apolônio de tiana

Download Apolônio de Tiana

Post on 07-Mar-2016

218 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Nuctemeron

TRANSCRIPT

  • Nuctemeron de Apolnio de Tiana

    A Fraternidade Virtual Eu Sou Luz trs aos irmos neste ms de dezembro de 2003, mais um presente indito em sua biblioteca virtual. No segmento desta, temos uma pequena biografia de Apolnio. Boa Leitura.

    www.eusouluz.rg3.net

    Biografia de Apolnio: Apolnio praticamente um desconhecido da maioria das pessoas, mesmo daquelas que tm uma boa formao religiosa. Aparentemente parece estranho que uma figura to relevante no seja citado nos livros que versam sobre religio, somente aparecendo o seu nome em documentos secretos e em alguns poucos livros de ocultismo. Quem foi e que Apolnio? - Apolnio uma misteriosa figura que "apareceu" neste ciclo de civilizao no incio da era crist (no sculo I). Os documentos que falam Dele geralmente nunca mencionam a palavra nasceu e sim apareceu, isto porque Ele, quando esteve diretamente na terra, manifestava natureza divina. Entre os atributos desta natureza Ele apenas tinha um corpo aparente, se apresentava na terra com corpo etreo, tal como o de Jesus. Em muitos pontos, a vida de Apolnio se assemelha de Jesus. At mesmo a Sua vinda a terra foi anunciada pelo Esprito Santo. Alguns documentos antigos afirmam que Ele, certo dia, surgiu na terra sem ascendentes, mas tambm h documentos que dizem ser Ele filho de uma Virgem. O sobrenome Tiana mesmo nome da cidade onde ele primeiro se apresentou na terra, que ficava na Capadcia. Dotado de uma palavra fcil, eletrizante e convincente, logo depois se transformou num tribuno, ao mesmo tempo em que sua fama se popularizava, caminhando pelo resto do mundo dando um exemplo justo, bom e perfeito. Foi um espontneo defensor dos injustiados, capaz de praticar os mais arrojados e difceis atos de bravura. Sua firmeza e energia de propsitos, mesmo diante do perigo, causavam a todos uma coragem estica. "Ele fora um Deus em forma de Homem!". Apolnio viajou muito no tempo em que esteve na Terra, desde o Egito at a Monglia, sempre sendo iniciado nas Ordens na qual Ele encontrava, no que precisava ser iniciado pois Ele j Um Iniciado, mas sim como O prprio disse para um sacerdote quando pediu para ser iniciado: "Bem sabes porque no queres iniciar-me. Se o dizes, revel-lo-ei: o meu crime justamente conhecer bem melhor do que tu o rito da iniciao. Vim pedir-te por um ato de modstia, submisso e simplicidade, a fim de que passasses por mais sbio do que Eu. Apenas isto!". Logo depois que saiu da sua cidade natal Ele ficou conhecido como um neo-pitagrico. Em Nnive, na Babilnia, encontrou Damis, seu inseparvel e fiel discpulo. De l ambos foram para a terra dos encantos, a ndia, e, percorreram a Monglia e o Tibet,

  • at que atingiram as colinas do Himalaia. L Apolnio deixou Damis e partiu s para um mosteiro onde Ele tornou-se o "Senhor portador dos oito poderes da Yoga", que era o mais alto Grau dos mosteiros daquela poca, neste momento, dizem, uma urea de Luz Lhe emergiu a cabea de modo permanente. Depois voltou e se encontrou com Damis e voltaram para a Grcia, onde comeou a fase mais intensa de curar doentes, desde do corpo a alma, paralticos, cegos e at ressuscitar mortos, como aconteceu com uma moa em Roma. Uma das misses de Apolnio foi a de ensinar aos seguidores de Jesus o como manipular as leis da natureza. Alguns documentos dizem, e verdade, que Apolnio fez milagres idnticos queles feitos por Jesus. O poder dele era tamanho que aonde chegava as guerras eram interrompidas e os exrcitos enterravam as suas armas. Tambm pregava e para ouvi-Lo vinham pessoas de lugares distantes. Apolnio, por sua vez, ensinou como usar as leis da natureza, explicou o como eram feitos os milagres Dele e de Jesus, preparou os primeiros cristos para disporem dos meios de curas e de todos os outros que Jesus utilizou. Mostrou o poder das cores, mostrou que tudo na natureza vibrao, fez ver que existe uma polaridade (J constante dos Princpios Hermticos) em tudo quanto h, que as coisas podem ser manipuladas pela luz, pelo som e coisas assim. Ensinou o valor das cores, portanto como us-las nos templos para obteno de estados especiais de conscincia. Ensinou como usar a msica, que tipo de msica adequado nas diferentes situaes, e restabelecer os meios utilizados pelas cincias hermticas. Ensinou simbolismo, ensinou a linguagem simblica por meio da qual uma pessoa pode entrar em sintonia com planos superiores, com mundos hiperfsicos. Ensinou como se processam as transmutaes na natureza e como conseguir isso, como intervir no astral visando certos resultados. Disse do como captar o poder inerente a cada coisa, a cada cor, a cada forma. Ensinou o poder dos cristais e dos aromas e como us-los nos diferentes nveis. Assim estabeleceu formas de ampliao da conscincia permitindo que as pessoas possam ter acesso a nveis superiores de conscincia independentemente da interferncia de foras esprias. E tambm trouxe ensinamentos de morais o que atingia em cheio a maioria dos governantes dos locais onde Ele passou. Tendo o poder da profecia, Ele tambm profetizou alguns acontecimentos que logo ocorreram. Sendo assim a conjura, tentculo do "poder" das trevas, praticamente arrasou o trabalho de Apolnio. Perseguiu inexoravelmente a pessoa e tambm toda a obra maravilhosa estabelecida por Ele. Apolnio sofreu perseguies terrveis culminando com varias condenaes, como uma vez em que Ele foi preso e a julgamento e falou para Damis e Demtrio esperarem-No em tal dia e tal hora na praia e quando chegou o dia e a hora marcada Ele simplesmente apareceu na praia ao lado dos dois, e outra vez foi a de ser estraalhado por uma matilha de ces ferozes, quando ia ser atacado pelos ces Ele simplesmente sumiu diante da vista de toda uma multido. Tamanho fenmeno contribuiu ainda mais para fazer crescer o mito sobre a pessoa de Apolnio.

