7192-revista cbca

Click here to load reader

Post on 23-Jun-2015

470 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Uma publ i cao do Cent r o Br asi l ei r o da Const r uo em Aonmer o 11set embr o de 2007 Uma publ i cao do Cent r o Br asi l ei r o da Const r uo em Aonmer o 11set embr o de 2007ARQUITETURAAO&Retrofit e outras intervenes9771678112098 11VIRALATA DESIGN [31] 3421.1738Porque compr arassim?Se sua empr esapode compr arassim!comgrandesatisfaoqueapresentamosoespecializado nos serios de lURA(AO, (OR1L e MAR(A(AO de Pers Metlicos - vigas, cantoneiras e barras chatas.Com a oc, abricante e usuario de estruturas metalicas, recebe pers metalicos jpr-industrializadosconformeseuprojeto,reduzindoprazodefabricaoe,conseqente-mente,o Ademais,trabalhandocomasua empresa podeem equipamentos e pessoal, apenas relocando os recursos atuais da fase de preparao de Pers lURA(AO e (OR1L, para as etapas subseqentes da abricaao.Para execuao destes serios, com altos neis de produtiidade e qualidade, a possui um constitudo por modernas linhas automatizadas/ integradas de equipamentos (N( (ontrole Numrico (omputadorizado,. ASUSTENTAPERFISMETLICOSAEMPRESABRASILEIRAPIONEIRA NESTE NEGCIO.Paramelhorentendimentodenossoprocesso,edos benefciosnareduodeaumentodesua ereduononal para o seu negcio,entre em contato com nossos Analistas.Elesteroamaiordisponibilidadeesatisfa-o em visit-los.VISITE TAMBM O NOSSO SITE: WWW.SUSTENTA.COM.BRPorque compr arassim?Se sua empr esapode compr arassim!)RWRREUDGD&RQVWUXWRUD&DVWUR3LPHQWDAgente datransformaoREMODELAO, RECICLAGEM, REFORMA, restauro, retrofit, recuperao, reconverso. Estes e outros re so o tema desta edio de Arquitetura &Ao.Nossainteno,nestenmero,mostrarcomooaopodeser explorado nas intervenes em edifcios preexistentes, das mais varia-das naturezas.Assim,reunimosaquiobrasdediversasescalasetipologias,mes-clando interferncias em edifcios emblemticos projetados por gran-des nomes da arquitetura brasileira, como Ramos de Azevedo, Rino Levi e Jorge Machado Moreira a outras em construes annimas, como o sobradinho que deu origem Associao Cachuera!, mostrando toda a versatilidade do ao, que possui a capacidade de se adaptar com pre-ciso s necessidades especficas de cada projeto.Dentreasprincipaisqualidadesdomaterialparaosprojetosre, destaca-sealeveza:seubaixopesorepresentamenossobrecargapara as fundaes do edifcio original, reduzindo e, algumas vezes, at eli-minandoanecessidadedecolocaodeestruturasadicionais,como nocasodaPinacotecadoEstado,doSantanderCulturaledoCentro Universitrio Senac.A agilidade de execuo permitida pela estrutura metlica tambm podeserdeterminanteemobrascomoadoEspaoEstao,cujaexe-cuoaconteceusemofechamentodoshoppingcenterquejexistia no local, ou como o Santander Cultural, cuja obra durou apenas quatro meses, a despeito de seu porte.Outroaspectoimportanteafacilidadequeosacrscimosemao tmemsedestacardaconstruooriginal,aindaquedialoguemhar-monicamente com ela. Diferenciar claramente o novo do antigo, afinal, praticamenteconsensoentreosarquitetosquandosetratadeinter-ferncias em edifcios histricos. E esta foi a regra seguida nos projetos para o Santander Cultural, para a Pinacoteca do Estado e para o aparta-mentonoEdifcioPrudncia,porexemplo.Mesmoquandoodestaque no acentuado, e o ao integra-se ao edifcio preexistente, uma coisa certa: os arquitetos tiram partido da plasticidade que o material ofere-ce, como nos projetos da Associao Cachuera! e da Estao das Docas.Boa leitura!sumrio08. 