nfase do N.T de testemunhar este senhorio absoluto! Terceiro lugar: tambm no verso 06 Uma igreja verdadeira se dispe a seguir Cristo! andar como Ele andou! O cristo verdadeiro aquele que caminha com Cristo, vive no Esprito e faz as mesmas coisas que Cristo fez. Uma igreja verdadeira far tudo o que estiver ao seu alcance para servir a Cristo e praticar Seus ensinos!

Em quarto lugar: Vs. 07 Uma Igreja verdadeira evidencia uma inabalvel firmeza em Cristo! Paulo utiliza algumas metforas para mostrar esta verdade. A primeira delas a expresso enraizados. Isto sugere que o cristo verdadeiro tem a estabilidade igual de uma enorme rvore cujas razes esto absolutamente firmes no solo e nem o vento nem a chuva podem arranc-la ou mov-la.

A segunda figura que Paulo utiliza a de uma edificao. uma figura da arquitetura e revela que ns devemos ser como edifcios cujo fundamento o Senhor. Devemos ser como a casa edificada sobre a rocha. Jesus a pedra sobre a qual a Igreja deve estar edificada, fortemente construda. Jesus o sustentador da Igreja!

Em quinto lugar: Uma Igreja verdadeira manifesta grande gratido a Deus (Vs.07). Paulo utiliza a palavra transbordando para falar da alegria da Igreja verdadeira. Quando cremos em Jesus uma fonte de alegria jorra em nossos coraes. O cristo algum que se enche de gratido todos os dias e no de murmurao. Ele sempre se volta para Deus, a fonte de todo bem, com a alma em festa e com o corao cheio de gratido.

Os perigos enfrentados pela Igreja verdadeiraEm primeiro lugar: (vs. 04) Ser enganada por falsos raciocnios ou falas ideias. Os falsos mestres tinham chegado a Colossos e a Igreja comeou a correr srios riscos. Com palavras persuasivas e mentirosas, aqueles homens estavam tentando enganar os santos. A Igreja deve estar atenta a toda forma de engano de Satans. A Igreja verdadeira no d ouvidos a pessoas sedutoras e suas ideias sempre modernas ou traioeiramente contrrias Bblia. O Diabo nunca fez tantos ataques a Igreja como em nossos dias. Portanto, muito cuidado!

Em segundo lugar: (vs.08) A Igreja corre grande perigo quando d ouvidos a vs filosofias. Falsas filosofias, em especial o gnosticismo tinham invadido a cidade de Colossos. Havia naquele lugar uma marcante presena de pessoas hereges e falsas. O prprio gnosticismo era assim, uma filosofia que estava distorcendo as verdades do ensino de Cristo. Eles no negavam diretamente a pessoa e a Obra de Cristo, mas, negavam Sua Supremacia e poder. Eles olhavam para Jesus apenas como mais um mediador entre os homens e Deus. Na verdade Jesus no passava de apenas uma emanao (apario espiritual) de Deus. Eles estavam tentando destruir a Glria do Senhor Jesus. Eles baseavam seus conceitos em adivinhaes, astrologias, elementos da filosofia grega e deuses do panteo grego. No se baseavam na Palavra de Deus e faziam uso de vrios recursos humanos para tentar enganar as pessoas.

As armas de defesa da Igreja verdadeira 09 e 10 Paula defendeu o uso de duas armas de defesa para a Igreja verdadeira: Primeira: (09) Os gnsticos ensinavam que Jesus no tinha a Divindade de Deus e que era mais um mediador. Eram homens que tinham uma viso distorcida de quem Jesus. A resposta de Paulo fulminante Cristo no uma revelao ou emanao de Deus, mas o prprio Deus em toda a Sua plenitude. Jesus Deus e perfeitamente Divino. Nele habita toda a Glria de Deus! Note a diferena: nenhum ser criado pode ter a plenitude de Deus. Se em Cristo habita toda a plenitude, Jesus Deus Emanuel. Nele habita toda a eternidade de Deus e Seu Infinito Poder!

