coleção guia de referência rápida nasf · ao indicar diretrizes para a análise crítica das...

Click here to load reader

Post on 08-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • SMS - RJ / SUBPAV / SAP

    NASF

    Verso Profissional

    Coleo Guia de Referncia Rpida

    PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIROSECRETARIA MUNICIPAL DE SADE - SMS

    Rio de Janeiro, 1 edio/2016

    Ncleos de Apoio Sade da Famliano apoio Regulao Ambulatorial

  • Coleo Guia de Referncia Rpida

    NASFNcleo de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIROSECRETARIA MUNICIPAL DE SADE - SMS

    Superintendncia de Ateno Primria

    Verso ProfissionalSrie F. Comunicao e Educao em Sade

    SMS/RJPCRJ 2016

  • Prefeito Eduardo Paes

    Secretrio Municipal de SadeDaniel Soranz

    Secretrio Geral de Gesto Estratgica e Integrao da RedeJos Carlos Prado Jr.

    Subsecretria de Ateno Primria, Vigilncia e Promoo da Sade Betina Durovni

    Superintendente de Ateno Primria em Sade Guilherme Wagner

    Coordenao de Policlnicas e Ncleos de Apoio Sade da FamliaRafaella PeixotoFabola Andrade RodriguesMarilia TartalhoRenata Zuma

    Coordenao Tcnica Fabiane MinozzoFabola Andrade RodriguesRafaella PeixotoRenata Zuma

    Reviso TcnicaAna Luiza CaBernardo LagoCarolina MansoDbora TeixeiraGerson da Costa FilhoLorena CaranLuiza LobatoMarcos Vinicius Oliveira GouvaPatrcia CamesRachel Esteves SaporitoRafael BaleixoRodolfo DeusdarVagner S

    ColaboraoCludia RamosDenise AlvesGuilherme WagnerPatrcia Durovni

    Coordenao EditorialInaiara Bragante

    NormatizaoErclia Mendona

    DiagramaoVictor Soares Rodrigues Pereira

    2016 Secretaria Municipal de Sade do Rio de Janeiro

    Secretaria Municipal de Sade. Subsecretaria de Ateno Primria, Vigilncia e Promoo da Sade. Superintendncia de Ateno Primria. Ncleo de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial - 1 ed. Rio de Janeiro: SMS, 2016. 24 p. (Srie F. Comunicao e Educao em Sade) (Coleo Guia de Referncia Rpida, n 8) ISBN 978-85-86074-52-3 1. Ateno primria. 2. Regulao ambulatorial. 3. Gesto de listas. 4. SISREG monitoramento e avaliao. I. Ttulo. II. Srie. III. Coleo.

    CDU 616-082(036)

    Catalogao na fonte Ncleo de Publicaes e Memria SMS/SUBPAV

    Ficha Catalogrfica

  • Apresentao 4

    Introduo 4

    Regulao Ambulatorial: o SISREG 6

    O que so as listas do SISREG? 7

    Por que fazer a Gesto das Listas? 8

    Quais Listas monitorar? 9

    Listas por Categoria Profissional 10

    Fluxo da Regulao Ambulatorial 11

    Como fazer a Gesto das Listas: NASF na Regulao Ambulatorial 13

    Atribuies com relao Gesto das Listas 14

    Operacionalizando a Gesto das Listas 15

    Monitoramento e Avaliao do Processo 19

    Referncia Bibliogrfica 23

    ndice

  • 4

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Apresentao

    Escrito pelo grupo de tcnicos direcionado a todos os profissionais que atuam nos Ncleos de apoio da sade da famlia do municpio. Tem como objetivo principal orientar a gesto de listas prioritrias selecionadas a partir do monitoramento contnuo, utilizando elementos prticos para operacionalizao e gesto das listas do sistema de regulao.

