andré montillo uva - montillo, educando com · pdf filefratura exposta o...

Click here to load reader

Post on 09-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Andr Montillo UVA

  • Fratura Exposta

    a Fratura na qual h uma ruptura na pela e nos tecidos moles subjacentes ( invlucro), permitindo uma

    Comunicao do Foco de Fratura (tecido sseo) com o Meio Ambiente (meio externo).

    Esta Comunicao pode ser:

    Direta: Quando se visualiza o foco de fratura atravs da ferida das partes moles.

    Indireta (atravs do Hematoma Fraturrio): No se visualiza o foco de fratura na leso das partes moles.

    Definio

  • Fratura Exposta

    O Diagnstico de Fratura Exposta, em alguns casos, pode ser mais difcil, principalmente, quando no se visualiza a possvel

    comunicao do foco de fratura com o meio externo, ou seja, a exposio ssea se encontra mascarada.

    Fratura Exposta Oculta: Quando a exposio da fratura ocorre na boca, tubo digestivo, vagina e nus.

    E existem casos em que a ferida na pele pequena e distante do foco de fratura, o que deixa dvida, portanto, ferida na pele em membro com fratura considera-se Fratura Exposta at que prove o contrrio.

    Definio

  • Fratura Exposta

    ainda um grande desafio para os cirurgies que lidam com o trauma

    Geralmente est associada a trauma de alta energia: Politraumatizados

    uma leso complexa envolvendo partes moles e tecido sseo

    Exigem cirurgies experientes

    Devem ser tomadas decises teraputicas importantes de forma rpida e eficaz

    O Tratamento inicial influencia de sobremaneira na evoluo da fratura exposta

    Introduo

  • Fratura Exposta

    Considera 3 Fatores:

    Energia Cintica do Trauma

    Tempo de evoluo da fratura exposta

    Local onde ocorreu a fratura

    Analisa 3 Fatores:

    Caracterstica das leses das partes moles

    Configurao da Fratura

    Grau de Contaminao

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo I:

    Ferida na pele at 1 cm

    Contaminao mnima

    Configurao da fratura: Transversa ou oblqua curta: deslocamento mnimo do peristeo e partes moles

    Tipo II:

    Ferida na pele entre 1 10 cm

    Contaminao moderada

    Configurao da fratura: Transversa, oblqua curta ou cominuo mnima: deslocamento do peristeo moderado extenso

    Tipo III:

    Maior gravidade com prognstico reservado

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo III:

    Ferida na pele maior que 10 cm

    Contaminao significativa

    Configurao da fratura: Cominutiva ou Segmentar: deslocamento extenso do peristeo e partes moles ou esmagamento

    resultado dos traumas da alta energia cintica, portanto, geralmente associada aos politraumatizados ou polifraturados.

    Se subdivide em:

    Tipo III A

    Tipo III B

    Tipo III C

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo III A:

    Cobertura ssea com partes moles adequadas e fratura segmentar

    PAF: Projetil de Arma de Fogo

    Ocorridas em reas contaminadas: campos ou reas rurais

    Tipo III B:

    Leso extensa de partes moles no permitindo a cobertura ssea

    Tipo III C:

    Associada leso arterial que necessite de reparo cirurgico

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo III : Independente do grau da leso das partes moles

    Fraturas expostas com mais de 6 horas de evoluo

    Fraturas segmentares

    Projetil de Arma de Fogo (PAF) de alta energia

    Fraturas expostas ocorridas em local contaminado

    Estas fraturas expostas so determinadas por traumas de alta energia e com grande chance de evoluir com infeco e

    portanto, de prognstico reservado

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo I:

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo II:

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo III:

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Sangramento da pele: No Fratura Exposta

    Fratura Exposta

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Tipo I: Origem do Sangramento: Medula ssea: Fratura Exposta 1 No Coagula aps 2 min. de compresso 2 Sangue Brilha na Luz: Sangue Gorduroso

    Fratura Exposta

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Tipo I: Caractersticas do Sangramento de uma Fratura Exposta em uma

    ferida puntiforme:

    1 Ao emitir um foco luminoso sobre o sangramento, ser observado

    que o sangue brilha mais do que o normal, em decorrncia da maior

    quantidade de gordura presente neste sangue, que originado da

    medula ssea.

    2 Ao comprimir a ferida por 3 minutos e soltar a compresso no

    haver a coagulao do sangramento, porque este sangue no se origina

    dos capilares da pela e sim do foco da fratura.

