a revolucao agricola e o arranque da revolucao

Download A revolucao agricola e o arranque da revolucao

Post on 28-Jun-2015

843 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

ffffffff

TRANSCRIPT

  • 1. A REVOLUO AGRCOLA E OA REVOLUO AGRCOLA E OARRANQUE DA REVOLUOARRANQUE DA REVOLUOINDUSTRIALINDUSTRIALINOVAES AGRCOLAS E OINOVAES AGRCOLAS E ONOVO REGIME DEMOGRFICONOVO REGIME DEMOGRFICO

2. OS PROGRESSOS NAOS PROGRESSOS NAAGRICULTURAAGRICULTURA As condies sociais e polticas favoreceram asAs condies sociais e polticas favoreceram astransformaes verificadas na agriculturatransformaes verificadas na agriculturainglesainglesa Apoio do parlamento;Apoio do parlamento; A nobreza rural foi alargando as suas propriedadesA nobreza rural foi alargando as suas propriedadesatravs da ocupao de terras comunais (baldios).atravs da ocupao de terras comunais (baldios). As propriedades comearam a ser vedadas,As propriedades comearam a ser vedadas,transformando-se assim em campos fechados (astransformando-se assim em campos fechados (asenclosures), destinadas criao de gadoenclosures), destinadas criao de gado Os nobres adquiriram a baixo preo terrasOs nobres adquiriram a baixo preo terraspertencentes a pequenos proprietrios arruinados.pertencentes a pequenos proprietrios arruinados. Capitalismo agrrio: modernizao daCapitalismo agrrio: modernizao daagricultura.agricultura. 3. A REVOLUO AGRCOLAA REVOLUO AGRCOLAPassei parte do Vero em Hertford,Passei parte do Vero em Hertford,cidade que fica a cerca de vintecidade que fica a cerca de vintemilhas de Londres. [] Osmilhas de Londres. [] Oscampos so belos e bemcampos so belos e bemcultivados, as herdades cercadascultivados, as herdades cercadascom sebes naturais, fortes comocom sebes naturais, fortes comomuralhas verdes. Encontramosmuralhas verdes. Encontramosenormes plancies verdejantes,enormes plancies verdejantes,com vrias milhas de extenso,com vrias milhas de extenso,onde pastam permanentementeonde pastam permanentementegrande nmeros de rebanhos. []grande nmeros de rebanhos. []A sua l fina e abundante,A sua l fina e abundante,constituindo uma das grandesconstituindo uma das grandesriquezas da Inglaterra.riquezas da Inglaterra.Csar de Saussure, Cartas deCsar de Saussure, Cartas deViagem (1782)Viagem (1782)VANTAGENS DAS ENCLOSURESVANTAGENS DAS ENCLOSURESDe h mais de cem anos para c temDe h mais de cem anos para c temsido concedido um to grandesido concedido um to grandenmero de licenas para dividir enmero de licenas para dividir evedar as terras comunais que sevedar as terras comunais que secalcula haver um tero a mais decalcula haver um tero a mais deterras cultivadas do que haviaterras cultivadas do que haviaanteriormente []. As terrasanteriormente []. As terrasvedadas tm vantagens sobre osvedadas tm vantagens sobre oscampos abertos porque fornecemcampos abertos porque fornecemabrigo para o gado, que ficaabrigo para o gado, que ficacercado nos campos, e defendemcercado nos campos, e defendemas searas, impedindo os animais eas searas, impedindo os animais eas pessoas de as atravessarem.as pessoas de as atravessarem.D on de Beaumont, Os cios doD on de Beaumont, Os cios doCavaleiro (1775)Cavaleiro (1775) 4. Melhoria das tcnicasMelhoria das tcnicas Alm da criao do gadoAlm da criao do gadoforam introduzidas novasforam introduzidas novasculturas: batata eculturas: batata ebeterrababeterraba Drenagem de pntanosDrenagem de pntanos Novos mtodos de cultivoNovos mtodos de cultivo Na regio de Norfolk,Na regio de Norfolk,experimentou-se algumasexperimentou-se algumastcnicas revolucionrias:tcnicas revolucionrias: Seleco de sementes eSeleco de sementes eanimais reprodutoresanimais reprodutores Sistema quadrienal deSistema quadrienal derotao de culturas,rotao de culturas,permite dispensar opermite dispensar opousio e associar napousio e associar namesma terra cultivo demesma terra cultivo decereais e pastagens paracereais e pastagens parao gado.o gado. 5. O CRESCIMENTO DEMOGRFICOO CRESCIMENTO DEMOGRFICOO fim das fomesO fim das fomes O aumento da produtividade permitiu maiorO aumento da produtividade permitiu maiorabundncia de alimentos.abundncia de alimentos. Com a melhoria dos transportes, desenvolveu-Com a melhoria dos transportes, desenvolveu-se o comrcio de produtos alimentaresse o comrcio de produtos alimentares 6. Aumento da populaoAumento da populao A melhor alimentaoA melhor alimentao Melhoria da higieneMelhoria da higiene Progressos na medicina eProgressos na medicina emais ateno s crianamais ateno s criana Fizeram com que seFizeram com que severificasse um recuo da morte.verificasse um recuo da morte. A mortalidade infantil diminuiuA mortalidade infantil diminuiusignificativamente e emsignificativamente e emmeados do sculo XVIIImeados do sculo XVIIIpassaram a sobreviver doispassaram a sobreviver doisteros das crianas.teros das crianas. Crescimento eCrescimento erejuvenescimento darejuvenescimento dapopulaopopulao Novo regime demogrficoNovo regime demogrficoRevoluo demogrfica emInglaterra02468101700204060801800milhesdehabNatalidade mortalidadePopulao 7. O