c1 diversidade de vida cientic 8 cincias naturais – 8. ano

Download C1 Diversidade de vida CienTIC 8 Cincias Naturais – 8. ano

Post on 22-Apr-2015

394 views

Category:

Documents

27 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • C1 Diversidade de vida CienTIC 8 Cincias Naturais 8. ano
  • Slide 2
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano A lontra um mamfero. 2/17
  • Slide 3
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O golfinho um mamfero. 3/17
  • Slide 4
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O abelharuco uma ave. 4/17
  • Slide 5
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O sardo um rptil. 5/17
  • Slide 6
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O carvalho uma rvore. 6/17
  • Slide 7
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O peneireiro uma ave. 7/17
  • Slide 8
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O flamingo uma ave. 8/17
  • Slide 9
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano A borboleta um inseto. 9/17
  • Slide 10
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O tubaro um peixe. 10/17
  • Slide 11
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano A r um anfbio. 11/17
  • Slide 12
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O cogumelo um fungo. 12/17
  • Slide 13
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano A raposa um mamfero. 13/17
  • Slide 14
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano A biodiversidade a grande variedade de seres vivos que vive num determinado ambiente. Os seres vivos ocupam uma diversidade de espaos fsicos, interagem entre si e com o meio, formando ecossistemas. Insetos (1 000 000) 12.5% do total estimado Outros animais (367 000) Plantas (308 000) 96.2% do total estimado Fungos (74 000) 4.9% do total estimado Bactrias (10 000) 1% do total estimado Protistas (55 000) 14/17
  • Slide 15
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano Plantas Organizao celularEucariontes e pluricelulares NutrioAutotrficos Funo no ecossistemaProdutores Fungos Organizao celularEucariontes, unicelulares ou pluricelulares NutrioHeterotrficos Funo no ecossistemaDecompositores 15/17
  • Slide 16
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano Protistas Organizao celularEucariontes, unicelulares ou pluricelulares NutrioAutotrficos ou heterotrficos Funo no ecossistemaProdutores, consumidores ou decompositores Bactrias Organizao celularProcariontes e unicelulares NutrioHeterotrficos (alguns autotrficos) Funo no ecossistemaDecompositores ou produtores 16/17
  • Slide 17
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano Fonte: Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal Nmero de espcies 17/17
  • Slide 18
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano
  • Slide 19
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O tubaro-azul, tintureira ou guelha (Prionace glauca) um tubaro da famlia Carcharhinidae, que se pode encontrar nas zonas profundas dos oceanos (at 150m de profundidade), em guas temperadas e tropicais.tubaroCarcharhinidaeoceanostemperadastropicais Conhecido como uma das espcies de tubaro com maior capacidade migratria : um espcime monitorado perto das guas do estado de Nova Iorque foi recapturado perto da costa do Brasil.migratriaNova IorqueBrasil Como um tubaro ocenico, tem carter oportunista (o que o coloca quase perto do galha-branca-ocenico em termos de perigo para nufragos e mergulhadores), podendo seguir navios para comer detritos jogados na gua.oportunistagalha-branca-oceniconufragosmergulhadoresnaviosdetritos Tem o hbito de formar pequenos grupos para migraes, suas presas mais frequentes so: peixes, lulas, pequenoscaes, caranguejos, aves marinhas e crustceos.presaspeixeslulascaescaranguejosavescrustceos Seu tamanho pode chegar a 4m e 240 kg, no total, mas normalmente no passa dos 2,5m e 70 kg (algumas fontes na literatura dizem j ter sido encontrados exemplares com mais de 6m de comprimento). Possui corpo esguio e focinho longo e pontudo. Dentes triangulares, pontudos e serrilhados e curvados na mandibula superior, em vrias fieiras. Possuem acolorao azul-escuro no dorso, azul mais claro nos flancos e branco nos ventres. As pontas das nadadeiras costumam ser mais escuras.focinhoDentesserrilhadoscoloraonadadeiras Tambm conhecido como: Tubaro-de-focinho, Mole-mole, Focinhudo e Bico-doce.
  • Slide 20
