aula 2 teoria do conhecimento

Download Aula 2 teoria do conhecimento

If you can't read please download the document

Post on 06-Jun-2015

1.265 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. Epistemologia (episteme = conhecimento) TEORIA DO CONHECIMENTO

2. Os pr-socrticos 3. Numa diviso feita posteriormente, o campo de investigao dos filsofos gregos foi organizada em trs partes: Lgica, tica e Fsica. Lgica: estudo da linguagem e do significado tica: teoria moral e poltica. Compreendia ainda temas que, na atualidade, se enquadrariam no domnio da sociologia e da etnografia Fsica: definida de maneira bastante abrangente, ocupava-se do estudo da natureza e de todos os fenmenos do mundo natural. 4. No mbito dessa distino trplice posterior, os pr- socrticos era considerados basicamente como fsicos. Existem partes de cunho tico e lgico em alguns de seus trabalhos, mas a preocupao fundamental deles era a fsica. Aristteles denomina-os physikoi, e sua atividade, physiologia; eram estudantes da natureza, e seu campo de interesse, o estudo da natureza. Para o leitor moderno, isso poder parecer mais aparentado cincia do que filosofia de fato, nosso moderno campo da fsica deriva seu contedo, no menos que seu nome, da physikoi grega. Jonathan Barnes Filsofos pr-socr|ticos 5. Caractersticas do pensamento pr-socrtico: - mundo algo ordenado e perfeito - seu desenvolvimento obedece determinadas leis naturais - deuses no interferem no mundo, seu desenvolvimento e ordenao obedecem um critrio natural e rigoroso que pode ser conhecido pelos estudiosos da natureza (physikoi) natureza = phsis cientistas ou filsofos da natureza = physikoi 6. Esquema Pitagrico do cosmos ou universo grego 7. O raio e o trovo foram explicados cientificamente, em termos naturalistas, como os efeitos da coliso de nuvens A explicao mitolgica do Zeus poderoso que se irritava com o comportamento humano e deveria ser acalmado com oferendas sua honra foi abandonada. 8. Tales de Mileto (624 546 a.C.) - Com seus estudos de movimento das estrela previu um eclipse do Sol em 585 a.C. - Considerou a gua em suas vrias formas como princpio material ou origem (arch) de todas as coisas 9. Anaximandro (611 546 a.C.) Infinito + quente/frio = atuam sobre os elementos (terra, ar, fogo, gua) A quantidade dos elementos presente nas coisas o elemento que as diferencia. (Vero vs. Inverno) Descrio do sistema celeste no qual a Terra se manteria fixa no mesmo lugar, no centro do universo. Ela dispensaria uma sustentao pelo fato de estar equidistante de cada parte do cu que a circunda. 10. Pitgoras (570 495 a.C.) Alma imortal encarnao em diversas criaturas Histria do mundo igualmente infinita e cclica A matem|tica conteria a chave da compreenso do universo: uma frmula dos ciclos segundo os quais o mundo se move. 11. Herclito de feso (535 475 a.C.) Primeira grande influncia sobre a filosofia de Plato - Movimento eterno Tudo flui A guerra pai de todos, rei de todos N~o se pode entrar no mesmo rio duas vezes 12. Parmnides (530 460 a.C.) Segunda grande influncia de Plato Imobilidade radical do ser em oposi~o ao tudo flui de Her|clito Princpio de Identidade: O ser e no pode no-ser Ser nico, imutvel e imvel Todo movimento e mudana iluso dos sentidos A verdade inteligvel e no sensvel 13. Filsofos ps-eleticos: reao contra a posio de Parmnides que, segundo eles, tornava a cincia e o conhecimento dos fenmenos naturais algo impossvel. Empdocles (490 430 a.C.) O universo se constitui de quatro materiais bsicos: terra, ar, fogo e gua, e eles interagem entre si, misturam- se, somam-se ou destroem-se a partir de duas foras opostas: o amor e o dio. Anaxgoras (500 428 a.C.) Considerava que a fora geradora do cosmos era a mente, ou seja, pela mente as coisas todas teriam se separado da massa indiferenciada da qual todas as coisas surgiram, e isso porque a mente seria a nica substncia capaz de permear e mover todas as coisas. 14. Demcrito (460 370 a.C.) O que existe so os corpos que ocupam espao e se movem pelo vazio. Entende-se por corpo a partcula mnima e indivisvel qual ele chama |tomo, e os corpos visveis seriam ento um conjunto desses tomos que se movimentam no vazio. Nessa perspectiva, o mundo surgiu pelo movimento dos tomos que, em suas colises e diferentes agrupamentos foram dando origem s coisas que existem. 