crescimento urbanoO crescimento urbano Uma das consequncias da revoluoUma das consequncias da revoluodemogrfica foi o crescimento urbano.demogrfica foi o crescimento urbano. Muitas cidades tornaram-se plos deMuitas cidades tornaram-se plos deatraco para as populaes rurais.atraco para as populaes rurais. As mudanas introduzidas na agriculturaAs mudanas introduzidas na agriculturapermitiram dispensar mo-de-obra,permitiram dispensar mo-de-obra,provocando oprovocando o xodo ruralxodo rural..REVOLUO INDUSTRIALREVOLUO INDUSTRIAL 8. A REVOLUO INGLESAA REVOLUO INGLESAA prioridade inglesaA prioridade inglesa Condies polticas e sociaisCondies polticas e sociais O Parlamentarismo, queO Parlamentarismo, quetriunfara aps a revoluo detriunfara aps a revoluo de1688/89 e representa os1688/89 e representa osinteresses dos Burgueses einteresses dos Burgueses eNobresNobres Adopo de uma poltica deAdopo de uma poltica derelativa liberalizao darelativa liberalizao daeconomia, o que facilitou aeconomia, o que facilitou aexpanso capitalista.expanso capitalista. Burguesia e NobrezaBurguesia e Nobrezaempreendedora que seempreendedora que sedispunha a investir.dispunha a investir. Uma mo-de-obra numerosaUma mo-de-obra numerosaque a R. Agrcola empurraraque a R. Agrcola empurrarapara os centros urbanos epara os centros urbanos eindustriais.industriais. Condies econmicasCondies econmicas Grande abundncia deGrande abundncia decapitais, acumuladoscapitais, acumuladosfundamentalmente nofundamentalmente nocomrcio colonialcomrcio colonial Disponibilidade de matrias-Disponibilidade de matrias-primas, umas de origemprimas, umas de origemcolonial, como o algodo,colonial, como o algodo,outras da metrpole como a loutras da metrpole como a le os recursos minerais (ferro ee os recursos minerais (ferro eHulha).Hulha). Vasta rede de comunicaes:Vasta rede de comunicaes:excelentes portos, muitos riosexcelentes portos, muitos riose canais navegveis e boase canais navegveis e boasestradas.estradas. Um amplo mercado, querUm amplo mercado, querexterno quer internoexterno quer interno 9. A MAQUINIZAO DAA MAQUINIZAO DAINDUSTRIAINDUSTRIA O progressos tcnicosO progressos tcnicos A competio entre as pequenas oficinas domsticas e asA competio entre as pequenas oficinas domsticas e asmanufacturas no domnio da produo algodoeira, provocou umamanufacturas no domnio da produo algodoeira, provocou umacompetio tcnica com a criao de numerosos inventos, os quaiscompetio tcnica com a criao de numerosos inventos, os quaismelhoraram a produo.melhoraram a produo. A evoluo tcnica culminou com a utilizao da mquina a vaporA evoluo tcnica culminou com a utilizao da mquina a vaporde James Watt na indstria txtil, a partir de 1780.de James Watt na indstria txtil, a partir de 1780. A mquina a vapor o motor da Revoluo Industrial, pela primeiraA mquina a vapor o motor da Revoluo Industrial, pela primeiravez, o homem conseguiu produzir energia artificialmente.vez, o homem conseguiu produzir energia artificialmente. Os sectores de arranqueOs sectores de arranque A maquinizao da indstria deu-se em primeiro lugar no sectorA maquinizao da indstria deu-se em primeiro lugar no sectortxtil algodeirotxtil algodeiro Uma evoluo mais lenta aconteceu na Indstria metalrgica, comUma evoluo mais lenta aconteceu na Indstria metalrgica, coma descoberta do coque (1730) uma amlgama de p de carvoa descoberta do coque (1730) uma amlgama de p de carvocom grande poder calrico e o aperfeioamento dos altos-fornos.com grande poder calrico e o aperfeioamento dos altos-fornos. 10. 0200040006000800010000120001400016000ton1740-491750-591760-691770-791780-89Produo inglesa de ferro eaoAnoAno InventoInvento AutorAutor1698169817051705173017301733173317641764176917691779177917851785Bomba a vaporBomba a vaporBomba a vaporBomba a vaporUso do coqueUso do coqueLanadeira volanteLanadeira volanteMaq. De fiaoMaq. De fiaoMq. De fiaoMq. De fiaohidrulicahidrulicaMq. De fiaoMq. De fiaoTear mecnicoTear mecnicoAplicao da mq. aAplicao da mq. avapor indstriavapor indstriatxtiltxtilSaverySaveryNewcomenNewcomenDarbyDarbyJ. KayJ. KayHargreavesHargreavesArkwrightArkwrightCromptonCromptonCartwrightCartwrightJ. WattJ. WattM. BoultonM. Boulton 11. A fbrica, a mquina e o homemA fbrica, a mquina e o homem Mais importantes que as alteraes daMais importantes que as alteraes dapaisagem foram as condies humanaspaisagem foram as condies humanas A produo fabril mecanizada ou maquinofactura A produo fabril mecanizada ou maquinofactura subordinou o homem mquina. O trabalhador limita-subordinou o homem mquina. O trabalhador limita-se a observar a mquina.se a observar a mquina. Deixa de ser o arteso especializado para ser oDeixa de ser o arteso especializado para ser ooperrio sem qualificao.operrio sem qualificao. Concluindo: o trabalho manual cedeu lugar maquinizao;Concluindo: o trabalho manual cedeu lugar maquinizao;o artesanato produo em srie; a oficina domstica o artesanato produo em srie; a oficina domstica grande fbrica.grande fbrica. A manufactura foi substituda pela maquinofactura.A manufactura foi substituda pela maquinofac