14. 10. 16.20. 24. 27. 30.Foto da capa: o equilbrio entre o novo e o antigo o forte da inter-venorealizadanaPinacoteca do Estado de So PauloArquitetura & Ao n 11setembroFoto Nelson Kon04.04.Aopermiteareconversodeantigaestaoferroviriaemcentrodeentretenimentoenegcios,em Curitiba.08.Implantaodesacadasatualizaedifcioresidencial,emSoPaulo.10.Antigosgalpes porturios revitalizados do origem a complexo cultural e turstico, em Belm do Par. 14. Aps interveno enge-nhosa,sobradodadcadade1950passaaabrigarumcentrodeculturapopular,emSoPaulo.16.Apartamento paulistanosetransformacomaimplantaodeumequipamentomultifuncionalemao,quepercorretodaa extenso do imvel. 20. Conjunto fabril dos anos 1960 reciclado e convertido em sede de centro universitrio na capital paulista. 24. O ao o smbolo da renovao no premiado projeto de revitalizao da Pinacoteca do Estado de So Paulo. 27. Harmonia entre o novo e o antigo o foco do projeto de restauro que deu origem ao Santander Cultural, em Porto Alegre. 30. Leveza da estrutura em ao viabiliza implantao de pavilho em cobertura cariocaEM UM PROJETO VIABILIZADO PELO USO DO AO, ANTIGA ESTAO FERROVIRIA TRANSFORMADA EM CENTRO DE NEGCIOS E ENTRETENIMENTO. O RESULTADO UM DILOGO CONTRASTANTE, PORM HARMNICO, ENTRE O NOVO E O ANTIGOTempos modernosMarcelo Aniello5OEspaoEstaopossuiomaiortelhadode vidrodoBrasil,com11milm2.Nasimagens, trs faces do gigante transparente: na pgina ao lado,cpulaquecoroaotriodonovoedifcio, com estrutura em ao patinvel; nesta pgina, no alto,coberturadoboulevard;direita,acesso rea de preservao histrica. Segundo o arqui-teto, a deciso de investir na iluminao natural eemelementoscomotorres,relgios,plata-formasumaformadepreservarevalorizara memria das antigas estaes ferroviriasRESPEITOAOPASSADOeolharatento ao futuro. Seguindo este ideal, o escri-trioparanaenseDriaLopesFiuza Arquiteturacomandouoprojetode intervenoquetransformouasanti-gasinstalaesdaEstaoFerroviria deCuritibaemummegacomplexo quereneshoppingcenter,centrode convenes e museu.Comumpartidoarquitetnicoins-pirado no estilo neoclssico do final do sculoXIX,oempreendimentodesta-ca-se pelos elementos que remetem ao universo ferrovirio, como relgios, tor-res e plataformas. Segundo o arquiteto ManuelDria,umadasfontesdeins-piraofoioMuseudOrsay,deParis, tambmconstrudosobreasinstala-es de uma antiga estao de trens.Patrimniohistrico,oedifcioem quefuncionavaaadministraoda rede ferroviria foi recuperado e trans-formado em Museu Ferrovirio. O novo complexo, que recebeu o nome Espao Estao,conta,ainda,comoShopping Estaoquejexistiadesde1997e, nestainterveno,foimodernizadoe ampliadoecomoEstaoEmbratelFotos divulgao>Projeto arquitetnico: Dria Lopes Fiuza Arquitetura (Manoel Dria, arquiteto responsvel, Jos V. Lopes e Waldeny Fiuza, co-autores)>Colaboradores: rica Sato, Helosa Mandim e Mrcia Yamamoto> rea construda: 126.860 m> Ao empregado: ASTM A572>Clculo estrutural: Andrade & Rezende e Brafer>Fornecimento da estrutura metlica: Brafer>Execuo da obra: Ingberman e Stecla> Local: Curitiba, PR> Data do projeto: maro de 2002>Concluso da obra: setembro de 2004Convention Center, um dos centros de convenes mais modernos da Amrica Latina.Como o terreno no oferecia espao para uma expanso horizon-tal, a opo foi