administração de recursos materiais - aula 01 - Estoques - LEC - curv ABC.pdf

Download administração de recursos materiais - aula 01 - Estoques - LEC - curv ABC.pdf

Post on 13-Dec-2014

180 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>AULA 01 Estoques, Dimensionamento dos Estoques, Nveis de Estoque, Estoque de segurana, Rotatividade ou giro dos estoques, Nvel de Servio (nvel de atendimento), Lote Econmico de Compra, Controle de Estoques, Mtodos de avaliao de estoques, Sistemas de Estocagem, Classificao ABC, Curva ABC (Detalhamento).</p> <p>SUMRIO</p> <p>PGINA</p> <p>SumrioEstoques ......................................................................................................... 2 Dimensionamento dos Estoques ..................................................................... 5 Nveis de Estoque ........................................................................................... 8 Estoque de segurana ..................................................................................... 9 Rotatividade ou giro dos estoques ................................................................ 11 Nvel de Servio (nvel de atendimento) ........................................................ 12 Lote Econmico de Compra .......................................................................... 12 Controle de Estoques .................................................................................... 14 Mtodos de avaliao de estoques ............................................................... 24 Sistemas de Estocagem ................................................................................ 28 Classificao ABC ......................................................................................... 30 Curva ABC (Detalhamento) ........................................................................... 32 Questes Comentadas .................................................................................. 40 Questes Propostas (Sem Comentrios) ...................................................... 63</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 1 de 70</p> <p>www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>Bem vindo ao resto do curso :P. com grande prazer que descubro que voc resolveu confiar em mim para alcanar sua aprovao. Neste caso, farei por merecer tamanha honra :D. Est na hora da dor de cabea :P. A aula 00 era apenas uma demonstrao da mecnica da aula. No se assuste se alguns temas aparecerem novamente aqui. Se acontecer, simplesmente para manter o encadeamento do raciocnio. Pode at pular aquela parte se quiser :P (embora eu no recomende).</p> <p>EstoquesPara que servem os estoques? E como se administra um estoque? Os estoques servem para armazenar os materiais enquanto estes no so necessrios ao processo produtivo. A gesto do estoque poder assumir vrias formas de acordo com o tipo de produo da empresa. Ao falar sobre a gesto de estoques, Chiavenato afirma qu e: No sistema de gesto por encomenda, quase sempre o produto que permanece imvel, enquanto tudo o mais gira em ao redor dele. Esta produo por encomenda e baseada em uma solicitao dos clientes, ou seja, o produto somente produzido aps o cliente ter solicitado. Seria simples para a administrao de estoques se tudo se resumisse a produo por encomenda, no mesmo? MAS A REALIDADE NO ASSIM. Lembra o que eu falei sobre o setor financeiro da empresa? Se dependesse deles, a empresa esperaria um pedido de 100 unidades para comprar matria prima para somente 100 unidades, fabricar estes produtos e entrega-los, sempre com o estoque zerado. Mas nem sempre possvel fazer desse jeito, pois existe tambm a produo em lotes (onde se produz quantidades limitadas de determinado produto</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 2 de 70</p> <p>www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>por vez, por isto o nome em lotes) e a produo contnua (onde o produto e produzido sem paralisaes e por um perodo longo de tempo). Nestes dois modos de produo, a ateno se volta para o sistema produtivo (que foi apresentado na aula passada), porque nestes casos, diferentemente do que ocorre na produo por encomenda, a produo no para nunca, no podendo, deste modo, faltar materiais indispensveis a ela. neste momento que a figura dos estoques ser importante. Os estoques iro garantir a continuidade da produo, sendo que para isso os chamados nveis de estoque de segurana sero necessrios. O estoque garante o abastecimento de materiais empresa, assim, atrasos no fornecimento ou sazonalidades (eventos que alteram a demanda de materiais sensivelmente de tempos em tempos) no suprimento no prejudicaro a produo. O estudo de estoques visa basicamente impedir que haja desabastecimento tanto de matrias-primas e semiacabados dentro da fbrica, assim como na hora em que os clientes faam o pedido. Imagine uma fbrica grande como a Nestl. Se o Carrefour pedir 100 caixas de pudim de chocolate para daqui 10 dias, certamente a fbrica, se iniciar a produo hoje, conseguir entregar o pedido. Mas imagine que a Nestl tenha no seu portfolio mais de 300 produtos diferentes e que haja 2000 pedidos por semana, para serem entregues em poucos dias, como que a empresa ir honrar esses pedidos se comear a produzir hoje? Provavelmente ir falhar miseravelmente. E como podemos conceituar o estoque? Quem melhor para definir isso do que uma banca de concursos n: Informao CESPE (2005/TRT 16 Regio): Estoque toda poro armazenada de mercadoria, ou seja, aquilo que reservado para ser utilizado em tempo oportuno.