aimec - produção musical projeto

of 22 /22
producao musical

Author: eduardo-rad

Post on 19-Mar-2016

249 views

Category:

Documents


7 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Projeto de TGI do curso de Design Gráfico da UNIVALI para a Academia Internacional de Música Eletrônica.

TRANSCRIPT

  • producao musical

  • producao musical

  • ACADEMIA INTERNACIONAL DE MSICA ELETRNICAEDUARDO RAD

    producao musical

  • www.aimec.com.br

    Rua Martin Afonso, N 370

    Curitiba - PR

    Rua 2480, N 93

    Balnerio Cambori - SC

    Av. Imperatriz Leopoldina, N 201

    Campinas - SP

    ACADEMIA INTERNACIONAL DE MSICA ELETRNICA

  • A Academia Internacional de Msica Eletrnica

    foi fundada em agosto de 2004 na cidade de

    Curitiba - PR, onde foi a primeira escola local

    destinada msica eletrnica.

    Durante o primeiro ano de existncia,

    compartilhou sua estrutura com a

    Academia Internacional de Cinema (AICC)

    no bairro Rebouas.

    Em razo do crescente nmero de alunos,

    em agosto de 2005, mudou sua sede para

    o bairro Mercs.

    Nesse perodo, a escola j formou cerca de

    1500 profissionais.

    Nosso objetivo formar novos profissionais

    nas reas tcnicas e culturais,

    sendo elas relacionadas a msica, artes,

    promoo de eventos, etc.

    APRESENTAO

  • 010509121720

    5255586367

    252836424650

    72757980818285899397

    1 INTRODUO 1.1 ABLETON LIVE 1.2 SEQUENCIADORES 1.3 INSTRUMENTOS VIRTUAIS 1.4 SAMPLERS 1.5 HARDWARES

    3 PR-PRODUO 3.1 TONALIDADES 3.2 ARRANJOS 3.3 DINMICA 3.4 TIMBRES

    2 COMPOSIO 2.1 TEORIA MUSICAL 2.2 SNTESE MUSICAL 2.3 TCNICAS DE COMPOSIO 2.4 MIDI 2.5 UDIO

    4 GRAVAO 4.1 CANAIS 4.2 HD 4.3 BACKUP 4.4 CRONOGRAMA 4.5 BASES 4.5 BASS 4.7 PADS 4.8 LEADS 4.9 VOZ

    SUMRIO

  • 100110117125129132

    225229235238243

    145152160168175180186192198200

    245250

    5 PR-MIXAGEM 5.1 CORREES 5.2 ADDS 5.3 GROOVE 5.4 AFINAO DE VOZ 5.5 PR-EQUALIZAO

    7 MASTERIZAO 7.1 VOLUMES 7.2 CORREES 7.3 EQUILBRIO 7.4 ISRC

    6 MIXAGEM 6.1 DRUMS 6.2 BASS 6.3 SYNTHS 6.4 VOZ 6.5 AUTOMAO 6.6 PADRO DE EFEITOS 6.7 COMPRESSO 6.8 PAN 6.9 EQUALIZAO

    8 MERCADO 8.1 SELO INDEPENDENTE

  • 1.5 HARDWARES

  • MONITORES DE REFERNCIA

    O ouvido humano capaz de perceber frequncias que se enquadram entre 20htz e 20000htz, na ver-dade isso varia de pessoa pra pessoa, est a escala mxima que fisicamente possivel ser ouvida por nos humanos com nossos ouvidos mixurucas.

    O que acontece que entre 20 htz e 20000 htz existem alguns milhares de frequencias.

    O ideal seria que todos esses milhares de frequen-cias fossem reproduzidos em 0db, com isso, teriamos certeza de que nem uma frequncia estaria sendo re-produzida de maneria diferente da outra, ouviriamos o som pleno, ou seja, cada micro variao da escala das frequncias estaria em 0 db Som Flat.

    Com isso podemso citar dois possveis problemas de se trabalha com caixas comuns:

    1- Seu sistema de monitorao pode enfatizar determinadas ferequncias em relao a outras, com isso o som que voc ouve pode ser mais saturado em graves ou em agudos do que realmente so.

    2- Seu sistema de monitorao pode simplesmente ignorara algumas frequncias e no repriduzi-las.

    No caso do primeiro problema, no acho to grave, pois como foi dito alguns posts antes uma questo de voc se acostumar com o seu som.

    O que pode acontecer ouvir depois sua msica em algum monitor e perceber que o mix que vc fez na sua casa totalmente diferente daquele que est ouvindo, prem se vc colocar pra ouvir a msica do artista que usou como referncia pra fazer o mix nesses mesmos monitores vai ver que soa parecido com o seu, ou seja acertou a mixagem, mesmo sem estar ouvindo o som como realmente , isso por que teve referncias.