15. O desafio ctico Como atitude filosfica, o ceticismo supe a impossibilidade do conhecimento porque em suas investigaes o ctico constata que uma crena pode ser tomada por verdadeira da mesma forma que a crena contrria. A partir desse desafio, qualquer teoria que queira falar sobre o conhecimento deve elaborar uma resposta aos desafios cticos. 16. Ceticismo antigo Nossas opinies so meros conjuntos de crenas que so aceitas na sociedade da qual fazemos parte e que tm significado apenas no interior desse contexto especfico. No dizem respeito, no entanto, a um conhecimento ou verdade. Para os cticos mais radicais (os pirrnicos), no apenas no conhecimento no possvel, como nossas opinies no podem igualmente ser justificadas. Toda justificao recai em um trilema 1. Regresso ao infinito 2. Interrupo dogmtica 3. Crculo vicioso (falcia) 17. 1. Regresso infinita Acredito que x Crena 1 Acredito que x por causa de Y Crena 2 Acredito em Y por causa de Z Crena 3 18. 2. Interrupo dogmtica Acredito que x Crena 1 Acredito que x por causa de y Crena 2 sabe- se que y Dogma 19. 3. Crculo vicioso Creio que x Creio que x por causa de y Creio que y por causa de z Creio que z por causa de a Creio em a por causa de x 20. Mas o ceticismo no uma escola helenista, ou seja, no verdade que eles surgem apenas depois de Scrates, Plato e Aristteles e de todo o perodo clssico? Por que ento estamos falando de desafio ctico antes mesmo de falar sobre Plato? Ceticismo como escola surgiu, de fato, no perodo helenista e pessimista que se sucedeu ao auge da cultura grega do perodo clssico, mas a postura ctica foi sem dvida inspirada nos chamados Sofistas, que apesar de n~o se chamarem cticos, foram aqueles que primeiro duvidaram da existncia de uma verdade nica e, portanto, do conhecimento verdadeiro. 21. Os sofistas Podemos dizer que, antes mesmo da escola do Ceticismo, o desafio ctico j surgia com os chamados sofistas, mais conhecidos como os grandes inimigos de Plato. => Relativizao da verdade 22. * A verdade no nica, mas relativa quele que a enuncia, ou seja, a verdade relativa quele que se coloca na posio de sujeito do conhecimento. * Conhecimento s tem valor pr|tico, nunca terico, e toma- se como verdade a opinio que tem o melhor efeito ou valor na situao especfica em que ela enunciada. 23. Estou com frio opinio de algum acometido de febre num contexto em que a temperatura 37 C. Mas podemos dizer que falso que ele sente frio embora eu esteja sentindo calor? Qual opinio a mais verdadeira? 24. Aquele que sente calor nas mesmas condies nas quais outra pessoa sente frio, sente no entanto verdadeiramente calor, da mesma forma que o outro sente verdadeiramente frio. E assim vemos melhor o parentesco entre os cticos e os sofistas: - pode-se afirmar coisas contrrias sobre o mesmo objeto ou situao (cticos) - o que verdadeiro depende de quem enuncia ou vivencia a verdade (sofistas) 25. MAS: Se do ponto de vista terico os sofistas afirmam que todas as opinies so igualmente verdadeiras, do ponto de vista prtico, no entanto, as opinies no se equivalem, e precisamente por isso que algumas opinies chamadas melhores prevalecem {s piores. Artes valorizadas e ensinadas pelas escolas sofistas: Retrica Oratria => Ideia de que a discusso e a persuaso so importantes armas polticas 26. Protgoras (491 400 a.C.) O homem a medida de todas as coisas A nica universalidade possvel a de todo princpio sempre relativo. As opinies mudam, so variadas, contraditrias, por isso no podemos falar em algo essencial ou imut|vel. 27. Qual era, portanto, o grande incmodo que os sofistas despertavam em Plato? Enquanto investigao da arte do bem agir e da postura tica, a filosofia platnica dependente de um valor estabelecido e passvel de ser conhecimento do que o BEM (o Sol na alegoria da Caverna) para que as boas aes sejam aquelas conformes ao Bem supremo. Sem isso, o valor das aes igualmente relativizado e no podemos falar em uma reflexo propriamente tica. 28. A resposta de Plato aos sofistas/ ao desafio ctico do conhecimento: Dilogo Teeteto Teeteto (o interlocutor de Scrates) d trs respostas pergunta de Scrates o que o conhecimento? 