Segunda arma: (Vs.10) - Jesus o cabea, o dono de todo poder de Deus. Jesus o governador Supremo de todas as coisas, de modo que todos os anjos do cu O louvam e O obedecem! Este o Cristo revelado ao mundo, este o Cristo que recebemos em nossas vidas! O que Cristo fez pela Igreja verdadeira 11 ao 15Paulo fala de cinco obras grandiosas

1 - Transformao interior em lugar de exterior Os falsos mestres em Colossos aliados aos judaizantes diziam que a f em Cristo no era suficiente para a salvao, os homens deveriam tambm fazer a circunciso para serem salvos. Sabemos que a circunciso era um sinal da aliana de Deus com o povo de Israel, mas nada tinha de espiritual, era apenas uma marca externa. Uma simples mudana no corpo nunca poderia salvar algum. A circunciso era apenas uma marca do homem consagrado a Deus (como o batismo nos dias de hoje). Os falsos mestres fizeram uma leitura errada do A.T e comearam a ensinar que a circunciso era sinal de salvao eterna. Uma mentira que a Bblia nunca ensinou. A circunciso que Cristo faz bem diferente da tradio judaica! A de Cristo no corao! A judaica era feita por mos humanas a de Cristo pelo Esprito Santo! A judaica no podia ajudar as pessoas espiritualmente, mas a de Cristo capacita o homem a vencer o pecado!

2 - Uma vida radicalmente nova (12,13A). Paulo usa aqui a figura do batismo como nossa identificao com Cristo. Quando Cristo morreu ns morremos com Ele. Quando Cristo ressuscitou ns ressuscitamos com Ele. Temos vida em Cristo! E uma NOVA VIDA! As coisas velhas ficaram para trs... 3 - O perdo definitivo dos pecados (02:13b) O perdo de Deus gratuito, generoso e fundamental para ns. Uma das melhores experincias que temos com Deus o perdo real de nossos pecados! Uma conscincia atormentada pelo peso da culpa uma das maiores tragdias espirituais da Humanidade Hernandes Dias Lopes. Mas Jesus derramou Seu sangue precioso para uma completa remisso de nossos pecados. Deus apaga nossas transgresses em Cristo e no se lembra mais deles - Isaias 43:45.

4 lugar O cancelamento total da dvida (02:14) Jesus no somente levou nossos pecados sobre a cruz, mas cancelou a dvida que tnhamos para com Deus por causa de nossos pecados! Que dvida esta? Quando falamos em dvida falamos em um preo que estamos devendo. Qual seria o preo justo que deveramos pagar por tamanha salvao? Quanto custa nossa salvao eterna? O preo no pode ser mensurado, mas h um preo! Portanto esta dvida foi paga por Jesus em seu lugar! Deus anulou nossa dvida por meio da morte de Cristo! O preo j foi pago! A palavra grega exaleifein traduzida significa remover, anular ou inutilizar. Deus anulou todas as dvidas que tnhamos, cancelou nosso dbito impagvel! Em Sua imensa misericrdia o Senhor destruiu, eliminou todos os registros das nossas dvidas! Jesus tornou-se o nosso fiador espiritual e pagou tudo aquilo que devamos! Quando Cristo foi cruz, Deus lanou sobre Ele a iniquidade de todos ns. Por isso Jesus bradou no topo da cruz: Est consumado! Joo 19:30.

5 lugar O triunfo final sobre o mal e suas potestades (02:15) Jesus no somente lidou com o pecado na cruz, mas tambm com Satans. Jesus despojou os principados e potestades, triunfando sobre todos os poderes satnicos. Jesus quebrou de uma vez e para sempre o poder das trevas. A vitria final de Jesus alcanou todo o Universo! As trevas foram derrotadas no apenas na Terra, mas em todo o Universo! A cruz foi o golpe definitivo contra o mal e agora os salvos no precisam mais ter medo desses agentes malignos. Paulo j havia dito sobre esta liberdade Col. 01:13. No Cristo o Cabea de todo poder e autoridade? (02:10). No foi Cristo quem amarrou o valente? (Mateus 12:29). A cruz exibiu publicamente a vergonha dos poderes malignos, triunfando sobre eles!

Cristo venceu os principados e potestades ao vencer todas as tentaes satnicas, vivendo uma vida absolutamente sem pecado. Mas ainda, Cristo os venceu pela morte. Os poderes do mal tentaram destruir Jesus publicamente, pela rejeio do povo que gritava: Crucifica-O! - e pelo poder dos polticos e lderes israelitas com a concordncia de Roma. Justamente na tentativa da maior vitria das trevas sobre o Senhor da Glria, Ele rompeu os grilhes da morte, demonstrando Sua vitria sobre as trevas e o poder do pecado em Sua expiao na cruz e por sua ressurreio. Dr. Russel Shedd Doutor em Teologia, Pastor, fundador da Edies Vida Nova e filho de missionrios Batistas americanos.

Pastor Warren WiersbeDoutor e professor em Seminrios nos EUA Jesus conquistou trs vitrias na cruz: 1) Jesus despojou os principados e potestades, tirando de Satans e seu exrcito todas as suas armas. 2) Jesus publicamente os exps vergonha e derrota. 3) Jesus triunfou sobre todas as hostes do mal! Jesus Cristo conquistou uma vitria absoluta, voltando Glria