    Introduo

    A Ateno Primria tem como atributos essenciais o acesso de primeiro contato (ser porta de entrada), a integralidade, a longitudinalidade e a coordenao do cuidado (STARFIELD, 1992). Por coordenao do cuidado pode-se entender elaborar, acompanhar e gerir projetos teraputicos singulares, bem como acompanhar e organizar o fluxo dos usurios entre os pontos de ateno das Redes de Ateno Sade (BRASIL, 2012). Estudos mostram que uma APS eficiente deve ser capaz de resolver de 80 a 90% dos problemas de sade da populao. Entretanto, em alguns casos, necessrio o acionamento de outros pontos da RAS como ferramenta para garantir a integralidade do cuidado em sade. Este acionamento deve ser resultado de um projeto teraputico construdo entre equipe de Sade da Famlia, NASF e usurio, sendo a eSF responsvel por seu acompanhamento antes, durante e depois do encaminhamento (BRASIL, 2012). O SISREG um sistema online criado para o gerenciamento de todo complexo regulatrio, indo da Ateno Primria internao hospitalar. Destina-se a regular os exames complementares e os encaminhamentos s consultas ambulatoriais especializadas, devendo ser utilizado apenas nos casos em que os pacientes tenham boa indicao clnica, baseada nas melhores evidncias disponveis.

  • 5

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Entendendo a importncia do NASF enquanto dispositivo de apoio s equipes de Sade da Famlia na resoluo de problemas clnicos e sanitrios, para a introduo de prticas que ampliam o escopo de ofertas, este guia pretende orientar o manejo das listas do SISREG ambulatorial pelos profissionais do NASF, em apoio s equipes de Sade da Famlia ou de forma complementar a elas, contribuindo para o aumento da resolutividade da APS.

    Todo Regulador tem a autonomia para decidir sobre a melhor conduta na regulao das vagas de consultas especializadas e de exames complementares. O NASF, enquanto equipe de apoio, deve atuar junto ao regulador na Gesto das Listas do SISREG, garantindo a Coordenao do Cuidado e a Integralidade da Ateno.

  • 6

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Regulao Ambulatorial: o SISREG

    Perfil Profissional Habilitado Funo

    SolicitanteMdico

    Enfermeiro 1Dentista

    Responsvel pela introduo dos dados e informaes clnicas para agendamento de

    consultas e procedimentos no sistema.

    ReguladorResponsvel Tcnico Mdico

    Preceptor mdicoDentista 2

    Responsvel por avaliar as solicitaes e regular os encaminhamentos para exames e

    procedimentos da sua unidade de sade.Pode autorizar, negar, devolver ou deixar como pendente a solicitao, utilizando os critrios de disponibilidade de vaga, classificao de risco,

    boa prtica clnica e princpio da equidade.

    Coordenador de Unidade Gerente/diretor da unidade

    Responsvel por acompanhar as solicitaes, cancelamentos e regulao das vagas, assim como garantir informaes dos agendamentos

    aos pacientes. Compete ao coordenador de unidade o cancelamento da solicitao quando houver justificativa, a fim de que a oferta possa

    ser disponibilizada a outros pacientes.

    Quem pode ter acesso?

    1 - A critrio do gerente/diretor da unidade, conforme Protocolo de Critrios Clnicos para o Regulador.

    2 - Responsvel apenas pela regulao odontolgica.

  • 7

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    O que so as listas do SISREG? As listas do SISREG Ambulatorial so formadas pelos encaminhamentos realizados na Ateno Primria, seja na modalidade de equipes tradicionais ou pela equipe de Sade da Famlia, para realizao de exames ou para consultas na ateno especializada. Estes encaminhamentos podero ser:

    Aprovados/autorizados: quando o regulador autoriza a solicitao da consulta/exame. Devolvidos: solicitaes com informaes de dados do paciente ou informaes diagnsticas incompletas ou sem justificativa so devolvidas ao solicitante para complementao das informaes. Negadas: so aquelas que o regulador considerou a falta de critrios para o encaminhamento ou paciente encaminhado para especialidade/exame incompatvel com a clnica. Nesses casos, orienta-se discutir com o solicitante e indicar consulta conjunta do profissional da equipe com o profissional do NASF habilitado, quando necessrio. Pendentes: aquelas que foram aprovadas, mas que aguardam vaga pelo sistema, gerando uma fila de espera. O regulador dever monitorar sistematicamente estas listas, promovendo o cuidado integral do paciente, prevendo analgesia, participao em grupos da unidade e demais ofertas teraputicas, nos casos necessrios.