1. Conhecimento sensao 2. Conhecimento opinio verdadeira 3. Conhecimento opinio verdadeira justificada 29. 1 resposta de Teeteto: Conhecimento sensa~o uma vez que, quando conhecemos, sabemos que conhecemos. Scrates imediatamente identifica a afirmao de Teeteto com a tese de Prot|goras o homem a medida de todas as coisas, e isso porque aquilo que sentimos tomado como aquilo que se nos apresenta e que podemos, portanto conhecer. Ento: - N~o podemos falar em percep~o falsa: assim os estados de loucura, de doena, de deficincia no podem ser tomados como falsos ou anormais - A consequncia imediata : no h efetivamente conhecimento algum, pois o que h apenas a percepo e a sensao 30. Scrates: se apenas a sensao e a percepo que importam, por que justamente o homem que deve ser a medida de todas as coisas e no, por exemplo, o porco? J que no razo que coloca o homem em um lugar privilegiado, por que ento o homem e no outro animal qualquer? 31. Outro argumento interessante contra a tese de que o conhecimento sensao A um no-falante da lngua alem um sujeito alemo dirige a seguinte frase: Knnten Sie bitte leiser sprechen? O no-falante teve exatamente a mesma sensao sonora que um sujeito falante teve, no entanto, para ele essa frase no significa absolutamente nada. Se, partindo da afirmao de que conhecimento sensao, tudo o que percebo tambm conhecimento, como posso chamar de conhecimento algo que no compreendo, embora possa ouvir e ver? Desta forma, resta afirmar que perceber n~o conhecer. 32. Autodestruio do argumento sofista Se todas as opinies so verdadeiras, a opinio segundo a qual nem todas as opinies so verdadeiras deve igual e necessariamente ser verdadeira. E isso pode ser tambm expresso pelo seguinte silogismo: Opinio de Protgoras = opinio dos outros verdadeira (se) opinio dos outros = opinio de Protgoras falsa LOGO: a opinio de Protgoras falsa! 33. Teeteto ento conclui a primeira parte com a seguinte concluso: o conhecimento outra coisa que a percepo. 2 resposta de Teeteto: Conhecimento opinio verdadeira, pois uma vez refutada a tese do sensualismo ligada a Protgoras e sua tese do homem medida de todas as coisas, pode-se partir da certeza de que existem opinies falsas. Ento, se o conhecimento equivalente opinio verdadeira, como explicar que existem opinies falsas? Ou, qual critrio devemos utilizar para diferencia-las? 34. A opinio falsa, responde Teeteto, ocorre quando dizemos sobre algo aquilo que esse algo no . E por que fazemos isso? Pergunta Scrates Porque possvel que tenhamos um conceito errado sobre determinada coisa. Quantas vezes no imaginamos algo que se mostra diferente de quando o conhecemos? Um livro, por exemplo. Por isso devemos sempre nos limitar esfera da percepo e da experincia. Se opinio falsa fruto de um erro que impossibilita o conhecimento, ento o conhecimento a opinio verdadeira. 35. Scrates: opinio verdadeira (doxa) diferente de conhecimento (episteme) Exemplo: Antnio o mdico que tratou a doena de Adalberto Vicente um amigo de Adalberto que observou seus sintomas e o tratamento com o qual Antnio o curou. Maria uma amiga de Vicente que apresentou os mesmos sintomas de Adalberto. Vicente sugeriu que ela adotasse o mesmo tratamento que Adalberto. Mas, temerosa, ela resolveu chamar um mdico. Este mdico sugeriu o mesmo tratamento que Vicente j havia sugerido. A opinio de Vicente evidentemente verdadeira. Mas ela pode ser comparada do mdico? VS. 36. O Vicente evidentemente no tem o conhecimento das causas da doena de Adalberto e sua opinio verdadeira fruto de uma experincia que, no entanto, no foi suficiente para lhe garantir o conhecimento das causas. Ento que Teeteto nos d sua 3 definio de conhecimento: Conhecimento opinio verdadeira justificada 37. Plato (427 347 a.C.) Tentativa de conciliar as duas grandes tendncias filosficas que o precederam: - O imobilismo do ser de Parmnides - A filosofia do mobilismo universal de Herclito => Teoria das ideias ou essncias inteligveis 38. Primeira navegao ou Fsica [estudo da natureza]: deve seguir o caminho dos filsofos pr-socrticos, os physikoi. Mas percebeu que as respostas permaneciam no plano do sensvel e, enquanto tal, no garantiam nenhuma espcie de conhecimento: Enfim, para dizer tudo, no sei absolutamente como qualquer coisa tem origem, desaparece ou existe segundo esse procedimento metodolgico. Escolhi ento outro mtodo, pois de qualquer modo este no me serve. Dilogo Fdon 39. Segunda navegao: transposio a uma nova realidade na qual o raciocnio supera as sensaes e onde se capta o inteligvel ao invs do sensvel. 