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano O Abelharuco O Abelharuco uma das aves europeias mais coloridas. A parte de baixo do seu corpo azul-esverdeada e na parte de cima sobressai o castanho-alaranjado, embora tenha tambm partes em tons de verde e azul. A sua garganta amarela e possui ainda uma risca preta bem definida sobre o olho. Embora seja muito colorido, por vezes passa despercebido no meio do habitat em que vive. O que se torna muito til para conseguir observar esta ave o facto do abelharuco costumar aparecer pousado em fios ou junto de rvores dispersas e em locais elevados para detectar facilmente os insectos de que se alimenta. Como distinguir os juvenis dos adultos? Os juvenis dos abelharucos so menos coloridos e mais pequenos que os adultos e no possuem penas compridas no meio das penas da cauda. Qual a sua alimentao? Na maior parte das vezes alimenta-se de insectos que captura durante o voo. As suas presas predilectas so as abelhas, vespas e, de vez em quando, colepteros e liblulas. Durante a poca de nidificao os abelharucos tm que capturar diariamente insectos cuja massa seja equivalente de 225 abelhas. O seu ninho Os abelharucos procuram reas abertas com diversidades de paisagens, ocorrendo normalmente em locais junto de linhas de gua. Os seus ninhos so feitos em buracos no solo, frequentemente nas margens dos rios ou em areeiros. Os abelharucos so aves sociveis que vivem usualmente em colnias, ajudando-se uns aos outros na altura da nidificao. O Inverno Os abelharucos passam o Inverno em frica, a sul do deserto do Saara. A populao de abelharucos na Europa Os abelharucos podem ser observados sobretudo no sul e sudeste do continente europeu Migrao Os abelharucos, tal como as cegonhas, tm duas rotas principais de migrao. As aves que do sudoeste europeu atravessam o Estreito de Gibraltar e deslocam-se para sul atravessando o Saara, at parte Oeste de frica. As aves que ocorrem nos pases da zona Este da Europa deslocam-se para frica via Israel. Quando as crias nascem os abelharucos chegam a formar grupos com mais de 120 indivduos. Mais tarde separam-se em grupos mais pequenos. As aves deparam-se com muitos obstculos e perigos na sua viagem de migrao, muitos dos quais com origem na actuao humana. H pases em que os abelharucos so mortos por apicultores que os vm como pragas que afectam o seu negcio. Os cientistas estimam que em cada 3 aves que deixa a Europa no Outono apenas 1 regressar na Primavera.
  • Slide 21
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano Espcie comum e distribuda por todo o pas, o peneireiro-comum caracteriza-se pelo seu hbito peculiar de parar em voo, batendo as asas rapidamente, de forma a procurar melhor as suas presas. uma ave residente que prefere terrenos limpos de pastagem e incultos, bem como pousios, com reduzida rea de matos, sendo frequentemente visto pousado sobre fios e postes telefnicos, vedaes e pequenas rochas. Foi observado durante o estudo. Descrio/Morfologia Geral: um falco de dimenso mdia, bico curto e curvo, asas e cauda compridas. Tem a cabea acinzentada e o dorso e as coberturas da face superior das asas so castanho-avermelhadas, muito listradas, contrastando com as penas de voo, que so mais escuras. O uropgio e a face superior da cauda so cinzento-azulados, sem listras, e a cauda apresenta uma barra terminal escura e larga. As fmeas e os juvenis tm as partes dorsais de cor castanho-avermelhada e a cauda com fortes barras preto-acastanhadas. Os machos possuem a cabea e a cauda de cor cinzenta. Dimenses e peso: uma espcie de pequeno tamanho que atinge os 32 a 38 cm de comprimento e os 68 a 78 cm de envergadura. Peso da fmea: 220 a 300 g; peso do macho: 190 a 240 g. Alimentao: Auxiliar precioso do agricultor, alimenta-se de roedores, insectos e pequenas aves. No constri ninho: ocupa ninhos abandonados de outras aves de rapina, em rochas, rvores ou mesmo em paredes. Distribuio/Habitat: Est ausente das manchas florestais. Habita os campos abertos, campos de cultivo, urzais e bosques, reas de salgueiros e vidoeiros. Actividades/Hbitos: Pesquisa o solo peneirando a uma altura de 7 a 12 m, permanecendo imvel no ar com as asas abertas e a cauda contrada. Caa persistentemente, voando e peneirando, de cauda aberta, acima do solo. Assim que a sua presa localizada, mergulha a pique para a atacar. As suas longas asas pontiagudas permitem-lhe um voo possante, rpido e gil. A sua cauda longa e as asas so arqueadas em forma de foice. Vocaliza atravs de sries rpidas de sons curtos e agudos. Reproduo: Nidifica geralmente em ninhos velhos de corvdeos, rvores, cavidades rochosas ou mesmo edifcios. A postura ocorre em Abril/Maio, sendo formada por 4-6 ovos que so incubados durante 27-31 dias. As crias so alimentadas por ambos os progenitores, estando prontas a voar aps 28 dias. Longevidade: 16 anos.
  • Slide 22
  • Diversidade de vida C1 CienTIC 8 Cincias Naturais - 8. o ano Reino dos Protistas Os protistas so seres vivos unicelulares e eucariontes; portanto possuem ncleo

Recommended

View more >