verticalizar o prdio de quatro andares no qual fun-cionavam os cinemas do shopping, erguendo, a partir da laje de sua cobertura,maissetepavimentos:quatrodelesdestinadossreas de estacionamentos e trs exclusivos para o centro de eventos.Omaiordesafiodoprojetofoirealizaraobracomoshopping emfuncionamento,oqueexigiaumainterfernciamnimano prdiopreexistente.SegundooengenheiroMarinoGarofani,pre-sidentedaBrafer,empresaresponsvelpelaestrutura,issosfoi possveldevidoaousodoao. Nenhumoutrosistemaestrutural permitiria executar uma obra como esta, afirma Garofani.Oesqueletodaconstruofoirealizadoapartirdetreliase vigasmetlicas,totalizandomaisdeduasmiltoneladasdeao.A novacargafoitransferidaparapilaresdeconcretoarmado,cons-trudosemvoltadoedifcio.Paraalcanaraprecisomilimtrica queosistemaexigia,todasaspeasestruturaisforamproduzidas eletronicamente, a partir de um processo de fabricao comandado por um software de ltima gerao.Almdafunoestrutural,oao tambmfoiutilizadonaidentidade visualdocomplexo.Nospilaresexter-nosdafachada,revestimentosde escadasrolantes,halldeelevadorese guarda-corpos,aescolharecaiusobre o ao inox que, segundo Manoel Dria, trouxeplasticidadeevalorizaodos ambientes do prdio.Paracompletar,oEspaoEstao ganhouomaiortelhadodevidrodo Brasilcom11milm2,queengloba acpuladonovoedifcio,acobertu-radoshopping,amarquisedocentro deeventoseacoberturadoboulevard espaoquetemcomofunoligaro novocomplexoantigareadepre-servao histrica. (C.P.) MA Etna da Av. Eng. Luis Carlos Berrini, em So Paulo, tem propores monumentais: o espao do showroom tem 12 mil m2 e a rea tot A Etna do showroom tem 12 mil m2 e a rea tot Ao6Marcelo AnielloNapginaaolado,acombinaoentreaoinoxevidro confereumalinguagemcontemporneaaoprojeto. Nestapgina,detalhesquefazemtodaadiferena: colunasdeconcretorevestidascomchapasdeaoinox acentuam a plasticidade do complexo (acima); estrutura metlica torna possvel a construo de um prdio sobre ooutro(acima,direita);auditriosmultiusoconferem aoconjuntostatusdemegaempreendimento(direita); esoluesdealtatecnologiapermitemacriaodo maior telhado de vidro do Brasil7Marcelo AnielloFotos divulgaoAO INCORPORAR SACADAS COM ESTRU-TURAEMAO,EDIFCIORESIDENCIAL VALORIZANOAPENASSUAARQUITE-TURA, COMO SEU VALOR IMOBILIRIOLOCALIZADOEMUMbairronobreda capitalpaulista,oedifcioMarambaia foi construdo na dcada de 1970 por um grupodeamigosqueresolveumorar emummesmocondomnio.Delin-guagemarquitetnicalimpaelinhas retas, e com apartamentos amplos (410 m2), o prdio de alto padro respondia perfeitamenteaosanseiosdoscond-minos, na poca.Mas,passados28anos,aconstru-o comeou a apresentar os primeiros sinaisdeenvelhecimento.Afachada demrmoreegranitosofriacomper-manentesinfiltraeseossistemas Renovao emcurvas&ARQUITETURA AO 8O edifcio Marambaia (acima) tornou-se referncia em retrofit no Brasil alm de modernizar a fachada e ampliar a rea dos apartamentos, a inter-veno gerou uma valorizao imobiliria acima das expectativas. Nas fotos abaixo, possvel observar como a escolha do material e o planejamento foram determinantes para o sucesso da obra; executadas em estrutura metlica, as sacadas puderam ser construdas com preciso e rapidez hidrulicoeeltriconecessitavamde reparos.Adecisopelareformano foisimples,masdepoisdediversas assemblias, os proprietrios dos im-veisresolveram,finalmente,inves-tirnarecuperaodopatrimnio.E oescaladoparaatarefafoiumdos moradores do