40. Mundo inteligvel ou mundo das ideias: Domnio das chamadas formas puras ou ideias, frmas inteligveis a partir das quais as coisas sensveis existem. Realidade transcendente que, devido sua imutabilidade, constncia e perfeio o fundamento da realidade sensvel 41. O mobilismo de Herclito que impossibi- litava qualquer tipo de conhecimento => associado ao mundo sensvel, no qual a total compreenso da realidade se mostrava impossvel diante da diversidade de opinio e da eterna mudana dos seres. O imobilismo de Parmnides, por sua vez, seria a descrio do mundo inteligvel das formas puras que no se corrompem. Essa a nica causa possvel do mundo sensvel e imperfeito, j que a verdadeira causa no pode sofrer alteraes, pois caso contrrio no seria a verdadeira causa. + 42. A metfora da linha Sensvel Inteligvel IMAGENS Iluso SERES VIVOS Crena CINCIA Entendimento FILOSOFIA Inteligncia Entendimento = razo dialgica, que percorre o caminho at as Ideias ou Formas Puras. Inteligncia = razo intuitiva, que intui os princpios primeiros e supremos, como o BEM (ou o SOL na alegoria da Caverna). 43. Aristteles (384 322 a.C.) - Como Plato, pensa a cincia como conhecimento verdadeiro, construdo a partir do conhecimento das causas - Tem por objetivo compreender a natureza do devir, da mudana e da corrupo desfazendo os mal- entendidos legados por Plato - Crtica a ideia das formas puras separadas das coisas sensveis e traz as ideias do mundo inteligvel novamente para o mundo sensvel e terreno 44. Mas a dificuldade mais grave que se poderia levantar a seguinte: que vantagem trazem as Formas aos seres sensveis, seja aos sensveis eternos, seja aos que esto sujeitos gerao e corrupo? De fato, com relao a esses seres, as Formas no so causa nem de movimento nem de alguma mudana. Aristteles, Metafsica Aristteles tenta juntar os dois mundos separados de Plato de forma a unir a intuio intelectual s coisas percebidas pelos sentidos em uma unidade existencial. 45. Trs distines fundamentais da teoria aristotlica 1. Substncia-essncia- acidente 2. Forma Matria 3. Ato Potncia 46. 1. Substncia-Essncia-Acidente A Substncia de algo aquilo que faz com que esse algo seja o ser especfico que ele e no outra coisa. Nesse sentido a substncia aristotlica um princpio de individuao que, ao contrrio da ideia platnica, constituinte do ser. A metafsica de Aristteles pode ser considerada uma busca das substncias das coisas, sejam elas sensveis ou suprassensveis, ou seja, a substncia pode ser a matria, a forma, ou o composto matria-forma. 47. Substncia: - atributos essenciais => aqueles sem os quais uma substncia no seria o que . Aristteles diria que o atributo essencial do ser humano a racionalidade, e sem ela ele no poderia ser considerado de fato um ser humano. - atributos acidentais => aqueles que acrescentam caractersticas s essenciais mas no alteram em nada a substncia ou sua essncia. Assim, o homem racional pode ser bonito, feio, alto, baixo, gordo, magro, etc. Nenhuma dessas caracterstica pode mudar o fato de que ele um ser humano e que tambm racional. 48. 2. Forma-Matria O problema das transformaes e mudanas dos seres ainda no foi resolvido com os conceitos de essncia e acidente, e ento Aristteles recorre s noes de forma e matria: Matria: princpio indeterminado de que o mundo fsico composto e que faz com que ele esteja sempre em transformao. Forma: aquilo que enforma a matria, que a define. o princpio inteligvel, a essncia comum aos indivduos da mesma espcie. 49. Exemplo da esttua A matria nesse caso o mrmore de que a esttua foi feita. A forma, no entanto, a ideia da perfeio humana que Michelangelo realiza em Davi. 50. 