    Este Guia orienta a gesto de listas prioritrias selecionadas a partir do monitoramento contnuo das listas de regulao no Sistema de Regulao. Contudo, no necessrio limitar-se a elas CADA TERRITRIO PODE ESCOLHER LISTAS ALTERNATIVAS E/OU COMPLEMENTARES A ESTAS.

  • 8

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Por que fazer a Gesto das Listas?

    A integralidade da ateno, a resolutividade e a coordenao do cuidado da APS sero potencializadas quanto mais qualificado for o percurso do usurio na Rede de Ateno Sade (RAS).

    Ao indicar diretrizes para a anlise crtica das filas de espera (solicitaes pendentes) e encaminhamentos com a participao dos profissionais do NASF, eSF e Responsveis Tcnicos, espera-se:

    1. Qualificar os encaminhamentos via SISREG, identificando as demandas passveis de atendimento na APS e aquelas que realmente precisam ser encaminhadas para outros pontos da RAS; 2. Reduzir o nmero de encaminhamentos desnecessrios (Reduo das Listas do SISREG);3. Ampliar o escopo de cuidado da APS; 4. Qualificar o processo de trabalho dos profissionais do NASF e eSF, definindo os papis frente regulao ambulatorial.

    Para qualificar os encaminhamentos necessrio:

    Conhecer e respeitar os critrios clnicos para regulao de vagas ambulatoriais Conhecer os critrios de encaminhamento estabelecidos pela SMS. Caso no tenham sido estabelecidos, utilizar os critrios do Ministrio da Sade Definir fluxo para encaminhamentos

    OS PROTOCOLOS CLNICOS ESTO DISPONVEIS NA PLATAFORMA ONLINE DA SUBPAV.

  • 9

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Quais Listas monitorar?

    A avaliao de quais listas monitorar dever se balizar tanto pela natureza da solicitao quan-to pelo diagnstico comunitrio.

    Estudo de Quais Listas MonitorarConhecendo as Listas: Quais so os procedimentos disponveis no SISREG relacionados sua rea de saber. Nmero de solicitaes pendentes por procedimento. Nmero de solicitaes incompletas, incompatvel com a fila ou sem descrio do quadro clnico. Principais fragilidades identificadas.

    Qualificando as Listas: Solicitaes incompletas ou sem descrio do quadro clnico: devolver ao solicitante e discutir em reunio de equipe e outros espaos. Solicitaes incompatveis com os critrios de encaminhamento: negar o procedimento e discutir em reunio de equipe, traando plano teraputico, quando necessrio.

    Escolhendo as Listas: Analisar as Listas luz das necessidades epidemiolgicas do territrio (discutir com eSF e RT). Escolher as Listas de acordo com os critrios pr-estabelecidos e pactuados entre eSF, RT e NASF.

    NOTA

    Para conhecer quais so os procedimentos disponveis, acessar a plataforma SUBPAV >> SISREG >> Relatrio Ambulatorial >> Relatrio - Pendncias por procedimento.

    Para conhecer as solicitaes pendentes, acessar >> Relatrio Pendncias por procedimento e por Unidade.

