a revolucao agricola e o arranque da revolucao

Download A Revolucao Agricola e o Arranque Da Revolucao

Post on 25-Jun-2015

163 views

Category:

Documents

17 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

A REVOLUO AGRCOLA E O ARRANQUE DA REVOLUO INDUSTRIAL

INOVAES AGRCOLAS E O NOVO REGIME DEMOGRFICO

OS PROGRESSOS NA AGRICULTURA

As condies sociais e polticas favoreceram as transformaes verificadas na agricultura inglesa

Capitalismo agricultura. agricultura.

Apoio do parlamento A nobreza rural foi alargando as suas propriedades atravs da ocupao de terras comunais (baldios). (baldios). As propriedades comearam a ser vedadas, transformandotransformando-se assim em campos fechados (as enclosures), destinadas criao de gado Os nobres adquiriram a baixo preo terras pertencentes a pequenos proprietrios arruinados. arruinados.

agrrio: agrrio:

modernizao

da

A REVOLUO AGRCOLA Passei parte do Vero em Hertford, cidade que fica a cerca de vinte milhas de Londres. [ ] Os Londres. campos so belos e bem cultivados, as herdades cercadas com sebes naturais, fortes como muralhas verdes. Encontramos verdes. enormes plancies verdejantes, com vrias milhas de extenso, onde pastam permanentemente grande nmeros de rebanhos. [ ] rebanhos. A sua l fina e abundante, constituindo uma das grandes riquezas da Inglaterra. Inglaterra. Csar de Saussure, Cartas de Viagem (1782)

VANTAGENS DAS ENCLOSURES De h mais de cem anos para c tem sido concedido um to grande nmero de licenas para dividir e vedar as terras comunais que se calcula haver um tero a mais de terras cultivadas do que havia anteriormente [ ]. As terras vedadas tm vantagens sobre os campos abertos porque fornecem abrigo para o gado, que fica cercado nos campos, e defendem as searas, impedindo os animais e as pessoas de as atravessarem. atravessarem. D on de Beaumont, Os cios do Cavaleiro (1775)

Melhoria das tcnicas

Alm da criao do gado foram introduzidas novas culturas: culturas: batata e beterraba Drenagem de pntanos Novos mtodos de cultivo

Na regio de Norfolk, experimentouexperimentou-se algumas tcnicas revolucionrias: revolucionrias: Seleco de sementes e animais reprodutores Sistema quadrienal de rotao de culturas, permite dispensar o pousio e associar na mesma terra cultivo de cereais e pastagens para o gado. gado.

O CRESCIMENTO DEMOGRFICO O fim das fomes

O aumento da produtividade permitiu maior abundncia de alimentos. alimentos.

Com a melhoria dos transportes, desenvolveu-se desenvolveuo comrcio de produtos alimentares

Aumento da populao

milhes de hab

A melhor alimentao Melhoria da higiene Progressos na medicina e mais ateno s criana Fizeram com que se verificasse um recuo da morte. morte.

Revoluo demogrfica em Inglaterra 10 8 6 4 2 0

A mortalidade infantil diminuiu significativamente e em meados do sculo XVIII passaram a sobreviver dois teros das crianas. crianas. Crescimento e rejuvenescimento da populao

17 00

Novo regime demogrfico

Natalidade Populao

mortalidade

18 00

20

40

60

80

O crescimento urbano

Uma das consequncias da revoluo demogrfica foi o crescimento urbano. Muitas cidades tornaram-se plos de tornaramatraco para as populaes rurais. As mudanas introduzidas na agricultura permitiram dispensar mo-de-obra, mo-deprovocando o xodo rural. rural. REVOLUO INDUSTRIAL

A REVOLUO INGLESA A prioridade inglesa

Condies polticas e sociais

O Parlamentarismo, que triunfara aps a revoluo de 1688/ 1688/89 e representa os interesses dos Burgueses e Nobres Adopo de uma poltica de relativa liberalizao da economia, o que facilitou a expanso capitalista. capitalista. Burguesia e Nobreza empreendedora que se dispunha a investir. investir. Uma mo-de-obra numerosa mo-deque a R. Agrcola empurrara para os centros urbanos e industriais. industriais.

Condies econmicas

Grande abundncia de capitais, acumulados fundamentalmente no comrcio colonial Disponibilidade de matriasmatriasprimas, umas de origem colonial, como o algodo, outras da metrpole como a l e os recursos minerais (ferro e Hulha). Hulha). Vasta rede de comunicaes: comunicaes: excelentes portos, muitos rios e canais navegveis e boas estradas. estradas. Um amplo mercado, quer externo quer interno

A MAQUINIZAO DA INDUSTRIA

O progressos tcnicos

Os sectores de arranque

A competio entre as pequenas oficinas domsticas e as manufacturas no domnio da produo algodoeira, provocou uma competio tcnica com a criao de numerosos inventos, os quais melhoraram a produo. produo. A evoluo tcnica culminou com a utilizao da mquina a vapor de James Watt na indstria txtil, a partir de 1780. 1780. A mquina a vapor o motor da Revoluo Industrial, pela primeira vez, o homem conseguiu produzir energia artificialmente. artificialmente. A maquinizao da indstria deu-se em primeiro lugar no sector deutxtil algodeiro Uma evoluo mais lenta aconteceu na Indstria metalrgica, com a descoberta do coque (1730) uma amlgama de p de carvo 1730) com grande poder calrico e o aperfeioamento dos altos-fornos. altos-fornos.

Produo inglesa de ferro e aoAno 1698 1705 1730 1733 1764 1769 1779 1785 Invento Bomba a vapor Bomba a vapor Uso do coque Lanadeira volante Maq. Maq. De fiao Mq. Mq. De fiao hidrulica Mq. Mq. De fiao Tear mecnico Aplicao da mq. a mq. vapor indstria txtil Autor Savery Newcomen Darby J. Kay Hargreaves Arkwright Crompton Cartwright J. Watt M. Boulton16000 14000 12000

t o n

10000 8000 6000 4000 2000 0 174049 175059 176069 177079 178089

A fbrica, a mquina e o homem

Mais importantes que as alteraes da paisagem foram as condies humanas

A produo fabril mecanizada ou maquinofactura subordinou o homem mquina. O trabalhador mquina. limitalimita-se a observar a mquina. mquina. Deixa de ser o arteso especializado para ser o operrio sem qualificao. qualificao.

Concluindo: Concluindo: o trabalho manual cedeu lugar maquinizao; maquinizao; o artesanato produo em srie; a oficina domstica srie; grande fbrica. fbrica. A manufactura foi substituda pela maquinofactura. maquinofactura.

Evoluo da populao de algumas cidades industriais 400 350 300 250 200 150 100 50 0 1750 1850 Manchester Leeds Birmingham

Evoluo do n de artesos e operrios

300 250 m i 200 l h 150 a r e 100 s 50 0 1806 1815 Operrios 1825 1835 1845

m i l h a r e s

Artesos