3. Ato-potncia As noes de matria e forma s do conta do problema do devir e da mudana se analisados juntamente com os conceitos de ato e potncia. Potncia = ausncia de perfeio de um ser que no entanto capaz de possu-la. Potncia aquilo que existe como possibilidade para um ser, mas ainda no como atualidade. Assim, a semente de carvalho possui a rvore de carvalho em potncia, mas no em ato. Ato = aquilo que existe atualmente na coisa, a potncia que j foi realizada. No exemplo do carvalho, a semente passaria de potncia ao ato quando finalmente fizesse brotar e crescer a rvore de carvalho. Assim o movimento , para Aristteles, justamente a passagem do ato potncia, ou potncia que se atualiza. 51. Ato-Potncia e Forma-Matria A matria (no exemplo da escultura, o Mrmore) aquilo que existe atualmente e que traz consigo a potencialidade de receber uma forma (Davi). Uma vez realizada a escultura, o antigo bloco de mrmore ser agora Davi em ato, mas continuar sendo em potncia uma infinidade de outras coisas. Temos trs consequncias fundamentais dessa estrutura do conhecimento: 1. H conhecimento tanto do sensvel quanto do inteligvel 2. As noes de forma e potncia esto na base da tica aristotlica 3. Deus concebido como puro ato, ou seja, como perfeio qual nada pode ser acrescentada. 52. Os dois tipos de conhecimento em Aristteles 1. Conhecimento sensvel 2. Conhecimento inteligvel Ao fazer a experincia de diversas coisas das quais temos o conhecimento sensvel, nossa alma sensitiva representa esses estmulos recebidos dos sentidos na memria e, pelo intelecto, podemos abstrair as caractersticas acidentais para buscar aquilo que h de comum na essncia de cada coisa. Esse o conhecimento inteligvel porque ele lida com conceitos universais abstrados da experincia das coisas sensveis. 53. As noes de forma e potncia na base da tica aristotlica Se a forma do ser humano a sua racionalidade, e se o fim ltimo da vida humana, enquanto humana, a busca pela felicidade, ento a felicidade existe no homem enquanto potncia que deve ser atualizada medida em que o homem age virtuosamente, i.e., em concordncia com a sua racionalidade. A vida eudaimnica, podemos concluir, a atualiza~o (a realiza~o da potncia) da forma humana na matria que o humano individual. 54. Deus concebido como puro ato, ou seja, como perfeio qual nada pode ser acrescentada. Tudo que se move tem como causa motriz o movimento de algo anterior a ele, que por sua vez tem de ter outra causa motriz anterior e assim por diante. Qual a causa do movimento (e, consequentemente, da atualizao) de todos os seres? Aristteles reconhece que preciso que exista algo que seja o precursor absoluto de todo o movimento existente. Este, por sua vez, ser necessariamente imvel, pois caso contrrio, algo anterior a ele dever ser responsabilizado por seu movimento. Mas postular o primeiro motor como um Primeiro Motor Imvel se equivale a considerar que todas as suas possibilidades, diferentemente de existirem, j se encontram efetivadas, ou seja, que ele seja o prprio ato plenamente realizado em todas as suas potncias. 55. A necessidade da lgica Cincia = conhecimento das causas, ou seja, do por que das coisas A cincia verdade demonstrada O instrumento usado para a demonstrao o silogismo cientfico, que um raciocnio composto de premissas, no mnimo duas, uma denominada maior e outra menor, e por uma conclus~o que inferida dessas premissas. As premissas devem ser indemonstrveis ou devem derivar de premissas indemonstr|veis. Assim, quando afirmamos que todo homem mortal n~o precisamos demonstrar o fato de que homens so mortais porque isso se baseia em nossa experincia de que nunca houve um homem que no fosse mortal. Se um homem se provar imortal, ento essa frase no poder mais ser uma premissa, e os silogismos nela baseados sero todos falsos. Os princpios so indemonstrveis porque so a razo da demonstrao de determinadas concluses. 56. A TEORIA DO CONHECIMENTO MODERNA 57. Cincia Medieval - Modelo Aristotlico de conhecimento Cincia Moderna - Contestao de diversos dogmas da Igreja Catlica - Protestantismo - Descoberta cientficas - Galileu e o heliocentrismo 58. Cosmos Aristotlico: Os espaos ordenados entre os Cus . Mundo superior dos cus, perfeito e finito, fechado e acabado, do qual o mundo da Terra era apenas a parte inferior e corruptvel, mas enquanto tal ainda parte do sistema, do Cosmos. Universo Infinito de Galileu: - Onde estamos? - Para onde vamos? - Quem somos? 