    Classificao: Gustillo e Anderson

  • Fratura Exposta

    Clnico:

    Presena de leso de partes moles em nvel do foco da fratura

    Radiolgico: Raio X da regio comprometida em Ap e Perfil:

    o Realizado antes da imobilizao provisria

    o Realizado com a imobilizao provisria

    o Realizado no Centro Cirrgico

    Diagnstico

  • Fratura Exposta

    Raio X realizado antes da imobilizao provisria:

    Diagnstico

  • Fratura Exposta

    Raio X realizado com a imobilizao provisria:

    Diagnstico

  • Fratura Exposta

    Raio X realizado no Centro Cirrgico:

    Diagnstico

  • Fratura Exposta

    Inicial Hospitalar

    Geralmente so pacientes politraumatizados, portanto, devem ser inicialmente estabilizados clinicamente segundo as recomendaes do ATLS

    Concomitantemente deve-se cobrir a ferida com curativo estril e fazer uma imobilizao provisria no membro acometido

    Inicia-se imediatamente a Antibioticoterapia venosa profiltica e a tetanoprofilaxia

    Posteriormente levar o paciente para os exames complementares de imagem e em seguida conduzi-lo ao centro cirrgico (CC)

    Os pacientes instveis clinicamente e que apresentam risco de vida devem ser conduzidos, imediatamente, ao centro cirrgico onde tambm sero

    realizados os exames complementares de imagem

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Inicial Hospitalar

    No CC local estril e aprimorado avalia-se cuidadosamente a extenso da leso das partes moles e ssea: desta forma evita-se a recontaminao

    Avaliar minuciosamente as condies neuro-vasculares distais fratura

    Quando se avalia a fratura exposta deve-se tambm avaliar as variveis envolvidas no acidente: o agente causal, mecanismo do trauma, localizao e tempo decorrido do acidente e dados gerais do paciente

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Inicial Hospitalar

    O Antibitico de escolha a Cefalosporina por 48 72 horas, podendo ser mantido por um perodo maior, quando h suspeita de infeco ou at confirmao ou no da presena de infeco, caso tenha sido feito cultura

    Realizar exame de cultura, do material da leso, pr-operatria controvrsia, porque, geralmente, os resultados evidenciam bactrias diferentes das obtidas quando evoluem as infeces

    O agente etiolgico mais freqente na infeco da fratura exposta o Staphilococcus aureus

    Nos casos de Tipo III pode haver associao com os Gram-negativos

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Cirrgico: uma Emergncia Traumatolgica

    Desbridamento Radical de todos os tecidos Desvitalizados e Limpeza Mecnica da ferida:

    o Remoo dos corpos estranhos

    o Remoo dos tecidos desvitalizados

    o Reduzir a contaminao bacteriana

    o Criar uma ferida vascularizada

    Lavagem Exaustiva da ferida com Ringer Lactato ou Soro Fisiolgico:

    o 10 litros no mnimo

    Fechamento da Ferida:

    o Primrio: Sutura da pele

    o Secundrio: A Ferida permanece Aberta com gaze e material biolgico ou sinttico e realiza-se novo curativo no centro cirrgico em 24 48 horas

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Cirrgico: uma Emergncia Traumatolgica

    Fechamento da Ferida:

    o Primrio: Sutura da pele

    Feridas limpas e no ocorridas em locais contaminados

    Todos os tecidos necrticos e corpos estranhos removidos

    Ferida vivel

    Sutura sem tenso

    Ausncia de espao morto

    Geralmente indicado nos casos Tipo I, em alguns casos Tipo II e contra-indicado nos casos Tipo III

    Brumback: Quando h Dvida:

    NO TEM DVIDA, DEIXA ABERTA

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Cirrgico: uma Emergncia Traumatolgica

    Fechamento da Ferida:

    o Secundrio:

    Fechamento retardado por sutura direta

    Fechamento por enxerto de pele ou vascularizado local

    Fechamento por segunda intenso

    Fechamento por enxerto vascularizado distncia

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Cirrgico: uma Emergncia Traumatolgica

    Fixao e Estabilizao da Fratura:

    o Mantem o Comprimento e Alinhamento sseo

    o Evita Novas Leses de Partes Moles pelos fragmentos sseos

    o Diminui a formao de espao morto e hematomas

    o Permite Melhor Cuidado da Ferida

    o Permite Melhor Mobilizao e maior conforto do paciente

    o Diminui a Proliferao bacteriana

    Tipos de Fixao da Fratura:

    o Fixao Interna: Placas, parafusos e fios: Tipo I

    o Fixao Externa: Fixador Externo: Tipo II e Tipo III

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Inicial Hospitalar

    Tratamento

  • Fratura Exposta

    Inicial Hospitalar

    Tratamento

  • Fratura Exposta