  • 10

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia na Regulao Ambulatorial

    Listas por Categoria Profissional

    FONOAUDIOLOGIA Consulta em Fonoaudiologia Consulta em Neurologia Avaliao para diagnstico de deficincia auditiva:

    o Audiologia aparelho auditivoo Emisses otoacsticas evocadas para triagem neonatal

    (teste da orelhinha) o Projeto Sade Auditiva

    FISIOTERAPIA / ED. FSICA / T. OCUPACIONAL Consulta em Fisiatria Consulta em Fisioterapia Consulta em Ortopedia/Reumatologia Consulta em Urologia e Uroginecologia Consulta em Neurologia Exames de Imagem articulares (Ex: Ressonncia Magntica e Ultrassonografia de joelhos, coluna lombar e cervical)

    NUTRIO e ED. FSICA Consulta em Nutrio Consulta em endocrinologia obesidade, gestante, dislipidemia, diabetes Consulta em gastroenterologia refluxo gastroesofgico, gastrite Consulta em cardiologia

    GINECO-OBSTETRCIA Alto risco obsttrico Exames ginecolgicos:

    o Histeroscopia o USG transvaginal

    Consulta em Ginecologia e subespecialidades: como patologia cervical, mastologia, ginecologia cirrgica

  • 11

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    PSICOLOGIA/ SERVIO SOCIAL/ PSIQUIATRIA

    Consulta em Psicologia Consulta em Psiquiatria Consulta em Neurologia

    PEDIATRIA Subespecialidades peditricas:

    o Consulta em Cirurgia Peditrica o Consulta em Neurologia Peditrica o Consulta em Oftalmologia Peditrica

    ATENO

    Mulheres em Idade Frtil (MIF - entre 10 e 49 anos), com risco reprodutivo HAS, DM, HIV/AIDS, gestantes menores de 15 e maiores de 35 anos, inseridas em alguma destas Listas, devem ser orientadas com relao aos riscos que envolvem uma possvel gravidez. Seu acompanhamento deve estar orientado pelas boas prticas de acordo com o CAB 26 Sade Sexual e reprodutiva (BRASIL, 2010), CAB 32 Ateno ao pr-natal de baixo risco (BRASIL, 2013), Guia de Referncia Rpida Ateno ao Pr-Natal e demais documentos da Secretaria Municipal de Sade.

    Fluxo da Regulao Ambulatorial

    O momento da regulao privilegiado para a observao do percurso do usurio e da dinmica de funcionamento da rede. uma das formas de possibilitar o desenvolvimento de aes geis, integradas e efetivas a fim de facilitar o acesso aos servios e propiciar maior qualidade no atendimento das demandas de sade da populao (RIELLA, et al, 2013).

  • 12

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Mdico regulador

    Sim No

    Condies para aprovao?

    Tem vaga disponvel? Solicitao negada Solicitao devolvida

    Agendar solicitao

    Reiniciar solicitao NASF e eSF elaboram estratgias para continuidade

    do Cuidado

    NASF e eSF monitoram o Risco e desenvolvem aes complementares

    NASF e eSF avaliam o retorno da solicitao e se h soluo possvel

    Pendentes(Fila de espera)

    NASF

    Avaliam Lista e discutem caso

    ATENO!Todo caso NEGADO ou DEVOLVIDO deve ser discutido com o profissional solicitante ou em equipe, o que contribui para a Educao Permanente de todos os profissionais envolvidos na assistncia. A conduta tambm deve ser bem justificada no SISREG.

    Sim

    Sim

    No

    No

    A aproximao do NASF com o RT facilita a anlise dos casos demandados pela

    equipe de Sade da Famlia para que a referncia ao especialista acontea de

    forma efetiva, quanti e qualitativamente.