59. Alguns pensadores da poca (dentre os quais principalmente Montaigne) levaram adiante o clima de contestao e criaram um novo clima de ceticismo, ora afirmando a incerteza do conhecimento, ora concluindo que tudo se refere a costumes, valores, supersties. As ideias nada seriam que meras opinies sem fundamento. 60. Ren Descartes (1596- 1650) 61. - Desconstruo do conceito fundamental da concepo medieval de forma substancial, baseada na teoria aristotlica, no qual a forma ato constitutivo da substncia ou ato pelo qual a substncia existe. - Procedimento: Dvida Hiperblica Consiste em colocar em suspenso todas as crenas de uma s vez, a fim de buscar as bases seguras do conhecimento; Tem por objetivo separar a parte indubitvel do conhecimento para salva-lo - da fraqueza e debilidade dos nossos sentidos - da autoridade dos pais e preceptores (referncia s escolas medievais) 62. Ao suspender tudo o que pode nos conduzir o erro, seremos capazes de estabelecer os fundamentos firmes e incontestveis do conhecimento. Caractersticas da Dvida hiperblica: 1. distingue-se da dvida vulgar pelo fato de ser fruto de uma deciso, e no de uma experincia postura ativa, dvida como exerccio; 2. hiperblica, ou seja, sistemtica/metdica e generalizada/radical; 3. trata todas as coisas duvidosas como falsas. 63. => a dvida recai sobre os princpios sobre os quais se apoiam nossas crenas (alicerce cai e leva junto todo o edifcio, ou seja, todas as crenas). 1 grau da dvida: o erro dos sentidos - Os sentidos podem nos levar a julgar como verdadeiro e real o que no passa de delrio, como acontece com os loucos que de fato veem-se cobertos de ouro quando esto nus. 2 grau da dvida: argumento do sonho - Se estende a todo o conhecimento sensvel e a seu contedo, pois no h quaisquer indcios nem marcas indubitveis capazes de distinguir o sono da viglia. 3 grau da dvida: argumento que estende a dvida ao valor objetivo das essncias matemticas O gnio Malgno Uma vez que Deus onipotente, possvel que ele nos engane. Ainda que essa suposio parea antinatural, ela tem valor apenas metodolgico, uma vez que a considerao da bondade de Deus por si s no suficiente para invalid-la e, portanto, ela deve ser colocada igualmente em suspenso. 64. Conquista da primeira certeza Seguindo o princpio do apoio de Arquimedes, Descartes vai buscar aqui a primeira certeza, capaz de inaugura ar cadeia de razes. Assim: 1. No ponto em que estou no poderia ter a certeza da existncia de algum Deus? No, nada o exige; 2. No posso evocar a certeza de minha existncia como indivduo, como sujeito concreto? No, nada o permite porque pus em dvida todas as coisas concretas que h no mundo. 3. Mas, aqum da minha existncia concreta como indivduo, h algo capaz de resistir a toda dvida e, igualmente, a toda ameaa do gnio maligno? 65. Duvido, logo penso Penso, logo sou A proposio eu sou, eu existo necessariamente verdadeira todas as vezes que a enuncio ou que a concebo atualmente em meu esprito. A natureza deste Eu-existente apenas a de existir atualmente enquanto pensa, duvida, sente, etc. E ela verdadeira ainda que exista um gnio maligno, pois s posso ser enganado se sou alguma coisa. 66. Descartes admite que o esprito tem ideias inatas, nascidas juntamente com nossa mente, e essas ideias so as nicas que nos fornecem certeza absoluta, sobre a qual podemos sustentar posteriormente as certezas adventcias ou empricas, ou seja, as ideias que formamos a partir da experincia e dependem da nossa percepo sensvel. 67. Contraposio essa ideia: John Locke (1632 1704) Ideia da tbula rasa, ou de que nossa mente como um papel vazio no qual a experincia vai imprimindo marcas. Todas as ideias vm da experincia 68. David Hume (1711 1776) 69. * Hume rejeita a posio de Locke de que todas as nossas ideias vm do exterior e da experincia. O exemplo mais comum o do conceito de causalidade. Como podemos adquirir esse conceito do mundo sensvel, considerando que ele no uma coisa ou outra mas a ligao (invisvel) entre duas? * Hume no concorda tampouco com Descartes e no acha que o conceito de causalidade seja inato, ou seja, tenha nascido juntamente com a nossa mente. Como Hume entende, portanto, a origem das nossas ideias abstratas e como o conhecimento delas possvel? 