aula farmacodin¢mica 2

Download Aula Farmacodin¢mica 2

Post on 12-Dec-2015

19 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Aula Farmacodinâmica 2

TRANSCRIPT

Apresentao do PowerPoint

Prof. Letcia CastroFarmacodinmicaFarmacodinmica

FarmacodinmicaNo estudo dos frmacos, a farmacodinmica investiga:

Locais de ao,

Mecanismos de ao;

Relao entre dose da droga e magnitude dos efeitos;

Efeitos ;

Variao das respostas das drogas FarmacodinmicaA interao entre um frmaco e certos componentes celulares representam o mecanismo de ao do frmaco;

A parte do organismo que interage com a droga denominado de receptor;

O efeito do medicamento depende das funes que uma clula capaz de executar;

Portanto, o frmaco no cria funes, apenas modifica as que j existem.A maioria so protenasOutros: DNA

EnzimasReceptores nuclearesDNACanais inicosReceptores de superfcie Alvos Alvos para ao das drogas5Os receptores induzem muitos tipos diferentes de efeitos, alguns muito rpidos, outros ocorrem dentro de dias/semanas; Como base na natureza da conexo entre a ocupao e a resposta resultante, temos quatro famlias principais de receptores:

Receptor ionotrpico (canal inico)Receptor metabotrpico (acoplado protena G)Receptor ligado quinasesReceptor nuclearTipos de receptores6

Canal inico Protena GTirosina quinaseNuclearTipos de receptor:Ao: milisegundossegundoshorashoras7Rang et al., 2007. Farmacologia 6 ed. Elsevier.

Tipos de receptor mecanismos e efetores8Caracteriza por afinidade: capacidade de ligao

Atividade intrnseca: Gera resposta farmacolgica aps acoplamento

Especificidade qumica: Receptor s aceita frmaco de estrutura similar

Reversibilidade: Foras ligantes so transitrias

Interao frmaco-receptor

Eficcia habilidade, uma vez ligado, de iniciar alteraes que conduzem aos efeitosAfinidadeRefere-se fora de ligao entre o frmaco e o receptor Nmero de receptores ocupados est relacionado com o balano entre o frmaco livre e ligadoInterao frmaco-receptorConstante de Dissociao (KD)Mede a afinidade do frmaco para um dado receptor Definida como a concentrao do frmaco necessria em soluo para atingir 50% de ocupao dos seus receptores. Interao frmaco-receptorQuanto MAIOR A AFINIDADE do frmaco pelo receptor, MENOR A CONCENTRAO em que produz determinado nvel de ocupao.Os mesmos princpios so aplicados quando dois ou mais frmacos competem pelos receptores: CADA UMA POSSUI O EFEITO DE REDUZIR A AFINIDADE APARENTE PARA A OUTROSAgonista X AntagonistaFrmacos Agonistas:

- so frmacos que interagem com os receptores, formam complexo FR e acionam um mecanismo de transduo mimetizam a ao do ligante endgeno.Frmacos Antagonistas: so frmacos que interagem com os receptores, formam complexo FR mas NO ATIVAM os receptores inibem a ao do agonista.Interao frmaco-receptorAGONISTASTOTALPARCIAL

ANTAGONISTASCOMPETITIVONO COMPETITIVO

Para ANTAGONISTAS, eficcia ZEROHabilidade, uma vez ligado, de iniciar alteraes que conduzem aos efeitosEFICCIA A capacidade de produo de uma respostaClassificao dos Agonistas: TOTAL ou PLENO (eficcia = 1)PARCIAL (eficcia intermediria) quantidade do frmaco necessria para produzir 50% da resposta mxima que o frmaco capaz de induzir POTNCIA * * usado para comparar compostos dentro das mesmas classes de frmacos Frmaco agonistaQUANTIFICAO DA INTERAO DO AGONISTA COM O RECEPTOR PELA CURVA DOSE-EFEITO

CURVAS DE CONCENTRAO EFEITO DO AGONISTA

Frmaco antagonista

ANTAGONISTASInibem ou bloqueiam respostas causadas pelos agonistas

ANTAGONISTA COMPETITIVOCompete com um agonista para os receptoresAltas doses de um agonista podem geralmente sobrepor-se ao antagonistaFrmaco antagonistaANTAGONISTA IRREVERSVELLiga-se permanentemente ao local de ligao do receptor, portanto no consegue ser ultrapassado pelo agonista CURVAS DOSE-RESPOSTA DO AGONISTA NA PRESENA DO ANTAGONISTA

Antagonismo no-competitivo

Antagonismo competitivoAntagonismo no-competitivo No compete com agonista pelo receptor.

Inibe passo/etapa da via de sinalizao celular desencadeada pelo agonista.

Interfere com efeitos mediados por outros receptores que dependem do mesmo passo. reduo dos efeitos de uma substncia quando administrada de modo contnuo ou repetidamente

TERMOS AFINS: TOLERNCIA REFRATARIEDADE ( perda de eficcia teraputica) RESISTNCIA ( perda da atividade dos antibiticos)DessensibilizaoAlterao dos receptores:Em geral rpida e pode acontecer por uma alteraoestrutural da molcula dos receptores (principalmente comreceptores acoplados aos canais inicos) pela fosforilao.

Perda dos receptoresA exposio contnua ao frmaco diminui o nmero de receptores ( down regulation = internalizao do receptor por endocitose)Causas de dessensibilizaoExausto dos receptoresAssociado depleo de uma substncia intermediria (ex. anfetamina que diminui reservas de noradrenalina)

Aumento da degradao metablicaPela induo metablica ( ex: fenobarbital)

Adaptao fisiolgicaDiminuio da eficcia de drogas antihipertensivas pela liberao de renina/angiotensina e/ou aumento volemiaCausas de dessensibilizao