a fronteira amazônica e sua realidade econômica e ?· a fronteira amazônica e sua realidade ......

Download A fronteira amazônica e sua realidade econômica e ?· A fronteira amazônica e sua realidade ... brasileira…

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Alessandra Rufino Santos Professora da UFRR

    Doutoranda em Sociologia (UFRGS)

    alessandra.santos@ufrr.br

    A fronteira amaznica e sua realidade

    econmica e social

  • O que Amaznia?

    2

  • O que Amaznia?

    Segundo Oliveira Neves (2010), a Amaznia um espao

    diversificado em tudo:

    Um espao mltiplo no apenas na sua configurao

    fsica, mas tambm imensamente diversificado em aspectos

    sociais, culturais, tnicos e polticos;

    A grandiosidade territorial e fsica da Amaznia de tal

    modo impactante que desde as primeiras investidas

    europeias a regio passou logo a dominar o imaginrio

    ocidental.

    3

  • Ideias sobre a Amaznia Formao do Pensamento Social

    Pinto (2008):

    A Amaznia esteve, desde o incio da construo da filosofia do mundo moderno, presente nas reflexes em torno de temas como o surgimento da sociedade e do Estado, do reconhecimento da desigualdade entre os homens, das novas geografias;

    Continua a fornecer elementos para a recriao de novas polarizaes, como a recriao do bom selvagem em ideias com as de povos da floresta e de ribeirinhos;

    Surgimento de novos termos: biodiversidade, sociodiversidade, desenvolvimento sustentvel ...;

    4

  • Fronteira amaznica

    Como pensar a Amaznia do ponto de vista da fronteira?

    O que fronteira?

    5

  • Fronteira

    Para Deleuze (1992), fronteiras so construes;

    So processos social e historicamente produzidos;

    Devem ser concebidas mais como abertura e atualidade, do

    que como dado ou acabamento;

    So locais de mutao e subverso, regidos por princpios de

    relatividade, multiplicidade, reciprocidade e reversibilidade.

    6

  • Fronteira

    Martins (1997, p.150) - Define a fronteira como o lugar da

    alteridade;

    isso que faz dela um lugar singular: primeira vista o

    lugar de encontro dos que, por diferentes razes, so

    diferentes entre si, como os ndios de um lado e os civilizados

    do outro; como os grandes proprietrios de terra, de um

    lado e os camponeses pobres, de outro;

    Mas o conflito faz com que a fronteira seja essencialmente, a

    um s tempo, um lugar de descoberta do outro e de

    desencontro.

    7

  • Fronteira geogrfica

    X

    Fronteira simblica

    8

  • Fronteira geogrfica

    Refere-se territorialidade, ao territrio real ocupado e

    construdo pelo grupo e em funo do grupo (a aquisio de

    um terreno, a construo de uma igreja, de uma capela, de

    uma escola ou de um clube);

    Refere-se tambm a um territrio individual, particular ou

    familiar, como por exemplo uma casa ou uma propriedade;

    So espaos distintivos e classificadores que impem limites

    para circulao e movimentao de pessoas.

    9

  • Fronteira simblica uma noo vaga, mas importante e refere-se ao mundo cultural,

    religioso e tico-moral do grupo;

    Os contornos da fronteira simblica so imprecisos, incertos e

    indefinidos e se constituem em espao de tenses e conflitos

    voltados tanto para o interior quanto para o exterior do grupo;

    A fronteira simblica o lugar onde se vive as tradies culturais e

    religiosas, onde se procura reconstruir, preservar e dar

    continuidade memria histrica da comunidade;

    Por ser imprecisa e indefinida, ela permevel, elstica, flexvel,

    fluda, lquida (BAUMAN, 2001).

    10

  • Fronteira amaznica: Regio

    atrasada e subdesenvolvida?

    11

  • Atraso e subdesenvolvimento da

    fronteira amaznica

    Pinto (2008) - Existe uma produo literria sobre o atraso e o

    subdesenvolvimento da fronteira amaznica:

    La Condamine; Joo Daniel; Alexandre Rodrigues Ferreira; Spix

    e Martius; Alfred Wallace; Luiz e Elizabete Agassiz; Euclides da

    Cunha; Arajo Lima; Ferreira de Castro; Arthur Reis; Djalma

    Batista, entre outros;

    Estudaram a regio de forma substancial;

    Contriburam para a formao de um pensamento sobre o

    homem e suas relaes com a natureza na Amaznia.

    12

  • Natureza e cultura

    Oliveira Neves (2009):

    O olhar prtico sobre a Amaznia continua a perceber a

    regio segundo os dois termos clssicos da

    modernidade: natureza e cultura, tomados como

    entidades dissociadas, inconciliveis e mutuamente

    excludentes, principalmente no que se refere aos ndios,

    que antes de tudo so vistos como obstculo ocupao

    produtiva e ao desenvolvimento amaznico,

    tomados ocupao produtiva e desenvolvimento a partir

    da concepo positivista.