70. Todas as nossas operaes mentais ou ideias tm sua origem em impresses. As impresses podem ser uma representao de algo que existe na realidade, mas pode ser tambm um sentimento. Assim, eliminar as ambiguidades de uma ideia ou justificar uma ideia algo que s pode ser feito se traarmos o caminho inverso das operaes mentais at encontrarmos a impresso ou sentimento da qual a ideia cpia. Ideia de causalidade Experincia da ligao causa- efeito Impresso de que x segue-se sempre a y Impresso de que x segue-se sempre a y Experincia da ligao causa- efeito Impresso de que x segue-se sempre a y 71. Immanuel Kant (1724 1804) 72. Posio intermediria entre o Racionalismo (Descartes) e o Empirismo (Locke e Hume) O conhecimento comea com a experincia mas s pode se tornar conhecimento porque nosso aparato cognitivo capaz de elaborar conceitos independentemente da experincia. E mesmo para a experincia nosso aparato racional e cognitivo dotado de princpios que a organizam e as tornam passveis de serem percebidas. 1. Sensibilidade 2. Entendimento 3. Razo Nosso aparato cognitivo se divide em trs momentos: 73. Revoluo copernicana no conhecimento Mudana de perspectiva: ao invs do sujeito ir at os objetos, so os objetos agora que gravitam em torno no sujeito do conhecimento. 74. Os objetos so percebidos em conformao com os rgos de percepo do sujeito. Sensibilidade Conceitos da sensibilidade: espao e tempo => d~o a forma perceptvel dos objetos. Se eles s~o efetivamente assim, no temos como saber. Tudo o que temos a aparncia das coisas (fenmeno), e no as coisas como elas so em-si. Entendimento conceitos que se aplicam ao material da sensibilidade Conceitos do Entendimento: quantidade, qualidade, relao, etc. Razo Seus conceitos se aplicam aos conceitos do Entendimento apenas. Se se aplicarem ao material da sensibilidade, eles sero a causa de muitos erros. Conceitos da Razo: Liberdade, Imortalidade da Alma, Deus 75. O preo a pagar pela sistematizao do conhecimento kantiana: [Oposio entre Fenmeno e Coisa-em-si] Estruturas do connhecimento: Espao + Tempo Conceitos do Entendimento 76. ? O que acontece com a coisa-em-si? No podemos saber, pois toda informao que recebemos do mundo j recebe uma configurao especfica ao ser humano, que adequada sua racionalidade. 77. TEORIA DO CONHECIMENTO CONTEMPORNEA 78. As principais correntes da epistemologia contempornea Dentre os problemas centrais postos para as teorias contemporneas, destaca-se o problema da justificao de crenas, uma vez que, como j propusera Teeteto, conhecimento opini~o verdadeira justificada. 79. De acordo com essa definio de conhecimento temos ento trs condies necessrias e (supostamente) suficientes para definir uma crena como crena justificada e, portanto, como conhecimento: 1. A verdade da proposio conhecida; 2. H uma crena do agente doxstico nessa proposio; 3. O agente doxstico est justificado ao crer na proposio. CRENAS VERDADES CONHECIMENTO 80. A partir da dcada de 70 duas principais correntes da epistemologia so formadas: 1. Teorias Doxsticas a.Fundacionismo b. Coerentismo 2. Teorias No-doxsticas a. Internalismo b.Externalismo 81. Teorias doxsticas A justificao uma funo exclusiva do sistema de crenas e opinies (da o nome: doxa significa opini~o em grego) que um sujeito S sustenta. A ideia de que por estar necessariamente amarrado em um sistema de crenas, quando tentamos justificar uma determinada crena automaticamente recorremos a uma segunda, e assim sucessivamente. 