    Se voc ouvir artistas favoritos como referncia nas suas caixas e conseguir reproduzir uma mix que soe parecida com a dele, provavelmente essa mix vai soar parecida com a dele nos monitores.

    produo musical 21

  • TECLADOS SINTETIZADORES

    Um sintetizador um instrumento musical eletrni-co projetado para produzir sons gerados artificial-mente, usando tcnicas diversas.

    Um sintetizador cria sons atravs da manipulao direta de correntes eltricas (sintetizadores analgi-cos), leitura de dados contidos numa memria (sin-tetizadores digitais), ou manipulao matemtica de valores discretos com o uso de tecnologia digital in-cluindo computadores (modulao fsica) ou por uma combinao de vrios mtodos. No estgio final, as correntes eltricas so usadas para causar vibraes no diafragma de caixas de som, fones de ouvido, etc. O som sintetizado diferente da gravao de um som natural, onde a energia mecnica da onda sonora transformada em um sinal que ento convertido de volta energia mecnica quando tocado (embora o mtodo de sampling mascare esta distino).

    Foi inventado em 1960 pelo russo Leon Theremin, mas o modelo mais identificado como um sintetizador como conhecemos, data de 1964, desenvolvido por Robert Moog e Herbert Deutsch, chamado: Moog. Era monofnico (s era possvel tocar uma nota por vez) e ocupava grande espao. A primeira utilizao de um sintetizador em um show ao vivo foi ainda na dcada de sessenta, pelo grupo The Nice, liderado por Keith Emerson, que posteriormente formaria o Emerson, Lake & Palmer. Posteriormente, foram desenvolvidos sintetizadores bem menores e polifnicos, como o Polymoog, de 1976, podendo-se, assim, gerar acordes. Hoje utilizado tambm pelo msico francs de msi-ca eletrnica: Jean Michel Jarre recordista mundial de pblico em show aberto.

    O termo sintetizador Moog pode se referir a qualquer um dos sintetizadores analgicos projetados por Dr. Robert Moog ou produzidos pela Moog Music.

    O que e para que serve? Como surgiu?

    produo musical 22

  • A resposta est no nome o sintetizador sintetiza sons a partir de elementos bsicos, que podem ser simples ou no. Um rgo se dispe a ter som de rgo, e no mximo a imitar de forma bem primria outros instrumentos. J um sampler no cria nada, apenas reproduz sons gravados segundo as ordens do msico; se prope a substituir um instrumento real em todas as suas caractersticas sonoras.

    Um sintetizador se prope a produzir qualquer tipo de som, seja emulando um instrumento ou outra fonte real, seja criando um som ou barulho absolutamente indito, ou ainda algo entre esses extremos. , por ex-celncia, flexvel para conseguir atingir sua proposta. Outra caracterstica essencial de um sintetizador ser programvel, isto , dentro de suas limitaes, poder criar qualquer som que se imagine.

    produo musical 23

    Para cumprir essa proposta, um sintetizador precisa de fontes de ondas sonoras que possam ser trocadas, somadas, modificadas vontade. As maneiras usadas para isso so vrias, e assim podemos falar de difer-entes famlias de sintetizadores, cada uma com seus poderes e limitaes, vantagens e desvantagens.

    Um sintetizador se compe, de um ponto de vista abrangente, de duas partes: gerador(es) de ondas, e modificadores. Vamos ver a seguir quais so os vrios tipos que povoam o mercado.

    As ondas que formam as fontes bsicas de timbres de um synth podem ser de algumas espcies.

    As ondas que formam as fontes bsicas de timbres de um synth podem ser de algumas espcies difer-entes.

    Note que um mesmo instrumento pode incorporar mais de uma espcie de gerador.

    Geradores de formas de onda: so osciladores, com a freqncia determinada pelo teclado ou outro con-trolador (guitarra MIDI, sax MIDI, seqenciador, etc). Num synth monofnico (que s toca uma nota de cada vez), isto diretamente comandado pelo controlador; num polifnico (que pode tocar vrias notas simulta-neamente), um crebro recebe as informaes do con-trolador e, automaticamente, as distribui.

    O termo sintetizador Moog pode se referir a qualquer um dos sintetizadores analgicos projetados por Dr. Robert Moog ou produzidos pela Moog Music.

  • 2.2 SNTESE MUSICAL

  • Sacando o conceito primeiro: pense como feita uma escultura. Comea com um pedro enorme. O artista cava a pedra, cava, cava, cava, corta aqui, corta ali, at chegar a uma forma q ele acha q tem a ver ou at chegar a algo que ele ache bacana. Exatamente assim a sntese subtrativa. Subtrativa significa: sub-trao. Ou seja, comea a moldar seu som com um timbre bem bsico, muito brilhante, o que significa que ele cheio de harmnicos, e ao usar ferramentas como filtros e envelopes, at chegar a um timbre que ache bacana.