  • Depois da Sua partida, foi escrito um livro com Sua histria e com grande parte dos Seus ensinamentos, apresentado em forma de um evangelho com oito captulos. Os ensinamentos e o poder do evangelho de Apolnio era muito superior queles dos quatro evangelistas da poca de Jesus, nele havia coisas que faziam tremer aqueles elementos da conjura que estavam se infiltrando no cristianismo desde ento. Aps a condenao e desaparecimento a conjura ficara livre da presena direta de Apolnio, mas Seu prestgio tornou-se logo lendrio. Assim a conjura que j havia experimentado com relativo sucesso o mtodo do despistamento no seio do cristianismo primitivo, logo passou a us-lo entre os seguidores de Apolnio que, em sua quase totalidade, eram cristos. No cristianismo primitivo a conjura se infiltrou e procurou destruir os autnticos ensinamentos de Jesus assumindo a direo das instituies em geral. No caso de Apolnio ela que j tinha muita influncia dentro das comunidades crists com alguma facilidade pode usar com sucesso o mtodo da falsificao. Assim sendo inundou o mundo de ento com grande nmero de cpias falsas dos ensinamentos de Apolnio. Isto funcionou eficazmente que at hoje s um "expert" em ocultismo capaz de distinguir o que no e o que autntico. Assim nos sculos seguintes Ele foi quase total e oficialmente esquecido e o Seu nome colocado na galeria dos mitos. Em todas as bibliotecas membros da conjura colocam obras falsas como sendo de Apolnio que mais tarde geraram suspeitas pelas incoerncias nelas contidas. A incredulidade a respeito daquele Mestre em parte se deve quele trabalho de despistamento e em parte magnitude de tudo aquilo que Ele realizou e que o qualificou como uma figura lendria. Assim sendo quase tudo o que existe escrito sobre Apolnio, e sobre ensinamentos a Ele atribudos, em grande nmero so falsos. Alguns documentos autnticos existem e so zelosamente guardados por algumas sociedades iniciticas, e reservados aos iniciados nos Mistrios Maiores. Por outro lado influncia de Apolnio foi de tamanha magnitude que o Cristianismo primitivo incorporou uma grande parcela dos ensinamentos que tm sido usados em aplicaes prticas. Assim sendo, a maior parte do ritual e do simbolismo da Igreja Catlica tem como ponto de origem Apolnio. Muitas pessoas indagam: De onde surgiram os smbolos e os vastos rituais incorporados Igreja Catlica se Jesus jamais publicamente usou qualquer um deles? H quem diga que eles foram incorporados de prticas pags, mas isso s verdade se, como tal for tambm includa a doutrina de Apolnio que deu origem quase totalidade dos ritos e smbolos do Catolicismo. de causar admirao que, mesmo havendo estado at hoje atuantes no seio da igreja, os membros da conjura tenham deixado ficar os ritos e smbolos estabelecidos por Apolnio, uma vez que eles se constituam poderosos meios de persuaso, de coeso e conseqente manuteno da unidade religiosa. Eis duas explicaes possveis: Uma, que a conjura desconhecia todo o potencial do simbolismo e ritualstica orientada por Apolnio assim no vendo neles mais que encenaes, portanto algo sem perigo algum. Na verdade os prprios membros da conjura haviam apagado o conhecimento at mesmo para a maior parte daqueles que faziam parte do seu ciclo interno, conseqentemente o potencial dos smbolos era algo desconhecido para eles.

  • Segundo, julgando que afastado Apolnio os elementos mgicos incorporados aos ritos e smbolos serviria tambm aos seus intentos, pois manteria a coeso daquela estrutura que, de uma certa forma, ela j dominava. Podemos dizer que ambas as afirmativas so verdadeiras, em parte a conjura desconhecendo o potencial ritualstico e simblico deixou que eles continuassem presentes no cristianismo e, em parte ela sentiu que tudo aquilo era importante para a estruturao da religio num bloco coeso por ela administrado. Em muitos momentos a conjura deturpou o ritual e o simbolismo, tirou coisas benficas e as substituiu por coisas malficas, entre os quais o uso do vinho, portanto do lcool, no ritual da missa. No somente o ritual catlico que se originou dos ensinamentos de Apolnio, praticamente a quase totalidade dos smb