    Figura 1.Fluxograma da Regulao ambulatorial em equipe da ateno primria

  • 13

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Como fazer a Gesto das Listas: o NASF na Regulao Ambulatorial

    O apoio do NASF na gesto das listas da regulao pode provocar mudanas no modelo assistencial. Atravs do SISREG os profissionais podem acompanhar os dados e analisar as filas de espera para diferentes especialidades, quantidade de usurios, tempo de espera, articulaes com outros nveis de ateno sade e readequao dos fluxos de acesso aos servios. Estas aes do NASF, em conjunto com as equipes na Clnica da Famlia e no Centro Municipal de Sade, podem impactar positivamente na sade da populao, reduzindo encaminhamentos desnecessrios e fortalecendo a Rede de Ateno Sade.

    A construo de espaos de discusso e Educao Permanente

    AtenoA Reunio de Equipe o espao privilegiado onde os profissionais da eSF e NASF planejam e pactuam aes para melhorar o processo de trabalho e consequentemente atender s necessidades de sade da populao. Sua articulao fundamental para a discusso do acesso do usurio aos servios, para o estabelecimento de fluxos coerentes com suas necessidades em sade e para aproximao dos profissionais com os servios de outros nveis de ateno, pactuando e compartilhando responsabilidades.

    A elaborao de possibilidades de

    cuidados ofertados na CF/CMS

    Como produto desse processo de negociao, temos as atribuies dos profissionais que compem a eSF e o NASF em relao gesto das listas, conforme descrito a seguir.

    A participao do NASF na gesto

    das listas gera dois movimentos:

  • 14

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Atribuies com relao Gesto das Listas

    AGENTE COMUNITRIO DE SADE: ACOLHIMENTO E AO NO TERRITRIO

    Levanta os problemas e necessidades Direciona, segundo o fluxo da equipe, aos profissionais que melhor possam avaliar e responder a suas questes (eSB, Enfermeiro, Mdico) Informa ao usurio o agendamento Reitera orientaes de preparo e de cancelamento em caso de desistncia Monitora o comparecimento ou absentesmo Mantm os cadastros familiares atualizados

    ENFERMEIRO, DENTISTA OU MDICO

    Abordam problemas e necessidades Manejam o que de sua competncia Solicitam apoio:

    a. de outros profissionais da equipeb. dos profissionais do NASF c. de especialistas focais em servios secundrio ou terciriod. de ferramentas diagnsticas ou teraputicas de mdia ou

    alta complexidade Encaminham, quando necessrio Monitoram as listas (solicitaes pendentes, devolvidas, canceladas e agendadas).

    MDICO REGULADOR

    Estabelece fluxos e critrios para o referenciamento em con-junto com eSF e o NASF Avalia solicitaes (dados do usurio, critrios clnicos da solicitao e perfil de risco) Devolve solicitando complementao ou alterao de dados (para ser reenviada ou cancelada); Nega as solicitaes quando, aps avaliao em conjunto com o NASF, so consideradas impertinentes.

    NASF

    Avalia, em parceria com a equipe e com o mdico regulador, a pertinncia de cada caso da lista; No matriciamento s equipes, discute os casos que se optou retirar da lista; Elabora, em conjunto com as equipes de referncia, um PTS para os casos mais complexos que podem ser conduzidos pela APS, acionando a RAS quando necessrio; Elabora Plano de Cuidado para os usurios que precisam de medidas complementares ao cuidado, enquanto aguardam consulta.

  • 15

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    GERENTE / DIRETOR DA UNIDADE

    Atua na habilitao dos operadores do sistema local Auxilia o processo de trabalho das eSF e NASF Monitora as listas de pendentes e devolvidos Monitora o absentesmo Cria estratgias para reduo do absentesmo

    No momento de construo da Matriz FOFA importante debater sobre as formas organizativas, a cultura organizacional e o modus operandi da Organizao de modo a garantir a execuo do plano.

    Operacionalizando a Gesto das Listas

    Listas levantadas, o que fazer?

    Para ilustrar o passo a passo, utilizaremos como exemplo a Lista da Ressonncia Magntica.

    Plano de Interveno (por procedimento)

    1 Passo: Construir a Matriz FOFA (Fora / Oportunidade / Fraqueza / Ameaa) a fim de conhecer os limites e potencialidades na gesto de cada lista.