82. Fundacionismo H um forte apelo cincia cognitiva, segundo a qual o conhecimento tem como base os sentidos, as percepes, que so a base da nossa relao com o mundo e que constituem as nossas crenas mais primitivas Crenas inferenciais Crenas fundacionais Bsicas/simples 83. As crenas fundacionais ou bsicas so formadas a partir da nossa experincia e, tal como a proposi~o todo homem mortal, elas s~o constataes feitas a partir do mundo sensvel que no podem ser refutadas. Crenas fundacionais => Privilgio Epistmico => Serve de justificao para as crenas inferenciais Creio que x Crena inferencial 1 Creio que x por causa de y Crena inferencial 2 Sabe-se que y Crena fundacional 84. Opositores do Fundacionismo colocam as seguintes objees: 1. O que significa essa auto justifica~o das crenas simples e como ela de fato acontece (podemos pensar aqui nos casos de doena, delrio, deficincia, etc.)? 2. Como se d a ascenso epistemolgica das crenas simples s complexas? 85. Coerentismo O ponto de vista do sistema de crenas encontrado no Fundacionismo mantido. Entretanto, para os Coerentistas no h uma hierarquia de crenas que possa estabelecer a base de todo um sistema de crenas, como ocorre no Fundacionismo. No h, portanto, nenhuma possibilidade de apelar s crenas simples e diretamente derivadas das experincias. 86. Como, ento, as crenas so justificadas no Coerentismo? o Coerentismo aposta que a justificao de crenas possvel se h uma conexo coerente entre elas. O apelo se dirige aqui ao sistema de crenas como um todo e, nesse sentido, uma crena justificada no mais por uma crena mais bsica mas pela coerncia que ela capaz de estabelecer com o todo das demais crenas constitutivas do sistema ao qual ela pertence. As crenas se agrupam em sistemas dentro dos quais elas podem at mesmo parecer mais ou menos evidentes. No no entanto a concepo de crena bsica nem nada que no necessite de justificao 87. O principal problema enfrentado pelas teorias coerentistas o questionamento acerca do que conta como coerncia no interior do sistema. preciso estabelecer um critrio de coerncia, porque este no um conceito livre de dificuldades. 88. Teoria no-doxsticas So assim chamadas as teorias que defendem que outros elementos alm de crenas devem ser considerados numa justificao possvel para o conhecimento. Para os seus representantes, portanto, o sistema de crenas por si s no capaz de justificar as crenas que o compem. Duas so as correntes principais: - Internalismo - Externalismo 89. Internalismo Laurence BonJour Assumem traos do fundacionismo ao adotar a ideia de crenas bsicas mas em geral rejeitam a ideia de que por si s uma crena bsica pode justificar todo um conjunto de crenas inferenciais. 90. * Os internalistas diferenciam o estado perceptivo da crena no estado perceptivo. Isso significa que a sensa~o de ver a cor vermelha diferente da preposi~o acredito que vejo a cor vermelha. No caso de um daltnico, essa proposi~o tem uma grande chance de ser falsa. Isso significa que, para justificar uma crena, no suficiente que essa crena esteja fixada mas, ainda, necessrio que ela seja percebida como crena fixada pelo agente dox|stico. * Afirma-se ento que as crenas bsicas como a crena que p ou a crena de que essa ma vermelha no so justificadas por outras crenas mas por outros elementos no-doxsticos, ou seja, no relacionados crena ou opinio, como a evidncia, a situao descrita, etc. 91. Externalismo Rejeio da ideia de que a mera crena ou estado interno do sujeito seja suficiente para justificar sua opinio. Banimento da questo da justificao por crenas => o conhecimento e a justificao tornam-se problemas externos ao sujeito. 92. Como responsabilizar algum por crer ou deixar de crer numa proposio qualquer se a justificao ou a falta dela , no apenas lhe pode ser inacessvel, mas francamente assumida como algo que nada tem a ver com a subjetividade? (Jlio Csar Burdzinski - Os problemas do fundacionismo contempor}neo). Assim, se o exame das condies externas de conhecimento leva afirmao da verdade da proposio, ento a crena est justificada. Em caso negativo, a justificao no possvel. A justificao inteiramente retirada do }mbito do sujeito e de seus estados internos e colocada na configurao do mundo que atualmente se apresenta. 93. Quine e a epistemologia naturalizada Quine quer mostrar que o problema do significado tem predominncia sobre o problema da verdade. No caso de proposies metafsicas, no se pode dizer de sua verdade, mas podemos julga- las em termos de um significado melhor ou mais proveitoso, da a vantagem em relao ao problema da verdade. 94. FIM