    Foi Bob Moog que sacou a idia de jogar os mdu-los numa caixa simples ao lanar o Minimoog e trans-formar o sintetizador de pea de laboratrio em instrumento musical vivel.

    produo musical 37

    SNTESE SUBTRATIVA

    Mdulo 1: Oscilador

    O tipo de sntese mais tradicional e pode ser o que apresenta melhores resutados

    Se continuarmos com o exemplo da escultura, o os-cilador o mdulo onde vc escolhe o tipo de pedra que vai trabalhar. Ou o tipo de timbre que vai trabalhar. Ou falando mais tecnicamente: a forma de onda que vai trabalhar. O controle mais bsico de um oscilador a escolha da oitava. Mais grave ou mais aguda. Normal-mente um knob com o nome de range.

    As formas de onda bsicas que voc trabalha num sintetizador de sntese subtrativa so:

    Dente de serra ou Saw-tooth: a forma de onda mais brilhante. Tipo o gran-ito das formas de onda. Dela d pra se extrair um monte de coisas.

    Pulso: essa onda tipo um Suflair. Aerada por den-tro, ou seja, tem uns bura-cos de harmnicos. O povo descreve seu som normal-mente como tubular.

  • 4.9 VOCAIS

  • ACERTANDO NA GRAVAOFatores e cuidados a se levar em conta na hora de gravar a voz:

    produo musical 21

    Na voz, o mais importante a inteligibilidade, ou seja, voce precisa entender o que est ouvindo. No use efeito em excesso, seja ele reverb ou delay. Voc pode at combinar ambos efeitos: um reverb puro leva a voz para trs, o delay traz a voz para frente, mas seu uso combinado pode dar mais vida voz ou instru-mento.

    Uma boa maneira de dosar a quantidade de efeito ir aumentando gradualmente (partindo do zero) at que voce possa notar claramente sua presena, e ento volte atrs ligeiramente at o ponto em que o efeito desaparea. Ele ainda estar l, mas no ponto certo.

    Msicas com muitos instrumentos e arranjos com-plexos pedem menos reverb; naquelas mais simples, a voz pede um pouco mais do efeito.

    Em gravaes, voce pode avaliar a quantidade cor-reta de efeito ouvindo a mixagem fora da sala, com se voce estivesse em casa ouvindo um radio que algum ligou em outro cmodo.

    O tipo e quantidade de efeito vai depender do tipo de msica, das vozes e aplicao (gravao ou show ao vivo).

    Outro efeito interessante para backings o harmo-nizer (em soft ou hardware). Aplique um detune de -10 ou -15 cents no canal esquerdo e o oposto (+10 ou +15 cents) no direito. Use delays curtos com tempos difer-entes em cada canal.

    O corte de graves nessas vozes costuma ser necessrio a fim de no atrapalhar o restante dos in-trumentos: queda gradativa abaixo de 200 ou 300Hz a depender das vozes (se masculinas ou femininas), da presena de outros instrumentos, etc.

    Alm disso, o msico vai ouvir seu resultado e talvez perceba coisas as quais pode melhorar, partes que no esto combinando bem com a msica, etc. Geralmente quando estamos tocando no percebe-mos algumas coisas, por no estarmos concentrados somente em ouvir, e sim principalmente em tocar.

  • PASSO A PASSO

    1. Abra o Ableton Live e crie um novo Live Set e coloque o tempo em 140 bpm. Na guia de navegao abra o Operator e coloque em uma faixa de udio.

    2. Crie uma faixa MIDI e coloque novamente o Op-erator. Escolha o preset Bass Jungle Drop clicando na seta no canto superior direito do Operator.

    3. Crie um pattern de 16 bars e componha alguma melodia de um baixo.

    produo musical 127

    Como dar dinmica suas composies:

    A primeira coisa que acho que todo produtor deve saber e de cabea, so as contas bsicas pra se achar os tempos de delay pro efeito ficar perfeitamente sin-cronizado com o ritmo.

    Tudo bem, vrios plug-ins agora j fazem isso au-tomaticamente. Mas outros plug-ins no fazem isso e podem haver situaes que tenha que se saber fazer essas contas.

    Utilizando essa frmula vc obtm o tempo de delay pra repetir em toda semnima ou 1/4 note.

  • 5. Copie a melodia para outro pattern com 16 bars e insira uma nova faixa MIDI.

    6. Vamos fazer uma pequena automao na meoldia criada ajustando o controle de tempo deixando em 52% o ajuste do Time.

    7. Como voc pode ver o algartimo em uso o se-gundo de baixo para cima. Selecione o shape Square para o mesmo.

    4. Ligue o LFO clicando no botao pequeno no canto da seo LFO.

    produo musical 128

  • ACADEMIA INTERNACIONAL DE MUSICA ELETRONICA