assembléia legislativa de rondônia fgv – ?· assembléia legislativa de rondônia fgv –...

Download Assembléia Legislativa de Rondônia FGV – ?· Assembléia Legislativa de Rondônia FGV – Projetos…

Post on 24-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

    Assistente Legislativo - Tcnico em Edificaes 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 3

    Lngua Portuguesa

    Texto 1.

    Do Casamento

    O casamento foi a maneira que a humanidade encontrou de propagar a espcie sem causar falatrio na vizinhana. As tradies matrimoniais se transformaram atravs dos tempos e variam de cultura para cultura. Em certas sociedades primitivas o tempo gasto nas preliminares do casamento corte, namoro, noivado etc. era abreviado. O macho escolhia uma fmea, batia com um tacape na sua cabea e a arrastava para a sua caverna. Com o passar do tempo este mtodo foi sendo abandonado, por presso dos buffets, das lojas de presente e das mulheres, que no admitiam um perodo pr-conjugal to curto. O homem precisava aproximar-se dela, cheirar seus cabelos, grunhir no seu ouvido, mordiscar a sua orelha e s ento, quando ela estivesse distrada, bater com o tacape na sua cabea e arrast-la para a caverna. (fragmento)

    VERSSIMO, Lus Fernando, Comdias da Vida Privada. Ed. LPm. 1994.

    1

    O livro de onde foi retirado este fragmento recebeu o nome de Comdias da Vida Privada. O humor deste fragmento conseguido basicamente pelo seguinte processo:

    (A) exagerar os dados fornecidos.

    (B) misturar momentos distantes do tempo.

    (C) criticar as preocupaes sociais.

    (D) utilizar um vocabulrio ultrapassado.

    (E) descrever aes de forma grotesca.

    2

    O casamento foi a maneira que a humanidade encontrou de propagar a espcie sem causar falatrio na vizinhana.

    Em outras palavras, segundo esse fragmento do texto, o casamento desempenha principalmente o papel de

    (A) autorizar as relaes sexuais.

    (B) construir as relaes entre homem e mulher.

    (C) legalizar uma relao social.

    (D) trazer segurana social.

    (E) organizar a vida familiar.

    3

    O casamento foi a maneira que a humanidade encontrou de propagar a espcie sem causar falatrio na vizinhana.

    Assinale a opo em que a orao reduzida sublinhada est corretamente desenvolvida.

    (A) sem que cause falatrio na vizinhana.

    (B) sem que seja causado falatrio na vizinhana.

    (C) sem que que causasse falatrio na vizinhana.

    (D) sem que tivesse causado falatrio na vizinhana.

    (E) sem causar-se falatrio na vizinhana.

    4

    Na palavra falatrio, o sufixo -rio tem o mesmo valor semntico no seguinte vocbulo:

    (A) auditrio.

    (B) promontrio.

    (C) laboratrio.

    (D) relatrio.

    (E) palavrrio.

    5

    Em certas sociedades primitivas o tempo gasto nas preliminares do casamento corte, namoro, noivado etc. era abreviado.

    O segmento sublinhado entre travesses indica

    (A) uma retificao de um erro anterior.

    (B) uma explicao de um termo obscuro.

    (C) uma exemplificao de tradies sociais.

    (D) uma citao de todas as preliminares referidas.

    (E) uma enumerao de todas as preliminares citadas.

    6

    O macho escolhia uma fmea, batia com um tacape na sua cabea e a arrastava para a sua caverna.

    Esse perodo tem a funo textual de

    (A) esclarecer de que modo o tempo pr-conjugal era abreviado.

    (B) indicar o primitivismo dominante nas relaes matrimoniais.

    (C) criticar a forma do matrimnio na pr-histria.

    (D) mostrar como o rito matrimonial se modificou.

    (E) referir-se s preliminares matrimoniais anteriores.

    7

    Assinale a opo que mostra uma substituio inadequada para a expresso sublinhada.

    (A) As tradies matrimoniais se transformaram atravs dos tempos ... / sucessivamente.

    (B) ...o tempo gasto nas preliminares do casamento - / pr-matrimonialmente.

    (C) Com o passar do tempo este mtodo foi sendo abandonado, / cronologicamente.

    (D) ...no admitiam um perodo pr-conjugal to curto. / abreviadamente.

    (E) ...mordiscar a sua orelha e s ento, quando ela estivesse distrada, / finalmente.

  • Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

    Assistente Legislativo - Tcnico em Edificaes 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 4

    8

    O macho escolhia uma fmea, batia com um tacape na sua

    cabea e a arrastava para a sua caverna.

    ... mordiscar a sua orelha e s ento, quando ela estivesse

    distrada, bater com o tacape na sua cabea e arrast-la para a

    caverna.

    Nesses dois segmentos do texto vemos duas formas diferentes do mesmo pronome pessoal; assinale a opo em que a forma do pronome pessoal empregada est incorreta.

    (A) Os homens faziam-na entrar na caverna.

    (B) F-la-iam entrar na caverna fora.

    (C) Fazia-a aceitar o casamento na base da violncia.

    (D) Espero que a faas aceitar-te como marido.

    (E) Faa-la cumprir o prometido antes do casamento.