</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 3 de 70</p> <p>www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>O estoque total de uma empresa a soma, a composio, de todos os elementos apresentados na aula passada. Relembrando: matrias-primas, materiais em processamento, materiais semiacabados, matrias acabados, produtos acabados. Relembrar viver:</p> <p>Materias- primas</p> <p>Materiais em processamento</p> <p>Materiais semiacabados</p> <p>Materiais acabados ou componentes</p> <p>Produtos acabados</p> <p>Estes materiais esto armazenados para serem utilizados em momento oportuno. Seguindo definio, agora da doutrina: O estoque constitui todo o sortimento de materiais que a empresa possui e utiliza no processo de produo de seus produtos e servios. 1 Gesto do estoque o gerenciamento, a prpria administrao, voltada aos materiais estocados. Antes de passarmos para o prximo ponto, vamos lembrar o que a Administrao de Recursos Materiais busca controlar:</p> <p>Dentro de um processo produtivo, a Administrao de Materias (AM) precisa controlar:</p> <p>A Quantidade (para que se evite a falta ou os excessos)</p> <p>O Tempo ( o momento em que os materias estaro disponveis)</p> <p>A Localizao (no basta o material estar disponvel ele tambm precisa estar disponvel no local certo)</p> <p>1</p> <p>Chiavenato, Idalberto. Administrao de Materiais, ed. Campus, pg. 67. www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 4 de 70</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>Nessa parte da aula, vamos nos concentrar na quantidade, para que falemos sobre o dimensionamento do estoque, que nada mais que uma das facetas da gesto do mesmo.</p> <p>Dimensionamento dos Estoques fundamental que uma empresa possa dimensionar seus estoques e assim estabelecer nveis de estoque adequados (entenda-se, nem ter itens em excesso nem em nmero insuficiente). A questo que a empresa tem de chegar a uma concluso de qual seria o nvel adequado de estoque. Entretanto, como ela pode faz-lo? Imagino que um dos motivos de voc estar lendo o curso agora porque gostaria de poder ir ao mercado todos os meses e abastecer a geladeira, sem ter usar cheques voadores na praa, porque seu patro resolveu, as cinco da tarde da sexta feira,que seus servios no so mais necessrios :P. To certo? Entretanto, voc ainda vai ao mercado. Como que voc sabe quantos quilos de arroz, feijo, carne, tomate, banana e uma infinidade de outros itens voc ter que comprar? Aposto que voc planeja! V quanto arroz foi consumido no ms passado (consumo do ltimo perodo), se estamos no ms de dezembro (que devido ao incremento sazonal de consumo, vai precisar de uma geladeira mais cheia) e por a vai. Mas essas coisas que voc faz j foram estudas e documentadas, e para prova, existem trs mtodos que normalmente so utilizados para prever a demanda de um material, cada um deles com algumas vantagens e desvantagens. So eles: o consumo do ltimo perodo; o da mdia mvel; e o da mdia mvel ponderada. A tabela acima tem como Fonte: CESPE/ TST/ 2008.Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 5 de 70 www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>O consumo do ltimo perodo. Este mtodo bastante simples, consiste em se analisar a demanda (ou consumo) do perodo imediatamente anterior e, baseando nisto, prever-se o consumo do prximo perodo. Veja que esta previso bastante simples, mas estar sujeita s mais diversas sazonalidades, alm de haver grandes possibilidades da demanda prevista, tendo por base o perodo anterior, no se refletir na demanda efetiva. No Exemplo ao lado, se fosse solicitada a previso de consumo para julho de 2007 utilizando o mtodo do ltimo perodo, essa previso seria de 490 unidades (o que corresponde ao consumo do ltimo perodo, no caso junho de 2007). Basicamente, este mtodo justamente o responsvel por voc errar a compra de mercado em dezembro baseando-se no consumo de novembro. Dezembro natal, e voc no compra chester todo o ms :P A mdia mvel. Este mtodo no tem como base um nico perodo, mas sim a mdia de consumo de mais de um perodo anterior. As desvantagens residem no fato de que as mdias mveis so influenciadas por valores extremos e de que os perodos mais antigos tm o mesmo peso dos atuais. 