  • 16

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Fisioterapia na equipe NASFReunio de equipe para discutir casosEducador Fsico na Academia carioca

    Oferta limitada do procedimento

    Elevado nmero de solicitaes pendentes para Ressonncia Magntica

    Protocolos bem definidos para solicitao

    No alcance dos Objetivos Reduo das listas e aumento da resolutividade da APS

    Potencialidade Limite

  • 17

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    2 Passo: A partir da matriz FOFA, identificar as situaes-problema que esto dentro da governabilidade da APS (na matriz FOFA, o quadrante das Fraquezas), selecionando os ns crticos de cada situao que podem explicar a Lista, e as respectivas aes a serem empreendidas para a qualificao dos encaminhamentos e reduo das listas. Ateno! Um n crtico pode precisar de uma ou mais atividades!

    Ao definir a proposta do Plano, de extrema importncia que se considere a

    eficcia de cada ao!

    Para cada Situao Problema da Lista, construir um Plano de Interveno

    Situao Problema: Elevado nmero de solicitaes pendentes para Ressonncia Magntica na CF Campo LindoNs crticos (que expliquem a situao problema): desconhecimento ou inexistncia de protocolo; aes inespecficas do apoio especializado para orientar conduta clnica mais adequadaObjetivo/meta: Reduzir o nmero de solicitaes pendentes para ressonncia magntica no SISREG

    N crtico Atividades a serem

    desenvolvidas (detalhamento da

    execuo)

    Recursos necessrios para desenvolvimento

    da atividade

    Resultados Esperados

    Responsveis Prazos

    Desconhecimento ou inexistncia do protocolo de

    encaminhamento para exame e consultas na ateno

    especializada

    Estabelecimento de protocolo

    Reunio entre Fisioterapeuta,

    Educador Fsico e Mdico RT

    Reduo do n de encaminhamentos para Ressonncia

    Magntica

    Fisioterapeuta, Educador Fsico e

    Mdico RT1 ms

    Capacitao no uso do protocolo para os profissionais solicitantes da

    Unidade

    Espao fsico, computador, projetor,

    internet

    Qualificao dos encaminhamentos

    Fisioterapeuta, Educador Fsico e

    Mdico RT1 ms

  • 18

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Aes inespecficas do apoio especializado

    Levantamento do n de pendncias no SISREG SISREG

    (computador com acesso internet)

    Qualificao dos encaminhamentos

    RT 1 semana

    Identificar os principais motivos dos encaminhamentos

    RT, Fisioterapeuta e Educador Fsico

    1 semana

    Avaliar as solicitaes que podem ser manejadas pela APS e NASF

    Excell

    Reduo da Lista de Pendentes

    RT, Fisioterapeuta e Educador Fsico 1 ms

    Criar grupos teraputicos para o tratamento na APS

    Espao fsico com material necessrio

    Fisioterapeuta e Educador Fsico

    1 ms

    Estabelecer rotina para monitoramento da lista de ressonncia magntica

    SISREGQualificar os encaminhamentos e reduzir a Lista de Pendentes

    RT, Fisioterapeuta e Educador Fsico

    1 semana

    Elaborar material para instruo dos profissionais solici-tantes da Unidade

    Espao Fsico, computador com acesso Internet e projetor

    Qualificao dos profissionais solicitantes das Unidades

    RT, Fisioterapeuta e Educador Fsico 1 Ms

    Para o sucesso do Plano, imprescindvel que ele seja construdo e consensuado por todos os atores envolvidos - NASF, eSF, RT e Gerncia!

  • 19

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Ateno!A reduo do nmero de encaminhamentos deve ser um parmetro e no uma meta!

    Quanto mais atuante o NASF, mais fortalecido o Apoio! A qualificao

    das Listas pode instaurar verdadeiros processos de Educao Permanente

    em Sade!