    9

    O macho escolhia uma fmea, batia com um tacape na sua

    cabea e a arrastava para a sua caverna.

    Assinale a opo que apresenta o problema de construo dessa frase do texto.

    (A) A polissemia do vocbulo fmea.

    (B) A ambiguidade do possessivo sua em sua caverna.

    (C) A colocao do pronome pessoal a.

    (D) A seleo vocabular por macho em lugar de homem.

    (E) A predicao verbal do verbo arrastava.

    10

    Assinale a opo em que a frase do texto mostra um exemplo de voz passiva verbal.

    (A) O casamento foi a maneira que a humanidade encontrou de propagar a espcie sem causar falatrio na vizinhana.

    (B) As tradies matrimoniais se transformaram atravs dos tempos e variam de cultura para cultura.

    (C) O macho escolhia uma fmea, batia com um tacape na sua cabea e a arrastava para a sua caverna.

    (D) Em certas sociedades primitivas o tempo gasto nas preliminares do casamento corte, namoro, noivado etc. era abreviado.

    (E) ...quando ela estivesse distrada, bater com o tacape na sua cabea e arrast-la para a caverna.

    ATENO: AS DUAS QUESTES A SEGUIR DEVEM SER RESPONDIDAS COM BASE NA CHARGE A SEGUIR.

    11

    Assinale a opo que indica as palavras da charge que mostram variao popular de pronncia.

    (A) Ai Sinh.

    (B) Sinh ah.

    (C) Sinh t.

    (D) t manda.

    (E) manda ela.

    12

    Assinale a opo em que o segmento verbal da charge no apresenta problemas de norma-padro.

    (A) Ai Jesus.

    (B) Me ajuda.

    (C) Ah Sinh.

    (D) h meses.

    (E) manda logo ela.

  • Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

    Assistente Legislativo - Tcnico em Edificaes 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 5

    Histria e Geografia de Rondnia

    13

    A preocupao portuguesa em ocupar a regio estava inserida,

    em um primeiro momento, no contexto da defesa do territrio.

    Ou seja, foram razes de guerra que motivaram os portugueses

    a investir em empreendimentos como fortificaes de defesa na

    regio. Os portugueses se arriscavam nessa empreitada mesmo

    ainda no conhecendo o potencial econmico da Amaznia.

    Tinham apenas a noo de que seu principal rio, o Amazonas, era

    uma excepcional via de comunicao e penetrao no territrio e

    de defesa contra os invasores estrangeiros.

    GOMES FILHO, Gregrio F. O forte So Joaquim e a construo da fronteira no extremo norte. Santa Maria, RS. 2012.

    Assinale a afirmativa que exemplifica corretamente o relato do autor a respeito da posio da coroa portuguesa para a regio amaznica.

    (A) A defesa do territrio foi realizada mediante a construo de fortificaes, como a do Real Forte Prncipe da Beira (1775), baluarte de proteo que garantia aos portugueses a posse e o domnio da capitania do Maranho.

    (B) A instalao das redues jesutas em Chiquitos e Moxos fazia parte de uma poltica de ocupao lusa do territrio da bacia amaznica ampliado pelo Tratado de Madrid (1750).

    (C) A abertura de caminhos fluviais se deu por expedies, como a de Manuel Flix de Lima que, ao comercializar com os jesutas de Moxos, mostrou a viabilidade da navegao entre os rios Guapor, Mamor, Madeira e Amazonas (1742).

    (D) O capito general Antnio Rolim de Moura, para confirmar a presena lusa, fundou a vila capital, Vila Bela da Santssima Trindade (1752), margem direita do rio Jauru, para supervisionar o acesso s minas de Mato Grosso.

    (E) A administrao pombalina (1750-1777) pretendia consolidar o domnio portugus na regio amaznica mediante a integrao de ndios e africanos sociedade colonial, estimulando casamentos interraciais.

    14

    As afirmativas a seguir caracterizam corretamente modalidades consideradas legais para obter escravos na Amaznia colonial, exceo de uma. Assinale-a.

    (A) Os ndios aprisionados nas guerras intertribais podiam ser resgatados pelos colonos os quais, em retribuio, obtinham o direito de escravizar legalmente os indgenas por dez anos.

    (B) As tropas de resgate eram conduzidas por missionrios que convenciam os ndios a buscar a liberdade e melhores condies de vida nos aldeamentos.

    (C) Os ndios de repartio eram os que aceitavam ser descidos sem oferecer resistncia armada, em oposio aos ndios escravos.

    (D) Os descimentos abasteciam de ndios os aldeamentos, de onde eram repartidos pelos moradores, para a realizao de servios e para trabalharem no prprio aldeamento.

    (E) As guerras justas eram expedies militares que invadiam os territrios indgenas e capturavam ndios que estariam impedindo a pregao do Evangelho ou atacando colonos.

    15

    Leia as afirmativas a respeito do auge do primeiro ciclo da borracha (1879-1912) e assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa.

    ( ) A partir da segunda metade do sculo XIX, em funo da crescente demanda internacional por borracha, os seringalistas recrutaram grande quantidade de nordestinos para a extrao do ltex nos Vales do Juru e Purus, com a ajuda financeira das C