2 (grifos nossos) Influncia de valores extremos no clculo da mdia mvel: O valor muito alto de um determinado perodo influencia para mais o resultado final, superestimando a demanda.</p> <p>2</p> <p>Chiavenato, Idalberto. Administrao de Materiais, ed. Campus, pg. 74.</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 6 de 70</p> <p>www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>O valor muito baixo de um determinado perodo influencia para menos o resultado final, subestimando a demanda. Vamos tomar a tabela anterior como exemplo. Imagine que o examinador solicitasse o consumo do ms de janeiro de 2008, com base na mdia mvel para cinco perodos: =570 Neste exemplo no houve nenhuma influencia porque no h valores extremos, uma vez que os valores so muito prximos. Agora, imagine que no ms de setembro o consumo tenha sido de apenas 100 unidades: =474 Nesta segunda situao, o ms de setembro, por apresentar um valor extremo, influenciou para menos o resultado final. Deste modo, a demanda pode estar subestimada. inerente ao funcionamento da mdia que isso acontea, sendo uma desvantagem do mtodo. A mdia mvel ponderada Neste mtodo busca-se reduzir os problemas do mtodo anterior (a presena de valores extremos e os perodos mais antigos de tempo), esta ponderao feita atribuindo-se pesos diferentes para perodos de tempo diferentes, ficando os perodos mais recentes com maior peso. mais ou menos uma mescla dos dois primeiros mtodos.</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 7 de 70</p> <p>www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>Nveis de EstoqueSeria muito bom se possvel fazer previses que informassem a demanda com preciso, no entanto, pelas mais diversas incertezas, na prtica isto no possvel. Diante da imprevisibilidade necessrio se determinar um estoque adicional, um estoque de garantia, para que a empresa possa amortecer efeitos de acontecimentos no previstos quando estes ocorrerem. A seguir veremos vrios aspectos importantes relativos aos nveis de estoque: Grfico Dente de Serra. um dos principais mtodos para se mensurar e estudar os estoques. representado pelo grfico abaixo:</p> <p>Do grfico acima podemos extrair as seguintes informaes: A ordenada (eixo y) representa a quantidade de material; A abscissa (eixo x) representa o tempo decorrido (neste exemplo em meses); No incio do processo h 30 unidades em estoque;</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 8 de 70</p> <p>www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>No h estoque de segurana, ao final de um ciclo de 2 meses o estoque de materiais atinge ZERO sendo imediatamente reposto e atingindo novamente 30 unidades; A cada dois meses necessrio repor os estoques; A quantidade mxima de materiais em estoque 30 unidades.</p> <p>Estoque de seguranaVoc se recorda do diagrama da pgina 04. O item precisa estar na quantidade certa, na hora certa e no local certo. Uma forma de se permitir que isto acontea e tambm de se proteger o sistema produtivo tendo estoques de segurana. O estoque de segurana o estoque mnimo que uma empresa deve dispor, estando intimamente ligado demanda e velocidade de reposio de um determinado material, que podero se apresentar da forma de demanda e reposio fixas ou variveis. natural que todo sistema de produo esteja sujeito a contingncias (situaes no previstas, eventualidades), mas por meio de estoques de segurana uma empresa pode se proteger, reduzindo, por consequncia, este risco. Na figura a seguir temos dois grficos: o primeiro apresentando estoque mnimo (20 unidades), j no segundo temos a ruptura do dente de serra, justamente por no haver estoque mnimo.</p> <p>Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 9 de 70</p> <p>www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>Teoria e exerccios comentados Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Aula 01</p> <p>Observe a linha pontilhada. justamente a linha pontilhada que indica a ruptura do grfico dente de serra. Por outro lado, note como o estoque mnimo desloca a linha dente de serra para cima e para a esquerda (grfico de cima). No caso do grfico, 20 unidades passaram a ser considerados o "novo zero" do grfico. Assim, a empresa pode continuar produzindo por mais um tempo, sem se comprometer. A rea da figura pontilhada no grfico debaixo mostra o quanto a empresa precisou do estoque naquele perodo, e por consequncia, o quanto deixou de ganhar com sua produo. Tempo de reposio O tempo de reposio o tempo que se gasta desde a constatao da necessidade de se adquirir um material e a sua efetiva chegada ao almoxarifado da empresa.Prof. Felipe Cepkauskas Petrachini Pgina 10 de 70 www.estrategiaconcursos.com.br</p> <p>Administrao de Recursos Materiais para o MPU</p> <p>T...</p>