    Monitoramento e Avaliao do Processo

    Aspectos do monitoramento e avaliao do processo

    O planejamento, o monitoramento e a avaliao so atividades tambm de competncia do NASF e contribuem para a qualidade dos servios de sade, auxiliando a definio de estratgias de interveno, a tomada de deciso e a organizao do trabalho dos profissionais.

    A partir das orientaes de Quais Listas Monitorar, cada NASF e respectivos RTs devero qualificar suas Listas e trabalhar continuamente em parceria com as equipes de sade da Famlia a fim de encaminhar somente aqueles casos que no for possvel resolver no mbito da APS. As Listas sero reduzidas medida que forem sendo qualificadas e o Apoio s eSF for se fortalecendo e consolidando.

    Para o monitoramento das solicitaes pendentes de cada lista necessrio:

    a. Estabelecer uma data de incio para o monitoramento - o marco de referncia para aquela listab. Fazer o monitoramento das listas mensalmente a partir dos indicadores (Tabela 1) e responder s se-guintes perguntas:

  • 20

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    As solicitaes incompletas ou sem descrio do quadro clnico foram devolvidas ao Solicitante e discutidas em reunio de equipe ou em outros espaos? As solicitaes incompatveis com os critrios de encaminhamento foram negadas e discutidas em reunio de equipe ou em outros espaos, sendo traados planos teraputicos, quando necessrio? Foram exploradas outras possibilidades de assistncia dentro da equipe NASF? A Lista de pendentes, uma vez qualificada, foi reduzida em nmero? Como est o trabalho entre eSF, NASF e RT? Os espaos de apoio matricial esto sendo garantidos e/ou preservados? O trabalho em equipe est se consolidando? A partir das necessidades identificadas, quais novas ofertas de cuidado e de Educao Permanente e/ou Continuada a equipe NASF conseguiu proporcionar para a equipe? Quais as dificuldades encontradas e as estratgias para superar?

  • 21

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Quadro 1. Indicadores para orientar as aes do NASF em relao Gesto das Listas do SISREG.

    Indicador Quais dados Coletar

    Onde Coletar Periodicidade da Coleta

    O que os dados me dizem?

    Clculo Parmetro

    Solicitaes incompletas e

    sem descrio do caso clnico

    n solicitaes incompletas e sem descrio

    de quadro clnico + n total de solicitaes

    pendentes

    Lista de Pendentes no SISREG - por procedimento

    Mensal

    Quanto menor for o percentual de solicitaes incompletas,

    sem descrio do quadro clnico e incompatveis, mais qualificada

    estar minha Lista

    (n solicitaes incompletas e sem descrio quadro

    clnico + n de solicitaes incompatveis / total de

    solicitaes pendentes) x 100

    N/A

    Solicitaes incompatveis

    com os critrios de

    encaminhamento

    n solicitaes incompatveis + n total de solicitaes pendentes

    Frequncia da reunio entre eSF e NASF (mnimo

    2x / ms)

    n reunies eSF+NASF n total de

    reunies eSF

    Ata de Reunies de Equipe

    Quanto maior a frequncia, mais fortalecida a

    relao entre eSF e NASF

    [n reunies eSF+NASF / n total de reunies eSF (por

    equipe)] x 10050%

    Conduta para cada caso que se

    retirou da lista

    n condutas definidas

    n solicitaes pendentes

    retiradas da Lista

    Ata de Reunio ou outro

    instrumento deste Registro + Lista

    de Pendentes no SISREG - por procedimento

    Quanto maior o percentual de condutas

    definidas, melhor o

    acompanhamento pela equipe

    (n condutas definidas / n total solicitaes pendentes

    retiradas da fila) x 100 80%

  • 22

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Plano de cuidado dos

    remanescentes da Fila de

    Pendentes (aps qualificao das

    Listas)