    13

  • A Amaznia em termos polticos

    Oliveira Neves (2009):

    Em termos polticos, a Amaznia uma extensa faixa de 7,5

    milhes de km2, o que representa 43% da Amrica do Sul, e

    que se estende por nove pases: Bolvia, Brasil, Colmbia,

    Equador, Repblica Cooperativa da Guiana, Guiana Francesa,

    Peru, Suriname e Venezuela.

    14

  • MAPA 1 AMAZNIA INTERNACIONAL E

    AMAZNIA BRASILEIRA

    15

  • Amaznia Legal brasileira

    Institudo em 1953, Amaznia Legal brasileira (Amaznia Legal)

    um conceito poltico, e no geogrfico, destinado a dotar o Estado

    brasileiro de dispositivos de governo para o planejamento e

    promoo do desenvolvimento da Amaznia brasileira, regio que

    abrange a totalidade dos Estados do Acre, do Amap, do Amazonas,

    do Par, de Rondnia e de Roraima e parte dos Estados do Mato

    Grosso, de Tocantins e do Maranho, com uma superfcie de

    aproximadamente 5.217.423 km, correspondendo a cerca de 61%

    do territrio brasileiro e 68% do territrio da Amaznia

    internacional.

    16

  • MAPA 2 AMAZNIA LEGAL BRASILEIRA

    17

  • As prticas no sustentveis

    Oliveira Neves (2012):

    Nos ltimos anos a presso econmica tem sido a maior

    razo para a devastao da floresta e para o conseqente

    prejuzo na qualidade de vida amaznica, situao que j

    atingiu ndices crticos na fronteira sul da Amaznia Legal

    brasileira com a regio de cerrado do Centro-Oeste, onde o arco

    do desmatamento, como denominada a rea de floresta que se

    estende de Rondnia ao oeste do Maranho, passando pelo norte

    do Mato Grosso e sul do Par, funciona como a porta de entrada

    para a destruio ambiental que o agronegcio vai deixando no

    rastro da expanso de seus campos de monocultura sobre a

    floresta tropical. 18

  • Desenvolvimento da fronteira

    amaznica

    Oliveira Neves (2009):

    Soja, arroz e biodiesel; concesso de explorao florestal e

    mineral; projetos hidreltricos e abertura de estradas; muito mais

    do que novos modelos de desenvolvimento regional e nacional,

    so estes os atuais responsveis pelo desenvolvimento da fronteira

    amaznica.

    19

  • O mito do vazio populacional

    Oliveira Neves (2012):

    Paralelamente percepo da grandiosidade da Amaznia, na mesma medida desenvolveram-se os preconceitos sobre a regio e suas gentes;

    Talvez um dos mais consolidados preconceitos seja aquele que toma a Amaznia como uma terra sem gente, um imenso vazio demogrfico, como em meados dos anos 1800 propagandeava o Imprio brasileiro, vido por atrair para a regio um contingente populacional que alm de ocupar produtivamente a regio tambm viesse contribuir para a sustentao da Coroa, j, ento, ameaada pelos ares republicanos.

    20

  • Preconceito eurocntrico

    Oliveira Neves (2012): Apesar do preconceito dominante, a Amaznia nunca foi

    uma terra sem homens; Construda pelo imaginrio da sociedade europeia como um espao vazio, a Amaznia sempre foi vista como uma regio povoada apenas por espcimes exticos da fauna e flora, com uma presena humana nfima em nmero e potencialidades;

    Um mito que serviu como motivao e argumento para a

    colonizao da regio no perodo ps-descobrimento e que constantemente reatualizado vem sendo utilizado ao longo dos anos para a implantao de programas e projetos de ocupao da regio atravs de iniciativas pblicas e privadas.

    21

  • Impactos da invaso nos padres de

    ocupao territorial indgena

    Oliveira Neves (2012):

    Admitir que a Amaznia nunca foi uma terra sem homens,

    reconhecer que as matas e os rios da Amaznia sempre

    foram densamente ocupados por inmeros povos

    indgenas cuja presena anterior chegada da populao europeia

    fartamente mencionada desde os primeiros relatos das primeiras

    frentes de penetrao que disputavam a posse da regio para as

    Coroas Espanhola e Portuguesa;

    22

  • Impactos da invaso nos padres de

    ocupao territorial indgena

    Oliveira Neves (2012):

    A Amaznia foi uma terra sem homens apenas no

    discurso oficial, quando este procurava atrair para a regio

    contingentes populacionais para afirmar a presena e o domnio

    Estado sobre as terras amaznicas;

    23

  • Impactos da invaso nos padres de

    ocupao territorial indgena

    Oliveira Neves (2012):

    Enquanto as frentes de afirmao de fronteiras representaram a

    ocupao da Amaznia indgena pelo domnio portugus e

    espanhol, a consolidao do sistema seringalista como

    modelo de ocupao econmica marca o incio do

    processo de expropriao das terras indgenas segundo o

    modelo de apropriao privada das terras transladado da Europa

    pela colonizao do Novo Mundo.

    24

  • Impactos da invaso nos padres de

    ocupa