    n plano teraputico da

    fila de pendentes n solicitaes pendentes que permaneceram

    na Lista

    Ata de Reunio ou outro

    instrumento deste Registro + Lista

    de Pendentes no SISREG - por

    Lista

    Mensal

    Quanto maior o percentual

    de planos teraputicos

    definidos, melhor o

    acompanhamento pela equipe

    (n planos teraputicos / n total solicitaes pendentes) x 100

    80%

    Oferta de espaos de educao e

    aprendizagem para os

    profissionais das equipes

    *o carter subjetivo deste indicador faz com que seja

    necessrio maior cuidado com ele. Pode surgir mais de uma temtica

    por Lista.

    n de temticas para as quais

    foram ofertados espaos de educao e

    aprendizagem n temticas

    identificadas por Lista

    Lista de Aes Coletivas do PEP

    Lista de Pendentes do SISREG - por

    Lista Ata das reunies de

    equipe Anlise e planejamento

    (Gesto das Listas)

    Bimensal

    Quanto maior o percentual de temticas

    ofertadas relacionadas s necessidades identificadas,

    mais capacitados

    estaro os profissionais

    (n de temticas para as quais

    foram ofertados espaos de educao e

    aprendizagem / n temticas

    identificadas por Lista) x 100

  • 23

    Ncleos de Apoio Sade da Famlia no apoio Regulao Ambulatorial

    Referncia Bibliogrfica

    1. BRASIL. Ministrio da Sade. Secretaria de Ateno Sade, Departamento de Ateno Bsica. Diretrizes do NASF: Ncleo de Apoio a Sade da Famlia. Braslia: Ministrio da Sade, 2010a

    2. ______. Ministrio da Sade. Secretaria de Ateno Sade. Departamento de Ateno Bsica. Sade sexual e sade repro-dutiva. Braslia: Ministrio da Sade, 2010b.

    3. ______. Ministrio da Sade. Secretaria de Ateno Sade. Departamento de Ateno Bsica. Poltica Nacional de Ateno Bsica. Braslia: Ministrio da Sade, 2012.

    4. ______. Ministrio da Sade. Secretaria de Ateno Sade. Departamento de Ateno Bsica. Ateno ao pr-natal de baixo risco [recurso eletrnico] 1. ed. rev. Braslia: Ministrio da Sade, 2013.

    5. ______. Ministrio da Sade. Secretaria de Ateno Sade, Departamento de Ateno Bsica. Ncleo de Apoio Sade da Famlia: ferramentas para gesto e para o trabalho cotidiano. Vol. 1. Braslia: Ministrio da Sade, 2014. (Caderno de Ateno Bsica n 39).

    6. CHIAVERINI, D.H. Guia Prtico de Matriciamento em Sade Mental, 2011.

    7. RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Sade. Protocolo para o Regulador: Protocolo Clnico de Critrios para Regulao de Vagas Ambulatoriais. Verso 1.4. 2015.

    8. RIELLA, C. et al. Regulao e Gesto de Filas de Espera: uma experincia exitosa do Servio de Fisioterapia do Municpio de Florianpolis. In: II PRMIO DE BOAS PRTICAS EM SADE DE FLORIANPOLIS, 2013, Florianpolis, 2013.

    9. STARFIELD, B. Ateno primria: conceito, avaliao e poltica. New York: Oxford University Press, 1992.

    10. TONI, J de. O que Planejamento Estratgico Situacional? Revista Espao Acadmico, [S.l.], n 32. jan. 2004.

  • Todos os direitos reservados. permitida a reproduo parcial ou total desta obra,

    desde que citada a fonte e que no seja para venda ou qualquer fim comercial.

    Formato: 21 x 14,8cm | Tipografia: Arial, TimesPapel: Couch 90g (miolo), Supremo Duo Design 300g (capa)Tiragem: 3 mil exemplares

    Secretaria Municipal de SadeRua Afonso Cavalcanti, 455, 8 andar - Cidade Nova

    Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20211-110